O crescimento e desenvolvimento da criança

O crescimento e desenvolvimento da criança

(Parte 6 de 6)

O primeiro passo consiste em uma historia clínica detalhada na procura de condições patológicas que possam ser responsabilizadas. A história familiar deve incluir a altura e a idade do início da puberdade de ambos os pais. Qualquer relato de consanguinidade ou anomalias congênitas familiares deve ser registrada. Um exame sistemático inclui uma busca atenta para achados dismórficos e o cálculo da relação U/L, para exclusão de baixa estatura desproporcional.

O pediatra, então, deve analisar a curva de crescimento, prestando especial atenção na confiabilidade das medidas, na velocidade de crescimento estarural e na relação peso-altura.

Desaceleração do Crescimento Linear em uma Criança Bem Nutrida ou Obesa

Este é o padrão típico de crianças com alguma endocrinopatia. A avaliação inicial deve começar com as medidas do T4 e TSH, a determinação da idade óssea e as concentrações de IGF-1 e IGFBP-3.

Concentrações elevadas de TSH e baixas de T4 estão presentes no hipotireoidismo primário; teste de função tireoidiana normal, uma idade óssea atrasada de forma importante e baixos níveis de IGF-1 e IGFBP- 3 para a idade, em uma criança bem nutrida, nos fala a favor de deficiência do hormônio do crescimento.

Uma criança obesa com baixa estatura e que apresenta provas de função tireoidiana normais e avaliações do hormônio do crescimento também dentro da normalidade, deve ser investigada para estados associados à excesso de glicocorticóides (síndrome de Cushing). Nestes casos, a solicitação do cortisol urinário livre ou o teste de supressão de dexametasona, são os exames iniciais.

Desaceleração Linear do Crescimento em uma Criança Magra

Uma relação peso-altura diminuída ou um declínio inicial no ganho ponderai seguido de diminuição na velocidade estatural, são características encontradas nas desordens sistêmicas, como as doenças gastrointestinais, renais, nutricionais etc.

Uma pesquisa cuidadosa, buscando evidências de má-absorção ou revelando incapacidade de concentrar (poliúria, nictúria ou enurese) ou acidificar a urina, pode revelar doenças do tubo digestivo ou renais ocultas. O restante das desordens crônicas que ocasionam distúrbios no crescimento apresentam manifestações clínicas que não deixam dúvidas quanto ao diagnóstico.

Criança com Baixa Estatura que apresenta Achados Dismórficos ou Baixa Estatura Desproporcional

Se os achados dismórficos sugerem anormalidades cromossômicas ou uma síndrome, o cariótipo deve ser realizado por um geneticista. Na presença de baixa estatura desproporcional, recomenda-se um inventário radiológico na busca displasia esquelética.

Desaceleração do Crescimento Linear na Adolescência

O atraso na puberdade faz parte do padrão de crescimento da CDGA. A desaceleração do crescimento linear em relação a população é natural. A criança com CDGA por entrar na puberdade em uma idade mais avançada, "fica para trás" quando outras crianças da mesma idade apresentam o estirão pubertário na época prevista.

As crianças que possuem causas patológicas de atraso na puberdade, não apresentam baixa estatura no período pré-puberal, mas entre 12 e 15 anos a estatura observada cruza para baixo os percentis da curva de crescimento, época em que as crianças da mesma idade apresentam o estirão da puberdade.

O exame físico usualmente confirma o atraso na puberdade e uma baixa relação U/L pode ajudar na identificação da criança hipogonádica. A idade óssea virtualmente encontra-se retardada em todas as crianças com atraso na puberdade. Valores elevados de gonadotrofina sérica indicam insuficiência gonadal primária; baixos níveis são consistentes ou com CDGA ou com deficiência hormonal.

Velocidade de Crescimento Estatural Normal em uma criança com Baixa Estatura

Esta situação é encontrada em crianças com CDGA ou baixa estatura familiar. O indivíduo é proporcionalmente baixo, saudável, e sua linha de crescimento encontra-se abaixo, porém paralela, aos percentis da curva de crescimento.

Um atraso na idade óssea, uma história familiar compatível com atraso na puberdade e um alvo genético dentro da normalidade para um adulto, nos falam a favor de CDGA. Por outro lado, uma idade óssea compatível com a cronológica e um baixo alvo genético nos sugere a presença de baixa estatura familiar.

O processo de crescimento linear é um indicador confiáve, e sensível que reflete a saúde da criança.

Toda a criança acima dos três anos e fora da faixa etária compatível com o início da puberdade, que apresenta um declínio na velocidade de crescimento estatural, independente da altura apresentada, deve ser avaliada cuidadosamente.

Durante os três primeiros anos de vida, as alterações nos canais de crescimento são normais, uma vez que a criança nascidas de pais baixos busca um canal de crescimento "geneticamente apropriado".

As alterações do canal de crescimento durante a puberdade podem ser normais, uma vez que o tempo de aparecimento da puberdade (e o estirão pubertário) varia entre indivíduos.

(Parte 6 de 6)

Comentários