A contabilidade ideal

A contabilidade ideal

Fernando Antonio Dal Piero

Fernando Antonio Dal Piero

Todos reconhecemos a necessidade da informação. A informação é o fluído vital da vida organizada, de pessoas ou empresas. Também vemos com clareza que é necessário constantemente separar aquela que é útil, da inútil. Como alcançar este objetivo? Este objetivo se alcança a partir da sistematização de sistemas de informação sejam estes computacionais ou puramente sociais. Neste sentido, vemos numa forma de contabilidade o meio pelo qual se consegue o planejamento das atividades organizacionais. Este artigo trata exatamente de sugerir a necessidade da integração da contabilidade no dia-a-dia da organização, horizontal, moderna e flexível.

Define-se contabilidade como sendo um método de trabalho intelectual aplicado para obter - a partir de fundamentos matemáticos, lógicos e registros cronológicos cumulativos de feitos e ações econômicas expressas em moeda - a medição dos resultados. Seu produto formal é a análise financeira apresentada por meio de uma exposição documentada. Entretanto, ainda que esse conceito seja extremamente justo, os tempos atuais exigem a necessidade de impulsionar estudos interdisciplinares que permitam desenvolver uma teoria geral para a contabilidade que ofereça respostas às demandas do novo modelo organizacional que temos em prática. O modelo de organização que temos hoje é horizontal, flexível, descentralizado e a tomada de decisões, por conseguinte, precisa ser realizada em uma freqüência cada vez maior. Assim, os indicadores contábeis devem estar disponíveis para serem usados como vantagem competitiva e não apenas como registros históricos.

Sob o nosso ponto de vista, para reduzir as incertezas que permeiam as ações administrativas das organizações só existe uma maneira: explorar as dimensões da oportunidade existente em cada informe e informação disponível. Isso exige que cada gestor, não importando a sua formação, seja capaz de interpretar dados contábeis - daí a importância desta disciplina no currículo de todos os cursos - de maneira a que estes possam ser utilizados como mecanismo de antecipação e elaboração de prognósticos, além de atender às exigências do público externo. Da parte da contabilidade, os seus informes e registros precisam estar disponíveis não como atividade burocrática e rotineira, que se concluía quando do encerramento dos ciclos produtivos, mas, sim, em tempo real, pois somente desta maneira permitirá a correção da direção, quando se fizer necessária, tanto quanto a identificação das condições positivas de competitividade.

As transformações que vêm ocorrendo nos cenários internacionais têm gerado uma crescente instabilidade nos grandes agrega-dos econômicos e isso exige dos gestores novas habilidades e informações para que possam cuidar com carinho dos mercados domésticos. É também, por isso, que cresce em importância o conhecimento dos detalhes onde ocorrem os gastos e os desperdícios de tempo, dinheiro e meios, por excelência, um campo de ação para a contabilidade. Aqui se compreendem os esforços para o mapeamento perfeito do desenho ergonômico dos centros de produção, para otimizar o uso dos insumos, para cancelar o excesso de pessoal e consolidar o perfil financeiro das negociações visando produzir o máximo com o mínimo emprego de meios.

Neste terreno, existem muitas empresas que adotam tais práticas, no entanto, a grande maioria segue usando os mais antigos sistemas e parâmetros para a contabilidade. Identificamos com facilidade, em qualquer organização, a adoção de práticas que atribuem e compartimentam a contabilidade apenas em funções de contabilidade financeira. Aí, ela, a contabilidade aparece atrasada, histórica, reativa oferecendo como produto as medições que interessa mais ao público externo - acionistas, fisco, credores - deixando de atender aos gerentes, trabalhadores e executivos que precisam de medições operacionais e físicas de processos, fornecedores e clientes. Os desafios competitivos de hoje em dia tornam tal passividade perigosa para o empreendimento. Insistimos que os sistemas de contabilidade devem funcionar efetivamente para os gerenciadores disponibilizando os dados necessários para que os decisores possam se autoavaliar, estabelecer com clareza os laços de interação e cooperação entre as diversas funções, o que levará as organizações a estarem sempre produzindo bens e serviços sintonizados com as ne-cessidades e o ritmo de absorção do mercado.

Diante do mundo socioprodutivo moderno os atores requerem um maior significado informativo com o menor volume de informação e material. A informação deve estar orientada para o mercado e o cliente contendo os dados relevantes para que se-jam interpretados os fenômenos e tendências afetas à atividade. É esta configuração que facilita a medição da produtividade total, da qualidade e, em ultima instância, oferece à organização a oportunidade de recepcionar e indicar o futuro. Essa é a tarefa e o serviço que pode oferecer um sistema contábil ideal.

| Fernando Antonio Dal Piero é professor no Centro Superior de Vila Velha, Espírito Santo - U.V.V. (Revisão de Alina da Silva Bonella - fone 02127 327 1518)

Comentários