apostila de gramatica

apostila de gramatica

(Parte 4 de 16)

45) F Æ O acento grave é colocado no a depois que ocorre a crase, que é o fenômeno que une a preposição a e o artigo a.

47) F Æ Tu é monossílabo tônico, não recebendo acento por não se enquadrar nas regras das oxítonas. Te é monossílabo átono, que nunca recebe acento.

49) F Æ Não se acentuam os hiatos formados por letras repetidas.

52) F Æ O acento diferencial só é usado para diferenciar palavras homônimas (mesma grafia e mesma pronúncia), o que não é o caso.

53) V Æ Ele permaneceu apenas na palavra pôde, para diferenciar-se de pode.

56) F Æ O acento diferencial só é usado para diferenciar palavras homônimas (mesma grafia e mesma pronúncia), o que não é o caso.

58) F Æ Ela recebe acento diferencial, e não acento diferencial de timbre, que foi abolido pela lei 5765.

Re p rod u ç ão ou revend a p roi bid os .

Crase

A crase sempre foi a união de dois fonemas iguais. Em Latim a crase podia ser a + a, e + e, i + i, o + o, u + u.. Hoje em dia a crase é o fenômeno que une dois fonemas iguais, sendo que estes dois fonemas só podem ser a + a (preposição + artigo).

É errado dizer que a crase é um acento. A crase é o nome do fenômeno que une dois a

(preposição + artigo) e este fenômeno é “coroado” com o acento grave ( ). Podemos dizer, então, que a crase é um fenômeno, e este fenômeno antecede o acento.

a(s) Æ Artigo feminino definido a(s) Æ Pronome demonstrativo

Crase é a união da preposição a + aquilo(e/a/s) Æ Pronome demonstrativo a qual, as quais Æ Pronome relativo

Vejamos agora os 4 casos, citados acima, em que ocorre a crase:

Preposição a + a(s) Æ Artigo feminino definido

O artigo feminino definido somente pode acontecer antes de substantivo feminino escrito na oração.

substsubst.

Refiro-me à testemunha e não à pessoa envolvida.

Por não haver substantivo feminino não ocorre crase em nenhum dos casos do exemplo abaixo: Refiro-me a você, a ele, a ela, a esta mulher, a alguma candidata, a nós, a qualquer eleitora, a nenhuma aluna..

Preposição a + a(s) Æ Pronome demonstrativo O pronome demonstrativo pode acontecer em dois casos:

• Quando pode ser trocado por aquela(s);

Lancei um olhar à que acabou de chegar. (a aquela que acabou de chegar) À que chegar primeiro, darei a medalha. (darei a aquela que chegar primeiro) Dirigiu-se à que estava ao seu lado. (a aquela que estava ao seu lado)

• Quando aparece antes de substantivo feminino subentendido.

Comprei uma caneta igual à dele. (igual a a caneta dele)

Faço referência à prova da UEG, e não, à da USP. ( a a prova da USP) prep. + art.

Preposição a + Aquilo (e/a/s) Æ Pronome demonstrativo

Prefiro isso àquilo. Prefiro este sapato àquele. Pagarei aquele débito àquele lojista. Agradeça aquele favor àquela vizinha. Quando chegamos àquele sítio, já era tarde.

Podemos trocar os pronomes por isto ou este, p/ observar a presença ou não da preposição. Veja aquele (este) momento. Não há crase porque não pediu preposição. Refiro-me àquela (a esta) praça. Há crase porque pediu a preposição a.

A preposição a, que é obrigatória para que a crase ocorra, será dada pelo termo regente da regência verbal ou da regência nominal.

Re p rod u ç ão ou revend a p roi bid os .

Preposição a + a qual, as quais Æ Pronome relativo

A lei à qual obedeço é boa. As mulheres às quais me referi são lindas.

Um dos recursos utilizados para se descobrir quando há ocorrência da crase é colocar um termo masculino, de mesma natureza, no lugar do termo feminino. Surgindo a forma ao (preposição a + artigo o), ocorrerá crase antes do termo feminino. conheço a diretora.

conheço o diretor.

refiro-me à diretora. refiro-me ao diretor.

Este expediente pode ser usado para detectar a crase com os pronomes a qual e as quais.

A lei à qual obedeço é boa Æ O decreto ao qual obedeço é bom. A lei a qual respeito é boa. Æ O decreto o qual respeito é bom.

Ocorre crase:

• Nas Expressões adverbiais, locuções prepositivas e conjuntivas à tarde à chave à beira de à noite à escuta à sombra de à direita à deriva à exceção de às claras às avessas à força de às escondidas às moscas à frente de à toa à revelia à imitação de à beça à luz à procura de à esquerda à larga à semelhança de às vezes às ordens à proporção de às ocultas às turras à medida que

• Nas indicações de horas especificadas à meia-noite, às duas horas, à uma hora, às três e quarenta, etc.

• Nomes de lugar, em alguns casos, com nomes determinados pelo artigo a.

Lembre-se de que o termo regente anterior deve pedir a prep. a. Vou à Bahia. - Vim da Bahia. / Estou na Bahia. Vou à Itália. - Vim da Itália. / Estou na Itália. Fomos a Belém - Vim de Belém. Vou a Florença - Vim de Florença. / Estou em Florença. Visitei a Itália - Vim da Itália.Æ Não há crase porque VISITAR é VTD.

Na mudança do termo não apareceu a forma ao porque o verbo não rege a preposição a. portanto não ocorre crase, neste caso.

Na mudança do termo apareceu a forma ao porque o verbo rege a preposição a. Portanto ocorre crase, neste caso.

Estou na ou volta da, crase no a. Estou em ou volto de, crase pra quê?

Re p rod u ç ão ou revend a p roi bid os .

Não ocorre crase:

• Antes dos substantivos masculinos Æ porque não possuem artigo.

Tenho um fogão a gás. Não compro a prazo. Assisti a jogos memoráveis. Fui a pé

• Antes dos verbos Æ porque não possuem artigo.

(Parte 4 de 16)

Comentários