Procedimentos e cuidados especiais

Procedimentos e cuidados especiais

(Parte 9 de 10)

Risco de integridade da pele e membrana oral prejudicada, devido à utilização de cateter nasogástrico calibroso, jejum prolongado e sensibilização de mucosa oral por tratamento quimioterápico

• Orientar o paciente para realização de higiene oral com dentifrício e escova de cerdas macias após as principais refeições, incluindo língua e gengiva

• Orientar o paciente para não utilizar fio dental, devido à sensibilização por quimioterápico utilizado em tratamento neo-adjuvante

• Orientar a enfermagem a manter fixação de cateter nasogástrico em linha nasal média com segurança e sem compressão tecidual

Disposição para conhecimento sobre a colostomia aumentada, devido à verbalização de curiosidade com manejo da mesma

• Fornecer informações sobre autocuidado com transversostomia

• Orientar o paciente sobre a importância da deambulação

• Orientar o paciente para observar, no decorrer do dia, o funcionamento da colostomia para gases e efluente e comunicar à enfermagem

• Orientar o paciente e a enfermagem sobre alterações no aspecto da colostomia (coloração, pontos da maturação, posicionamento do bastão), comunicando imediatamente ao estomaterapeuta ou ao cirurgião

Procedimentos e cuidados especiais– Capítulo 8

‹ Bases do tratamento 596

No sexto dia de internação hospitalar (quinto dia de pós-operatório), o paciente apresenta-se hemodinamicamente estável, padrões laboratoriais normais, colostomia funcionante para gases e fezes, sendo retirados dreno sentinela e cateter vesical de demora, ferida operatória com pontos cirúrgicos íntegros (ponte epitelial completa). O paciente expressou insegurança na realização de atividades, tendo sido acompanhado pelo Serviço de Psicologia durante a internação hospitalar. Porém refere maior confiança na eficácia do tratamento e demonstra curiosidade acerca dos cuidados com a colostomia e equipamentos coletores, apesar de relatar dificuldade com a auto-imagem atual. Foi orientado pelo Serviço de Nutrição para alta. Foi agendado retorno com especialidade cirúrgica ambulatorial.

O plano de cuidados a seguir foi elaborado pelo estomaterapeuta quando da alta hospitalar do paciente em questão.

Procedimentos e cuidados especiais – Capítulo 8

Anexos › 597

Alta hospitalar

Quadro 103 – Principais diagnósticos e prescrições de enfermagem na alta hospitalar

Mobilidade prejudicada relacionada a restrições de movimentos prescritas e por desconhecimento do valor da atividade física relativa

• Encorajar o paciente à retomada de suas atividades de forma gradual e com envolvimento de familiares, ressaltando restrições ao esforço abdominal por pelo menos três meses

• Encorajar o paciente para deambulação em curtas distâncias à sombra, com freqüência de uma vez ao dia

• Encorajar o paciente a realizar as refeições sentado

Risco de baixa auto-estima situacional, devido à adaptação com colostomia, quando refere dificuldade com a auto-imagem

• Estimular o paciente para realização de autocuidado de forma independente, ressaltando a preservação de sua intimidade e autonomia com seu próprio corpo

• Certificar-se de que o paciente está apto para o autocuidado, reforçando informações como: limpeza da pele periestomal com água limpa; não utilização de nenhuma solução nesta região; esvaziamento de equipamento coletor antes de completar metade da capacidade do mesmo; recortar equipamento na medida da colostomia; não raspar pêlos abdominais (apenas apará-los), trocar equipamento coletor no banho, observar alterações da integridade da pele periestomal

• Encorajar o paciente para retomada de suas atividades sociais e familiares

Conhecimento deficiente sobre a aquisição de equipamentos coletores, caracterizado por verbalização de desinformação sobre procedimento e endereços para aquisição dos mesmos

• Fornecer equipamentos coletores para troca em domicílio até primeiro retorno com ambulatório

• Orientar o paciente e seu familiar sobre gratuidade legal da aquisição dos equipamentos, informando-os dos endereços dos pólos distribuidores e da documentação necessária

Disposição para controle aumentado do regime terapêutico devido à redução de ansiedade e desejo de cura expresso verbalmente

• Orientar o paciente e seus familiares para monitoramento diário de sinais flogísticos em ferida operatória (presença de hiperemia e dor local, deiscência e exsudato)

• Orientar o paciente e seus familiares para observar eventos adversos como: vômito, febre, sangramento em colostomia e cessação de funcionamento desta

• Orientar o paciente e seus familiares a procurar o Serviço de Emergência em caso de observação de qualquer dos sintomas citados

• Encaminhar o paciente para agendamento com consulta de retorno ao Serviço de Estomaterapia Ambulatorial em sete dias para reavaliação, retirada de pontos e bastão de transversostomia

Procedimentos e cuidados especiais – Capítulo 8

Anexos › 599

Referências

ADDONIZIO, V. P.; COLMAN, R. W. Platelets and extracorporeal circulation. Biomaterials, Guilford, v. 3, no. 1, p. 9-17, jan. 1982.

AHMED, N. Thrombosis after central venous cannulation. The Medical Journal of Australia, Sidney, v. 1, no. 8, p. 217-220, feb. 1976.

BARD ACCESS SYSTEMS. Bardport implanted ports: with open-ended catheters. U.S. Patents, 1994. 39 p.

BEREK, J. S. Surgical techniques. In: BEREK, J. S.; HACKER, N. F. Practical gynecologic oncology. 2nd. ed. Baltimore: Williams & Wilkins, 1994. cap. 15, p. 519-527.

BBRAUN. Celsite: manual de procedimentos de enfermagem para manutenção e uso de pontes de acesso totalmente implantáveis. Rio de janeiro, 1999. 23 p.

BOSTON SCIENTIFIC CORPORATION. 2008. Disponível em: <http://w.bostonscientific. com/home.bsci/,,/navrelid/.1000/seo.serve>.

BONASSA, E. M. A. Enfermagem em quimioterapia. 3. ed. São Paulo: Atheneu, 2005.

BRASIL. Decreto-lei nº 79.094, de 05 de janeiro de 1977. Regulamenta a Lei nº 6.360, de setembro de 1976, que submete a sistema de vigilância sanitária os medicamentos, insumos, farmacêuticos, drogas, correlatos, cosméticos, produtos de higiene, saneamento e outros. Diário Oficial [da] Republica Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 07 jan. 1977. P. 1.

CORONA, M. L. et al. Infections related to central venous-catheters. Mayo Clinic Proceedings, Rochester, v. 65, no. 7, p. 979-986, jul. 1990.

CRONIN, W. A.; GERMANSON, T. P.; DONOWITZ, L. G. Intravascular catheter colonization and related bloodstream infection: critically Ill neonates. Infection Control Hospital Epidemiology, Chicago, v. 1, no. 6, p. 301-308, jun. 1996.

CUNNINGHAM, M. J. et al. Peripheral infusion for central venous access in patients with gynecologic malignancies. Gynecology Oncology, New York, v. 60, no. 3, p. 397-399, mar. 1996.

DEPPE, G. et al. Experience with the P. A. S: PORT venous access device in patients with gynecologic malignancies. Gynecology Oncology, New York, v. 62, no. 3, p. 340-343, sep. 1996.

FREITAS, L. C. M.; RAPOSO, L. C. M.; FIONOQUIO, R. A. Instalação, manutenção e manuseio de cateteres venosos centrais de inserção periférica em pacientes submetidos à quimioterapia endovenosa. Revista Brasileira de Cancerologia, Rio de Janeiro, v. 45, n. 1, p. 19-29, 1999.

GALÊNICA. 2004. Disponível em: <http://w.galenicaltda.com.br/>.

(Parte 9 de 10)

Comentários