Safrinha - O que aprendemos com ela

Safrinha - O que aprendemos com ela

(Parte 7 de 17)

Onde: = necessidade de calcário toneladas/ha; = saturação de bases para a região

= Poder Relativo de Neutralização Total do Calcário, dado em percentual.

4. Valores de Alumínio

5. Calagem

V2 T PRNT

André Aguirre Ramos ¹

NC = (V2 - V1) x T PRNT

Interpretação de análise química do solo para a cultura do milho

A população rural que, em 1950, representava 64,0% da população brasileira, em 2007 equivale a 18,0% e as projeções sinalizam que em 2030 somente 9,0% será rural. Ao mesmo tempo, a população mundial e brasileira cresce e, com isso, o consumo por alimentos. E qual será a mágica para resolver essa equação?

O quadro mostra claramente que a agricultura brasileira se modernizou e explora a produção agropecuária dentro do conceito de , onde a escala, a mecanização e a adoção de tecnologia são fatores fundamentais para viabilizar a competitividade e o conseqüente resultado econômico favorável do negócio.

Consumimos mais sementes melhoradas, mais tratores, plantadeiras, colheitadeiras, fertilizantes, além de outros insumos. As culturas não apresentam mais limitações territoriais. Hoje é possível cultivar qualquer cultura em qualquer parte do planeta.

commodities

Vantagens resultantes do planejamento da sucessão

Permanecem inalterados os poderes de disposição e administração dos proprietários sobre as terras, garantidos de forma vitalícia.

Organização da sucessão, evitando eventuais conflitos.

Proteção do patrimônio familiar, evitando divisão decorrente de separações jurídicas (inventário dos herdeiros).

Fracionamento da propriedade sem desestruturar as explorações agropecuárias da mesma.

Maior disponibilidade de áreas para garantias hipotecárias.

Possibilidade de ajustar o valor declarado da terra nua do imóvel, o que implicará em redução de impostos numa possível venda da propriedade.

Redução no Imposto de Transmissão

Causa Mortis ou Doação (ITCD).

As explorações poderão continuar sendo feitas em nome das Pessoas Físicas, donas da propriedade, ou Pessoa Jurídica, dependendo da conveniência tributária.

Preservar o patrimônio construído ao longo da vida e, ao mesmo tempo, manter a unidade familiar na hipótese de sucessão não é uma tarefa impossível, depende muito da postura e atitudes do empresário chefe da família.

O futuro da continuidade da empresa familiar é criado pelo que o proprietário faz hoje e não pelo que deixa para fazer amanhã.

É evidente que o futuro das Empresas

Rurais Familiares não dependerá apenas do mercado e da economia, mas também de uma gestão que leve em consideração os membros da família envolvidos ou não com o negócio rural.

O envolvimento familiar nos negócios da propriedade pode levar a sérios conflitos caso os pais não percebam a importância de planejar e organizar a participação dos membros da família.

Conscientes de que o futuro das empresas rurais não está ligado apenas às condições de mercado e da economia, mas também depende, ao longo de sua vida, de um processo saudável de troca de comando, é que cada vez mais empresários vêm se dedicando ao planejamento estratégico da sucessão.

O planejamento sucessório permite a definição, ainda em vida, da forma através da qual o patrimônio familiar e o controle dos negócios (Gestão da Empresa) serão transferidos aos sucessores.

Gestão familiar e processo sucessório

No Brasil mais de 90,0% das propriedades rurais são exploradas pela família do proprietário e, por isto, denominamos as mesmas de Empresa Rural Familiar . Como existe uma relação direta na produção agropecuária entre negócio e família, precisamos entender essa relação para que possa existir uma gestão eficiente das Empresas Rurais Familiares.

Quando se fala em gestão, para muitos parece algo impossível de ser alcançado. Mas, na verdade, gestão é gerenciar de maneira articulada, observando-se toda a cadeia produtiva e considerando todos os recursos disponíveis, quer de capital, terra, estrutura ou pessoas.

Evolução das populações Rural e Urbana no Brasil

URBANA 64%

Fonte: MAPA/AGE erca de 90% das propriedades rurais brasileiras são exploradas pelas famílias dos proprietários.

Nos últimos 70 anos, o êxodo rural fez com que a população rural se reduzisse em 5%.

O processo de sucessão nas empresas rurais tem sido tema de inúmeros estudos não só no Brasil, mas em vários países. Uma das preocupações com esse processo está no fato de que as mudanças tecnológicas estão ocorrendo de maneira extremamente rápida. Como se isso não bastasse, aquilo que o homem rural, ou produtor rural como é chamado, mais aprendeu a fazer nessas últimas décadas, isto é, produzir, hoje já não é mais suficiente para a sua sustentabilidade.

Hoje, mais do que nunca, o produtor rural, necessita de novos conhecimentos de gestão que passam pelas áreas ambiental, trabalhista, recursos humanos, comercialização, compras, dentre outras. Além

C Cilotér Borges Iribarrem ¹

Sucessão nas empresas rurais familiares de novas habilidades, faz-se necessário administrar melhor o tempo, cada vez mais curto, e as finanças, cada vez mais apertadas.

Um novo desafio surge a cada momento, novas formas de negócios aparecem e são estranhas à rotina a que o produtor está acostumado. Além disso, surgem os filhos, noras, genros que, criados numa outra condição, disputam o processo de sucessão familiar. O conflito de gerações estará estabelecido se nada for feito ou pensado. Mas, isto é parte do processo e a fórmula do sucesso é combinar a experiência dos mais velhos com a ousadia dos mais novos dentro de uma atmosfera de respeito e lealdade.

Na prática, isso não é fácil. É difícil colocar em risco histórias de sofrimento e muito trabalho que proporcionaram a construção da estrutura da propriedade rural.

Mas, o mundo gira e gira cada vez mais rápido e de maneira diferente da habitual. E, assim, esse é o tema que gostaríamos de trazer para uma reflexão. Estamos nós preparados para o processo de sucessão familiar? Como devemos nos preparar?

A produção de grãos da agricultura brasileira cresceu, no período de 1990/1991 a 2006/2007, cerca de 126,75%, enquanto a área cultivada aumentou, no mesmo período, somente 21,82%. Estes crescimentos fantásticos ocorreram neste mesmo período também com a produção de carnes bovina, frango e suína e que, junto com a soja, são responsáveis por um significativo volume das exportações.

Para as pessoas que não conhecem o setor agropecuário, a conclusão a que chegam é que este aumento de produção em parte se deu por um maior número de pessoas envolvidas no processo de produção.

Entretanto, ocorreu exatamente o inverso como podemos ver no gráfico a seguir, em que a população rural brasileira diminuiu neste mesmo período.

O que vem acontecendo com o setor agropecuário

Para a definição de qual o tipo de calcário que se deve utilizar , observe a relação Cálcio/Magnésio.

- Ca/Mg 3, dê preferência para calcário dolomítico;

- Ca/Mg 3, dê preferência para calcário calcítico;

(Parte 7 de 17)

Comentários