(Parte 2 de 2)

Letras – As letras indicam a área de aplicação e tipo de dispositivo como o seguinte código:

SA: PNP transistor para HF SC: Transistor NPN HF SC: NPN transistor de HF

SB: Transistor PNP AF SB: PNP AF transistor

SD: Transistor NPN AF SD: NPN transistor de AF

Número de série – O número de série varia entre 100 e 9; Sufixo – Indica o ganho (HFE) genérico do dispositivo.

Identificação do tipo de transistor (NPN ou PNP):

Colocamos os 3 transistores na placa de montagem e utilizamos o multímetro na função diodo para podermos identificar os terminais dos transitores. No transistor BC, o transistor conduziu quando foi colocado a ponteira vermelha no meio e a preta em qualquer um dos terminais, assim identificando a base V=0,684 V.

No TIP 29 a carcaça tá ligada ao coletor. V = 0,556V.

3. Experiência 3: Polarização de um transistor bipolar de junção (1/1/2009)

3.1 – Objetivo

O objetivo da experiência 3 no laboratório de eletrônica é a familiarização dos alunos com a polarização de um T.B.J.

3.2 – Instrumentos utilizados: 1 – Transformador isolador rebaixador de tensão (saída 12 V); 2 – Multímetro (Mod.: ET – 2042C); 3 – 5 resistores de grafite: 33k Ω, 6k8 Ω, 560 Ω, 120 Ω e 1k Ω; 4 – Placa de montagem (Fab.: Minipa; Mod.: MP-2420);

5 – 1 Transistor BC 547; 6 – Fonte de Tensão ajustável (Fab.: Minipa; Mod.: MPC – 303D).

3.3 – Procedimentos: 1 – Montar o circuito de polarização do TBJ mostrado na figura 1.

Figura 7 - Circuito da experiência 2. 1 – Com o multímetro, medir os valores de:

Montamos o circuito na placa conforme a figura 7. Os valores medidos no multímetro (escala 20V – c), foram:

2 – Calcular os valores das correntes:

Com os dados do item 2, calculamos as seguintes correntes:

= 10,6 mA

= 0,3 mA

3 – Observando os resultados dos itens “2 e 3”, qual a região de trabalho do transistor?

A região de trabalho do transistor é a região ativa.

4 – Substituir o resistor “R2” por outro de 1 k Ω, medir novamente “VBE, VCE, VE”, e calcular IE ≅ IC. Observando os resultados, qual a nova região de trabalho do transistor?

Novamente com o multímetro, recalculamos as seguintes tensões:

VBE = 0,35 V VCE = 1,94 V VE = 0 V IC = 0 A ≅ IE = 0 A

Agora, com o resistor trocado (R2” = 6,8k Ω por outro de 1k Ω), o transistor se encontra na região de corte, pois a corrente no coletor e na base é igual a zero.

4. Experiência 4: Amplificação de um estágio com T.B.J (18/1/2009)

4.1 – Objetivo

O objetivo desta quarta experiência no laboratório de eletrônica 1 é a familiarização dos alunos com o funcionamento dos transistores na sua forma clássica: amplificadores de um estágio.

4.2 – Instrumentos utilizados: 1 – Gerador de sinal (Fab.: Minipa; Mod:MFG- 4200); 2 – Multímetro (Mod.: ET – 2042C); 3 – 4 resistores de grafita: 33k Ω, 6k8 Ω, 560 Ω e 120 Ω; 4 – Placa de montagem (Fab.: Minipa; Mod.: MP-2420); 5 – 1 Transistor BC 547; 6 – Fonte de Tensão ajustável (Fab.: Minipa; Mod.: MPC – 303D);

7 – 1 Capacitor de 33µF / 16V; 8 – Osciloscópio (Fab.: Pantec; Mod.: 5120, 15 MHz).

4.3 – Procedimentos:

1 – Montar o circuito amplificador da figura * e ajustar a freqüência do gerador de sinais para 1k Hz.

2 – Com o osciloscópio, montar os sinais “Vi e V0” simultaneamente. Ajustar “VG” para o máximo valor possível, sem que haja distorção no sinal de saída “V0”.

Depois que montamos o circuito da figura * na placa de montagem, ajustamos o gerador de sinal para que a tensão “VG” tivesse o máximo valor possível sem distorção no sinal de saída. Então, utilizando os dois canais do osciloscópio (Escala vertical: 2V/Divisão; Escala horizontal: 5ms/Divisão) achamos o valor de “Vi” = 10,2 V e “V0” = 2,4 V, como mostra simultaneamente a figura * abaixo:

calcular o ganho de tensão do amplificador. AV =

3 – Registrar graficamente os sinais “Vi e V0”. Com os valores registrados

Substituindo os valores encontrados no osciloscópio (na mesma escala do item anterior), conforme mostra as figuras abaixo, calculamos AV = = = 0,235.

4 – Qual o tipo de amplificador montado? Amplificador Emissor – Comum (sinal entra na base e sai no coletor).

5 – Qual o valor da defasagem do sinal de saída em relação ao sinal de entrada?

Defasagem de 180º.

(Parte 2 de 2)

Comentários