Teoria das Restrições

Teoria das Restrições

(Parte 1 de 2)

Teoria das Restrições Aplicada a um Sistema de Produçãoum Sistema de Produção

Dalton Xavier

Jorge Luiz da Silva Batista Junior

Ricardo MullerRicardo Muller

Roberto Tormen EGM 342

Introduç ão •Classificação dos Sistemas de Produção;•Classificação dos Sistemas de Produção;

•Teoria das Restrições;

•Estudo de caso.•Estudo de caso.

Classificação dos Sistemas de Produção

•Classificação de Tubino;•Classificação de Tubino;

•Pelo grau de padronização:

•Sistemas que produzem produtos padronizados:

bens ou serviços que apresentam alto grau de uniformidade e são produzidos em grande escala;

•Sistemas que produzem produtos padronizados: •Sistemas que produzem produtos padronizados:

bens ou serviços que apresentam alto grau de uniformidade e são produzidos em grande escala;

•Pelo tipo de operação:

•Processos contínuos: envolvem a produção de bens ou serviços que não podem ser identificados individualmente;

•Processos discretos: envolvem a produção de bens ou serviços que não podem ser isolados, em lotes ou unidades, e identificados em relação aos demais. Podem ser subdivididos em:demais. Podem ser subdivididos em:

•Repetitivos em massa;

•Repetitivos em lote;

•Por projeto .

•Pela natureza do produto:

•Manufatura de bens: quando o produto fabricado é tangível;

•Prestador de serviços: quando o produto gerado é intangível. gerado é intangível.

Teoria das restrições

•TOC (Theory Of Constraints) surgiu na •TOC (Theory Of Constraints) surgiu na década de 70;

•Eliyahu M. Goldratt;

•Aumento da lucratividade (meta da empresa) através de uma gestão adequada da produção;da produção;

•A restrição é qualquer coisa que limita um melhor desempenho de um sistema;

Etapas

•Identificar as restrições;•Identificar as restrições; •Explorar as restrições;

• Subordinar;

•Elevar as restrições;

•Volta-se ao passo 1.

Princípios Básicos

•Balancear o fluxo e não a capacidade;

•O nível de utilização de um recurso não-restrição •O nível de utilização de um recurso não-restrição não é determinado por seu próprio potencial;

•A utilização e ativação de um recurso não são sinônimos;

•Uma hora perdida no gargalo é uma hora perdida no sistema inteiro;no sistema inteiro;

•Uma hora economizada onde não é gargalo é apenas uma ilusão;

•Os gargalos governam o ganho e o inventário.

•Ganho: índice no qual o sistema gera dinheiro por meio das vendas;

•Inventário: corresponde a todo o dinheiro que o sistema investe na compra de coisas que o sistema pretende vender;

•Despesas operacionais: todo dinheiro que o sistema gasta para transformar inventário sistema gasta para transformar inventário em ganho.

Modelo Ta mbor- Pulmão- Corda

•Tambor: Programação da produção feita para o recurso restritivo que mais limita o ganho e a recurso restritivo que mais limita o ganho e a possibilidade da empresa ganhar mais dinheiro;

•Pulmão: tempo de segurança contra possíveis variações estatísticas que poderiam interferir no ganho da empresa;

•Cordaé um sistema de informação que permite a •Cordaé um sistema de informação que permite a subordinação da liberação de matéria-prima ao Tambor.

Tipos de Pulmão

•Pulmão de Restrição, que procura proteger a •Pulmão de Restrição, que procura proteger a restrição de eventuais problemas no processo anterior a ela;

(Parte 1 de 2)

Comentários