Analise Gerencial e Contabil de Custos

Analise Gerencial e Contabil de Custos

(Parte 5 de 7)

MP e MOD necessárias $ 96.000

Horas-máquina necessárias 50 hm

Cálculos da empresa:

MP e MOD $ 96.000

Custos, Despesas e Lucro (- desp. de venda variáveis)

50 hm x $1.840/hm $ 92.000

$ 188.000

Como esse montante deve corresponder a 80% do preço já que 20% são Despesas de Venda, o Preço oferecido será:

$ 188.000 = $ 235.000

80% (0,80)

O cliente faz uma contraproposta de $ 200.000.

Ela é vantajosa para a empresa?

Pela demonstração abaixo, não.

Preço ofertado pelo cliente $ 200.000

(-) Despesas de Venda Variáveis $ 40.000

$ 160.000

(-) Custo, Despesa e Lucro $ 188.000

FALTA” $ 28.000

Pela fórmula estabelecida pela empresa 50 hm x $400/hm = $ 20.000 de lucro, a empresa teria um prejuízo real de $ 8.000.

No entanto, se pensarmos que os custos fixos continuarão a existir independente da empresa assumir o pedido ou não ( a semana está ociosa), a empresa deixaria de gastar apenas:

MP e MOD $ 96.000

Custos e Despesas Variáveis (- vendas)

$ 400/hm x 50 hm $ 20.000

$ 116.000

Despesas Variáveis de Venda ( 20% de $ 200.000) $ 40.000

Total de Custos e Despesas Variáveis $ 156.000

Deixaria de gastar $ 156.000 mas deixaria de receber $ 200.000. Portanto, estaria perdendo uma Margem de Contribuição de $ 44.000.

Receita $ 200.000

(-) Custos e Despesas Variáveis $ 156.000

(=)Margem de Contribuição dessa encomenda $ 44.000

EXERCÍCIOS

1- A empresa Arquivaço S A , fábrica armários de aço de diversos modelos e que têm as seguintes características de custos num nível de produção de 100 unidades de cada:

Produto/modelo

MP

$/un

MOD

$/un

CIV

$/un

CIF

$/un

Custo total

$/un

01

300

500

250

200

1250

02

400

500

300

250

1450

03

500

600

300

250

1650

04

600

600

300

250

1750

Os preços de venda unitários são:

Mod 01 $ 1500

Mod 02 $ 1550

Mod 03 $ 1750

Mod 04 $ 1900

De acordo com esses dados, apresente uma ordem de prioridade que a empresa deve adotar para maximizar sua lucratividade.

2- A Cia Tudolimpo fabrica dois tipos de aspiradores de pó. Fez recentemente uma grande ampliação de sua capacidade produtiva e pretende utilizá-la plenamente com intensiva campanha publicitária e sem alterar os preços dos seus produtos.

O Depar5tamento de Planejamentop pediu dados detalhados sobre a produção dos dois produtos e obteve as seguintes informações:

Custos Fixos Mensais

MOD $ 2.000.000

Depreciação $ 600.000

Outros $ 360.000

Custos Variáveis

Aspirador A

Aspirador B

MP

$ 300,00/un

$ 400,00/un

Outros Materiais

$ 122,50/um

$ 180,80/un

MOD

$ 350,00/un

$ 600,00/un

Quantidades Produzidas no Último Mês: 2.000 unidades de cada modelo

Tempo Total Utilizado na Fabricação durante o M<ês

ModeloA 15.500 horas

Modelo B 24.500 horas

Preço de Venda

Modelo A $ 1.900,00/un

Modelo B $ 2.600,00/um

Sabendo-se que a empresa apropria os Custos Fixos à base do tempod e fabricação,

  1. Calcule o lucro unitários de cada um dos produtos.

  2. Indique qual o produto que deve ter sua venda incentivada e justifique sua escolha.

3- A Cia Amazonense de Automóveis tem capacidade para produzir 36.000 carros por ano. No entanto, coloca atualmente no mercado somente 24.000 unidades.

Seus custos e Despesas são os seguintes:

Custo Fixo de Produção $ 450.000.000/ano

Custos Variáveis $ 15.000/um

Despesas Fixas $ 90.000.000/ano

Despesas Comerciais $ 1.000/um

Impostos $ 3.000/um

Recebeu proposta para exportar 12.000 unidades, desde que o preço seja de $ 25.000/um (no Brasil o carro é vendido a $ 47.000/um)

  1. Deve aceitar a proposta?

(lembre-se que haverá isenção de impostos, mas suas despesas comerciais serão acrescidas em 50% e o transporte será de $ 2500/un).

b) Qual seria o preço mínimo pelo qual passaria a valer a pena efetuar esse negócio.

Análise Gerencial e Contábil de Custos

Prof. José Marcos

Bloco

D

Custos para Decisão

módulo

02

Limitações na Capacidade Produtiva

Ao comentarmos a grande importância do conceito de Margem de Contribuição, verificamos algumas de suas aplicações, mas não atentamos ao problema decorrente da existência de diversos fatores que naturalmente limitam a capacidade de produção da empresa. Vamos agora entrar nesse tipo de problema.

Margem de Contribuição antes da Existência de Limitações.

Suponhamos que uma determinada empresa fabricante de barracas para camping produza quatro modelos diferentes (A, B, C e D).

Os dados de Custos que a empresa possui são bastante minuciosos:

Quadro 1

Matéria-prima $ / u

Mão-de-obra Direta $ / u

Custo Direto Total $ / u

Custo Indireto Variável $ / u

Custo Variável Total $ / u

Produto A

700

600

1.300

200

1.500

Produto B

600

500

1.100

150

1.250

Produto C

2.000

700

2.700

200

2.900

Produto D

400

500

900

100

1.000

Os Custos Indiretos Fixos são os seguintes:

Mão-de-obra Indireta $ 1.600.000 / ano

Aluguéis $ 400.000 / ano

Depreciações $ 300.000 / ano

Outros Indiretos Fixos $ 200.000 / ano

Total $ 2.500.000 / ano

Conhecedora das vantagens da utilização do conceito de Margem de Contribuição, para efeito de análise e decisão, ela procede como indicado no Quadro 1, alocando apenas os custos variáveis. Com isso tem ela a seguinte tabela com relação à Contribuição Marginal de cada um dos modelos.

Quadro 2

Custo Variável Total (Quadro 1) $ / u

Preço de Venda $ / u

Margem de Contribuição $ / u

Modelo A

2.000

Modelo B

1.800

Modelo C

3.500

Modelo D

1.200

Esses preços são também aproximadamente os da concorrência para cada tipo de barraca.

Analisando-se a coluna da Margem de Contribuição, verificamos de imediato que o modelo com maior capacidade de trazer recursos para a empresa é o modelo C. Entretanto, nossa firma precisa oferecer todos eles ao mercado. Mas é claro que ela tentará, sempre que possível, forçar a venda do modelo C, já que cada unidade dele produz maior margem de contribuição. Isso se não existir nenhum problema de limitação quanto à produção.

Existência das Limitações na Capacidade Produtiva

A nossa empresa, precisando fazer uma programação para a produção do ano 199X, procede a uma pesquisa de mercado e verifica que existe a seguinte demanda:

  • Modelo A – 3.300 u

  • Modelo B – 2.800 u

  • Modelo C – 3.600 u

  • Modelo D – 2.000 u

Sua capacidade não é suficiente para fornecer esse volume, já que possui ela um nível máximo de produção de 97.000 horas-máquina, enquanto aquela demanda lhe consumiria 103.150, conforme o tempo de cada modelo mostrado a seguir.

Quadro 3

Horas-máquina necessárias. h / u

Demanda Prevista

un

Total

Horas-máquina hm

Modelo A

9,50

3.300

31.350

Modelo B

9,00

2.800

25.200

Modelo C

11,00

3.600

39.600

Modelo D

3,50

2.000

7.000

Total

103.150

Vê-se agora a fábrica na contingência de verificar qual dos modelos deixará de ser total ou parcialmente atendido. Deverá considerar o atendimento de alguns clientes especiais mesmo a custa da redução do lucro.

Onde então efetuar o corte das 6.150 horas excedentes a sua capacidade (103.150 h – 97.000 h)?

Com base na Margem de Contribuição é provável que a nossa empresa venha a decidir pela redução na linha do Modelo D, já que apresenta a menor Margem de Contribuição por unidade (veja quadro 2). Teria assim que deixar de produzir 1.757 unidades desse tipo:

6.150 h = 1.757 un

3,50 h / u

A partir dessa previsão de produção, poderia constituir um quadro projetado do resultado do ano 199X:

Quadro 4

Quantidade un

MC $ / un

MC Total $

Modelo A

3.300

500

1.650.000

Modelo B

2.800

550

1.540.000

Modelo C

3.600

600

2.160.000

Modelo D

243

200

48.600

Total Margem de Contribuição $ 5.398.600

(-) Custos Fixos ($ 2.500.000)

Resultado $ 2.898.600

Comprovação da Utilização do Critério Correto

Para termos certeza de que a decisão tomada de corte do Modelo D é a correta, podemos fazer alguns cálculos com o resultado de que seria obtido caso se decidisse de maneira diversa. Para isso, basta verificarmos qual seria a nova Margem de Contribuição Total com a nova escolha, já que de todas as hipóteses possíveis interessa a que maximizar, pois o mesmo montante de Custos Fixos será deduzido dela para se chegar ao Resultado.

Verifiquemos primeiramente o que teria acontecido se a empresa tivesse optado pelo corte no produto C, ao invés de no D.

O número de unidades não produzidas de C seria

6.150 h = 559 un e o resultado seria:

11,00 h / u

Quadro 5

Quantidade (un)

MC unitária $ / u

MC Total $

Modelo A

Modelo B

Modelo C

Modelo D

Total

Este quadro evidencia que a Margem de Contribuição Total seria maior nessa hipótese que na anterior! Logo, esta última produz mais lucro, e é, portanto, melhor que a anterior!

Estará invalidado então nosso conceito de Margem de Contribuição?

Margem de Contribuição e Fator de Limitação

Analisemos a razão da discrepância acima: na primeira hipótese, deixamos de produzir 1.757 unidades de D, o que nos eliminou a possibilidade de obtenção de uma Margem de Contribuição Total de:

1.757 u x $ 200 / u = $ 351.400

enquanto que, na Segunda hipótese, cortando da linha C, diminuímos um potencial de Margem de Contribuição Total de:

559 u x $ 600 / u = $ 335.400

Apesar de, por unidade, o modelo C produzir muito mais de Margem de Contribuição do que D, dentro das 6.150 horas cortadas ele produz menos. E isso é devido ao tempo que cada unidades leva para ser elaborada.

Uma unidade de C produz $ 600 de Margem de Contribuição, mas leva 11 horas para ser feita. Assim, em cada hora a Margem de Contribuição é de $ 54,55, enquanto o produto D produz só $ 200 por unidade, mas leva apenas 3,5 horas para ser elaborado, fornecendo $ 57,14 de MC por hora. Logo, cada hora usada na linha D rende mais do que na linha C.

O resultado correto seria obtido então com o seguinte cálculo:

Quadro 6

Margem de Contribuição unit $

Tempo de Fabricação hm

MC/hm ($ / hm)

Modelo A

500

9,50

52,63

Modelo B

550

9,00

61,11

Modelo C

600

11,00

54,55

Modelo D

200

3,50

57,14

Vemos que o modelo que menos traz Margem de Contribuição por hora-máquina é o A, este deverá então ser o item a ter sua produção limitada. O modelo D, que parecia o primeiro a ser eliminado, só seria cortado como 3ª opção, depois A e C. Ele é, na realidade, o segundo produto mais interessante nessa situação.

Concluímos então que a Margem de Contribuição continua sendo o elemento-chave em matéria de decisão, só que agora não por unidade, mas pelo fator limitante da capacidade produtiva.

Portanto, se não houver limitação na capacidade produtiva, interessa o produto que produz maior Margem de Contribuição por unidade, mas, se existir interessa o que produz maior Margem de Contribuição pelo fator limitante da capacidade (no caso, as horas-máquina disponíveis).

Outro Exemplo de Limitação na capacidade Produtiva

Suponhamos que uma determinada indústria automobilística fabrique dois modelos de veículos com as seguintes características:

Quadro 7

Preço de Venda

Custo Variável Total

MC Unitária

Modelo 4 portas

$ 260.000

$ 205.000

$ 55.000

Modelo 2 portas

$ 258.000

$ 204.000

$ 54.000

Todas as maçanetas usadas em qualquer modelo são iguais, quer nas portas dianteiras, quer nas traseiras, e são importadas; cada modelo leva o mesmo tempo de produção.

Não havendo problema de limitação na capacidade de produção, a empresa tentará, sempre que possível, vender o modelo 4P, já que em cada unidade deste consegue uma Margem de Contribuição maior do que no outro.

Digamos que em determinado mês haja um problema sério de obtenção de maçanetas, e a indústria consiga uma quantidade insuficiente delas para sua produção total. Como procederá nesse mês? Não há dúvida de que procurando apenas produzir e vender o modelo 2P.

(Parte 5 de 7)

Comentários