Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia

Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia

(Parte 5 de 5)

2. Uma estrutura para a mediçªo da Atençªo PrimÆria

Paciente: indivíduo que interag e com um clínico devido a uma doença ou para promoçªo da saœde e prevençªo de doenças.

Contexto da família e da comunidade: entendimento das condiçıes de vida do paciente, da dinâmica familiar e dos antecedentes culturais referentes à comunidade na qual o paciente vive. Esta definiçªo de atençªo primÆria nªo incluiu explicitamente a atençªo ao primeiro contato , embora o relatório, como parte de uma seçªo sobre integralidade, reconheça que a atençªo primÆria Ø a via comum e preferida dentro do sistema de atençªo à saœde (Donaldson et al., 1996, pÆg. 38). AlØm disso, ela Ø similar à definiçªo anterior do Instituto de Medicina ao incluir algumas características que tambØm pertencem a outros níveis dos sistemas de saœde. Por exemplo, a responsabilidade se aplica nªo apenas à atençªo primÆria, mas tambØm ao sistema do qual a atençªo primÆria Ø uma parte. É esperado que os especialistas que aceitam a responsabilidade pelo manejo continuado de pacientes com problemas raros ou incomumente complexos mantenham parceria constante . AlØm disso, muitos dos conceitos mencionados na definiçªo estªo abertos a vÆrias inter pretaçıes . No período de apenas um ano depois do surgimento do relatório, dois grupos distintos de pesquisadores (Flocke, 1997; Franks et al., 1997) fizeram referŒncia à definiçªo ao justificarem suas abordagens para mediçªo da atençªo primÆria; estas abordagens eram bastante diferentes. AlØm disso, a expressªo a maioria das necessidades pessoais de atençªo à saœde Ø ambígua e aberta à interpretaçªo de que se refira à maioria dos problemas listados em compŒndios como a Classificaçªo Internacional de Doenças (ver Capítulo 16). Ou seja, a maioria (no sentido do relatório) diz respeito apenas a indivíduos específicos e nªo às necessidades da populaçªo. Para as populaçıes, o conceito de ter todas as necessidades comuns atendida s Ø a mais relevante.

Esta definiçªo mais recente do Instituto de Medicina tambØm

Ø especialmente notÆvel em seu enfoque sobre os pacientes individuais em vez da organizaçªo de serviços de saœde para atender às necessidades da populaçªo . A próxima seçªo deste

ATENO PRIMRIA: equilíbrioentre necessidadesde saœde, serviçose tecnologia capítulo enfatiza a importância de enfocar a atençªo primÆria dentro do contexto de um sistema de saœde que trata explicitamente das funçıes duais para atender tanto às necessidades das comunidades como às daqueles indivíduos que buscam atendimento por si mesmos (pacientes).

A Canadian Medical Association [Associaçªo MØdica

Canadense] considera, explicitamente, a atençªo primÆria como o ponto de entrada para o sistema de atençªo à saœde, estando interrelacionada aos outros componentes do sistema. Define a atençªo primÆria como consistindo de avaliaçªo de um paciente ao primeiro contato e a oferta de atençªo continuada para uma ampla variedade de questıes de saœde, alØm de incluir a abordagem de problemas de saœde, prevençªo e promoçªo de saœde; e apoio contin uado, com inter vençıes familiar e comunitÆria, quando necessÆrio . Difere, assim, do relatório do Instituto de Medicina ao distinguir a atençªo ao primeiro contato como uma funçªo crucial e ao incluir inter vençıes comunitÆrias na definiçªo das funçıes (Canadian Medical Association, 1994).

A Charter for General Practice/Family Medicine in Europe [Carta para Clínica Geral/Medicina de Família na Europa], desenvolvida por um grupo de trabalho da regiªo europØia da Organizaçªo Mundial da Saœde (1994), reconhece, explicitamente, o papel da atençªo primÆria como um sistema de atençªo que oferece atendimento acessível e aceitÆvel para os pacientes; assegura a distribuiçªo eqüitativa de recursos de saœde; integra e coordena serviços curativos, paliativos, preventivos e promotor es de saœde; controla, de forma racional, a tecnologia da atençªo secundÆria e os medicamentos; e aumenta a relaçªo custo-efetividade dos serviços por meio de 12 características:

(Parte 5 de 5)

Comentários