Apostila de Anatomia Aplicada I (parte 1)

Apostila de Anatomia Aplicada I (parte 1)

(Parte 3 de 6)

Longilíneo: é o indivíduo alto e magro, com os membros prevalecendo sobre o tronco. É o tipo leptossômico. Apresenta o ângulo de encontro entre costelas e apêndice xifóide menor que 90º.

Normilíneo: é o indivíduo atlético que mostra proporções intermediárias entre os dois tipos referidos. Apresenta o ângulo de encontro entre costelas e apêndice xifóide igual a 90º.

Anatomia Aplicada a Educação Física I Professor: Leonardo Delgado

DIVISÃO DO CORPO HUMANO Por segmentos:

- Cabeça. - Pescoço.

- Tronco: o Tórax. o Abdome. o Pelve.

- Membros Superiores: o Raiz (ombro). o Parte livre: a. braço. b. cotovelo. c. antebraço. d. punho. e. mão.

- Membros Inferiores: o Raiz (quadril). o Parte livre: a. coxa. b. joelho. c. perna. d. tornozelo. e. pé.

Por Sistemas:

De acordo com a anatomia macroscópica os sistemas que, em conjunto formam o organismo são:

- Sistema tegumentar: estuda o tegumento e suas estruturas derivadas (pelas unhas e glândulas sudoríparas e sebáceas). Sua função é proteger o corpo, regular sua temperatura, eliminar resíduos e receber certos estímulos (tátil, calor, dor etc.);

- Aparelho Locomotor: o Sistema Ósseo ou esquelético: composto de ossos e partes cartilaginosas, cuja sua função é fornecer suporte e proteção ao corpo, permitir movimento, produzir células sanguíneas (hemopiese) e armazenar minerais;. o Sistema Articular: composto de articulações, seus ossos e ligamentos associados. Sua função é unir qualquer parte rígida do esqueleto proporcionar ou não movimento entre eles. o Sistema Muscular: constituído de músculos e seus ligamentos.

Sua função é efetuar movimentos, manter a postura e produzir calor.

Anatomia Aplicada a Educação Física I Professor: Leonardo Delgado

- Sistema Circulatório: compreendendo o coração e os vasos sanguíneos (artérias, veias e capilares), inclui o “sistema linfático”, composto por linfonodos e vasos. O sistema cardiovascular refere-se ao coração e vasos sanguíneos. o Sistema Sangüíneo. o Sistema Linfático. o Órgãos Hematopoiéticos.

- Sistema Digestório: composto pela cavidade da boca, faringe e intestinos, estende-se da boca ao ânus. Associados a ele estão glândulas (fígado e pâncreas). O sistema está relacionado à assimilação de alimento..

- Sistema Respiratório: compreende os pulmões e o sistema de tubos pelo qual o ar os atinge e se relaciona com a troca de oxigênio e dióxido de carbono..

Anatomia Aplicada a Educação Física I Professor: Leonardo Delgado

- Aparelhos Urogenitais: compreende vários órgãos que estão relacionados com a reprodução. Por causa de sua íntima associação, especialmente no homem adulto, os sistemas urinário e genital são freqüentemente referidos como sistema urogenital. o Sistema Urinário. o Sistema Genital Masculino. o Sistema Genital Feminino.

- Sistema Endócrino: consistem em glândulas sem ducto produtoras de secreções chamadas hormônios que são levadas pelo sistema circulatório para todas as partes do corpo.

- Sistema nervoso: é o grande sistema que controla e coordena as atividades de todos os outros sistemas. É formando pelo cérebro, medula espinhal (sistema nervoso e periférico) e órgãos dos sentidos, como os olhos e os ouvidos (sistema nervoso autônomo). Tem como função detectar e responder às mudanças do meio interno e externo, capacitar o raciocínio e a memória e regular as atividades do corpo.

Anatomia Aplicada a Educação Física I Professor: Leonardo Delgado

Como toda ciência, a anatomia tem sua linguagem própria. Ao conjunto de termos empregados para designar e descrever o organismo ou suas partes dar-se o nome de nomenclatura anatômica.

Embora você esteja familiarizado com os nomes comuns de muitas partes e regiões do corpo, deve aprender a utilizar a nomenclatura anatômica adotada internacionalmente: por exemplo, use a palavra axila ao invés de “sovaco” e clavícula ao invés de osso do “colarinho”. Contudo, trate de aprender as palavras que os alunos podem usar na descrição de suas queixas. Além disto, você deve usar nomes que eles possam entender quando recebem explicações sobre seus problemas.

Com o extraordinário acúmulo de conhecimento, foi estimado que, em fins do século XIX, aproximadamente 50.0 nomes anatômicos estavam em uso para cerca de 5.0 formações do corpo humano. A primeira tentativa de uniformizar e criar uma nomenclatura anatômica internacional ocorreu em 1895, contudo, uma lista de cerca de 4.500 termos foi preparada e aceita em Brasiléia. Este sistema de nomenclatura é conhecido como Basle Nomina Anatômica (ABN) e é em latim.

Em sucessivos congressos de anatomia em 1933, 1936 e 1950 foram feitas revisões e finalmente em 1955, em Paris, foi aprovada oficialmente a nomenclatura anatômica, conhecida sob a sigla de PNA (Paris Momina

Anatomia Aplicada a Educação Física I Professor: Leonardo Delgado

Anatômica). Revisões subseqüentes foram feitas em 1960, 1965 e 1970, visto que a nomenclatura anatômica tem caráter dinâmico, podendo ser sempre criticada e modificada, desde que haja razões suficientes para as modificações e que estas sejam aprovadas em Congressos Internacionais de Anatomia, realizados de cinco em cinco anos.

A língua oficialmente adotada é o latim (por ser “língua morta”), porém cada país pode traduzi-la para seu próprio vernáculo. Ao designar uma estrutura do organismo, a nomenclatura procura utilizar termos que não sejam apenas sinais para a memória, mas tragam também alguma informação ou descrição sobre a referida estrutura. Dentro deste princípio, foram abolidos os epônimos (nome de pessoas para designar coisas) e os termos indicam: a forma (músculo trapézio); a sua posição ou situação (nervo mediano); o seu trajeto (artéria circunflexa da escápula); as suas conexões ou inter-relações (ligamento sacroilíaco); a sua relação com o esqueleto (artéria radial); sua função (m. levantador da escápula); critério misto (m. flexor superficial dos dedos – função e situação). Entretanto, há nomes impróprios ou não muito lógicos que foram conservados, porque estão consagrados pelo uso.

1. Conceituar anatomia em sentido amplo e em sentido restrito; 2. Citar os sistemas e os aparelhos do organismo; 3. Conceituar normal em Anatomia, variação anatômica, anomalia e monstruosidade; 4. Citar os fatores gerais de variação anatômica: 5. Definir Biótipo: 6. Definir longilínio, brevelínio e mediolínio e citar suas características morfológicas: 7. Definir nomenclatura Anatômica: 8. Citar os princípios fundamentais da nomenclatura Anatômica usado para designar estruturas do corpo humano, exemplificando:

Anatomia Aplicada a Educação Física I Professor: Leonardo Delgado

A necessidade de se colocar o corpo humano em uma posição padrão existiu e, a partir daí, com o auxílio de planos geométricos foi elaborado um estudo que ficou conhecido como Planimetria

Todos os termos apreendidos nesta aula serão utilizados durante todo o curso de Anatomia.

Para entender os Estudos dos Planos Anatômicos é importante conhecermos alguns conceitos, termos e divisões. Assim temos:

Planimetria

É um método convencional aplicado em Anatomia, visando o estudo do indivíduo como um todo ou por meio de peças anatômicas isoladas.

Posição Anatômica

A posição anatômica é uma posição de referência, que dá significado aos termos direcionais utilizados na descrição nas partes e regiões do corpo. As discussões sobre o corpo, o modo como se movimenta, sua postura ou a relação entre uma e outra área assumem que o corpo como um todo está numa posição específica chamada POSIÇÃO ANATÔMICA. Deste modo, os anatomistas, quando escrevem seus textos, referem-se ao objeto de

Anatomia Aplicada a Educação Física I Professor: Leonardo Delgado descrição considerando o indivíduo como se estivesse sempre na posição padronizada.

A posição anatômica pode ser descrita da seguinte forma, com o indivíduo em posição ereta (de pé, posição ortostática ou bípede), com a face voltada para frente, o olhar dirigido para o horizonte, membros superiores estendidos, aplicados ao tronco e com palmas voltadas para frente, membros inferiores unidos, com as pontas dos pés dirigidas para frente.

Posição SUPINA e PRONA são expressões utilizadas na descrição da posição do corpo, quando este não se encontra na posição anatômica.

Posição Supina ou Decúbito Dorsal O corpo está deitado com a face voltada para cima.

Posição Prona ou Decúbito Ventral O corpo está deitado com a face voltada para baixo.

Decúbito Lateral O corpo está deitado de lado.

Posição de Litotomia

O corpo está deitado com a face voltada para cima, com flexão de 90° de quadril e joelho, expondo o períneo.

Anatomia Aplicada a Educação Física I Professor: Leonardo Delgado

Posição de Trendelemburg

O corpo está deitado com a face voltada para cima, com a cabeça sobre a maca inclinada para baixo cerca de 40°.

Pontos de Referência

(Parte 3 de 6)

Comentários