Apostila de esgoto

Apostila de esgoto

(Parte 1 de 11)

Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Engenharia Civil Disciplina de Saneamento Básico

Autor: Professor João Bosco de Andrade. Colaboração: Acadêmica Fernanda Posch Rios

Notas de aula da Disciplina de Saneamento Básico do Curso de Engenharia Civil da Universidade Católica de Goiás.

Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil – Saneamento Básico

Autor Professor João Bosco de Andrade Colaboração Acadêmica Fernanda Posch Rios

CAPÍTULO I - FOSSAS SÉPTICAS E SUMIDOUROS _ 7

1. INTRODUÇÃO _ 7 2. HISTÓRICO _ 7 3. CONCEITO _ 7 4. DEFINIÇÃO _ 8 5. FUNCIONAMENTO _ 8 6. AFLUENTES A UMA FOSSA SÉPTICA _ 9 7. DIMENSIONAMENTO _ 9 8. EFICIÊNCIA DAS FOSSAS SÉPTICAS _ 12 9. SUMIDOUROS _ 12 9.1. Teste para determinação de absorção de um solo _ 13

CAPÍTULO I - SISTEMA COLETOR DE ESGOTOS SANITÁRIOS _ 16

2. PARTES CONSTITUTIVAS DE UM SISTEMA CONVENCIONAL DE ESGOTOS16
3. LOCALIZAÇÃO DOS COLETORES EM RELAÇÃO AO SISTEMA VIÁRIO17
4.1. Vias Sanitárias ou Marginais18
4.2. Fundos de Vale Tratados19
9. NUMERAÇÃO DOS COLETORES25
10. POÇO DE VISITA26

1. INTRODUÇÃO _ 16 4. LOCALIZAÇÃO DOS INTERCEPTORES _ 18 5. VAZÕES DE DIMENSIONAMENTO DO SISTEMA COLETOR _ 19 6. VELOCIDADE NOS COLETORES _ 20 7. DECLIVIDADES DOS COLETORES _ 20 8. TRAÇADO DOS COLETORES _ 21 10.1. Definição _ 26

10.2. Disposição Construtiva _ 26

Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil – Saneamento Básico

Autor Professor João Bosco de Andrade Colaboração Acadêmica Fernanda Posch Rios

10.3. Situações em que se empregam os poços de visita27
1. PROFUNDIDADE DOS COLETORES32

10.4. Terminal de Limpeza (TL) _ 29 10.5. Características básicas dos poços de visita _ 29 12. DETERMINAÇÃO DA PROFUNDIDADE MÍNIMA DOS COLETORES _ 3

CAPÍTULO I - CARACTERÍSTICAS DOS ESGOTOS _ 35

2. CARACTERÍSTICAS FÍSICAS35

1. CONCEITO _ 35 2.1. Matéria Sólida _ 36

3. CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS _ 37 3.1. Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) _ 38

4. CARACTERÍSTICAS BIOLÓGICAS _ 38 5. ESGOTOS INDUSTRIAIS - EQUIVALENTE POPULACIONAL DAS INDÚSTRIAS _ 38

CAPÍTULO IV - PROCESSOS E GRAUS DE TRATAMENTO DOS ESGOTOS SANITÁRIOS _ 39

1. INTRODUÇÃO _ 39 2. OPERAÇÕES UNITÁRIAS _ 39 3. PROCESSOS DE TRATAMENTO _ 40 3.1. Processos Físicos _ 40

3.2. Processos Químicos _ 41 3.3. Processos Biológicos _ 41

4. CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS _ 41 4.1. Em Função da Remoção _ 41

4.2. Em Função da Eficiência das Unidades _ 42 4.3. Grau de Tratamento _ 43

CAPÍTULO V - REMOÇÃO DE SÓLIDOS GROSSEIROS – TRATAMENTO PRELIMINAR _ 45

1. CONCEITO _ 45

Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil – Saneamento Básico

Autor Professor João Bosco de Andrade Colaboração Acadêmica Fernanda Posch Rios

2. FINALIDADES _ 45 3. CARACTERÍSTICAS DAS GRADES DE BARRAS _ 46 3.1. Dispositivos de Retenção _ 46

3.2. Dispositivos de Remoção _ 46 3.3. Destino do Material Removido _ 47

4. FUNCIONAMENTO DAS GRADES _ 47 4.1. Velocidade de Passagem dos Esgotos Entre as Barras _ 47

4.2. Perdas de Carga _ 47 4.3. Dimensionamento _ 47

CAPÍTULO VI – REMOÇÃO DE AREIA _ 48

1. CONCEITO _ 48 2. FINALIDADES DA REMOÇÃO DAS AREIAS _ 48 3. CARACTERÍSTICAS _ 48 4. DIMENSIONAMENTO _ 49 5. DETALHES EXECUTIVOS _ 50

CAPÍTULO VII – LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO _ 51

1. HISTÓRICO _ 51 2. CONCEITO E CLASSIFICAÇÃO _ 51 3. EFICIÊNCIA E APICABILIDADE DAS LAGOAS _ 52 4. FATORES QUE INTERFEREM NO PROCESSO _ 52 4.1. Fatores Incontroláveis _ 52

4.2. Fatores Parcialmente Controláveis _ 53 5. PARÂMETROS DE INTERESSE _ 53 6. PRINCÍPIOS DE DIMENSIONAMENTO E FUNCIONAMENTO _ 54 6.1. LAGOAS ANAERÓBIAS _ 5

6.1.1. Princípios de Funcionamento _ 5 6.1.2. Parâmetros de Dimensionamento _ 5 6.2. LAGOAS FACULTATIVAS _ 56

Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil – Saneamento Básico

Autor Professor João Bosco de Andrade Colaboração Acadêmica Fernanda Posch Rios

6.2.1. Princípios de Funcionamento _ 56 6.2.2. Parâmetros de Dimensionamento _ 56

CAPÍTULO VIII - LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO – ASPECTOS CONSTRUTIVOS _ 57

1. INTRODUÇÃO _ 57 2. FASES DE IMPLANTAÇÃO _ 58 2.1. Locação _ 59

2.2. Desmatamento _ 59 2.3. Raspagem _ 59 2.4. Escavação _ 59 2.5. Escarificação _ 60 2.6. Terraplenagem _ 60 2.7. Construção dos Diques _ 60

3. DISPOSITIVOS DE ENTRADA _ 6 4. DISPOSITIVOS DE SAÍDA _ 68

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS _ 69

Í N D I C ED E T A B E L A S

Tabela 1 - Período de detenção ( T ) em função da vazão afluente ( NC ) ------------------------- 8 Tabela 2 - Contribuições unitárias de esgotos ( C ) e de lodo fresco ( Lf ) por tipo de prédios e de oc upante s ------------------------------------------------------------------------------------- 10

Tabela 3 - Tempo de Penetração em Função do Tipo de Solo -------------------------------------- 13 Tabela 4 - Declividades mínimas, conforme os diâmetros: ----------------------------------------- 21 Tabela 5 - Dimensões Mínimas para Chaminé e Balão de Poço de Visita. ------------------------ 27 Tabela 6 - Tipos de grade e espaçamento entre as barras ------------------------------------------- 46 Tabela 7 - Dimensões das Barras --------------------------------------------------------------------- 46 Tabela 8 – Tempo de detenção e eficiência de remoção de DBO em função da temperatura média ---------------------------------------------------------------------------------------------------- 5

Tabela 9 - Taxas de aplicação, População Equivalente e Tempos de Detenção em Lagoas Fac ult ati vas -------------------------------------------------------------------------------------- 56

Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil – Saneamento Básico

Autor Professor João Bosco de Andrade Colaboração Acadêmica Fernanda Posch Rios

Í N D I C ED E F I G U R A S

Figura 1 - Detalhes executivos de uma fossa séptica prismática retangular de câmara única --- 1 Figura 2 - Curva da capacidade de absorção de um solo -------------------------------------------- 13 Figura 3 - Detalhes construtivos do sumidouro ------------------------------------------------------ 14 Figura 4 - Esquema com existência de dois sumidouros -------------------------------------------- 15 Figura 5 - Localização das redes coletoras ---------------------------------------------------------- 18 Figura 6 - Localização de interceptores em fundos de vale canalizados -------------------------- 18 Figura 7 - Localização de interceptores em fundos de vale tratados ------------------------------- 19 Figura 8 - Tipo 1 de traçado de coletores ------------------------------------------------------------ 2 Figura 9 - Tipo 2 de traçado de coletores ------------------------------------------------------------ 23 Figura 10 - Tipo 3 de traçado de coletores ---------------------------------------------------------- 24 Figura 1 - Partes constitutivas do sistema convencional ------------------------------------------ 25 Figura 12 – Detalhe do fundo do poço --------------------------------------------------------------- 26 Figura 13 – Detalhes dos degraus do P.V. ----------------------------------------------------------- 27 Figura 14 - Modelo de tampão de fo fo para poço de visita ---------------------------------------- 28 Figura 15 - Detalhe do terminal de limpeza TL ----------------------------------------------------- 29 Figura 16 - Poço de visita em anéis pré moldados -------------------------------------------------- 30 Figura 17 – Peça de transição em concreto armado ------------------------------------------------- 30 Figura 18 - Detalhe da chegada do coletor ao PV --------------------------------------------------- 31 Figura 19 - Profundidades mais convenientes ------------------------------------------------------- 32 Figura 20 - Posição do coletor em prfil -------------------------------------------------------------- 3 Figura 21 - Composição dos sólidos nos esgotos ---------------------------------------------------- 36 Figura 2 - Esquema Geral de sistema de abastecimento de água e tratamento de esgoto ------- 4 Figura 23 - Deslocamento das partículas no interior do desarenador ------------------------------ 49 Figura 24 - Detalhe da caixa de areia de limpeza manual ------------------------------------------ 50 Figura 25 - Lagoa de estabilização ------------------------------------------------------------------- 54 Figura 26 - Detalhe do dique: folga e coroamento -------------------------------------------------- 61 Figura 27 - Detalhe do dique: linha de infiltração -------------------------------------------------- 61 Figura 28 - Detalhe do dique: berma ----------------------------------------------------------------- 62 Figura 29 - Detalhe do dique: emprétimo lateral ---------------------------------------------------- 63 Figura 30 - Detalhe do dique: deslocamento do dique ---------------------------------------------- 63 Figura 31 - Detalhe do dique: vala central ----------------------------------------------------------- 64 Figura 32 - Detalhe do dique: dreno - filtro --------------------------------------------------------- 65 Figura 3 – Detalhe do filtro com material de granulometria decrescente ------------------------ 65 Figura 34 - Laje de pedras para proteção dos taludes contra impacto das ondas ----------------- 6 Figura 35 - Entrada tipo submerso horizontal ------------------------------------------------------- 67 Figura 36 - Entrada tipo submerso com jato por baixo --------------------------------------------- 67 Figura 37 - Entrada tipo submerso com jato para cima --------------------------------------------- 68 Figura 38 - Entrada tipo estrutura elevada ----------------------------------------------------------- 68 Figura 39 - Esquema de saída das lagoas ------------------------------------------------------------ 69

(Parte 1 de 11)

Comentários