(Parte 6 de 6)

Garra de três dedos: São similares aos de dois dedos, porém permitem uma segurar objetos de forma circular, triangular e irregular com maior firmeza. Os dedos são articulados e formado por diversos vínculos.

Figura 27

Garra para objetos cilíndricos: Consiste de dois dedos com vários semicírculos chanfrados, que permitem a garra segurar objetos cilíndricos de vários diâmetros diferentes. As principais desvantagens são:

  • O seu peso que deve ser sustentado pelo robô durante a operação;

  • A limitação de movimentos causada pelo comprimento da garra.

Figura 28

Garra para objetos frágeis: São garras próprias para exercer um certo grau de força durante a operação de segurar algum corpo, sem causar algum tipo de dano ao mesmo. Ele é formado por dois dedos flexíveis, que se curvam para dentro, de forma a agarrar um objeto frágil; seu controle é feito por um compressor de ar.

Figura 29

Garra articulada: São projetados para agarrar objetos de diferentes tamanhos e formas. Os vínculos são movimentados por pares de cabos, onde um cabo flexiona a articulação e o outro a estende. Sua destreza em segurar objetos de formas irregulares e tamanhos diferentes se deve ao grande número de vínculo.

Figura 30

Garra a vácuo e eletromagnética: Garras a vácuo são projetados para prender uma superfície lisa durante a ação do vácuo. Estas garras possuem ventosas de sucção conectadas a bomba de ar comprimido, que prendem superfícies como chapas metálicas e caixas de papelão. Para reduzir o risco de mau funcionamento devido a perda de vácuo, é comum usar mais do que uma ventosa de sucção

Figura 31

A movimentação de chapas com uso de garras só pode ser realizada pegando-se uma chapa por vez e por no mínimo três trabalhadores e observando-se os seguintes requisitos mínimos:

  • Não ultrapassar a capacidade de carga dos elementos de sustentação e a capacidade de carga da ponte rolante ou de outro tipo de equipamento de içar, atendendo as especificações técnicas e recomendações do fabricante;

  • Todo equipamento de içar deve ter indicado, em lugar visível, o nome do fabricante, o responsável técnico e a carga máxima de trabalho permitida;

  • As áreas de movimentação devem propiciar condições de forma que o trabalho seja realizado com total segurança e serem sinalizadas de forma adequada, na vertical e no piso.

As empresas devem ter livro próprio para registro de inspeção e manutenção dos elementos de sustentação usados na movimentação de chapas com uso de garras.

As inspeções e manutenções devem ser realizadas por profissional legalmente habilitado e dado conhecimento ao empregador.

    1. DISPOSIÇÕES GERAIS

  1. Durante as atividades de preparação e retirada de chapas serradas do tear devem ser toma das providências para impedir que o quadro inferior porta lâminas do tear caia sobre os trabalhadores.

  2. As instruções, visando a informação, qualificação e treinamento dos trabalhadores, devem ser redigidas em linguagem compreensível e adotando metodologias, técnicas e materiais que facilitem o aprendizado para preservação de sua segurança e saúde.

  3. Na construção dos equipamentos utilizados na movimentação e armazenamento de chapas devem ser observadas no que couberem as especificações das normas da ABNT e outras nacionalmente aceitas.

  4. Fica proibido o armazenamento e a disposição de chapas sobre paredes, colunas, estruturas metálicas ou outros locais que não sejam os cavaletes especificados neste Regulamento Técnico de Procedimentos.

    1. GLOSSÁRIO

  • Carro porta-bloco: Carro que fica sob o tear com o bloco;

  • Carro transportador: Carro que leva o carro porta-bloco até o tear.

  • Cavalete triangular: Peça metálica em formato triangular com uma base de apoio usado para armazenagem de chapas de mármore, granito e outras rochas.

  • Cavalete vertical: Peça metálica em formato de pente colocado na vertical apoiado sobre base metálica, usado para armazenamento de chapas de mármore, granito e outras rochas.

  • Fueiro: Peça metálica em formato de L (para os carros porta-bloco mais antigos), ou simples, com um de seus lados encaixados sobre a base do carro porta-bloco, que tem por finalidade garantir a estabilidade das chapas durante e após a serrada e enquanto as chapas estiverem sobre o carro.

  1. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • ANDRADE, Luís Cláudio Magnago. Noções Básicas de Amarração, Sinalização e Movimentação de Cargas. SENAI – ES: 1996. Disponível em: < http://www.scribd.com/doc/25206497/Mecanica-Nocoes-Basicas-de-Amarracao-Sinalizacao-e-Movimentacao-de-Cargas-SENAI-CST>. Acesso em: 30 abr. 2010.

  • ANEXO I DA NR-11: movimentação e armazenagem de chapas de mármore, granito e outras rochas. 3. tiragem. Brasília: Editora eletrônica e impressão, 2006.

  • ANEXO I DA NR-11: Movimentação E Armazenagem De Chapas De Mármore, Granito E Outras Rochas. Ministério do Trabalho e Emprego. Disponível em: <http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentaDORAS/nr_11anexo1.pdf>. Acesso em: 25 abr. 2010.

  • ARAÚJO, Giovanni Moraes de. Normas Regulamentadoras Comentadas. 6.ed. Rio de Janeiro: GVC, 2007.

  • Aula Nº10 - Equipamentos de Movimentação de Materiais. Faculdade On-line UVB.

  • CARTILHA SESI. Indústria Da Construção Civil – Edificações. Coleção Manuais, São Paulo: 2008.

  • CIOCCHI, Luis. Equipamentos de transporte manual. Revista canteiro, téchne 76, julho 2006.

  • CODO , Marco Antonio e CASARIM, Wanderley. Equipamentos de Elevação e Transporte. International Paper do Brasil Ltda: 2007.

  • DAMASCENO BRASIL, Luis Augusto. Dicas de prevenção de acidentes e doenças no trabalho. Cartilha SESI – SEBRAE. Brasília, 2005.

  • GAVILÁN , Victor Ramón Bejarano. Fatores de risco ocupacional do operador de guindastes de pequeno porte: uma revisão de literatura.

  • LEGISLAÇÃO COMENTADA. Normas Regulamentadoras de Segurança e Saúde do Trabalho. Bahia: 2008. SESI. Departamento Regional da Bahia.

  • MARQUES, Alexandre B. Transporte, movimentação, armazenagem e manuseio de materiais. Rio de Janeiro: CEFET, 2006.

  • MENDES, René. Máquinas e Acidentes de Trabalho. Coleção Previdência Social. V. 13. Ministério da Previdência e Assistência Social. Ministério do Trabalho e Emprego: 2001.

  • MOURA, Reinaldo A. Manual de movimentação de materiais. Vol. I. Equipamentos. IMAM.

  • MOURA, Reinaldo A. Logística: Suprimentos, armazenagem, distribuição física. IMAM.

  • MOURA, Reinaldo A. Sistemas e técnicas de movimentação e armazenagem de materiais. 3. ed. São Paulo: IMAM, 1983.

  • MORAES JR, Cosmo Palásio. A segurança no uso de veículos industriais. Disponível em: <http://www.ecivilnet.com/artigos/seguranca_veiculos_industriais.htm>. Acesso em: 19 abr. 2010.

  • NR 11 - TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS. Ministério do Trabalho e Emprego. Disponível em:.<http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentaDORAS/nr_11.pdf>. Acesso em: 15 abr. 2010.

  • O PORTAL DA CONSTRUÇÃO. Guia Técnico. Segurança e Higiene no Trabalho. V. 8. Movimentação Manual de Cargas. Disponível em: www.oportaldaconstrucao.com. Acesso em: 24 abr. 2010.

  • OLIVEIRA, Jaime Medeiros. Transportes, armazenagem e manuseio. Santa Catarina: CEFET.

  • OLIVÉRIO, José L. Produtos, processos e instalações industriais. São Paulo: FEI, 1974.

  • PAMPALON, Gianfranco. Trabalho em altura. Prevenção de acidentes por quedas. Disponível em:http://sstmpe.fundacentro.gov.br/Anexo/Manual%20Contra%20Quedas%20Gianfranco.pdf >Acessado em: 25 abril 2010.

  • PROTEÇÃO, Revista. Disponível em: http://www.protecao.com.br/site/content/protegildo/index.php. Acesso em: 22 abr. 2010.

  • RECKELBERG , Osmar. Inspeção diária de ventosas e componentes. Disponível em: <http://operadorponte.blogspot.com/2010/04/inspecao-diaria-de-ventosas-e.html>. Acesso em 20 abr. 2010.

  • RECKELBERG , Osmar. ANÁLISE DE CARGA DOS TEARES PARA DESCARREGAMENTO DE CHAPAS . Disponível em: < http://operadorponte.blogspot.com/>. Acesso em: 22 abr. 2010.

  • SINTRA, Câmara Municipal. Movimentação manual de cargas. Disponível em: <http://www.cm-sintra.pt/%5CAnexo%5C633277222805468750Movimenta%C3%A7%C3%A3o%20Manual%20de%20Cargas.pdf>. Acesso em 20 abr. 2010.

  • SILVA, Edson Donizetti da. Segurança no Uso de Empilhadeira. TST, São Carlos.

(Parte 6 de 6)

Comentários