Métodos Imunológicos

Métodos Imunológicos

(Parte 3 de 3)

Esta técnica usa um princípio semelhante à imunodeteção, com a diferença que na

ELISA o antígeno é preso a uma superfície (geralmente de poliestireno) através de um anticorpo. Uma vez o antígeno ligado ao anticorpo imobilizado, este complexo pode ser reconhecido por um outro anticorpo, desta vez ligado a uma enzima que possa produzir um composto facilmente detectável.

A grande vantagem desta técnica é que, como a detecção é uma reação enzimática, torna possível a detecção de quantidades muito reduzidas de antígeno pois permitindo que a reaão ocorra por um tempo elevado cosegue-se produzir uma quantidade considerável de alguma molécula detectável (fluoróforo). Um exemplo é a detecção do hormônio placental ganadotrofina corínica, um teste de gravidez bastante confiável.

4. Conclusão

Os métodos imunológicos estão distribuído amplamente tanto na pesquisa como na análise bioquímica. Dentre as diversas vantagens destas técnicas, duas parecem ser as mais importantes para o grande sucesso destes métodos: A grande especificidade facilmente conseguida com os anticorpos e a grande sensibilidade destes métodos além da imensa diversidade e maleabilidade destas técnicas, uma vez que praticamente todos os componentes usados nestes métodos podem ser interligados, basta utilizar as pontes adequadas.

Estas características fizeram dos métodos imunológicos de grande utilidade em várias áreas das ciências biológicas e médicas, sendo o seu conhecimento fundamental tanto nas ciências básicas como nas aplicadas.

5. Referências

Alberts, B, Dennis, B., Lewis, J., Raff, M., Roberts, K., Watson, J. D., Molecular Biology of the

Cell, 3rd Ed. Garland Publ. New York. (1995).

Voet, D. Voet, J., Biochemistry, 2nd Ed. John Wiley & Sons, New York, (1995). Roitt, I., Brostoff, J., Male, D., Immunology, 2nd Ed. Gower Med. Publishing, London, (1989).

(Parte 3 de 3)

Comentários