Glossário de Epidemiologia e Ecologia das Doenças Infecciosas e Parasitárias

Glossário de Epidemiologia e Ecologia das Doenças Infecciosas e Parasitárias

(Parte 6 de 6)

Uma carga média crítica de vermes abaixo da qual a frequência de acasalamento é demasiada baixa para manter uma espécie de parasita dióico.

Transmissão não-direta

Ciclo de transmissão difícil de elucidar e que difere da transmissão indireta. Vacina

Preparação que induz imunidade artificial ativa contra um patógeno. As vacinas podem ser “vivas” ou “mortas”. As primeiras são feitas com patógenos atenuados, tais como Febre Amarela, NMR, etc. estas vacinas são dadas em apenas uma dose para induzir a resposta imunológica (memória imunológica específica). As vacinas mortas são feitas a partir do parasita morto por calor, formalina, etc, inteiros (ex.: vacinas Salk e Pertussis) ou apenas sua fração imunogênica (os toxóides). Como as vacinas mortas não se multiplicam no hospdeiro, elas precisam ser dadas em doses repetidas para induzirem uma resposta imunológica plena. A vacinação não deve ser confundida com a imunização passiva, onde anticorpos concentrados específicos são usados para conferir proteção por curto prazo (meses). A imunização passiva não induz memória imunológica.

Vetor

1) Hospedeiro de parasitas com ciclos indiretos de vida. 2) Qualquer coisa que transmite parasitas. 3) Um invertebrado transmissor de vírus para vertebrados.

Vetorial, capacidade

Em infecções transmitidas por vetores tais como a malária, a capacidade vetorial é um conceito análogo à taxa de contato em doenças de transmissão direta. Isto é uma função da 1) densidade do vetor em relação ao seu hospedeiro vertebrado, 2) da frequência com que ele se alimenta de sangue da espécie hospedeira, 3) da duração do período latente no vetor, e 4) da expectativa de vida do vetor.

Vertical, transmissão

Transmissão vertical ocorre quando um genitor passa a infecção para seu feto, como ocorre na sífilis humana e entre artrópodes que transmite transovarianamente arbovírus. A infecção perinatal é uma forma especial de transmissão vertical.

Viremia

Presença de vírus no sangue durante a evolução de processo infeccioso.

Vírion

Partícula viral madura e infecciosa.

Virulência

(1) Taxa de mortalidade de uma infecção. (2) Grau de dano conferido pelo patógeno ao seu hospedeiro. Há diferentes usos para este conceito, porém, o que eles têm em comum é que eles se referem ao efeito de um hospedeiro infectado, não ao grau de transmissibilidade para um susceptível subsequente.

Zoonose

Micro ou macroparasita adquirido acidentalmente pelo homem de um animal vertebrado onde a infecção ocorre naturalmente (i. e., o animal é um reservatório natural do patógeno).

(Parte 6 de 6)

Comentários