Analise Gerencial e Contabil de Custos

Analise Gerencial e Contabil de Custos

(Parte 6 de 7)

Se tiver, digamos, 8.000 maçanetas para o mês todo, conseguirá elaborar 4.000 unidades do modelo 2P e obter uma Margem de Contribuição total de:

4.000 un x $ 54.000 / un = $ 216.000

Se produzisse o modelo 4P, conseguiria apenas $110.000.000 (2.000 u X $55.000/u).

O conceito de Margem de Contribuição pelo fator limitante da capacidade é o determinante da decisão. O modelo 4P dá Margem de Contribuição de $ 13.750 por maçaneta, mas o 2P dá $ 27.000. E a limitação no caso é o estoque disponível de maçanetas.

Poderia ocorrer de o mercado consumir apenas 3.000 unidades por mês de 2P; nessa hipótese, a indústria faria então esse total e utilizaria as 2.000 maçanetas restantes na produção de 500 de 4P.

O fator que limita a capacidade pode ser o mesmo durante um longo período de tempo (horas-máquina, por exemplo), ou ser temporário (maçaneta, determinada matéria-prima, hora-homem de certa especialização, hora-máquina de certo equipamento ou de um departamento etc.).

Existência e Diversos fatores Limitantes

Pode ocorrer que existam num mesmo período diversos fatores limitando a capacidade da empresa, como horas-máquina e certa matéria prima.

Aí o problema fica realmente mais sério, já que uma solução simples e rápida como a que acabamos de ver não irá funcionar.

É necessário nesse caso que se recorra a métodos mais sofisticados, como a Programação Linear, por exemplo, ou outros modelos matemáticos da Pesquisa Operacional.

EXERCÍCIO PROPOSTOS

1 - Uma indústria de móveis recebe dois pedidos de produção: 200 carinhos de chá e 110 estantes. O primeiro consumirá 3 semanas de produção e o segundo 4 semanas.

O chefe de produção informa que só poderá trabalhar em uma delas pois a capacidade produtiva está quase toda comprometida.

O relatório de custos é o seguinte:

Custos

Despesas Variáveis

MP e MOD

CIF variáveis

Comissão

Transporte

200 carrinhos

110 estantes

$ 1.600/un

$ 6.000/un

$ 380/un

$ 2.000/un

$ 50/un

$ 150/un

$ 90/un

$ 550/un

Os custos fixos de produção somam $ 96.000 por semana e as Despesas Fixas (administração, vendas e financeiras), $ 42.000 por semana.

Os preços de venda seriam de $ 4.800 para os carrinhos e $ 14.000 para as estantes.

Qual dos dois pedidos você aceitaria? Por que?

Qual o impacto na demonstração de resultados de um e de outro pedido?

2- A Indústria de Mantas e Cobertores Mato Grosso do Sul S. A. teve os seguintes custos e despesas em janeiro / 1980:

Mão-de-obra Direta: $ 170/u produzida

Matéria-prima: $ 200 / kg de lã utilizada

Comissão de Vendas: $ 150 / u vendida

Custos (80%) e Despesas (20%) Fixos: $ 653.000

A Indústria rateou tanto os Custos quanto as Despesas que não são variáveis à base do tempo de fabricação de cada um dos 4 produtos feitos no mês; os dados mais relevantes do período foram:

Produto

Tempo de

Fabricação

Quant. Lã consumida

Volume

Produzido

Preço

de

Venda

Cobertores-Casal

9,5 h/u

3,5 kg

12.000 u

$ 1.500/u

Mantas-Casal

7,6 h/u

2,8

6.000 u

$ 1.300

Cobertores-Solt.

9,0 h/u

2,5

8.000 u

$ 1.260

Mantas-Solt.

7,4 h/u

1,5

4.000 u

$ 1.000

Em fevereiro a empresa recebeu 6.000 kg de matéria-prima a menos do que havia consumido em janeiro, e por isso ela teve de restringir sua produção e assim fabricou menos daqueles produtos que davam menor lucro por unidade. Em ambos os meses conseguiu vender toda sua produção.

  1. Refaça os cálculos que você acha que a Indústria fez para escolher o produto a restringir da produção.

  2. Faça os cálculos que você acha que deveriam ter sido feitos para uma apropriação adequada de custos para fins de avaliação de estoques.

  3. Faça os cálculos que deveriam ter sido feitos para analisar qual a decisão correta em fevereiro/80 e quais produtos que devem ter sua venda encorajada, observando o fator limitante.

  4. Compare seus números, analise-os e faça alguns comentários.

3- A Cia. PH de Calculadoras Eletrônicas fabrica dois modelos, um com impressora e outro sem. Para atender ao mercado a empresa produz, normalmente, 5.000 máquinas do primeiro e 4.000 do segundo tipo.

Os materiais consumidos diretamente são de $ 3.993 e $ 3.700, respectivamente.

Os demais custos variáveis são de $ 2.150 por unidade, além de $ 275/h de mão-de-obra direta, tanto para um como para outro modelo.

Os custos Fixos totalizam $ 3.360.500 por mês e são rateados à base de horas de M. O. D.(9,10 h/u para o modelo com e 6,50 h/u para o sem impressora).

Os preços de venda são aproximadamente os das empresas concorrentes ($9.900/u e $ 8.810/u, respectivamente), e a PH não pretende altera-los.

  1. Calcule o custo de cada um dos modelos, o lucro unitário e a margem de contribuição unitária.

  2. Sabendo-se que há uma grande dificuldade de obter pessoal especializado na produção desses itens, dê sua opinião sobre em qual modelo deve a empresa dedicar seus esforços de propaganda.

QUESTIONÁRIO DE FECHAMENTO

A. É sempre útil trabalhar apenas com o conceito de Margem de Contribuição por Unidade? Por quê?

B. No que influi a existência de alguma limitação na capacidade produtiva da empresa?

C. Como deve ser tratado o caso em que ocorrem vários fatores de limitação ao mesmo tempo?

D. É possível fazer uma alocação de custos fixos de tal forma que se obtenha um quadro de análise parecido com o obtido somente à base de margem de contribuição?

Análise Gerencial e Contábil de Custos

Prof. José Marcos

Bloco

D

Custos para Decisão

módulo

03

Ponto de Equilíbrio

O Ponto de Equilíbrio (também denominado Ponto de Ruptura - Break-even Point) nasce da conjugação dos Custos Totais com as Receitas Totais.

As alterações de preços provocariam o mesmo impacto que sobre os Custos Variáveis, isto é, inclinando para mais ou para menos a curva.

Simplificando nossas visualizações e admitindo como absolutamente lineares as representações tanto das Receitas quanto dos Custos e Despesas, teremos a seguinte reprodução gráfica do Ponto de Equilíbrio:

Até esse ponto, a empresa está tendo mais Custos e Despesas do que Receitas, encontrando-se, por isso, na faixa do Prejuízo; acima, entra na faixa do Lucro. Esse ponto é definido tanto em unidades (volume) quanto em reais.

Suponhamos uma empresa com os seguintes dados:

Preço de Venda $500/un

Custos + Despesas Variáveis $350/un

Custos + Despesas Fixos $600.000/mês

empresa obterá seu ponto de Equilíbrio quando suas Receitas Totais equalizarem seus Custos e Despesas Totais:

Receitas Totais = (Custos + Despesas)Totais

Quantidade x $500/u = Quantidade x $350/u + $600.000/mês

Quantidade x ($500/u - $350/u) = $600.000/mês

Ponto de Equilíbrio = $600.000 / mês = 4.000 u/mês

($500 / u - $350 / u)

ou seja,

Ponto de Equilíbrio = Custos + Despesas Fixas .

Margem de Contribuição Unitária

Para sua transformação em valores de Receitas Totais, basta fazer:

4.000 u/mês x $500/u = $2.000.000/mês, que é o Ponto de Equilíbrio em reais.

Realmente, quando houver esse volume de vendas, teremos como Custos e Despesas Totais:

Variáveis: 4.000 u x $350/u $1.400.000

Fixos: $ 600.000

Soma = $2.000.000

com resultado então igual a zero.

A partir da unidade de número 4.001, cada Margem de Contribuição unitária que até aí contribuía para a cobertura dos Custos e Despesas Fixos passa a contribuir para a formação do lucro. Logo, 4.100 unidades produzidas e vendidas darão um lucro equivalente à soma das Margens de Contribuição das 100 unidades que ultrapassaram o Ponto de Equilíbrio:

100 u x $150/u = $15.000

Comprovemos:

Receitas Totais: 4.100 u x $500/u $2.050.000

(-) Custos e Despesas Totais:

Variáveis: 4.100 u x $350/u $1.435.000

Fixos: $ 600.000 $2.035.000

Lucro $ 15.000

Este cálculo só é válido, no Custeio por Absorção, quando a produção for igual à venda, em termos de unidades; caso contrário, haverá sempre o problema dos Custos Fixos mantidos em estoque que provocarão distorções, ora para mais, ora para menos. No Custeio Variável, o Resultado será sempre igual ao calculado em função dessas relações entre o Custo e o Volume.

Margem de Segurança e Alavancagem Operacional

Suponhamos que uma construtora esteja produzindo um tipo de casa pré-fabricada com as seguintes características:

Custos Variáveis: $140.000/u

Custos + Despesas Fixos: $1.000.000/mês

Preço de Venda: $240.000/u

Seu Ponto de Equilíbrio é de:

$ 1.000.000 / mês _ . = 10 casas por mês

($240.000 / u - $ 140.000 / u)

Suponhamos que ela esteja produzindo e vendendo 14 casas por mês obtendo com isso um lucro de:

4 u/mês x $100.000/u = $400.000/mês

Dizemos que a empresa está com uma Margem de Segurança de quatro casas, pois pode ter essa redução sem entrar na faixa de prejuízo. Em termos percentuais, podemos dizer que está com uma Margem de Segurança de 28,6%:

Margem de Segurança = 4 u = 28,6%

14u

Em Receitas o cálculo é o mesmo:

Margem de Segurança = Receitas Atuais - Receitas no Ponto de Equilíbrio

Receitas Atuais

$3.360.000 - $2.400.000 = 28,6%

$3.360.000

Pode reduzir essa porcentagem nas Receitas antes de entrar na faixa de prejuízo (28,6% x $3.360.000 = $960.000 = 4 x $240.000).

Se passar a uma atividade de produção e venda de 17 unidades por mês, seu resultado passará a:

7 u/mês x $100.000/u = $700.000/mês

Comparando esses números com os atuais (14 unidades e lucro de $400.000/mês), vemos que houve:

Aumento no volume: 3 u, ou seja, 21,4%

Aumento no lucro: $300.000, ou seja, 75%

A um acréscimo de 21,4% no volume de atividade correspondeu um aumento de 75% no resultado, com uma alavancagem de:

75% = 3,5 vezes

21,4%

O que teria acontecido se, ao invés de passar de 14 ara 17, passasse de 14 para 21 unidades?

O novo lucro seria de

11 u/mês x $100.000/u = $1.100.000

Logo,

Alavancagem Operacional = Porcentagem de acréscimo no lucro

Porcentagem de acréscimo no volume

$700.000 / $400.000 = 3,5 vezes

7u / l4u

A cada 1% de aumento sobre seu atual volume de 14 u/mês corresponderá um acréscimo de 3,5% sobre o seu atual resultado mensal.

Para cada ponto em que se encontrar, sua Alavancagem é diferente; ela não é sempre igual a 3,5, pois esse número é válido para as comparações a partir do volume atual de 14 u.

Por exemplo, se estiver produzindo agora as 21 unidades, com lucro de 100.000, o que acontecerá se passar para 25? Seu novo resultado será de

15 u/mês x $100.000/u = $1.500.000/mês

E a alavancagem será de:

$400.000 / $1.100.000 = 36,4% = 1,9

4 u / 21 19,0%

Seria 3,5 se calculado sobre as 14 unidades.

A Margem de Segurança, por outro lado, com produção de 21 unidades é de 52% (21–10 / 21), bem maior que a anterior de 28,6%.

À medida que aumenta a Margem de Segurança, decresce a Alavancagem Operacional.

EXERCÍCIOS

1. A Empresa Paulista de Trompetes S.A., através de um levantamento na sua Contabilidade de Custos, chegou à seguinte conclusão com respeito aos seus custos e despesas:

Custos e despesas fixos:

Depreciação de Equipamento $ 100.000/ano

Mão-de-obra Direta e Indireta 400.000/ano

Impostos e seguros da planta fabril 38.000/ano

Despesas de Vendas 150.000/ano

Custos e despesas variáveis:

Materiais Diretos $ 300/u

Embalagem 70/u

Comissões de Vendedores 20/u

Outros 10/u

Sabendo-se que o preço de venda é de $ 2.000/u,

  1. Quantos trompetes deve ser produzidos e vendidos por ano para atingir o ponto de equilíbrio?

  2. Qual o valor da receita nesse ponto?

  3. Se a empresa quiser ter um lucro de 30% sobre as receitas totais, quantas unidades deve produzir e vender durante o ano?

  4. Qual será esse lucro?

2. A Indústria de Lâmpadas São Marcos Ltda, teve os seguintes custos em 1998:

Fixos:

Mão-de-obra Indireta $ 600.000

Materiais Indiretos $ 250.000

Outros $ 350.000

Variáveis:

Matéria-prima $ 2,00/u

Mão-de-obra Direta $ 1,00/u

Prêmio mão-de-obra Indireto $ 0,50/u

As Despesas com Comissões foram de $ 0,50/u, as Despesas Financeiras de $ 100.000 e as demais Despesas de $ 200.000.

(Parte 6 de 7)

Comentários