Notas de aula de PME2514

Notas de aula de PME2514

1. INTRODUÇÃO

1.1. CONFORTO AMBIENTAL

O ambiente construído serve a vários propósitos:

Funcional Social Simbólico Artístico

A construção é uma barreira ou filtro entre o ambiente natural e/ou urbano e a gama de ambientes requeridos pelas diferentes atividades humanas. A solução para se ter conforto está na adequação do projeto da envolvente da edificação (paredes, coberturas e aberturas).

Embora o conforto ambiental seja normalmente apresentado como funcional ele muitas vezes estará relacionado com os outros três propósitos da construção.

O ambiente interno é o resultado do desempenho do “hardware” da construção. O “hardware” (envelope, serviços e conteúdo) afeta continuamente o ambiente físico (térmico, lumínico e acústico). Variações no espaço e no tempo podem ser necessárias não só para diferentes atividades, mas também para provocar estímulos e talvez experiências estéticas baseadas em sensações térmicas/lumínicas.

A especificação de um ambiente em termos térmicos, lumínicos e acústicos e suas tolerâncias depende das atividades a serem desenvolvidas. Isto envolve não só um entendimento das pessoas executando as atividades – idade, sexo, roupa, hábitos de alimentação e descanso, fatores culturais e sociais sobre comportamento e vestimenta – mas também um conhecimento dos gastos de energia para as atividades, problemas associados com a tensão, fadiga, tédio e possivelmente um conhecimento de suas experiências térmicas prévias no ambiente interno e externo.

Esta informação freqüentemente será inexata; o uso de uma construção pode mudar de uma maneira imprevisível; o ser humano tem uma ampla variedade de mecanismos de adaptação pessoal e fisiológica; a pesquisa em transientes térmicos/efeitos é extremamente insipiente; as forças econômicas (preço de energia) alteram o comportamento e julgamento do ser humano. Frente a estas incertezas, a necessidade e utilidade de um entendimento razoavelmente preciso das respostas fisiológicas e psicológicas pode ser questionado.

Arlindo Tribess PME/EPUSP

PME 2514 – Conforto térmico 1.2

Entretanto, as construções são projetadas para atender as necessidades e anseios das pessoas. Logo, o que importa é o julgamento que as pessoas fazem do ambiente, apesar dos poderes de adaptação e tolerância. Um fator importante é o número de critérios que podem ser usados para a avaliação da qualidade do ambiente em relação às atividades humanas, saúde e bem estar; enquanto cada critério pode permitir uma considerável variação, o conjunto de critérios talvez não permita.

Critérios: sobrevivência conforto desempenho saúde fatores psicológicos, sociais, econômicos

O conforto ambiental representa a qualidade ambiental e está associado aos seguintes fatores:

Conforto térmico Conforto lumínico Conforto acústico Qualidade do ar interno Ergonomia

1.1.1– Conforto acústico

O nível de ruído admissível depende não só de valores físicos objetivos, mas também de fatores subjetivos e psicológicos.

Como hábitos e expectativas dependem do ambiente sócio-cultural, a tolerância ao ruído pode variar com o tipo de sociedade da qual eles fazem parte.

Trem noturno: 70 – 80 dBA ⇒ não perturba

Casa silenciosa: relógio 20 dBA ⇒ pode irritar

1.1.2 – Conforto lumínico

A acuidade visual aumenta com o aumento da iluminância da superfície de trabalho até um certo limite. A sensitividade ao contraste é perdida com a iluminância fraca ou ofuscamento.

O brilho que acompanha altos níveis de iluminação geralmente melhora a visão. Quando este brilho é indesejado (ofuscamento) pode reduzir a acuidade e a sensitividade ao contraste. O ofuscamento total representa a perda temporária da visão útil.

PME 2514 – Conforto térmico 1.3

1.1.3 – Conforto térmico

Conforto térmico é definido pela norma ASHRAE1 5 (2004) como sendo “um estado de espírito que reflete satisfação com o ambiente térmico que envolve a pessoa”. Esta necessidade do homem de produzir condições ambientais aceitáveis, visando não só o seu conforto, como também aumentar a sua produtividade/concentração, está intimamente ligada ao consumo de energia.

1.1.4 - Qualidade do ar interno

Medidas de conservação de energia em prédios condicionados levam ao uso de envelopes mais herméticos.

Uso de novos materiais e equipamentos – aumento da concentração de contaminantes.

Edifícios doentes

Organização e concepção do espaço de trabalho; Antropometria; Psicologia do espaço

1.2. EDIFÍCIOS DOENTES

Definição: Qualquer problema de saúde relacionado com o ambiente construído que não pode ser adequadamente ligado ao mau funcionamento dos elementos de construção. Outros elementos: sistema de ar condicionado mal projetado ou com falta de manutenção; fachadas que vazam; problemas de relacionamento trabalhador-gerência.

Causas:

ambiente térmico; poluição do ar interior; fatores psicológicos (grupos de trabalhadores bem sucedidos e felizes reclamam menos do ambiente, não importando o quão bom ele realmente seja)

PME 2514 – Conforto térmico 1.4

Solução:

As pessoas preferem iluminação natural e atribuem isto, certa ou erradamente, a razões de saúde. Foi achada uma relação significativa entre a proximidade da janela e o status no escritório. Não se sabe o suficiente sobre conforto térmico. Será que o corpo humano precisa estar em contato com o ambiente externo e as condições do tempo para que se sinta confortável? Será que o fato de se sentir bem após uma sauna não indica que o conforto tem que ser “ sacudido” para ser mantido? a) Mais controle do ambiente para o usuário

1.4BIBLIOGRAFIA

ASHRAE 5 (2004). Thermal Environmental Conditions for Human Occupancy, American Society of Heating, Refrigerating and Air Conditioning Engineers Inc. New York.

ISO 7730 (2005). - Ergonomics of the Thermal Environment – Analytical Determination and Interpretation of Thermal Comfort using Calculation of the PMV and PPD Indices an Local Thermal Criteria”. International Organization for Standardization, Geneva.

ISO 7243 (1989). Hot environments- Estimation of the heat stress on working man, based on the WBGT – index (wet bulb globe temperature). International Organization for Standardization. Geneva.

ISO 7933 (1989). Hot environments – Analytical determination and interpretation of thermal stress using calculation on required sweat rate. International Organization for Standardization. Geneva.*

1 ASHRAE – American Society of Heating, Refrigerating and Air-Conditioning Engineers

Comentários