Estruturas de mercado

Estruturas de mercado

1. Introdução

Costuma-se dizer que, numa economia capitalista, os problemas econômicos relativos à decisão sobre que tipos de produtos devem ser produzidos e a que preços serão vendidos esses produtos são resolvidos normalmente pelo livre jogo das forças de mercado – isto é, pelo livre funcionamento da oferta e da demanda. Nesta hipótese, as decisões e escolhas econômicas são individualizadas e feitas pelos consumidores – que são os demandantes dos bens e serviços – e pelos produtores – que são os ofertantes. Agindo de acordo com seus próprios interesses, os indivíduos, afetando e sendo afetados pelo sistema de preços, tomam as decisões que maximizarão a satisfação coletiva.

O objetivo é o de explicar de maneira simplificada como atua um sistema de preços e sua influência na alocação de recursos escassos.

Ocorre, porém, que a determinação do preço e da quantidade produzida de um bem ou serviço depende essencialmente do número de agentes econômicos – demandantes e ofertantes – existentes nesse mercado. Por isso, é interessante caracterizar, antes, os diversos tipos de mercado existentes.

O mercado, como você sabe, é o local onde se encontram os vendedores e compradores de determinados bens e serviços. Antigamente, a palavra mercado tinha uma conotação estritamente geográfica, mas isso já está deixando de ser assim. Hoje, com os avanços tecnológicos nas comunicações, as transações econômicas podem se realizar sem contato pessoal direto entre comprador e vendedor, tal como ocorre nas compras e vendas pela internet.

2. Estruturas de mercado

Um mercado é constituído de compradores e vendedores. A palavra mercado pode tanto se referir a uma economia como um todo – o mercado brasileiro ou mercado de São Paulo, por exemplo – ou a um produto ou um setor específico qualquer – o mercado de trabalho, o mercado agrícola, o mercado de automóveis, de calçados ou de livros.

Observa-se, de outra parte, que as relações entre compradores e vendedores seguem padrões diferentes, dependendo do tamanho desse mercado, do número de agentes econômicos (vendedores e compradores) que nele atuam e até mesmo do tipo de produto comercializado. Como resultado, a forma como os preços são determinados varia de acordo com as características de cada mercado. Essas características permitem diferenciar quatro estruturas básicas de mercado:

i) Concorrência perfeita

ii) Monopólio

iii) Oligopólio

iv) Concorrência monopolística.

Geralmente, na literatura econômica, o monopólio, o oligopólio e a concorrência monopolística são chamados de mercados imperfeitos.

Vejamos, então, as características distintivas de cada um desses mercados.

. A concorrência perfeita

Falemos, primeiro, da concorrência perfeita: para que um mercado seja caracterizado como de concorrência perfeita é necessário que preencha as seguintes condições básicas:

a) existência de um número elevado de vendedores e compradores independentes, cada qual muito pequenoem relação a esse mercado como um todo, sendo, emconseqüência, incapaz de afetar os níveis de oferta eprocura do produto e o seu preço. A essa característicacostuma-se denominar de “atomização”.

b) todas as firmas desse mercado vendem produtos homogêneos (idênticos ou substitutos próximos), de talmodo que os compradores possam comparar os preços;

c) conhecimento ou informação perfeita das condições do mercado, tanto pelos vendedores como peloscompradores, para que todos possam competir em pé deigualdade;

d) livre entrada e saída de empresas no mercado, ou seja, não há restrições para que uma empresa nova entre no mercado ou dele queira sair; e inexistência de associações de produtores visando impedir ou inibir a entrada de novas empresas.

d) perfeita mobilidade de fatores de produção, significando que a mão-de-obra e outros fatores produtivos de uma empresa para outra ou de uma região para outra.

Na concorrência perfeita, é o mercado que estabelece o preço do produto, eliminando toda e qualquer possível exploração do consumidor, fazendo com que os preços sejam “justos”, no sentido de que sejam iguais aos custos (incluindo nesses o chamado “lucro normal”). O produtor, por ser um “átomo” nesse mercado, recebe o preço como dado, não tendo qualquer poder de alterá-lo.

Examinando as características distintivas do mercado de concorrência perfeita, você já deve ter percebido que este mercado não é facilmente encontrado na prática. O exemplo mais próximo de um mercado de concorrência perfeita seria a bolsa de valores: o produto ali transacionado é homogêneo – digamos, uma ação ordinária do Banco do Brasil; existem diariamente milhares de compradores e de vendedores desta ação; todos os agentes econômicos que ali atuam têm perfeito conhecimento dos preços praticados para esta ação; e, por fim, há livre entrada de compradores e vendedores nesse mercado.

Um outro mercado também citado como próximo da concorrência perfeita é o de produtos agrícolas, como parece ocorrer, por exemplo, com o mercado de arroz – um produto padronizado, existindo milhares de vendedores e de compradores desse produto no mercado.

. Monopólio

Omonopólio é um tipo de mercado diametralmente oposto à concorrência perfeita. É o caso limite onde só existe um produtor ou fornecedor de um bem ou serviço. Nessa situação, o monopolista tem controle absoluto sobre o preço de seu produto. Mas, isso não significa que o monopolista fixará o preço no nível mais alto que ele puder. Na verdade, considerando que a demanda pelo seu produto pode reagir ao aumento de preço, o monopolista irá fixá-lo no nível em que seus lucros totais sejam maximizados – o que pode ocorrer a um preço relativamente baixo.

Exemplos de monopólio são as empresas fornecedoras de energia elétrica, algumas de telefonia e a própria Petrobrás. Uma figura de comportamento similar ao monopólio e que é pouco divulgada e conhecida é o monopsônio – caracterizado pelo mercado onde existe um só comprador do produto considerado. Seu poder de estabelecer o preço é o mesmo do monopólio. Um exemplo comum desse tipo de mercado ocorre com os pequenos e inúmeros produtores de leite da zona oeste de Minas Gerais que, sem alternativa, se vêem obrigados a vender o produto para apenas uma grande empresa pasteurizadora sem concorrentes na região. Nesta situação, a empresa compradora (única da região) tem perfeitas condições de impor os preços para a compra do leite.

. Oligopólio

O oligopólio é um tipo de mercado que se diferencia da concorrência perfeita pelas seguintes características principais:

a) o mercado é dominado por um número pequeno de grandes empresas;

b) na maioria dos casos, muito embora possa haver diferenciação entre os produtos das diversas firmas, eles são perfeitos substitutos entre si, como é o caso do setor de eletrodomésticos, sabão em pó, automóveis, cimento, etc.

c) como, na maioria dos casos, 80% a 90% do mercado é dominado por um pequeno número de grandes empresas, existe um relativo controle de preços por estas firmas, através de acordos ou conluios;

d) as empresas do setor tentam ganhar mercado através de uma massiva publicidade, e nunca através de redução de preços;

e) a ação de uma firma afeta as demais, tornando-as interdependentes, apresentando, geralmente, um firma maior que se comporta como líder das demais.

São inúmeros os exemplos de mercados oligopolísticos. Aliás, a característica dominante da economia brasileira é o alto grau de oligopolização de suas indústrias, como são exemplos a indústria automobilística, a indústria de aparelhos de tv, de geladeiras, de aparelhos de som, de cimento, de sabonetes, de pasta de dente, e inúmeros outros.

. Concorrência monopolística

Concorrência monopolística é um mercado onde existem várias pequenas empresas disputando o mesmo tipo de cliente, caracterizando uma situação mais ou menos eqüidistante da concorrência perfeita e do monopólio. Geralmente é encontrada no mercado de varejo. Suas características principais são:

a) geralmente cada empresa tem seu próprio produto que, embora possa ser substituto próximo dos demais, apresenta característica diferenciadora de firma para firma;

b) são todas firmas de porte e poder de concorrência relativamente semelhantes, o que limita bastante seu controle sobre seu preço;

Exemplos de concorrência monopolística são as butiques de um shopping, os restaurantes, as escolas privadas, as padarias, as pequenas mercearias, etc. São essas as principais estruturas de mercado existentes. Feita esta abordagem, temos, agora, condições de analisar como funcionam as forças de mercado – isto é, a oferta e a demanda - num sistema econômico capitalista, e como são determinados os preços dos bens e serviços em geral, sem que o governo interfira nesse processo.

3. CONCLUSÃO

Um exemplo simples de como funciona o mercado

Para iniciar, vamos supor que numa determinada cidade exista uma feira livre onde são vendidas semanalmente, entre outros produtos, uma certa quantidade X de laranjas e uma quantidade Y de maçãs. Suponhamos mais que, por uma razão qualquer, verifica-se uma mudança na preferência dos consumidores e, em conseqüência, a demanda por laranjas tenha aumentado (talvez porque alguém tenha espalhado o boato de que a laranja é melhor para a saúde do que a maçã). Dado que a renda ou o poder aquisitivo dos consumidores não se alterou, esta preferência por mais laranjas só será satisfeita se ocorrer uma queda na demanda por maçã.

Como a produção de maçãs e de laranjas permanece inicialmente a mesma de antes, o que acontecerá com os preços desses dois produtos? Ora, o aumento na procura de laranjas provocará uma falta deste produto, enquanto a queda na demanda por maçã provocará um excesso de oferta deste produto. Em conseqüência, o preço da laranja se elevará, enquanto os vendedores tratarão de reduzir o preço da maçã para acabar com o estoque. Como, agora, os lucros da venda de laranjas são maiores, os produtores irão transferir recursos (ou fatores) da produção de maçãs para a de laranjas, aumentando a oferta destas e reduzindo a oferta daquelas. Obviamente, com o aumento da quantidade de laranjas, seus preços deverão cair um pouco, enquanto os preços das maçãs (agora, reduzidos) se elevarão ligeiramente. Enquanto o preço das laranjas for compensador (mais lucrativo), os produtores continuarão transferindo recursos para sua produção – isto é, até que o conseqüente declínio de seus preços não mais compense essa transferência. No final desse processo, os níveis de produção e de preços de ambos os produtos se estabilizarão – com o preço da laranja mais alto e o da maçã mais baixo que inicialmente – enquanto se registrou uma alteração na utilização dos recursos produtivos entre os dois produtos.

Conclui-se que todas essas mudanças ocorreram em função de uma simples mudança no gosto dos consumidores e da conseqüente atuação do mecanismo de preços de mercado.

Comentários