Glossário de Epidemiologia e Ecologia das Doenças Infecciosas e Parasitárias

Glossário de Epidemiologia e Ecologia das Doenças Infecciosas e Parasitárias

(Parte 3 de 6)

Potencial de redução nos efeitos de uma doença quando um fator de risco é removido. Se Ie é o número de pessoas com a doença expostas ao fator risco, e Io é o número de pessoas sem a doença expostas ao fator de risco, então a fração etiológica é (Ie - Io)/Ie. Ela também conhecida como “fração imputável”.

Hipoendêmico

Um termo da malariologia usado para especificar grosseiramente uma área com pouca transmissão.

Holoendêmico

Uma infecção cuja prevalência é mais ou menos uniforme numa região, país ou continente. De uso corrente em malariologia.

Horizontal, estudo

(O mesmo que cross-sectional e o oposto de estudo longitudinal). Estudo de uma comunidade, que pode ser estratificado por idade, sexo, etnicidade, etc, porém em um momento dado ou em um pequeno intervalo de tempo. Embora seja um estudo instantâneo, como se fosse uma fotografia da comunidade tirada num momento de tempo, inquéritos horizontais de prevalência e intensidade dentro de diferentes faixas etárias de uma população podem, todavia, dar valiosa informação sobre a taxa de infecção ou infestação, dado que a as popuilações de hospedeiros e parasitas permanecem aproximadamente estáveis por um período de tempo (endemicidade estável).

Horizontal, transmissão

Transmissão occurrendo dentro de uma população entre seus indivíduos, mas que não inclui transmissão vertical.

Hospedeiro definitivo

O hospedeiro no qual um parasita se reproduz sexualmente.

Imunidade

1) Estado em que um hospedeiro não é susceptível à uma infecção ou doença; ou 2) o mecanismo pelo qual isto é alcançado. O indivíduo adquire imunidade através de uma das três rotas: imunidade natural ou inata, geneticamente herdada ou adquirida através de anticorpos maternos; imunidade adquirida, conferida após contato com a doença; e imunidade artificial, após vacinação bem sucedida (também imunidade específica ou resistência). A imunidade específica é dividida em imunidade celular, atuando via células T e imunidade humoral envolvendo anticorpos e células B.

Imunidade adquirida (v. imunidade)

Imunidade de grupo

Mecanismo pelo qual uma infecção pode ser erradicada de uma população embora permaneçam ainda alguns susceptíveis, devido à maior parte da população ser imune e, assim, a transmissão ser reduzidaa zero. Regra geral, o estado imunológico de uma população de hospedeiros e seu efeito nas taxas de transmissão.

Imunidade passiva

Imunidade adquirida através da transferência materna de anticorpos. Este tipo de imunidade não induz memória imunológica.

Imunogenicidade

A capacidade de uma vacina estimular o sistema imune, medida pela proporção de indivíduos que produzem anticorpos específicos ou células T, ou a quantidade de anticorpos produzidos. Não deve ser confundido com “eficácia”.

Imunopatologia

Dano causado ao hospedeiro pela sua própria reação imune em resposta a um patógeno.

Imunosupressão

Déficit imunológico. Pode ser causado por infecção (ex. HIV), drogas, gravidez e má nutrição, entre outras coisas. Indivíduos imunossuprimidos são comumente referidos como imunocomprometidos.

Incidência

ataque”

Taxa de aparecimento de casos novos numa população. Classicamente medida como “taxa de

Infecção

Replicação de um microparasita em seu hospedeiro, podendo haver ou não doença.

Infecção múltipla

Condição na qual um indivíduo é infectado por microparasitas de mais de uma espécie.

Infecção por contato próximo

Uma infecção que requer estreito contato, de natureza não sexual, entre susceptível e infectado para haver transmissão.

Infeccioso, período

Período de tempo durante o qual infectados são capazes de transmitir a infecção para qualquer hospederio susceptível ou vetor com os quais entre em contato. Note que o período infeccioso pode não ser necessariamente associado com sintomas da doença.

Infectado

Hospedeiro que tem uma infecção. Infestação

Quantidade de macroparasitas albergados em um hospedeiro.

Infestação múltipla Condição na qual um indivíduo é infestado por macroparasitas de mais de uma espécie.

inóculo (inoculum)

Quantidade de microparasitas para a qual um hospedeiro individual é exposto na transmissão.

Intensidade

Tradicionalmente é a carga parasitária média em todos os membros infectados da população hospedeira. Também chamado de abundância média. Recentemente redefinido como a carga média de parasitas tanto nos hospedeiros infectados quanto não infectados. Ambos conceitos resultam em diferentes estatísticas, a menos que a prevalência seja de 100%. Macroparasitas e infecções como a malária são via de regra medidas em termos de intensidade.

Intermediário, hospedeiro

V. vetor.

Inverso densidade-dependência

V. densidade dependência.

Latente, período

Período da infecção em que o indivíduo é infeccioso para os susceptíveis. Em helmintos, é chamado de período pré-patente. Não confundir com período de incubação.

Limiar de transmissão

Ocorre quando a taxa reprodutiva básica Ro de um parasita é igual 1. Abaixo deste limiar a doença é incapaz de se manter na população. Para parasitas de transmissão direta há um limiar de transmissão para o tamanho da população hospedeira.

(Parte 3 de 6)

Comentários