caracterização geoambiental da linha de costa da costa do cacau, litoral sul da bahia

caracterização geoambiental da linha de costa da costa do cacau, litoral sul da bahia

(Parte 1 de 11)

SALVADOR – BA MAIO - 2006 por:

Lucas do Nascimento Geógrafo (Universidade Estadual de Santa Cruz – 2003)

Submetida a satisfação parcial dos requisitos ao grau de

Câmara de Ensino de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Federal da Bahia

Data de aprovação: 19/05/2006 Grau conferido em:_/__/__ i DEDICATÓRIA

Aos meus pais:

Antonio Orivaldo do Nascimento (in memorian) e Maria Angélica do Nascimento

irritações e tantas outras coisas

Agradeço primeiramente a Deus, por ser o início de tudo. Aos meus pais e meus irmãos por sempre acreditarem em mim. A Dielma pela dedicação, amor e companheirismo, por agüentar minhas

Aos meus “tios-pais” Rodolfo e Maria Adélia que me acolheram como filho em um momento decisivo e de mudanças.

A Abílio, pela sua dedicação ao trabalho, pela confiança e ética profissional. A Landim, pela confiança e incentivo. A Adeylan, pelas correções do texto e pelo companheirismo e amizade durante todas as nossas jornadas, e tantas outras...rsrsrs.

A Juliana pela amizade, ajuda, incentivo e dedicação durante os trabalhos de campo.

A professora e amiga Ana Amelia, por estar sempre presente desde aquele anúncio de “procura-se voluntário para trabalho árduo” colocado no quadro durante a graduação.

Marcus, Júnia e Ângela pelos ensinamentos com o danado do programa

A professora Ana Cláudia Andrade, pelo incentivo e atenção. Aos professores do curso. A Alana, pela convivência, amizade e confiança. A Iracema, pelas dicas e incentivo. A todos os colegas de mestrado e da iniciação científica, em especial a

A Anderson e a Marcelo, pelo incentivo e apoio nos trabalhos de campo.

Aos funcionários, Gil, Nilton e Maria, sempre acolhedores.

Aos funcionários da cantina, Dóra, Noêmia e Othon, pela dedicação e atenção.

A Joaquim, pela sua presteza e boa vontade. A Carlinhos, pelo empenho no tratamento das amostras. Ao CNPq, pela concessão da bolsa e financiamento para realização do sobrevôo. A CBPM e FAPESB, pelo financiamento dos trabalhos de campo.

Atualmente, grande parte da zona costeira vem sofrendo algum tipo de modificação em seu estado natural por conta da sua intensa utilização pelo homem. Na Costa do Cacau, as praias aparecem como o maior atrativo natural, constituindose em uma das maiores fontes de emprego e renda para a comunidade regional. A intensa atividade em torno desse ambiente tem produzido, localmente, impactos que acabam por afetar a vida econômica e social da região.

Foi feito um caminhamento para a aquisição de dados referentes às condições naturais e antrópicas da linha de costa da região, em intervalos de um quilômetro, ao longo dos 164 quilômetros da área, no período de 10 a 24 de Dezembro de 2003. Foi realizada também uma modelagem numérica, a partir de diagramas de refração de ondas, para a estimativa da intensidade potencial e do sentido da deriva litorânea efetiva de sedimentos ao longo da Costa do Cacau.

O presente estudo mostrou que a Costa do Cacau, predominantemente, apresenta sedimentos com granulometria fina, têm baixa declividade e grande largura na face da praia. A zona de surfe é caracterizada por arrebentação do tipo mergulhante, ondas grandes (>0,5m) e por duas linhas de arrebentação. As correntes de retorno estão presentes em grande parte de suas praias. Os estágios morfodinâmicos mais freqüentes foram o dissipativo e intermediário de alta energia (ondas >0,5m), esse último aparecendo ao longo de quase toda a extensão da área.

As praias foram agrupadas em quatro categorias de risco para banho: a) risco muito alto, atribuído aos trechos com praias intermediarias de alta energia (ondas>0,5m); b) risco alto, atribuído aos trechos com praias dissipativas; c) risco moderado, atribuído aos trechos com praias intermediarias de baixa energia (ondas<0,5m); e d) risco baixo, atribuído às praias protegidas.

Ao longo da Costa do Cacau foram identificadas três categorias de linha de costa: a) bordejada por terraços arenosos (96, 34%); b) bordejada por costões rochosos (1,83%); e c) bordejada por promontórios rochosos intercalados por praias do tipo “praias de bolso”.

A dispersão de sedimentos mostrou um padrão unidirecional com sentido sulnorte em quase toda a área analisada, exceto no trecho costeiro referente ao bairro do São Miguel, que apresentou sentido norte-sul para o transporte de sedimentos.

Atualmente, ocorre erosão em 20% da área de estudo, condições de equilíbrio em 48%, progradação em 29% e 3% sob elevada variabilidade.

A sensibilidade ao derrame de óleo foi considerada: a) baixa, nos trechos constituídos com costões rochosos; b) moderada, nos trechos com praias arenosas; c) alta, nos trechos que apresentam enrocamento; e d) muito alta, nos trechos com terraços alagadiços e manguezais.

O lixo plástico esteve presente em 87,2% dos pontos amostrados, seguido pelo óleo, encontrado em 17,68% dos pontos e, pelo vidro, encontrado apenas em 4,27% dos pontos. Outros resíduos foram encontrados em 2,56% dos pontos, sendo o isopor o mais freqüente desta categoria.

vii

At the present time, a large part of the coastal zone is under some type of modification of its natural state on account of its intense utilization by man. On the Costa do Cacau (Cacao Coast), the beaches stand out as the major natural attraction, constituting one of the largest sources of employment and income for the regional community. The intense activity surrounding this environment has produced local impacts that end up affecting the economic and social life of the region.

A walk was taken for the acquisition of data regarding the natural and anthropological conditions of the regional coastline, at intervals of one kilometer, along the 164 kilometers of the area, in the period from December 10 to 24, 2003. A numerical modeling was also made, based on wave refraction diagrams, to obtain an estimate of its potential intensity and the direction of effective coastal drift of sediments along the Cacao Coast.

The present study showed that the Cacao Coast predominately presents fine granulometry sediments, has low declivity and a wide beach face. The surf zone is characterized by large, breaking-type waves (> 0.5 m) and by two lines of breakers. The return currents are present in a large part of the beaches. The most frequent morpho-dynamic stages were the dissipating and intermediate high energy waves (waves > 0.5 m), the later appearing along nearly the entire extension of the coast.

The beaches were grouped into four bathing risk categories: a) very high risk, attributed to the intermediary beaches with high energy (waves > 0.5 m); b) high risk, attributed to the sections with dissipating beaches; c) moderate risk, attributed to the viii sections with intermediary low energy beaches (waves < 0,5 m); and d) low risk, attributed to the protected beaches.

Three categories of coastline were identified along the Cacao Coast: a) bordered by sandy terraces (96.34%); b) bordered by rock scarps (1.83%); and c) bordered by rock promontories interspersed by beaches of the “pocket beach” type.

The dispersion of sediments showed a unidirectional pattern in the South-

North path in nearly the entire area analyzed, except in the coastal section of the São Miguel neighborhood, which presented a North-South direction for sediment transport.

At the present time, erosion occurs in 20% of the area studied, equilibrium conditions in 48%, progradation in 29%, and 3% showing high variability.

Sensitivity to oil spillage was considered: a) low, in the sections constituted by rock scarps; b) moderate, in the sandy beach sections; c) high, in the sections that have man-made defenses; and d) very high, in the marshy sections and mangrove swamps.

Plastic trash was present at 87.2% of the points sampled, followed by oil, found in 17.68% of the sampling points and by glass found in only 4.27% of the points. Other residues were found in 2.56% of the points, Styrofoam being the most frequent within this category.

ix ÍNDICE GERAL

DEDICATÓRIAi
AGRADECIMENTOSiv
RESUMOv
ABSTRACTvii
ÍNDICE GERALix
ÍNDICE DE FIGURASxi
ÍNDICE DE TABELASxv
1- INTRODUÇÃO1
2- OBJETIVOS4
2.1- Geral4
2.2- Específicos4
3- ÁREA DE ESTUDO5
3.1- Localização5
3.2- Aspectos históricos e culturais da Costa do Cacau6
3.3- Aspectos Fisiográficos e Geológicos8
3.3.1- Fisiografia8
3.3.2- Geologia9
3.4- Clima12
3.5- Vegetação12
3.6- Circulação Atmosférica e Parâmetros Oceanográficos14
4- METODOLOGIA16
4.1- Etapas de campo16
4.2- Etapa de laboratório17
4.3- Etapa de gabinete18
5- O AMBIENTE PRAIAL20
5.1- Elementos Morfológicos de uma Praia20
5.2- Estágios Morfodinâmicos da Praia2
6.- CARACTERIZAÇÃO DAS PRAIAS DA COSTA DO CACAU26
6.1- Características do Sedimento26
6.2. Largura da face da praia29
6.3- Declividade29
6.4- Tipo e número de arrebentações32
6.5- Turbidez da água32
6.6- Altura de Onda e Correntes de Retorno32
6.7- Estágios Morfodinâmicos38
7- RISCOS PARA BANHO DE MAR NAS PRAIAS DA COSTA DO CACAU42
7.1- Praias com risco “muito alto” para o banho4
7.2- Praias com risco “alto” para o banho45
7.3- Praias com risco “moderado” para o banho45
7.4- Praias com risco “baixo” para o banho45

8- TIPOS DE LINHA DE COSTA...............................................................................48

8.1- Linha de Costa Bordejada por Terraços Arenosos48
8.2- Linha de Costa Bordejada por Costões Rochosos48
Arenosas do Tipo “Praia de Bolso”48
9- MODELAGEM DE ONDA E PADRÃO DE DISPERSÃO DE SEDIMENTOS52
9.1- Modelo de Clima de Ondas54
9.2-Transporte de Sedimentos ao Longo da Costa do Cacau58
10- COMPORTAMENTO DA LINHA DE COSTA / EROSÃO COSTEIRA67
10.1- Comportamento da Linha de Costa na Costa do Cacau70
10.1.1- Trechos de Linha de Costa sob Erosão72
10.1.2- Trechos de Linha de Costa em Equilíbrio7
10.1.3- Trechos de Linha de Costa em Progradação79
10.1.4- Trechos de Linha de Costa com Elevada Variabilidade82
1- SENSIBILIDADE AMBIENTAL A DERRAME DE ÓLEO83
12- LIXO NAS PRAIAS DA COSTA DO CACAU98
13- CONCLUSÕES106
14- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS114

x 8.3- Linha de Costa Bordejada por Promontórios Rochosos Intercalados por Praias 15- ANEXOS ........................................................................................................... 123

Figura 01: Localização da área de estudo5
compreende ao dos municípios da orla1

Figura 02: Geologia da área de estudo (CBPM, 2003). O limite interno do mapa

de Martin et al., 1998)15
Figura 04: Elementos morfológicos de uma praia (Dominguez et al, 2000)21

Figura 03: Distribuição dos ventos ao longo do ano para o Oceano Atlântico Sul. ZCIT = Zona de Convergência Intertropical. ZD = Zona de Divergência (Modificado

(1984)]24

Figura 05: Estágios morfodinâmicos das praias [Modificado de Wright & Short

Cacau27
Figura 07: Coloração dos sedimentos ao longo das praias da Costa do Cacau28
Figura 08: Largura da face da praia ao longo das praias da Costa do Cacau30
Figura 09: Declividade das praias ao longo da Costa do Cacau31
Figura 10: Tipo de arrebentação ao longo das praias da Costa do Cacau3
Figura 1: Número de arrebentações ao longo das praias da Costa do Cacau34
Figura 12: Turbidez da água ao longo das praias da Costa do Cacau35
Figura 13: Altura da onda ao longo das praias da Costa do Cacau36

Figura 06: Tamanho médio do grão dos sedimentos ao longo das praias da Costa do

37

Figura 14: Presença de corrente de retorno ao longo das praias da Costa do Cacau.

40

Figura 15: Tipos morfodinâmicos da praia encontrados ao longo da Costa do Cacau.

localização)41

Figura 16: (A) Perfil de praia dissipativa próxima ao extremo sul (Barra do Peso); (B) Perfil de praia dissipativa no norte da área de estudo (Pé de Serra Grande), (C) Praia intermediária de alta energia no litoral norte de Ilhéus (Praia de São Miguel), (D) Praia intermediária de baixa energia próxima à desembocadura do rio cachoeira, (E) Praia protegida associada à desembocadura do rio Almada, (F) Praias protegidas associadas à desembocadura do rio Cachoeira, em Ilhéus (Ver figura 15 para

para as praias da Costa do Cacau47

Figura 17: Presença de correntes de retorno, tipo de praia e risco para banho de mar

do Cacau50

Figura 18: Segmentação dos tipos de linha de costa encontrados ao longo da Costa

Figura 19: (A) Linha de costa bordejada por terraço arenoso imediatamente ao sul da desembocadura do rio Pardo, (B) Linha de costa bordejada por costão rochoso em Serra Grande, (C) Linha de costa intercalada por promontórios rochosos em Olivença (Ver figura 18 para localização)..................................................................51 xii

(Parte 1 de 11)

Comentários