Automação Industrial - Redes de Petri

Automação Industrial - Redes de Petri

(Parte 1 de 4)

Copyright ©2000, 2001 Raquel Borba Balceiro. Todos os direitos reservados. Jenner FerreiraCiência da Informação -UnB

Siste mas Auto matizados:

–estruturas complexas formadas de diversos níveis de controle;

–diferentes sub-siste mas;

–sub-sistemasde diferentes naturezas:

x SISTEMAS A EVENTOS DISCRETOS

Copyright ©2000, 2001 Raquel Borba Balceiro. Todos os direitos reservados. Jenner FerreiraCiência da Informação -UnB

Engenheiro projetista de sistemas de automação precisa:

Garantir conseqüências bem definidas, seguras em presença de eventos externos

Analisar desempenho econômicos e de confiabilidade por meio de estatística e simulações

Copyright ©2000, 2001 Raquel Borba Balceiro. Todos os direitos reservados. Jenner FerreiraCiência da Informação -UnB

REDES DE PETRI Sistemas Dinâmicos

Relativo a “forças e energia produzindo movi mento”

A eventos, logísticos

Álgebra de Boole, Redes de Petri, Programas co mputacionais

EVENTOS (event-driven)

Discreto no te mpo

Equações diferenciais na variável tempo TEMPO

(ti me-driven)

Contínuo no te mpo

Equações diferenciais na variável tempo TEMPO

(ti me-driven)

NomesDescritos porAcionados por

Copyright ©2000, 2001 Raquel Borba Balceiro. Todos os direitos reservados. Jenner FerreiraCiência da Informação -UnB

Introdução SISTEMAS A EVENTOS DISCRETOS –SED:

Estado representado por conjuntos discretos:

equipamento ocupado, ocioso, em manutenção; níveis de estoque; mensagem em canal de comunicação; etc

Sistema éafetado por um conjunto E de eventos:chegada de peça, início de operação, pane, temperatura atinge um dado limite, etc

Evolução do sistema: pela ocorrência de eventos que provocam transições nos estados do mesmo.

Copyright ©2000, 2001 Raquel Borba Balceiro. Todos os direitos reservados. Jenner FerreiraCiência da Informação -UnB

Exemplos de SED:

Estoque: os eventos são as chegadas de produtos (C) e as chegadas de transporte para a saída (S)

Semáforo de um cruzamento Linha de usinagem

Copyright ©2000, 2001 Raquel Borba Balceiro. Todos os direitos reservados. Jenner FerreiraCiência da Informação -UnB

MODELOS PARA ANÁLISE DE SED’s Duas classes principais de modelos:

•Modelos Lógicos: Orientados para a análise do comportamento lógico (seqüencial) do sistema

•Modelos de Performance: Orientados para a análise de desempenho (quantitativa) do sistema

Copyright ©2000, 2001 Raquel Borba Balceiro. Todos os direitos reservados. Jenner FerreiraCiência da Informação -UnB

Modelos Lógicos

–Estado proibido ou desejado •Pode um certo estado ser alcançado?

–Vivacidade do sistema •O sistema estálivre de bloqueio?

Modelos de Performance

–Índices de desempenho

•Qual o “lead-time”, estoque médio de “buffers”, taxa de produção, taxa de ocupação de equipamentos, eficiência?

Copyright ©2000, 2001 Raquel Borba Balceiro. Todos os direitos reservados. Jenner FerreiraCiência da Informação -UnB

Modelos de Performance

–Modelos Analíticos

•Cadeias de Markov, Redes de Filas, etc

–Modelos p/ Simulação •Arena, Automod, etc

Modelos Lógicos –Redes de Petri

(Parte 1 de 4)

Comentários