analise e projeto de sistemas

analise e projeto de sistemas

(Parte 7 de 10)

Objeto = Encapsulamento de Funções e Dados

Contempla o estado de um objeto

Visão estática e dinâmica

Diagrama de Casos de Uso Diagrama de Classes e Objetos Diagrama de Sequencia Diagrama de Colaboração Diagrama de Componentes Diagrama de Distribuição

A análise essencial deve começar com o entendimento daquilo que o usuário está solicitando. Este entendimento no primeiro momento, refere-se apenas ao tracejamento dos limites fronteiriços do sistema, ou seja, procure responder:

O que o sistema deverá fazer ? Quais são seus objetivos ?

Tendo claramente definido este aspecto você terá traçado as fronteiras daquilo que deverá ser desenvolvido, por exemplo:

Prof. Sérgio Luiz TonsigPágina: 35

Análise e Projeto de Sistemas

Depois de haver entendido claramente o que o usuário espera que seja feito, o analista de sistemas deverá mergulhar profundamente na busca de informações que envolve aquela área. É a fase precedente do inicio de análise, chamada de análise de requisitos do sistema ou levantamento de eventos e dados iniciais.

Após este passo, o analista de sistema deverá no mínimo conhecer todas as atividades mais essenciais ligadas ao sistema a ser desenvolvido. Portanto, se o sistema for para controle da locação e consulta do acervo de uma biblioteca de universidade, no mínimo o analista deverá saber:

Vamos tomar o controle da locação e consulta do acervo de uma biblioteca de universidade, como um estudo de caso, para termos uma idéia mais clara da aplicação da teoria.

Vejamos qual foi o resultado colhido pelo analista nesta fase de análise de requisitos do sistema.

Sistema: Controle de locação e consulta do acervo de uma biblioteca de universidade.

Objetivos: Controlar os empréstimos, devoluções, reservas, consultas e cadastros do acervo de uma biblioteca universitária.

Abrangência:

Controle da locação e consulta do acervo de uma biblioteca de universidade

Prof. Sérgio Luiz TonsigPágina: 36

Análise e Projeto de Sistemas

1. O sistema atende a uma biblioteca central de uma universidade. 2. Os usuários (Professores, alunos e funcionários) já se encontram cadastrados em sistemas já existentes, e as bibliotecas que farão uso do acervo serão cadastradas pelo sistema. 3. No caso de inexistência de uma obra no acervo, os dados referentes a mesma serão guardados, para auxiliar futuras compras pela administração 4. O acervo da biblioteca é composto por livros, revistas, jornais, enciclopédias, dicionários, trabalhos acadêmicos; prevê ainda a possibilidade de inclusão de novos tipos de obras. 5. Periódicos, dicionários e enciclopédias não poderão ser locados, somente consultados na própria biblioteca. 6. Os livros clássicos de cada área poderão ser locados, desde que permaneça um exemplar nas dependências da biblioteca para consulta. 7. O prazo de locação atual é de 3 dias. 8. Uma obra só poderá ser reservada se não estiver à disposição para empréstimo. 9. Os usuários do sistema serão professores, alunos e funcionários da universidade e outras bibliotecas não pertencentes ao Campus. 10. Mensalmente poderá ser emitido relatórios demonstrando as obras mais retiradas, permitindo à administração verificar se há a necessidade de aquisição de mais volumes daquela obra. 1. O sistema permitirá identificar, através de relatórios mensais, quais os usuários mais ativos, propiciando a administração algum tipo de premiação, estimulando assim aos demais usuários. 12. Através de um relatório mensal, o sistema acusará os usuários menos pontuais na devolução de obras ao acervo.

Funções:

Empréstimos Devoluções Reservas Cobranças Cadastro de novas obras Cadastro de Bibliotecas Estatística de obras mais retiradas Estatística de usuários mais ativos Relação das obras solicitadas não existentes Estatística dos usuários menos pontuais

Vantagens da implantação do sistema

Prof. Sérgio Luiz TonsigPágina: 37
-Dos usuários menos pontuais na devolução

Análise e Projeto de Sistemas

- Completo controle sobre todas as obras do acervo, locadas ou não, próprias ou de terceiros.

- Possibilidade de pesquisa a qualquer momento das obras reservadas, informando dados da obra e usuário.

- Manutenção de dados sobre obras inexistentes no acervo, auxiliando futuras compras para o mesmo.

Quando o analista de sistema estiver de posse das informações mais essenciais sobre o sistema (conforme demonstrado no estudo de caso – análise de requisitos), pode ser dado o primeiro passo da análise essencial – a construção do modelo ambiental.

O modelo ambiental, está constituído de três partes:

Declaração dos objetivos do sistema Elaboração do D.F.D. de Contexto Criação da Lista de Eventos

Pode-se começar por qualquer uma das partes. Aliás, elas poderão ser desenvolvidas paralelamente. Uma não precede a outra, porém devem ser totalmente consistentes entre sí. Normalmente, segue-se a seqüência acima especificada.

O objetivo do modelo ambiental é mostrar qual a relação do sistema com o ambiente onde ele encontra-se inserido. Procura-se documentar quais são os estímulos que partem deste ambiente, mostrando quem os deflagrou. Demonstra-se ainda as respostas que saem do sistema para o meio ambiente.

6.1.1. Declaração dos Objetivos do Sistema

Uma forma textual, narrativa até, para descrever o que se propõe a fazer, quais problemas resolver, construindo o sistema em questão. Ressalta-se que no objetivo(s) do sistema deve estar refletido aquelas atividades fundamentais que o sistema deverá ter (atividades custodiais). Também deve refletir aquelas atividades que é do desejo do usuário que o sistema as tenha (o que também é fundamental – não adianta ter um sistema tecnicamente perfeito se o mesmo não satisfaz o usuário. O usuário e seus problemas é que são a razão da existência do sistema.).

Prof. Sérgio Luiz TonsigPágina: 38

Análise e Projeto de Sistemas

Para o nosso estudo de caso, poderíamos ter:

Objetivo Geral: Controlar os empréstimos, devoluções, reservas, consultas e cadastros do acervo de uma biblioteca universitária.

Objetivos Específicos Essenciais:

Cadastrar empréstimos do acervo a usuários previamente cadastrados Registrar devoluções do acerto pelos usuários Efetuar Reservas do acervo para usuários Emitir cobranças de acervo emprestado com atraso na devolução Cadastrar novas obras no acervo Cadastrar Bibliotecas Emitir Estatística de obras mais retiradas Emitir Estatística de usuários mais ativos Emitir Relação das obras solicitadas não existentes Emitir Estatística dos usuários menos pontuais

6.1.2. D.F.D. de Contexto

Controle da locação e consulta do acervo de uma biblioteca de universidade

Usuários

Depto Administrativo

Devolução Reserva

Carta-Cobrança Consulta

Relatórios-Estatísticos Dados-Obras

Empréstimo

Dados-ConsultaDados-Emprestimo Dados-Cobrança

Dados-Bibliot Obras-Inex

Prof. Sérgio Luiz TonsigPágina: 39

Análise e Projeto de Sistemas

6.1.3. Lista de Eventos

Nº Evento Descrição do Evento Estímulo TipoEstímulo Ação Resposta

(Parte 7 de 10)

Comentários