Epidemiologia e sistemas de saúde

Epidemiologia e sistemas de saúde

(Parte 5 de 5)

Período Olhar sobre o corpo social (Scliar, 1987)

Desenvolvimento das forças produtivas (Breilh, 1998)

Intervenções do Estado no tecido social (Foucault, 1979)

Racionalidade médica ocidental (Luz, 1993)

Comunidades

mágico

primitivas

Antigüidade clássica (400-200 a.C.) empírico Escola Hipocrática

1o momento: sistematização do saber / corporação médica

Fim do renascimento e início do classicismo (1500- 1600) Manufaturas primórdios do olhar científico polícia médica polícia médica alemã

2o momento: curar menos importante do que produzir conhecimentos sobre doenças

Indústrias (1700- 1800) olhar contábil epidemiológico e armado polícia médica normatização institucional, medicina social, medicina urbana

3o momento: clínica, anatomiapatológica, separação entre medicina e arte de curar

Monopolização do capital Período formativo (final de 1800- 1900) olhar armado início do modelo biomédico, hospitalo-cêntrico intracorpo

Imperialismo (1920-1950) intensificação do olhar social

4o momento: incorporação da tecnologia, completam-se as cisões: conhecimento x arte de curar; diagnose x terapêutica; agir clínico x relação

Crise e novo momento de internacionalização recuo do olhar social? atenção primária: nova polícia médica? epidemiologia do cálculo do mínimo necessário? medicina comunitária

Quadro 2 – Modelos de proteção social

Modalidades Assistência Seguro Seguridade

Denominações Residual Meritocrático Institucional Ideologia Liberal Corporativa Social-democracia Princípio Caridade Solidariedade Justiça Efeito Discriminação Manutenção Redistribuição Status Desqualificação Privilégio Direito Finanças Doações % Salário Orçamento Público Atuária Fundo Acumulação Repartição Cobertura Alvos Ocupacional Universal Benefícios Bens/Serviços Proporc. Salarial Mínimo Vital Acesso Teste/ Meios Filiação Necessidade Administração Filantrópico Corporativo Público Organização Local Fragmentada Central Referência Poor Laws inglesas Bismarck Beveridge

Cidadania Invertida Regulada Universal Fonte: Fleury,1994:108

(Parte 5 de 5)

Comentários