(Parte 3 de 4)

COMO FAZER? Determine a quantidade de Terças conforme o tipo de madeira e dimensões do Caibro.

VÃO MÁXIMO DOS CAIBROS [Lc]

Grupo de Madeira conforme seu tipo A B C

Caibro de 5 X 6 1,40 1,60 1,90

Caibro de 5 X 7 1,90 2,20 2,50

Fonte: IPT = Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Tabela válida para telhados com telhas de cerâmica tipo Francesa. Para outros tipos de telhas os valores são outros.

Estudante : Ernandes A. dos Santos

Lr = Vão da Ripa = 50 centímetros.

Grupo A Grupo B Grupo C amendoin canafístula guarucaia jequitibá branco laranjeira peroba rosa cabriúva parda cabriúva vermelha caovi coração de negro cupiuba faveiro garapa guapeva louro pardo mandigau pau cepilho pau marfim pau pereira sucupira amarela anjico preto guarantã taiuva

EMENDA DE CAIBROS: Caso seja necessário emendar os caibros, não faça a emenda em qualquer lugar. Procure fazer a emenda bem em cima de uma Terça.

Estudante : Ernandes A. dos Santos

9 - Construção das Ripas As Ripas são as peças que apóiam as Telhas.

A distância entre uma Ripa e outra vai depender do fabricante da Telha. infelizmente os fabricantes não seguem um padrão único de tamanho de Telha.

Aliás, é por causa disso que devemos guardar algumas telhas no sótão pois quando alguma telha quebrar, dificilmente encontraremos telhas exatamente do mesmo tamanho. COMO FAZER?

Meça a distância necessária montando um trecho de telhado.

Confeccione um Gabarito com a distância determinada.

Pregue as Ripas usando o Gabarito. CUIDADOS: Na montagem das telhas, tomar o cuidado para que cada telha fique bem encaixada nas demais. Não deixar muito apertado. Veja na foto abaixo um erro muito comum:

Estudante : Ernandes A. dos Santos

As telhas estão mal encaixadas.Então, a água da chuva vai cair bem no meio do vão entre uma telha e outra.

Estudante : Ernandes A. dos Santos

10 - Construção das Ferragens

Algumas peças precisam de Ferragens para complementar a rigidez do conjunto. COMO FAZER?

Estudante : Ernandes A. dos Santos

1 - Cálculo das Calhas

Ler a norma brasileira NBR-10.844 - Instalações Prediais de Águas Pluviais Para o cálculo das Calhas devemos calcular, antes, a quantidade de chuva que vai cair no telhado.

A quantidade de água que uma chuva joga sobre um telhado varia em função de diversos fatores como o clima (tropical, equatorial, etc.), a estação do ano (primavera, verão, etc.) e a localização geográfica (norte, nordeste, sul, etc.).

Para o cálculo da quantidade de água, não se leva em consideração tais fatores mas apenas a maior intensidade da chuva. Mesmo em regiões de poucas chuvas como no nordeste brasileiro, quando chove a chuva pode ter uma intensiade pluviométrica tão grande como uma chuva em São Paulo. Não é a quantidade total de água que cai mas sim a quantidade em um determinado tempo. Um bom número para quantidade de chuva é o seguinte:

0,067 litros por segundo por metro quadrado

Este número corresponde a uma chuva com período de recorrência de 100 anos e com intensidade pluviométrica de 240 milímetros por hora aplicável na maior parte do território brasileiro. Entretanto deve-se tomar o cuidado em determinadas regiões que podem apresentar valores bem acima. Veja na norma NBR-10.844 uma tabela com as intensidades pluviométricas em diversas regiões do Brasil. Para um valor mais preciso consulte o serviço de meteorologia mais próximo.

Estudante : Ernandes A. dos Santos

Vejamos como calcular a quantidade de água nas calhas de um exemplo como o da figura abaixo.

Essa casa tem apenas uma água (para facilitar a compreensão). O telhado mede 8 X 1,70 metros.

Primeiro você deve determinar os pontos de descida de água. Vamos colocar 3 condutores de descida nas posições indicadas na figura acima. Observe que o telhado ficou dividido em 2 áreas. A Área 1 de 7,20 X 8,0 e a Área 2 de 4,50 X 8,0 m.

A água da chuva que cair na Área 1 será recolhida pela Calha 1. A Calha 1 tem duas caídas, metade da água corre para o Condutor 1 e a outra metade para o Condutor 2. Vamos chamar de V1 a vazão que corre para cada lado na Calha 1.

V1 = 0,067 X 8,0 X 7,20/2 = 1,93 litros por segundo Com o mesmo raciocínio, temos a vazão V2 que corre para cada lado da Calha 2. V2 = 0,067 X 8,0 X 4,50/2 = 1,21 litros por segundo

Capacidade de condução de calhas tipo meia cana com declividade de 2% [litros por segundo] DIÂMETRO POLEGADAS 4 6 8 10 12 MILÍMETROS 100 150 200 250 300

Consultando a tabela acima, vemos que a Calha 1 pode ter o diâmetro de 100 m podendo conduzir até 7,1 litros por segundo. Da mesma forma, vemos que a Calha 2 pode ter tembém um diâmetro de 100 m. Estamos com bastante folga e podemos até pensar em algum obstáculo para o escoamento dentro da calha. Por exemplo, caso haja um entupimento dos condutores 1 e 3, toda a água deverá ser conduzida pelo condutor 2. Neste caso, a vazão total será de 2(1,93+1,21) = 6,28 litros por segundo, ainda dentro da capacidade da calha.

Pela figura, observa-se que o condutor mais solicitado é o Condutor 2 pois deve conduzir a vazão V1 e também a vazão V2. VC2 = V1 + V2 = 1,93 + 1,21 = 3,14 litros por segundo.

Estudante : Ernandes A. dos Santos

Capacidade de condução de condutores verticais PVC ou Chapa Galvanizada

DIÂMETRO VAZÃO [litros por segundo] POLEGADAS MILÍMETROS 2 50 0,57 3 75 1,76 4 100 3,83 6 150 1,43

Para atender à vazão de 3,14 litros por segundo, teremos que instalar um tubo de 100 m com capacidade de 3,83 litros por segundo.

Algumas peças precisam de Ferragens para complementar a rigidez do conjunto.

A montagem das calhas começa pela peça chamada bocal de descida que deve ser firmemente fixada:

Depois que terminar a fixação de todos os bocais de saída, começa a instalar as calhas.

Tomar sempre o cuidado de deixar um caimento de pelo menos 2% para garantir que a poeira, terra e areia que forem depositadas serão lavadas na primeira chuva.

Chamamos de horizontais mas na verdade precisam ter um certa declividade. Com um caimento de apenas 1% já se consegue um bom escoamento de água. Entretanto, devemos sempre considerar que havrá partículas sólidas como terra e areia na água da chuva. Então o mínimo necessário será de 2%. Com esse caimento, consegue-se uma boa velocidade da água e essa velocidade é suficiente para carregar a areia junto.

Capacidade de condução de condutores verticais PVC ou Chapa Galvanizada

A tabela acima leva em consideração a declividade mínima de 2%, tubo de PVC (rugosidade = Lisa). Para outros tipos de materiais não vale. Para tubo de cerâmica, barro, ferro fundido e canaletas feitas com concreto, consultar outras tabelas.

Estudante : Ernandes A. dos Santos

(Parte 3 de 4)

Comentários