(Parte 5 de 5)

O processo geral, após a descompactação do código fonte do programa (explicado no item anterior) é o seguinte (você deve estar no diretório do fonte):

./configure

make

make install

Na ordem em que foram escritas, as linhas a seguir verificam se o sistema está OK para a compilação, compila e instala o programa. Sempre leia o arquivo chamado geralmete README que vem junto aos programas.

Ainda bem que existem pessoas que pensam um pouco mais na facilidade de uso e distribuem programas já compilados onde é só instalar e usar. Nesse tipo de distribuição de programas, temos vários formatos e padrões, porém, no Conectiva Linux, usamos o rpm.

Para instalar pacotes rpm devemos executar o seguinte comando:

rpm -ivh <nome do pacote.rpm>

Para a desintalação usamos o seguinte:

rpm -u <nome do pacote>

No caso da desintalação, o nome do pacote deve ser o mesmo que o nome de quando foi instalado retirando-se a extensão “.rpm” do final do nome do arquivo.

Para a instalação e desintalação de programas, podemos usar o utilitário de configuração chamado linuxconf, que, devido ao grande número de opções e sua complexidade, não será abordade neste material.

Desligando o sistema

No Windows caso desliguemos o sistema sem ir no menu Iniciar e depois em Desligar, quando ligarmos novamente o sistema teremos (não obrigatóriamente, mas recomendável) que esperar o scandisk terminar seu trabalho. O scandisk é um programa de sistema que procura por erros no sistema de arquivos do Windows, encontrando e corrigindo-os.

Não diferentemente do Windows, no Linux também acontece isso, porém de uma forma mais grave: no Windows você desliga incorretamente quantas vezes você quiser e nunca você causará sérios danos ao sistema de arquivos, porém no Linux corremos o um sério risco de danificarmos o sistema de arquivos, talvez por fragmentos de arquivos corrompidos ou algo assim, e não conseguirmos mais iniciar o sistema.

Para que não corramos esse risco, devemos desligar de forma correta através do comando:

shutdown [-h] [now]

Este comando diz ao sistema para se desligar, ou seja, finalizar todos os programas, desmontar todas as unidades e finalmente deixar que desligue com segurança o sistema.

Os parâmetros -h e now, dizem ao sistema, respectivamente, que você quer desligar o sistema e que isso deve ser feito agora (já que você poderia ser passado um tempo em minutos), respectivamente.

Para este comando você deve ser o root, ao menos que por outro método você tenha permissão para desligar o sistema.

Para reinicar o sistema sem ser root, somente se estiver habilitado (habilitado por padrão), você pode pressionar a famosa seqüencia de teclas Ctrl-Alt-Del; ou digitar no interpretador de comandos o comando reboot (necessita ser root)

Modo Gráfico

Vários ambientes gráficos

Liberdade de escolha. Essa seria a expressão que eu usaría para resumir este capítulo de nosso guia.

No Windows se você não gostar da aparência dele, tem muito poucas alternativas para o embelezar, porém aqui no Linux, podemos simplesmente mudar de ambiente gráfico, trabalhando de um jeito diferente com o mouse, tendo cores diferentes, modos de gerenciar as janelas diferentes! Caso gostamos de um determinado ambiente gráfico, porém alguns detalhes nos incomoda, podemos tranqüilamente configurá-lo e personalizar-lo de acordo com nosso gosto (ou até mesmo nossa frescura).

Os mais famosos gerenciadores de janelas (nome diferente para ambiente gráfico) são o KDE, Gnome, XWindow (por favor, não é XWindows! Este é o mais básico de todos). Cada um deles trabalha de forma diferente com foco das janelas, têm aparências muito diferentes umas das outras e são totalmente personalizáveis (principalmente o XWindow).

Não existe o melhor ou o pior, a escolha vai ao gosto do usuário, de acordo com suas necessidades.

Inicialização

Para iniciar o ambiente gráfico quando estamos no modo texto, devemos simplesmente digitar startx no interpretador de comandos e o ambiente gráfico configurado como padrão será carregado.

Caso queira iniciar algum ambiente que não o padrão, você pode digitar:

xinit <-e> <arquivo do ambiente gráfico>

O arquivo do ambiente gráfico pode ser startkde (para o KDE), fvwm95 ou qvwm (para o ambiente similar ao Windows 95), entre outros.

Daqui em diante...

O modo gráfico, por suas próprias características, tem uma interface de muito fácil aprendizado, variando de cada ambiente; nele vocë provavelmente você encontrará um menu que vai te levar aos softwares julgados mais importantes por aquele ambiente gráfico, algum programa para configuração básica da aparência do ambiente e outros atalhos úteis.

Documentação

Introdução

Eu diria que é o que menos falta neste sistema operacional. Você tem desde programas que você usa para uma consulta rápida de um programa ou comando até extensas documentações explicando como se faz algo no sistema ou como se usa um determinado programa (os famosos "how-to").

Páginas de manual

Os guias rápidos de consultas (que as vezes são tão completos quanto podem) são também chamados de páginas de manual, acessados pelo comando (em modo texto) man. As páginas de manual de algum software, comando ou até mesmo uma função da linguagem C pode ser acessadas dessa forma:

man <nome do que procura>

Tente ser exato ao procurar por algo. Por exemplo, caso esteja querendo saber como funciona o parâmetro -f do comando rm digite o seguinte:

man rm

Pois o parãmetro procurado diz respeito a este comando. Caso esteja programando C (olha que a documentação chega a ser melhor que a do Turbo C, na minha opinião) e queira saber sobre a função printf, você pode digitar:

man printf

A navegação pela documentação funciona como no programa less. Inclusive, caso esteja procurando por alguma palavra aperte a tecla </> (barra de data), logo em seguida digitando o que procura seguido do pressionamento da tecla <ENTER>. Assim todas as ocorrências da palavra procurada ficarão destacadas na tela. Para que o visualizador vá automaticamente para a próxima ocorrência da palavra aperte a tecla barra novamente seguida de <ENTER>.

How-To's

Este tipo de documentação explica desde como você montar um firewall até como funciona algum simples comando do sistema.

Ao contrário das páginas de manual, estas extensas documentações não são acessadas com um comando, mas sim são arquivos em um determinado diretório disponíveis para a visualização da forma que você melhor dispor. Os arquivos estão todos dispostos no diretório /usr/doc ou, em outros casos em /usr/local/doc, e você pode visualiza-los utilizando algum editor de texto (vi, emacs, algum editor do modo gráfico, etc.) ou algum programa específico para a visualização de arquivos (de preferência, em modo texto, o less).

Especificamente os How-To's relativos ao sistema operacional mesmo (e não aos programas que o acompanham) encontram-se em /usr/doc/Linux-HOW-TOs e também em /usr/doc/Linux-Mini-HOW-TO.

Outras fontes

Apesar da documentação que acompanha o sistema e seus softwares ser bastante completa, ainda podem surgir dúvidas não sanadas por estes infinitos megabytes de texto.

Sendo assim, as vezes precisamos pesquisar em outras fontes (que também são muitas!) como:

- Livros

Existem três livros que acompanham o Conectiva Linux: o Guia de Instalação, o Guia do Administrador de Sistemas e o Guia do Administrador de Redes. São três livros excelentes que abordam tópicos específicos, além de serem grátis e estarem disponíveis para download ou visualização no site da Conectiva (www.conectiva.com.br). Estes livros também vêm junto com o CD de instalação do Conectiva Linux (pode ser que algum deles tenha sido retirado ou de dois livros ter sido feito somente um).

Ainda relativos ao Conectiva Linux temos os livros que dizem respeito à distribuição Red Hat, pois o Conectiva é meio que uma derivação do Red Hat.

- Sites

O Google possui uma ferramenta de pesquisa somente em sites que tem a ver com Linux, funcionando no endereço www.google.com.br/linux.

Nestes dois sites que citarei você encontrará documentos escritos por usuários independentes de qualquer equipe de desenvolvimento de distribuições do Linux, são eles o LinuxAll (www.linuxall.org) e o OLinux (www.olinux.com.br). Neles você poderá encontrar além de documentos explicando coisas úteis que as vezes precisamos fazer mas não sabemos como e também muitos links! Inclusive no OLinux existe um curso de C muito bom para download, escrito pelos responsáveis pelo site, que aborda inclusive comunicação em rede.

(Parte 5 de 5)

Comentários