(Parte 1 de 4)

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Campus de Poços de Caldas

Curso de Engenharia Civil

Laboratório de Física 1

Planejamento de canteiro de obras

Gustavo Luis de Souza Naback

Professor responsável: Mário Garrido

Poços de Caldas / MG

1o semestre de 2008

1. RESUMO 03

2. INTRODUÇÃO 03

  1. DESENVOLVIMENTO TEÓRICO 04

3.1 Conceitos básicos 04

3.1.1 Definição de planejamento de canteiros 04

3.1.2 Objetivos do planejamento de canteiros 04

3.1.3 Tipos de canteiro 05

3.2. Processo de planejamento de canteiros de obra 05

3.3. Elaboração de croquis do layout do canteiro 06

3.4. Padronização do canteiro de obras 08

3.4.1Exemplo de programação das etapas de padronização de canteiros 08

3.4.2 Cronograma de mão-de-obra: 09

3.4.3 Cronograma físico da obra: 09

3.4.4 Consulta ao orçamento: 09

3.4.5 Arranjo físico geral 09

3.4.6 Arranjo físico detalhado 09

3.4.7 Detalhamento das instalações 09

3.4.8 Cronograma de implantação 10

3.5 Manutenção e limpeza do canteiro de obras 10

3.6 Tipologia das instalações provisórias 11

3.6.1 Sistema tradicional racionalizado 11

3.6.2 Containers 12

3.7 Instalações provisórias: áreas de vivência e de apoio 14

3.7.1 Refeitório 14

3.7.2 Área de lazer 16

3.7.3 Vestiário 17

3.7.4 Banheiros 18

3.7.5 Almoxarifado 20

3.7.6 Escritório da obra 21

3.8 Instalações provisórias: acessos à obra e tapumes 22

3.9 Movimentação e armazenamento de materiais 24

3.9.1 Dimensionamento das instalações 24

3.9.2 Desperdícios e perdas por mau armazenamento são comuns em obras 26

  1. CONCLUSÃO 30

  2. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 30

1. RESUMO

Este relatório tem como objetivo fazer um detalhamento da metodologia aplicada na execução de um canteiro de obras, assim como os métodos utilizados, dimensões de instalações e os aspectos que as envolvem, baseando-se em normas.

O trabalho trata de uma obra de médio porte (prédio de 13 andares), onde trabalham 40 pessoas, de diversas funções. (engenheiros, operários, guardas noturnos, etc.).

2. INTRODUÇÃO

O planejamento do canteiro, em particular, tem sido um dos aspectos mais negligenciados na indústria da construção, sendo que as decisões são tomadas na medida em que os problemas surgem no decorrer da execução.

Em conseqüência, os canteiros de obras muitas vezes deixam a desejar em termos de organização e segurança, fazendo com que, longe de criarem uma imagem positiva das empresas no mercado, recomendem distância aos clientes.

Apesar de as vantagens operacionais e econômicas de um eficiente planejamento de canteiro serem mais óbvias em empreendimentos de maior porte e complexidade, é ponto pacífico que um estudo criterioso do layout e da logística do canteiro deve estar entre as primeiras ações para que sejam bem aproveitados todos os recursos materiais e humanos empregados na obra, qualquer que seja seu porte.

Embora seja reconhecido que o planejamento do canteiro desempenha um papel fundamental na eficiência das operações, cumprimento de prazos, custos e qualidade da construção, os gerentes geralmente aprendem a realizar tal atividade somente através da tentativa e erro, ao longo de muitos anos de trabalho.

Também se conclui que raramente existe um método definido para o planejamento do canteiro, observando, em pesquisas junto a gerentes de obra, que os planos eram elaborados com base na experiência, no senso comum e na adaptação de projetos passados para as situações atuais.

  1. DESENVOLVIMENTO TEÓRICO

3.1 Conceitos básicos

3.1.1 Definição de planejamento de canteiros

O planejamento de um canteiro de obras pode ser definido como o planejamento do layout e da logística das suas instalações provisórias, instalações de segurança e sistema de movimentação e armazenamento de materiais. O planejamento do layout envolve a definição do arranjo físico de trabalhadores, materiais, equipamentos, áreas de trabalho e de estocagem.

De outra parte, o planejamento logístico estabelece as condições de infra-estrutura para o desenvolvimento do processo produtivo, estabelecendo, por exemplo, as condições de armazenamento e transporte de cada material, a tipologia das instalações provisórias, o mobiliário dos escritórios ou as instalações de segurança de uma serra circular. De acordo com a definição adotada, considera-se que o planejamento de assuntos de segurança no trabalho não relacionados às proteções físicas, tais como o treinamento da mão-de-obra ou as análises de riscos, não faz parte da atividade planejamento de canteiro. Tal definição deve-se a complexidade e as particularidades do planejamento da segurança.

3.1.2 Objetivos do planejamento de canteiros

O processo de planejamento do canteiro visa a obter a melhor utilização do espaço físico disponível, de forma a possibilitar que homens e máquinas trabalhem com segurança e eficiência, principalmente através da minimização das movimentações de materiais, componentes e mão-de-obra.

(a) objetivos de alto nível: promover operações eficientes e seguras e manter alta a motivação dos empregados. No que diz respeito à motivação dos operários destaca-se a necessidade de fornecer boas condições ambientais de trabalho, tanto em termos de conforto como de segurança do trabalho. Ainda dentre os objetivos de alto nível, pode ser acrescentado cuidado com os aspectos visuais do canteiro, que inclui a limpeza e impacto positivo perante funcionários e clientes. Não seria exagero afirmar que um cliente, na dúvida entre dois apartamentos (de obras diferentes) que o satisfaçam plenamente, decida comprar aquele do canteiro mais organizado, uma vez que este pode induzir uma maior confiança em relação a qualidade da obra;

(b) objetivos de baixo nível: minimizar distâncias de transporte, minimizar tempos de movimentação de pessoal e materiais, minimizar manuseios de materiais e evitar obstruções ao movimento de materiais e equipamentos.

3.1.3 Tipos de canteiro

Os canteiros de obra podem ser enquadrados dentro de um dos três seguintes tipos: restritos, amplos e longos e estreitos.

O primeiro tipo de canteiro (restrito) é o mais freqüente nas áreas urbanas das cidades, especialmente nas áreas centrais. Devido ao elevado custo dos terrenos nessas áreas, as edificações tendem a ocupar uma alta percentagem do terreno em busca de maximizar sua rentabilidade.

Em decorrência disto os canteiros restritos são os que exigem mais cuidados no planejamento, devendo-se seguir uma abordagem criteriosa para tal tarefa. Existem duas regras fundamentais que sempre devem ser seguidas no planejamento de canteiros restritos:

(a) sempre atacar primeiro a fronteira mais difícil;

(b) criar espaços utilizáveis no nível do térreo tão cedo quanto possível.

A primeira regra recomenda que a obra inicie a partir da divisa mais problemática do canteiro. O principal objetivo é evitar que se tenha de fazer serviços em tal divisa nas fases posteriores da execução, quando a construção de outras partes da edificação dificulta o acesso a este local.

Os motivos que podem determinar a criticalidade de uma divisa são vários, tais como a existência de um muro de arrimo, vegetação de grande porte ou um desnível acentuado.

A segunda regra aplica-se especialmente a obras nas quais o subsolo ocupa quase a totalidade do terreno, dificultando, na fase inicial da construção, a existência de um layout permanente. Exige-se, assim, a conclusão, tão cedo quanto possível, de espaços utilizáveis ao nível do térreo, os quais possam ser aproveitados para locação de instalações provisórias de armazenamento, com a finalidade de facilitar os acessos de veículos e pessoas, além de propiciar um caráter de longo prazo de existência para as referidas instalações.

3.2. Processo de planejamento de canteiros de obra

O planejamento do canteiro deve ser encarado como um processo gerencial como qualquer outro, incluindo etapas de coleta de dados e avaliação do planejamento.

(Parte 1 de 4)

Comentários