Apostila de química 3 - ceesvo - eja - 3

Apostila de química 3 - ceesvo - eja - 3

(Parte 6 de 9)

• Retirarosrótulos;

• Separar as embalagens plásticas de acordo com o seu tipo;

• Amassar para ocupar menos espaço;

• Levar até um posto de coleta seletiva ou entregar ao sucateiro.

Veja na página a seguir algumas fotos do Rio Sorocaba (ao lado da nossa escola), onde suas margens estão virando depósito de lixo.

Coleta seletiva é separar o lixo para que seja enviado para reciclagem.

Significa não misturar materiais recicláveis com o restante do lixo. Ela pode ser feita por um cidadão sozinho ou organizada em comunidades.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

30 Química Apostila I - CEESVO

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Química Apostila I - CEESVO

Como podemos perceber a reciclagem é muito importante, porém para que seja viável será preciso muita conscientização e cooperação dos cidadãos.

Fotos cedidas pelo Prof. Marcelo Alves Moraes - Biologia

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Química Apostila I - CEESVO

Plástico de açúcar (Produto brasileiro é aperfeiçoado e ganha espaço no mercado internacional)

Açúcar e álcool deixaram de ser os únicos produtos de importância comercial extraídos da cana. Agora, incorpora-se a essa dupla a produção de plástico biodegradável a partir do açúcar. Desde dezembro de 2000, a PHB Industrial, pertencente ao grupo Irmãos Biagi, de Serrana (SP), e o grupo Balbo, de Sertãozinho (SP), tem capacidade de produzir em uma planta piloto entre 4 e 5 toneladas mensais do biopolímero a partir da sacarose presente no açúcar. Toda a produção obtida na planta industrial da empresa, que fica ao lado da Usina da Pedra, em Serrana, é exportada para países como Estados Unidos, Alemanha e Japão. [...] O desenvolvimento tecnológico desse polímero, passível de rápida decomposição por microrganismos quando descartado em aterros sanitários, lixões ou exposto a ambientes com bactérias ativas, é resultado de uma parceria bem-sucedida entre o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), a Cooperativa dos Produtores de Cana, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo (Copersucar) e o Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade de São Paulo (USP). Os primeiros estudos sobre o tema foram realizados no começo dos anos 90 e, dez anos depois, o país é reconhecido como um dos mais avançados centros mundiais em pesquisa e desenvolvimento de bioplásticos.

A tecnologia proporcionou à área um outro avanço. Foi o desenvolvimento de um processo que facilita a obtenção desse polímero a partir do bagaço de cana hidrolisado, um resíduo da indústria de álcool e de açúcar. O projeto, também financiado pela FAPESP, foi coordenado pela pesquisadora Luiziana Ferreira da Silva, bioquímica do Agrupamento de Biotecnologia do IPT, que fez parte da equipe que criou o bioplásticos. A hidrólise (quebra estrutural do produto) libera açúcares presentes no bagaço que podem ser consumidos pelas bactérias utilizadas no processo de transformação do açúcar nesse tipo de poliéster natural. [...] As características físicas e mecânicas do plástico biodegradável são semelhantes às de alguns polímeros sintéticos, que utilizam o petróleo como matéria-prima, mas oferecem o benefício de se decompor muito mais rapidamente depois de descartados do que os plásticos convencionais. "Esse é o grande diferencial do produto", afirma Luiziana. Enquanto as embalagens de Poli (Tereftalato de Etileno), chamadas de PET que são usadas principalmente para refrigerantes, levam mais de 200 anos para se degradar, e os plásticos tradicionais, mais de cem anos, as resinas plásticas biodegradáveis se decompõem em torno de 12 meses, dependendo do meio em que se encontram. Em fossas sépticas, a perda de massa chega a 90% em seis meses, enquanto em aterros sanitários a degradação atinge 50% em 280 dias. Quando se decompõem, elas se transformam em gás carbônico e água, sem liberação de resíduos tóxicos.

Fonte: http://www.revistapesquisa.fapesp.br/index.php?art=1967&bd=1&pg=1&lg= Vasconcelos, Yuri. Pesquisa Fapesp. Edição 80, outubro 2002

Leitura Complementar

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Química Apostila I - CEESVO

Capítulo 4 Química Orgânica: Petróleo.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Química Apostila I - CEESVO

1 - Introdução

Existem hoje mais de 700 milhões de veículos no mundo que necessitam de combustível para fazer com que seus motores sejam acionados, ou seja, ligados. A maior parte desses motores necessita da gasolina para funcionar, podemos citar também o óleo diesel.

Esses combustíveis são formados por moléculas chamadas hidrocarbonetos, substância formada por átomos de carbono (C) e hidrogênio (H), sua principal fonte é o petróleo.

2 - Petróleo

O petróleo é conhecido desde a antiguidade, o qual era utilizado para fins diversos. Hoje, o petróleo é um dos recursos naturais mais utilizados no mundo, podemos notar isso através de uma grande variedade de materiais que utilizamos do petróleo como matéria-prima.

O petróleo é uma fonte natural de substâncias orgânicas, composto por átomos de carbono (C) e hidrogênio (H).

Não se sabe ao certo a origem do petróleo, uma das probabilidades mais aceitas, é de que tudo começou a 300 milhões de anos, quando restos de animais e vegetais da orla marítima se depositaram no fundo do mar e foram soterrados (cobertos) por sedimentos, tais como pó de calcário e areia e se transformaram em rochas sedimentares.

Abaixo da superfície, sob a ação de microorganismos, da pressão, do calor e do tempo, os restos de animais e vegetais sofreram, ao longo de mais de 10 milhões de anos várias transformações químicas, dando origem ao petróleo, um líquido escuro e oleoso. Como a natureza contou com condições especiais e levou milhões de anos para produzi-lo, a humanidade não possui condições de produzir novas reservas de petróleo, por isso temos que considerar o petróleo como um recurso não-renovável.

A palavra petróleo é originária do latim petra e oleom que significa óleo de pedra, porque o petróleo é encontrado entre os poros existentes em determinadas rochas sedimentares no subsolo, quer em terra, quer sob o mar.

Normalmente podemos encontrar água salgada (do antigo mar ali existente) e uma mistura gasosa (que contém principalmente gás metano - CH4) em uma jazida petrolífera. A prospecção (trabalho de localização) do petróleo é feita por meio de estudos do relevo da região. Através de

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Química Apostila I - CEESVO cargas explosivas é feita a detonação do subsolo, para a medição das ondas de choque que se propagam pelas camadas do subsolo, com isso podemos detectar a composição do subsolo e a existência de jazidas petrolíferas, por fotografias aéreas ou por satélites.

Quando uma jazida petrolífera é perfurada, a pressão dos gases faz com que o petróleo jorre para fora, ao diminuir a pressão pára de jorrar e tem que ser bombeado, obtendo-se assim o petróleo bruto.

O petróleo é formado por compostos de carbono (C) e hidrogênio (H), chamado hidrocarbonetos.

Os hidrocarbonetos constituem uma classe de compostos orgânicos muito grande, variada e importante, pois englobam o petróleo e seus derivados, o gás natural, gasolina e outros.

Além de hidrocarbonetos, o petróleo apresenta em pequenas quantidades, substâncias contendo nitrogênio (N), oxigênio (O) e enxofre (S). Este último é a pior impureza existente no petróleo e um dos maiores responsáveis pela formação da chuva ácida.

O enxofre deve ser retirado dos combustíveis, pois causa mau cheiro aos produtos da queima, alterando o bom funcionamento do motor e faz com que o combustível fique corrosivo.

A maioria dos combustíveis de uso diário é formado por hidrocarbonetos derivados do petróleo: gás de cozinha (GLP), querosene, gasolina, óleo diesel e outros.

3 - O fracionamento do petróleo

O petróleo é uma rica fonte de combustíveis e de matérias-primas, em ambos os casos o petróleo bruto deve passar por um processo de separação, essa separação é feita através de destilação fracionada, que se baseia nas diferentes faixas de ebulição de cada fração do petróleo.

Hidrocarbonetos são compostos formados exclusivamente por átomos de carbono e hidrogênio.

Fração do petróleo são misturas de substâncias nele presentes e que possui ponto de ebulição próximos.

Os tipos de petróleo bruto contêm os seguintes elementos ou compostos:

• enxofre-de1a3% (sulfato de hidrogênio, sulfetos, dissulfetos, enxofre básico)

• nitrogênio - menos de 1% (compostos básicos com grupos amina)

(Parte 6 de 9)

Comentários