Safrinha - O que aprendemos com ela

Safrinha - O que aprendemos com ela

(Parte 3 de 17)

A familia cultiva 160 alqueires de soja no verão, e triticale e milho safrinha no inverno. Moratelli venceu o concurso de produtividade com a colheita de 330 sc/alq dos híbridos e . A população final de plantas foi de 5.0 pl/ha e espaçamento de 80 cm entre linhas. As sementes foram tratadas com inseticidas do grupo dos neonicotinóides e fipronil para a proteção contra insetos sugadores e pragas de solo. A adubação consistiu na aplicação de 600 kg/alq de 8-20-20 na base e cama de aviário com o milho em V2.

Após saber das vantagens da redução do espaçamento entre linhas, Moratelli reduziu o espaçamento para 60 cm e aguarda a colheita para conferir os resultados. Segundo o agrônomo Rodrigo Lira, a redução do espaçamento apresenta inúmeras vantagens. Outra mudança que ocorreu na safrinha deste ano foi a aplicação de fungicidas. Com os aumentos no preço do grão, a aplicação de fungicidas se tornou atrativa. Moratelli está muito satisfeito com o desempenho dos híbridos Pioneer e conta que, desde pequeno, se lembra do plantio de milho Pioneer na propriedade da família.

O prêmio por ter vencido o concurso de produtividade, foi uma viagem aos Estados

Unidos, onde pôde visitar a sede da Pioneer, propriedades agrícolas, estações de pesquisa e produção, além da maior feira agrícola americana, o . Na visita, Moratelli se surpreendeu com a estrutura dos produtores americanos que, em sua maioria, possuem silos de armazenamento na própria fazenda. Contudo, observou que, apesar da alta tecnologia, os produtores americanos enfrentam as mesmas dificuldades que os produtores brasileiros. Segundo Moratelli, "nossa vantagem está no clima que nos possibilita o plantio da safrinha, mas temos que fazer nossa parte investindo em híbridos adaptados e em tecnologia de manejo".

Farm Progress Show

Walter PainiWalter Paini

Natanael Guillen PiccininNatanael Guillen Piccinin Waldemar MoratelliWaldemar Moratelli

A importância da sinergia entre os programas

Estes programas de melhoramento trabalham em sinergia, visando potencializar a performance do híbrido final. Cada centro contribui com uma característica de sua especialidade. Um exemplo desta sinergia é o melhoramento para resistência a estresse hídrico, que é um ponto forte dos centros de Balsas e Palmas e que tem muita importância, principalmente, para os ambientes de terras baixas e da safrinha.

Linhagens desenvolvidas nessas estações de pesquisa contribuem com o projeto Safrinha no desenvolvimento de materiais com performance superior para a resistência ao estresse hídrico. Outro exemplo é o programa de Passo Fundo que se especializa em materiais precoces, que também é uma característica desejável para a safrinha, principalmente do Paraná. Esta precocidade é de fundamental importância para o desenvolvimento de híbridos que completam o ciclo antes da chegada das geadas no Sul e o período da seca na região Central. Da mesma forma, a identificação de materiais resistentes a doenças foliares ou de colmo com potencial de ocorrência na Safrinha, em algum dos nossos programas de melhoramento, são antecipadamente selecionadas e incorporadas aos híbridos comerciais em outras estações de pesquisa.

Essa sinergia entre os programas propicia o desenvolvimento de linhagens e híbridos totalmente adaptados e que atendam as necessidades dos agricultores dessas regiões. Em complementação a isso, é importante seguir o correto posicionamento dos materiais conforme a época de plantio, além de outros aspectos, e que sejam adotadas práticas de manejo que propiciem a expressão do potencial desses híbridos.

Os objetivos de um programa de pesquisa voltado para safrinha

O programa de melhoramento para

Safrinha iniciou com testes para identificação de linhagens e híbridos no ano de 1997 na região oeste do Paraná. Além da obtenção de linhagens e combinações específicas, o nosso programa de pesquisa trabalha no desenvolvimento de um de germoplasma com características específicas de Safrinha, visto que até pouco tempo híbridos do verão eram a única alternativa para o cultivo neste período. Assim, nesse de germoplasma deve se contemplar várias características e segmen- tos como produtividade, precocidade (florescimento e maturação), tolerância à seca, inversão térmica nas áreas mais ao Sul (plantio no calor e colheita no frio), possibilidade de geada e baixas temperaturas em fases de enchimento de grão, resistência às doenças como a cercospora, ferrugens polysora e tropical, helmintosporiose e podridões de colmo e espiga.

Um programa de melhoramento voltado para a safrinha deve estar atento a características como a grande variabilidade de ambientes (interação genótipo x ambiente) e, principalmente, a variação climática em diferentes anos (interação genótipo x anos).

pool pool

¹ Diretor Pesquisa Milho Pioneer Sementes ² Cientista Sênior da Pioneer Sementes ³ Assistente de Pesquisa Sênior da Pioneer Sementes

O melhoramento, visando estabilidade de comportamento de híbridos, frente às diversas flutuações ambientais, é um aspecto que justifica um programa específico para o ambiente de Safrinha e não apenas a transferência de materiais do verão para o plantio nesta época. Assim, os melhoristas precisam estar bem atentos às constantes mudanças nesses ambientes, quer sejam de fatores bióticos (ex.: incidência e severidade de doenças), abióticos (ex.: seca) e tecnológicos (ex.: melhor adubação e época de plantio). Enfim, essas mudanças são alguns exemplos que impactam o perfil dos híbridos.

Para a correta percepção destas mudanças, principalmente as mudanças tecnológicas, é fundamental uma harmoniosa intera - ção entre o melhoramento, departamento técnico e clientes. Esse é um ponto que acreditamos ser fundamental para o contínuo sucesso no desenvolvimento de produtos superiores para a Safrinha.

Além da manutenção de uma ampla base genética, introdução contínua de germoplasma e muito critério na seleção dos ambientes de ensaios e berçários, a incorporação de ferramentas biotecnológicas como os marcadores moleculares e o desenvolvimento de transgênicos, além da tecnologia de duplo haplóide, serão fundamentais para o contínuo aprimoramento da performance dos híbridos de Safrinha.

A Pioneer vem investindo cada vez mais em novas técnicas de pesquisa para desenvolver híbridos mais produtivos, estáveis e adaptados ao ambiente de Safrinha.

O recebimento das sementes e a realização do Teste de Emergência na propriedade

As sementes Pioneer são produzidas com o mais alto padrão de qualidade. Para isso, a Pioneer investiu numa moderna unidade de beneficiamento de sementes e em processos de produção, que cobrem toda a cadeia, desde a pesquisa, passando pelos campos de sementes, beneficiamento até a entrega da semente ao produtor.

Todo esse processo de controle de qualidade visa disponibilizar , para seus clientes, sementes com mais pureza genética, germinação e vigor em cada lote.

Para aumentar a segurança, a qualidade e facilitar o plantio, a Pioneer recomen-

André Aguirre Ramos¹ da que, no ato do recebimento das sementes, você identifique por meio de notas fiscais e na sacaria, as cultivares e seus respectivos volumes, peneiras e se as sementes são convencionais ou não. Após essa conferência de informações e adequado armazenamento, faça imediatamente um teste de emergência a campo ou canteiro.

Caso ocorra alguma irregularidade, elas devem ser registradas no ato do recebimento. Descreva a ocorrência no campo específico do comprovante de entrega que acompanha as notas fiscais. Notifique a Pioneer pelos telefones (61) 2106-1005 ou (61) 2106-1000.

O teste de emergência a campo é uma forma de comprovação da qualidade das sementes de soja e funciona como um auxílio na hora do plantio, adequando melhor a quantidade de sementes a ser distribuída para que se alcance a população desejada. Veja os procedimentos nas embalagens. A Pioneer somente aceitará reclamações até 15 dias após a data de entrega das sementes.

Este teste consiste em semear 400 sementes distribuídas em quatro linhas com 100 sementes cada uma. Aproximadamente 10 a 15 dias após a semeadura, com o primeiro par de folhas completa-

Como fazer o Teste de Emergência a campo ou canteiro mente aberto, faz-se a contagem e avaliação das plântulas emergidas. É importante manter a umidade do solo com irrigações periódicas e sem excessos e que a temperatura do mesmo esteja entre 20º e 30º C.

De posse do resultado do teste de emergência a campo, devem ser feitos os ajustes da taxa de utilização de sementes, visando a obtenção da população recomendada para cada cultivar.

omo estamos na época em que se inicia o plantio de soja em algumas regiões do Brasil, iremos tratar de um assunto extremamente oportuno: os cuidados que o produtor deve ter na realização do plantio. Praticamente 70% do total de insumos utilizados na cultura são usados nas fases que antecedem a germinação da soja.

Relacionamos a seguir, os principais fatores que podem influenciar e contribuir para um bom plantio.

Plantio de soja Fatores que podem contribuir para um bom plantio

ara atender a crescente demanda do segmento Safrinha a Pioneer possui, hoje, um programa de melhoramento específico para esta zona ambiental, tendo como base o centro de pesquisa de Toledo (PR) e apoio em Sorriso (MT) e Itumbiara (GO).

Os pesquisadores deste centro concentram seus esforços no desenvolvimento e caracterização de linhagens e híbridos, além de uma ampla rede de ensaios de avaliação de performance dos materiais experimentais para a safrinha. Basicamente, essas estações cobrem as áreas do norte e oeste paranaense, Mato Grosso do Sul, sudoeste goiano, Mato Grosso e parte

Carlos Raupp ¹ Delmar Brenner ² Adilson Ricken Schuelter ³ de São Paulo. Além disso, o projeto do centro de Toledo desenvolve híbridos de ciclo tardio para o Sul - período de plantio que exige maior defensividade dos materiais.

Os demais centros de pesquisa da

Pioneer, localizados em Passo Fundo (RS), Itumbiara (GO), Brasília (DF), Balsas (MA) e, mais recentemente, em Palmas (TO) apresentam programas de melhoramento específicos, cuja finalidade é o de desenvolver híbridos que fortaleçam cada vez mais o Sistema de Combinação nos mais diferentes e variados ambientes, onde se planta milho no Brasil.

O melhoramento de plantas para as condições de safrinha

Participe no processo de controle de qualidade na sua propriedade

A semente é um insumo biológico, portanto tem vida. Assim, é importante que o produtor participe do processo de qualidade iniciado pela Pioneer porque o produtor é também parte dessa cadeia. É importante que o produtor mantenha a qualidade da semente dentro da sua propriedade, não deixando que ela se perca em pequenos detalhes.

A Pioneer, pensando na manutenção da qualidade das sementes, procura entregar as sementes o mais próximo possível da data de plantio. Para isso, a Pioneer teve que desenvolver um complexo e eficiente processo de logística.

Entretanto, após o recebimento da semente por parte do produtor, ele deve assumir algumas responsabilidades para assegurar todo esse processo iniciado desde a pesquisa durante as primeiras multiplicações.

Dentro de algumas responsabilidades assumidas, cabe ao produtor armazenar as sementes em condições adequadas. Mas quais são essas condições? a) Armazenar as sementes em galpão bem ventilado, sobre estrado de madeira e nunca em contato direto com o piso nem em contato com paredes; b) As melhores condições para a pre- servação das sementes são com temperaturas em torno de 25º C e umidade do ar abaixo de 70%; c) Não se deve empilhar a sacaria das sementes de soja próxima das paredes do armazém, ou próximo a fertilizantes, calcário ou defensivos; d) Armazenar, de maneira organizada, por cultivar, lote, peneira e se a semente é convencional ou geneticamente modificada. Identifique as pilhas para facilitar na hora do carregamento por ocasião do plantio. Isso facilita o plantio, que deve estar organizado por cultivar e por talhão; e) Certifique-se que o armazém esteja em condições apropriadas, por exemplo, sem goteiras.

Em vários estudos realizados por órgãos de pesquisas, verificaram-se as vantagens da utilização de fungicidas nas sementes de soja. Mesmo sendo uma prática já conhecida e difundida entre produtores, temos verificado que em muitos casos, ainda não se dá a devida atenção para o aspecto da qualidade do trata - mento que, em muitos casos, pode comprometer a eficiência e a eficácia do mesmo. Para isso, a Pioneer está estudando a possibilidade de fazer o tratamento industrial com fungicida para que o agricultor não tenha que realizar este serviço na sua propriedade.

Com o advento do plantio direto muita coisa mudou, melhorando a agricultura brasileira com a melhor conservação do solo e água, por exemplo. Porém, o ataque de pragas se tornou mais severo, necessitando de mais atenção e, principalmente, melhor manejo. Para agricultores que adotam alta tecnologia, ou para aqueles que não querem comprometer o investimento inicial da soja, o tratamento de sementes com inseticida já é uma rotina.

Este ano, a Pioneer já está comercializando sementes tratadas com inseticidas,

Tratamento de semente de soja usando equipamentos de última geração, especialmente desenvolvidos para essa finalidade, e que proporcionam a correta distribuição de princípio ativo na semente, garantem a dose do inseticida por semente e reduzem ao mínimo os riscos de danos às sementes.

Já com os olhos voltados para a previsão do tempo para a próxima safra, empresários agrícolas de várias regiões e tamanho de propriedades, estão optando pelo tratamento industrial de inseticidas como o fipronil (Standak) na semente de soja, visando o controle de várias pragas a exemplo da (vaquinha),

(Parte 3 de 17)

Comentários