Livro de Estágio de Enfermagem

Livro de Estágio de Enfermagem

(Parte 3 de 25)

• Observar sinais e sintomas de diminuição da perfusão tecidular periférica: pele fria, palidez facial, enchimento capilar retardado.

• Administração de terapêutica prescrita

• Avaliar a resposta quanto ao alívio de sintomas (dispneia, ortopneia, redução de crepitação, edema periférico) o Troca gasosa prejudicada relacionada com edema alveolar (aumento pressões ventriculares) o Melhorar a oxigenação

Elevar a cabeceira da cama (reduz o retorno venoso e alivia a congestão pulmonar)

• Usar apoios como almofadas

Auscultação pulmonar (crepitações e sibilos) Observar se há aumento FR (diminuição pH arterial) e padrão (Cheyne- Stokes) Alternância de decúbitos (atlectasias e pneumonia) Estimular os exercícios frequentes de respiração profunda Refeições fraccionadas e em pouca quantidade Administrar oxigénio o Excesso de volume de líquidos relacionado com a retenção de Na e água Restabelecer o equilíbrio hídrico

• Administrar diuréticos (dar preferencialmente de manhã, já que a diurese nocturna perturba o sono) o Balanço hídrico rigoroso

• Pesar diariamente

• Avaliar astenia, mal-estar, cãibras (hipocalcémia)

• Administração de K (agressivo para a mucosa gástrica)

• Estar atento aos problemas associados à terapêutica diurética (hiponatrémia, deplecção de Mg, distúrbios de hiperuricemia)

• Sinais de distensão da bexiga no homem idoso com hiperplasia da prostata

• Dieta hipocalórica e hiposalina o Intolerância à actividade relacionada com dispneia e fadiga (diminuição de oxigénio) aumentada Melhorar a tolerância à actividade

• Aumentar gradualmente as actividades o Auxiliar o doente nas AVD (a fadiga estabelece-se à medida que o dia evoluí) o Despiste de pré-cordialgias durante e após as actividades

• Avaliar o P, sintomas e resposta comportamental na execução de actividade que requer mais força

• Planear os períodos de repouso e equilibrá-los com a actividade

• Encorajar o auto-cuidado quando tolerado

• Aliviar a ansiedade nocturna, proporcionar repouso e sono (são doentes com tendência para a agitação nocturna devido a hipoxia cerebral)

• Administrar sedativo para aliviar a insónia e agitação

Pág. 9 o Ansiedade relacionada com dispneia grave aumentada Controlo da ansiedade

• Permitir que exteriorize os seus sentimentos

• Incentivar a identificar a força de motivação e de vontade

• Administração de ansiolíticos

• Ensinar medida de controlo da IC e de redução de stress o Alto risco de alteração da integridade cutânea relacionada com o edema dos tecidos aumentada Que permaneça íntegra

• Manter os membros inferiores ligeiramente elevadas com apoio de almofadas

• Encorajar frequentes mudanças de posição

• Atenção especial relativamente às zonas de pressão

• Avaliar diariamente a integridade da pele o Educação / Manutenção da saúde aumentada Desmistificar o conceito de insuficiente

• Explicar a diferença entre insuficiência cardíaca congestiva e ataque cardíaco Ensinar os sintomas de recidiva

• Aumento de peso

• Edema a nível dos maléolos, pés e abdómen

• Tosse persistente

• Cansaço, perda de apetite

• Micção frequente à noite Revisão dos esquemas terapêuticos

• Esquema terapêutico

• Pesar diariamente

• Efeitos adversos dos medicamentos Rever o programa de actividades

• Aumentar a marcha e outras actividades progressivamente de modo que não produzam fadiga nem dispneia

• Não ultrapassar o nível de tolerância

• Evitar excessos de alimentos e bebidas

• Evitar as temperaturas extremas (aumento do trabalho cardíaco) Restringir o sódio. Uso de condimentos, ervas e sumo de limão

Valvulopatias sopros estenose aórtica e mitral insuficiência aórtica e mitral

Sopros sistólicos; diastólicos; proto…(início); meso…(meio); tele…(fim); holo…(em todo…);

No jovem é sinal de cardiopatia congénita ou reumática, enquanto que no idoso é devido a alterações degenerativas;

Estenose (aperto da válvula):

Aórtica (aperto saída VE) – dor torácica, síncope (perda súbita de consciência por má perfusão), IC, doença coronária, hemorragia digestiva por angiodisplasia, endocardite; o Sopro diastólico em crecendo-decrescendo e pulso tardus e parvus(amplitude diminuída, pico retardado e prolongado); Mitral dilatação da AE e veias pulmonares proeminentes (RX tórax); o Tratamento – digitálico para fibrilhação auricular, anticoagulante (varfarina);

Insuficiência (alargamento da válvula/refluxo):

Aórtica dilatação VE (sobrecarga de volume), eventual hipertrofia e aumento P.diastólica final; assintomática; sintomas de ICE; o Causas – febre reumática, HTA, aterosclerose, sífilis, espondilite, anquilosante; o Pressão do pulso aumentada, sopro diastólico em decrescendo(esquerda), sopro de Austin Flint devido a vibração da válvula anterior da mitral pelo jacto de regurgitação(apex); o Tratamento – vasodilatadores, cirurgia de prótese valvular;

Mitralsobrecarga de volume VE, dilatação AE e FA;

o Causas – prolapso da válvula mitral, doença coronária, calcificação do anel, doença tecido conjuntivo; o Sintomas pulmonares de IC tardios + sopro holosistólico apical;

Edema Agudo do Pulmão (EAP)

(Parte 3 de 25)

Comentários