Educação Profissional Básica para Agentes Indígenas de Saúde Módulo Promovendo a Saúde e Prevenindo Doenças Endêmicas

Educação Profissional Básica para Agentes Indígenas de Saúde Módulo Promovendo a...

(Parte 4 de 4)

O agente de saúde acompanha o tratamento medicamentoso, orientado por um profissional de saúde.

Para controlar a malária é importante: • impedir a multiplicação dos mosquitos, eliminando os criadouros dos anofelinos;

• avaliar as situações de maior risco de epidemia, como, por exemplo, a época do início das chuvas, presença de garimpos e desmatamentos, festa na aldeia, chegada de parentes de outras áreas endêmicas;

• busca ativa de pessoas assintomáticas;

• fazer o diagnóstico rápido da doença;

• iniciar o tratamento dos casos com até 24 horas após o diagnóstico.

Formação Inicial para Agentes Indígenas de Saúde - Módulo Promovendo a Saúde e Prevenindo Doenças Endêmicas29

VII – Materiais utilizados

Filmes, fotografias e cartazes:

• fotos comparativas de comunidades indígenas. Utilizar fotos da região; • filme: Ilha das Flores;

• filme: A década da destruição;

• filme: Lixo- onde é que eu jogo?

Material didático:

• material de papelaria; • exames de lâminas de baciloscopia de Tuberculose;

• exames de RX de tórax, de preferência obtidos na região;

• microscópio;

• lâminas positivas de malária;

• impressos preconizados pelo Siasi;

• formulários utilizados para registros;

• livro de registro de atendimentos.

VIII – Fichas Ficha 1

- Exer cício de fixação de aprendizagem

Nome do Agente:Etnia: Pólo-base:

Aldeia Desenho livre sobre o modo de transmissão das doenças endêmicas

Data: Ass. agente:

Ass. Instrutor/Supervisor:Nº conselho:

Formação Inicial para Agentes Indígenas de Saúde - Módulo Promovendo a Saúde e Prevenindo Doenças Endêmicas31

Ficha 2

- Exer cício de fixação da aprendizagem (frente)

Doença provável

Modo de trans missão

Nome do Agente:Etnia: Pólo-base:

Aldeia

Agente infeccioso

Porta de entrada Localização

Porta de saída

Sinais esintomas Medidas de vigilância,prevenção e controle

Vetor

Data: Ass. agente:

Ass. Instrutor/Supervisor:Nº conselho:

Orientações para o instrutor

Este trabalho deve ser visto co mo u ma pri meira tentativa para o aluno identificar casos de doenças endê micas e expressar os conheci mentos incorporados sobre o vetor

, porta de entrada e saída e localização do agente infeccioso no or ganismo, sinais e sintomas e medidas de vigilância, prevenção e controle indicadas, considerando as características culturais indígenas.

O instrutor deverá dialogar com o aluno sobre suas dificuldades e dar um parecer sintético no espaço abaixo. Observações:

Ficha 2

- Exer cício de fixação da aprendizagem (verso)

Formação Inicial para Agentes Indígenas de Saúde - Módulo Promovendo a Saúde e Prevenindo Doenças Endêmicas33

Nome do Agente:Etnia: Pólo-base:

Aldeia

Atividade Desempenhos

Datas Instrutor/ Supervisor

Coleta de infor mações sobre s a o e n ç a n a c o nidade.

• Participa do planejamento da visita, juntamente com o supervisor .

• Apresenta-se e explica o objetivo da visita.• Faz-se entender e or ganiza a informação.

• Observa e registra:- As doenças mais comuns;- As faixas etárias em que elas mais ocorrem;-

As comunidades mais afetadas por doenças.

• Identifica as condições dos locais de a t e n d i mento de pacientes ou posto de saúde.

Ficha de avaliação de desempenho 3 Data:

Ass. agente:

Ass. Instrutor/Supervisor:Nº conselho:

Nome do Agente:Etnia: Pólo-base:

Aldeia

Atividade Desempenhos

Datas Instrutor/ Supervisor

Trabalho educativo junto à comunidade.

R e a l i z a tr b a l h os e d u c a t i v os s o b r os t m as abordados.• Utiliza técnicas participativas.• Convida lideranças para as atividades.• Envolve professores no trabalho educativo.• Utiliza material didático:

cartazes, álbum seriado, fitas de vídeo, slides , etc.

Ficha de avaliação de desempenho 4 Data:

Ass. agente:

Ass. Instrutor/Supervisor:Nº conselho:

Formação Inicial para Agentes Indígenas de Saúde - Módulo Promovendo a Saúde e Prevenindo Doenças Endêmicas35

Nome do Agente:Etnia: Pólo-base:

Aldeia

Atividade Desempenhos

Datas Instrutor/ Supervisor

B usca ativa de d o e ntes c o tuber culose.

• Realiza visita d o miciliar b u s c a n d o c a s os de t osse produtiva.• Faz per guntas sobre a história clínica do doente e dos comunicantes.• Participa das atividades de coleta de escarro.• Acompanha tratamento de doentes com tuber culose orienta comunicantes e familiares.

Ficha de avaliação de desempenho 5 Data:

Ass. agente:

Ass. Instrutor/Supervisor:Nº conselho:

Nome do Agente:Etnia: Pólo-base:

Aldeia

Atividade Desempenhos

Datas Instrutor/ Supervisor

B usca ativa de d o e ntes c o malária.

• Realiza a t i v i d a des de i d e n t i f i c a ç ã o de s u s p e i t os de malária.• Relaciona a ocorrência de malária a fatores ambientais.

• Participa das atividades de diagnóstico diferencial de malária.• A c o mpanha trata mento de doentes co m malária e orienta comuniddes sobre medidas de prevenção.

Ficha de avaliação de desempenho 6 Data:

Ass. agente:

Ass. Instrutor/Supervisor:Nº conselho:

Formação Inicial para Agentes Indígenas de Saúde - Módulo Promovendo a Saúde e Prevenindo Doenças Endêmicas37

Ficha de avaliação de desempenho 7 Nome do Agente:Etnia: Pólo-base:

Aldeia

Atividade Desempenho comentado pelo instrutor/supervisor e pelo aluno

Levantamento de recursos de saúde da comuni-dade:1. Identificação de recursos disponíveis • pessoal;• infra-estrutura;• transporte;• comunicação;• medicamentos e materiais;

2. Análise de recursos encontrados;3. Propostas de melhoria sobre a situação encontrada.Data:

Ass. agente:

Ass. Instrutor/Supervisor:Nº conselho:

Nome do Agente:Etnia: Pólo-base:

Aldeia

Atividade Desempenhos

Datas Instrutor/ Supervisor

Vigilância Epide miológica das doenças endêmicas.

• Identifica pessoas doentes na comunidade.• Encaminha pacientes para equipe de saúde do Dsei.• Participa das ações de vigilância, prevenção e controle, junto à equipe de saúde.• Orienta a comunidade sobre medidas de preservação ambiental.• Acompanha tratamentos padronizados dos pacientes, sob supervisão de profissionais.• Desenvolve ações de educação em saúde.

Ficha de avaliação de desempenho 8 Data:

Ass. agente:

Ass. Instrutor/Supervisor:Nº conselho:

Formação Inicial para Agentes Indígenas de Saúde - Módulo Promovendo a Saúde e Prevenindo Doenças Endêmicas39

Ficha de avaliação de desempenho 9 Nome do Agente:Etnia: Pólo-base:

Aldeia

Atividade Desempenho comentado pelo instrutor/supervisor e pelo aluno

Avaliação individual do aluno:• Identificação de aspectos positivos do desempenho do aluno no curso;• Identificação de aspectos negativos do desempenho do aluno no curso;• Sugestões do aluno para o processo de formação;•

P r o p ostas de m e l h oria s o bre o d e s e m p e n h o d o aluno. Data:

Ass. agente:

Ass. Instrutor/Supervisor:Nº conselho:

Nome do Agente:Etnia: Pólo-base:

Aldeia

Data Descrição do fato observado pelo instrutor/supervisor

Diálogo com o agente

Ficha de registro de fatos Data:

Ass. agente:

Ass. Instrutor/Supervisor:Nº conselho:

Formação Inicial para Agentes Indígenas de Saúde - Módulo Promovendo a Saúde e Prevenindo Doenças Endêmicas41

Nome do Agente:Etnia: Pólo-base:

Aldeia

Desempenho Final

Corresponde às expectativas desta etapa do processo de aprendizagem

Necessita eventualmente de ajuda e orientação

Ainda apresenta dificuldades, necessitando de ajuda e orientação constantes

Identifica na co munidade situações de risco para as doenças e n d ê micas relacionadas a fatores a m b i e n t a i s .

Identifica recursos de saúde na comunidade.Identifica na comunidade casos de doenças endêmicasde prevalência local/regional.Participa das ações de vigilância epidemiológica dasdoenças endêmicas.Realiza busca ativa de doentes com tuberculose e malária. Participa das ações de diagnóstico e tratamento das doenças endêmicas.Realiza trabalhos educativos sobre os temas abordados.Avaliação de Desempenho Final do Módulo Saúde do Adulto e Atendimento de Urgências

Data:

Ass. agente:

Ass. Instrutor/Supervisor:Nº conselho: Observação:

Parecer do Instrutor/Supervisor

. Aluno apto, desenvolvendo suas atividades com autonomiaAluno apto, requerendo acompanhamento eventualAluno apto, requerendo acompanhamento constanteAluno não apto, necessitando passar novamente pelas etapas de concentração e/ou dispersão.

IX – Referência bibliográficas

ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO. Textos de apoio em vigilância epidemiológica. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1998.

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. Curso básico de vigilância ambiental em saúde – Módulo I. Brasília: Funasa, 2002.

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. Diagnóstico e tratamento no controle de malária: manual para pessoal de saúde de nível médio. Brasília: FNS, 1995.

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. 2. ed. Brasília: Funasa, 2000.

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. Guia de vigilância epidemiológica. Brasília: Funasa, 2002. FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. Manual de terapêutica da malária. Brasília: Funasa, 2001.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Projeto de Profissionalização dos Trabalhadores da Área de Enfermagem – PROFAE. Profissionalização de auxiliares de enfermagem: cadernos do aluno: saúde coletiva. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2001.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Projeto de Profissionalização dos Trabalhadores da Área de Enfermagem – PROFAE. Profissionalização de auxiliares de enfermagem: cadernos do aluno: instrumentalizando a ação profissional 1 e 2. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2001.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia curricular para formação do auxiliar de enfermagem para atuar na rede básica do SUS. Brasília: Ministério da Saúde, 1994.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia de doenças transmissíveis: manual de bolso. Brasília: Ministério da Saúde, 1999.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Informação técnica - malária. Brasília: Ministério da Saúde, s.d.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Políticas de Saúde. Disponível em http://www.saude.gov.br/sps/ areastecnicas/atps/material/manual-tecnico Acessado em 23 set. 2002.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Políticas de Saúde. Disponível em http://www.saude.gov.br/sps Acessado em 29 out. 2002.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Políticas de Saúde. Manual técnico para controle da tuberculose. Brasília: Ministério da Saúde, 2002. Cadernos de Atenção Básica, n. 6.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Políticas de Saúde. Tuberculose: informações para Agentes Comunitários de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2000.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Políticas de Saúde. Disponível em http://www.saude.gov.br/sps/ areastecnicasatds/home Acessado em 31 out. 2002.

SEM CARÊNCIAS..., com Saúde: aprendendo sobre Vitamina A, Ferro e Iodo. Brasília, 1998.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Guia curricular para formação do auxiliar de enfermagem – perfil hospitalar. Belo Horizonte: UFMG, 1995.

WERNER, D. Onde não há Médico. 18. ed. São Paulo: Paulus Editora, 1994.

Formação Inicial para Agentes Indígenas de Saúde - Módulo Promovendo a Saúde e Prevenindo Doenças Endêmicas43

Elaboração: Setembro de 1999 Ena de Araújo Galvão – RH/Vigisus/Coordenadora Lavínia Santos de Souza Oliveira – Usma/Unifesp – Dsei/Xingu Maria Ferreira Bittencourt – Dsei Amapá/Sesa Marina Machado – Dsei Alto Rio Negro/Saúde Sem Limites – AM

Revisão: Outubro de 2002 Eugênia Belém Calazans Coelho – Funasa/Desai Jorge Meireles Amarante – Funasa/Desai Solange de Carvalho Oliveira – Etis-SES/RJ. Wladmayre Couto Azevedo – Funasa/Desai

Capa e projeto gráfico do miolo Gláucia Elisabeth de Oliveira – Nemir/Codec/Ascom/Presi/Funasa/MS

Revisão ortográfica e gramatical Olinda Myrtes Bayma S. Melo - Nemir/Codec/Ascom/Presi/Funasa/MS

Diagramação Maria Célia de Souza - Nemir/Codec/Ascom/Presi/Funasa/MS

Normalização bibliográfica Raquel Machado Santos - Comub/Ascom/Presi/Funasa/MS

(Parte 4 de 4)

Comentários