Analise Gerencial e Contabil de Custos

Analise Gerencial e Contabil de Custos

(Parte 3 de 7)

não é uniforme entre os setores:

Custo

Corte ($)

Montagem ($)

Acabamento ($)

Total ($)

Depreciação

100.000

30.000

70.000

200.000

Manutenção

200.000

30.000

120.000

350.000

Energia elétrica

60.000

40.000

200.000

300.000

Supervisão

Outros

50.000

40.000

20.000

30.000

30.000

130.000

100.000

200.000

Total

450.000

150.000

550.000

1.150.000

Custo médio/hm

Vamos agora apropriar os Custos Indiretos, levando em conta o tempo de cada produto em cada departamento:

Produto

No

Corte

Na

Montagem

No Acabamento

Total

D

$ 518.750

E

$ 300.000

F

$ 331.250

Total

$ 450.000

$ 150.000

$ 550.000

$ 1.150.000

Façamos a comparação entre a apropriação dos Custos Indiretos com e sem departamentalização:

Custos Indiretos

Diferença

produto

Sem

Departamentalização

$

Com

Departamentalização

$

Em $

Em %

D

460.000

518.750

58.750

+12,8

E

230.000

300.000

70.000

+30,4

F

460.000

331.250

(128.750)

-28,0

Total

1.150.000

1.150.000

-

-

Se a empresa fosse fixar seus preços de venda com base nos custos de produção, verificaria que com base na departamentalização teria de aumentar os preços dos produtos D e E, diminuindo os de F.

Um inadequado processo de custeamento pode trazer transtornos sérios à competição de mercado.

Análise Gerencial e Contábil de Custos

Prof. José Marcos

Bloco

C

Os Custos Indiretos

módulo

02

Departamento e Centro de Custos

Departamento é a unidade mínima administrativa para a Contabilidade de Custos, representada na maioria das vezes por homens e máquinas, desenvolvendo atividades homogêneas.

Diz-se mínima administrativa por existir sempre um responsável para cada departamento. A partir desse princípio, a Contabilidade de Custos poderá ser usada como forma de Controle.

Os departamentos podem ser divididos em dois grandes grupos:

Departamentos de Produçãoos que promovem qualquer tipo de modificação sobre o produto.

Ex.: forjaria, cromeação, montagem, pintura, refino, etc..

Os custos desses departamentos têm seus custos “jogados” sobre os produtos.

Departamentos de Serviçossequer recebem o produto e vivem basicamente para execução de serviços.

Ex.: almoxarifado, manutenção, administração de fábrica, etc..

Seus custos não podem ser apropriados diretamente aos produtos, mas serão distribuídos proporcionalmente aos departamentos que deles se beneficiam.

Normalmente um Departamento é um Centro de Custos, nele sendo acumulados os custos indiretos para posterior alocação aos produtos (departamentos de produção) ou a outros departamentos (departamentos de serviços)

Podem existir ainda diversos Centros de Custos em um mesmo departamento.

Vejamos um exemplo:

O departamento de perfuração possui três máquinas.

Primeira hipótese – cada uma das três máquinas executa todos os tipos de serviços de perfuração. Neste caso a conceituação é de um único Centro de Custos pois a execução dos serviços não exigem habilidades ou instalações especiais para serem realizados.

Segunda hipótese – cada máquina executa demandas diferentes com perfurações diferentes e operários especializados em cada uma. Cada produto só pode passar por uma delas. Neste caso, o departamento poderá possuir três Centros de Custos se os valores absolutos ($) forem convenientes economicamente.

Terceira hipótese – o departamento possui três máquinas diferentes, operadas por operários especializados e com salários diferentes mas, cada produtos deverá passar obrigatoriamente pelos três equipamentos e sempre na mesma seqüência. Neste caso, teríamos obrigatoriamente três centros de custos.

Centro de Custo é a unidade mínima de acumulação de Custos Indiretos de Fabricação, mas não é uma unidade administrativa.

Para nosso estudo, partiremos do princípio que cada departamento é um único Centro de Custos.

Análise Gerencial e Contábil de Custos

Prof. José Marcos

Bloco

C

Os Custos Indiretos

módulo

03

Custos dos Departamentos de Serviços

Suponhamos os seguintes Custos Indiretos incorrido em determinado mês:

CUSTO INDIRETO

VALOR

Aluguel da Fábrica

150.000

Energia Elétrica

90.000

Materiais Diversos

60.000

MO Indireta

350.000

Depreciação

70.000

TOTAL

720.000

Para a apropriação aos produtos, devemos distribuí-los aos diversos departamentos. Para tanto, é preciso investigar a ligação entre os custos e o departamento onde foi incorrido.

  1. Aluguel é um custo comum a toda a fábrica devendo ser englobado ao Departamento de Administração Geral, havendo necessidade de adoção de um critério de rateio para sua distribuição.

  2. Energia Elétrica – há medidores de força para alguns departamentos e um outro para o resto da empresa. Com isso verifica-se:

DEPARTAMENTO

VALOR

Usinagem

30.000

Cromeação

10.000

Montagem

10.000

A RATEAR

40.000

TOTAL

90.000

  1. Materiais Diversos - controle por requisições

DEPARTAMENTO

VALOR

Administração Geral Produção

18.000

Almoxarifado

10.000

Usinagem

6.000

Cromeação

4.000

Montagem

8.000

Controle de Qualidade

5.000

Manutenção

9.000

TOTAL

60.000

  1. Mão-de-Obra Indireta – apontamento

DEPARTAMENTO

VALOR

Administração Geral Produção

80.000

Pessoal do Almoxarifado

60.000

Supervisão Usinagem

40.000

Supervisão Cromeação

30.000

Supervisão Montagem

50.000

Pessoal do Controle de Qualidade

30.000

Pessoal da Manutenção

60.000

TOTAL

350.000

  1. Depreciação de Máquinas - informação contábil

DEPARTAMENTO

VALOR

Máquinas da Administração

8.000

Máquinas da Usinagem

21.000

Máquinas da Cromeação

13.000

Máquinas da Montagem

2.000

Máquinas do Controle de Qualidade

10.000

Máquinas da Manutenção

16.000

TOTAL

70.000

  1. Quadro Resumo

Custos Indiretos

Adm.

Geral

Almoxarifado

Usinagem

Cromeação

Montagem

Controle Qualid.

Manutenção

Total

Aluguel

150.000

Energia Elétrica

90.000

Materiais Diversos

60.000

Mão-de-obra Indireta

350.000

Depreciação

70.000

Total

296.000

70.000

97.000

57.000

70.000

45.000

85.000

720.000

É preciso agora estabelecer um critério para a distribuição dos Custos Indiretos dos Departamentos de Serviços, quais sejam:

Administração Geral, Almoxarifado, Controle de Qualidade e Manutenção.

Suponhamos que a nossa empresa tenha feito a seguinte ponderação sobre os seus Departamentos de Serviços:

  1. Que a Administração Geral é a primeira que deve Ter seus custos distribuídos, pois presta mais serviços do que recebe. Além disso é a de maior valor relativo em custos por apropriar.

  2. Que a Manutenção será o segundo departamento de serviços a Ter seus custos distribuídos pois presta mais serviços ao Almoxarifado e ao Controle de Qualidade do que deles recebe.

Nota: apesar de prestar serviços à Adm Geral, o faz em valores pouco relevantes. Além disso, pelo critério, não receberá mais custos de ninguém por já ter distribuído todos os seus custos.

  1. Que o Almoxarifado terá seus custos rateados aos departamentos que fizeram uso de seus serviços, exceto os que já foram alvo de distribuição.

  2. Que o Controle de Qualidade, apesar de prestar serviços à Manutenção, terá seus custos alocados somente aos Departamentos de Produção que dele fizeram uso, considerando que os demais departamentos de serviços foram distribuídos. Ficou por último porque mais recebe benefícios da Manutenção do que presta a ela.

Escalonada a seqüência de distribuição, suponhamos que os seguintes fatores tenham sido levantados e utilizados:

Rateio dos Custos da Administração Geral

Através de uma análise mais acurada dos diversos custos que envolvem o departamento, chegamos ao seguinte:

I – Aluguel

Deverá ser rateado em função da área ocupada por cada departamento: (informação fornecida pela empresa)

Para o Departamento de

Valor ($)

Almoxarifado

20.000

Usinagem

30.000

Cromeação

20.000

Montagem

40.000

Controle de Qualidade

15.000

Manutenção

25.000

TOTAL

150.000

II – Energia

A parte não alocada totaliza $ 40.000 e é devida à iluminação, ar condicionado e máquinas de baixo consumo da Administração Geral. A distribuição se dará segundo o número de pontos de luz. (informação fornecida pela empresa)

Para o Departamento de

Valor ($)

Almoxarifado

6.000

Usinagem

4.000

Cromeação

2.000

Montagem

7.000

Controle de Qualidade

8.000

Manutenção

13.000

TOTAL

40.000

III – Máo-de-Obra Indireta, Materiais Diversos e Depreciação

Na ausência de um critério específico adequado, resolveu-se juntar os três custos e distribuí-los proporcionalmente ao número de pessoas envolvidas na Supervisão de cada um dos departamentos. (informação fornecida pela empresa)

$ 80.000 + $ 18.000 + $ 8.000 = $ 106.000

Para o Departamento de

Valor ($)

Almoxarifado

9.000

Usinagem

19.000

Cromeação

16.000

Montagem

21.000

Controle de Qualidade

19.000

Manutenção

22.000

TOTAL

106.000

Rateio dos Custos de Manutenção

Levantamento informa que esse departamento trabalhou:

50 h p/ Usinagem

40 h p/ Cromeação

40 h p/ Controle de Qualidade

15 h p/ almoxarifado

Tem para ratear:

$ 85.000 do quadro resumo

$ 25.000 de aluguel

$ 13.000 de energia

$ 22.000 de materiais inds, MO indireta e Depreciação

Total de $ 145.000 a ratear, proporcionalmente às horas trabalhadas;

Para o Departamento de

Valor ($)

Almoxarifado

15.000

Usinagem

50.000

Cromeação

40.000

Controle de Qualidade

40.000

TOTAL

145.000

Rateio dos Custos do Almoxarifado

Tem para ratear:

$ 70.000 do quadro resumo

$ 20.000 de aluguel

$ 6.000 de energia

$ 9.000 de materiais inds, MO indireta e Depreciação

$ 15.000 da Manutenção

Total de $ 120.000 a ratear, proporcionalmente às horas trabalhadas.

Resolveu-se distribuir igualmente os custos entre Usinagem, cromeação e Montagem, por serem esses os departamentos que realmente obrigam a existência do Almoxarifado. Ainda que o Controle de Qualidade faça uso dele, não recebe rateio pois seus valores são irrelevantes.

Para o Departamento de

Valor ($)

Usinagem

40.000

Cromeação

40.000

Montagem

40.000

TOTAL

120.000

Rateio dos Custos do Controle de Qualidade

Esse departamento faz testes por amostragem dos trabalhos processados nos departamentos de Produção. A distribuição dos seus custos é feita com base no número de testes efetuados. Verifica-se que:

Testes para

No.

%

Usinagem

136

53,5

Cromeação

88

34,6

Montagem

30

11,8

TOTAL

254

100,0

Os $ 127.000 de custos existentes no Controle de Qualidade são então distribuídos segundo a proporção de utilização indicada no quadro anterior:

Para o Departamento de

Valor ($)

Usinagem

Cromeação

Montagem

TOTAL

127.000

Após esses rateios todos, temos todos os Custos Indiretos de Produção carregados somente sobre os três departamentos de Produção

Departamento

Valor ($)

Usinagem

Cromeação

Montagem

TOTAL

720.000

Precisamos agora transferir os custos indiretos dos departamentos de produção para os produtos.

A empresa resolveu atribuir os custos indiretos com base no número de horas-máquina (hm) que cada um ocupou. O levantamento indica:

Produtos

Usinagem hm

Cromeação hm

Montagem hm

Total hm

Produto G

Produto H

Produto I

150

120

80

120

120

60

80

70

43

350

310

183

TOTAL

350

300

193

843

Apropriação dos Custos Indiretos:

na Usinagem

na Cromeação

na Montagem

Total

Custos indiretos /hm

$ 308.000

:

350 hm

=

$ 880/hm

$ 219.000

:

300 hm

=

$ 730/hm

$ 193.000

:

193 hm

=

$ 1.000/hm

Produto G

$ 299.600

Produto H

$ 263.200

Produto I

$ 157.200

TOTAL

$ 308.000

$ 219.000

$ 193.000

$ 720.000

Síntese do Esquema de Rateio dos Custos Indiretos pela Departamentalização:

(Parte 3 de 7)

Comentários