Apostila de Adm. Financeira

Apostila de Adm. Financeira

(Parte 1 de 7)

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CUIABÁ, OUTUBRO/99

INDICE

1 - INTRODUÇÃO 3

2 - CONCEITO DE CUSTOS 4

3 - CLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS 5

4 - CENTROS DE CUSTOS 6

5 - MARGEM DE DECONTRIBUIÇÃO 10

6 - REGISTRO DIÁRIO 11

7 - APURAÇÃO DE RESULTADO 15

8 - APURAÇÃO DE RESULTADOS 17

9 - CONTAS A PAGAR 19

10 - CONTAS A RECEBER 21

11 - FLUXO DE CAIXA 23

12 - ADMINISTRAÇÃO DE COMPRAS/ESTOQUES 25

12.1 - COMPRAS 25

12.2 - FORMA DE CONTATO 25

12.3 - TIPOS DE RISCO 27

12.4 - FORMA DE COMPRA 27

12.5 - SELEÇÃO DE FORNECEDORES 28

13 - CONTROLE DE ESTOQUES 30

14 - ESTRUTURA PATRIMONIAL 35

15 - MODELO SIMPLIFICADO DA ESTRUTURA PATRIMONIAL 35

16 - CAPITAL DE GIRO 37

17 - CALCULO DO CAPITAL DE GIRO NA EMPRESA 41

18 - FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 42

19 - FATORES QUE INERFEREM NA FORMAÇÃO DE PREÇOS 43

20 - OS OBJETIVOS DA EMPRESA 43

21 - COMPETITIVIDADE DE CUSTOS 44

22 - CÁLCULO DO PREÇO DE VENDA 49

1 - INTRODUÇÃO

Na conjuntura atual onde a falta de dinheiro é uma constante, as empresas de pequeno porte com pouco capital de giro encontram dificuldade em conseguir recursos junto as instituições financeiras, para movimentar seus negócios.

Muitos empresário não sabem quais são os diferentes custos de sua produção ou prestação de serviços, quais são as margens de lucro obtidas nos últimos tempos ou outros aspectos financeiros. Há empresários que parecem não estar no pleno controle de sua empresa, porque não tem conhecimento preciso do que ocorre com o dinheiro em seus próprios negócios. Não sabem responder as perguntas porque não estão dando conta de um dos grandes desafios da gestão de um negócio- o Planejamento e Controle Financeiro.

Mas será que é tão fácil realizar a gestão financeira de um pequeno negócio, assumindo as tarefas de planejar e controlar as entradas e saídas financeiras do negócio, sem limitar-se a apagar os incêndios do dia a dia?

É claro que não.

Mas também não é assunto só para especialista. É preciso determinação, alguma disciplina e alguns conhecimentos financeiros, que qualquer pessoa que saiba as quatros operações matemáticas, é capaz de adquirir.

Os conhecimentos básicos que qualquer empreendedor deve Ter, independente do tamanho do negócio, são:

  • como fazer apuração de custos do produto/serviços ou mercadorias;

  • como calcular o preço de venda;

  • como calcular o ponto de equilíbrio da produção ou receita;

  • como administrar o capital de giro;

  • como elaborar e administrar o fluxo de caixa.

2 - CONCEITO DE CUSTOS

Entende-se por custo a soma dos valores de bens e serviços consumidos e aplicados para obter um novo serviço.

Assim, não se apuram somente custos de utilidades físicas (bens, mercadorias, etc.), mas também se apuram custo de serviços (fretes, seguros, etc.).

Porem os custos somente ocorrem quando houver “consumo” ou “venda”.

Exemplo:

a) O dinheiro gasto na compra de uma máquina não e um custo, mais um investimento. O desgaste da maquina em função do uso é um custo porque existe o “consumo”, a deterioração da máquina.

Quando uma máquina é adquirida, não há nenhum custo envolvido na transação. O total pago pela máquina é classificado como ativo fixo, porque, esta máquina tem uma vida útil estimada de 10 (dez) anos, pode-se dizer que, ao final de cada ano 1/10 (um décimo) desta máquina, ou valor gastou-se e, ao final do primeiro ano, com apenas 9/10 (nove décimo) do valor da máquina permanecem contribuindo para as operações da empresa. O reconhecimento deste fato, implica no reconhecimento do respectivo custo, que no caso chama-se de custo de depreciação das máquinas e equipamentos ou simplesmente, depreciação.

b) Quando a empresa adquire matéria-prima, não há nenhuma despesa, simplesmente substitui-se um ativo (por exemplo: caixa por outro ativo, no caso estoque de matéria-prima).

Este estoque permanece no ativo uma vez que espera, se irá contribuir para as operações da empresa. Quando o estoque é vendido, não poderá mais contribuir para as operações da empresa. Sua contribuição já se completou, ocorrendo assim o “Custo do Material Aplicado” (CMA) na indústria e custo da mercadoria vendida (CMV) no comércio.

Os três componentes básicos do custo são:

  1. Valor das matérias-primas ou mercadorias adquiridas de outras empresas;

  2. O valor dos serviços (trabalhos) prestados por pessoas físicas (empresários ou empregados);

  1. O valor dos serviços prestados por outras empresas, como sejam empresas de transporte, empresas fornecedoras de força e luz, empresa de seguros, banco, etc.

3 - CLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS

De acordo com sua natureza. Os custos classificam-se em Custos Fixos e Custos Variáveis.

Existem outras classificações, como por exemplo: Custos Direto, Custos Indiretos, Semi – Variáveis, etc., porém para facilitar o entendimento, analisaremos basicamente os custos sob estes dois aspectos: Fixos e Variável.

Custos Fixos

São os valores consumidos ou aplicados:

a) Independentemente do fato da empresa estar produzindo ou parada.

Exemplo: Aluguel pago para a utilização de um ponto comercial;

b) Independentemente da empresa estar produzindo maior ou menor quantidade de bens ou serviços.

Exemplo: Salários do pessoal administrativo e honorário pagos ao escritório de contabilidade

Custos Variáveis

São os valores consumidos ou aplicados que têm seu crescimento dependentes da quantidade produzida pela empresa.

Exemplo: Matérias-primas, quanto maior a produção, maior o número de produtos que saem dos nossos estoques. A soma dos custos fixos e variáveis resulta nos custos totais da empresa. Assim por exemplo, quando se vende um produto, o custo do material aplicado será sempre o mesmo por produto vendido. Daí dizer-se que o custo variável é fixo por unidade vendida. Porém, quando dizemos que pagamos R$ 2.000,00 pelo aluguel da empresa (custo fixo), se vendermos 1.000 unidades, o custo fixo por unidade será de R$ 2,00.

Se aumentarmos as vendas para 1.250 unidades, o custo fixo por unidade será de R$ 1,60. Daí dizer-se que o custo fixo é variável por unidade vendida.

4 - CENTROS DE CUSTOS

Denomina-se “Centros de Custos”, as diversas seções de uma empresa delimitadas segundo o aspecto de localização de todos os custos aí verificados.

Os centros de custos classificam-se em produtivos e administrativos e, eventualmente, em auxiliares.

Centros de Custos Produtivos

São aqueles setores da empresa onde se processa a fabricação dos produtos.

Exemplo: corte, costura e acabamento na indústria de confecção.

Em empresas de médio e grande porte costuma-se subdividir ainda mais algumas seções produtivos de modo a separar em vários centro de custos as máquinas ou atividades que devam ter diferentes custos hora/máquina ou hora/homem, ainda que executando operações idênticas.

Centros de custos Administrativos

São os setores que executam atividades de caráter gerencial ou administrativo da empresa.

Exemplos: Administração Geral, Administração do Material, Expedição, Vendas, Filiais, etc.

Em empresas comerciais os custos são analisados sob dois aspectos (fixos e variáveis).

Encargos sociais

Um dos custos mais significativos da empresa são os encargos sociais. Para melhor analisá-los poderemos dividi-los em grupos_

Contribuições obrigatórias

São os recolhimentos feitos pelo empregador para os cofres de instituições públicas, de acordo com taxas preestabelecidas_

  • Previdência social (Previdência Social, SESI, SENAI, INCRA, SEBRAE, Seguro de acidente no trabalho, salário maternidade, salário educação, etc.) ------- 27,80%

  • Fundo de garantia por tempo de serviço (FGTS) ---------------------------------- 8,00%

Total --------------------------------------------------------------------------------------------35,80%

Encargos Anuais

Neste grupo encontramos todos os proventos que são pagos aos empregados somente uma vez por ano. O montante anual deve ser distribuído pelos 12 meses.

Temos então:

  • Férias ----------------------------------------------------------------------- 14,09%

  • 13º Salário ----------------------------------------------------------------- 11,31%

Total ---------------------------------------------------------------------------- 25,40%

Despesas eventuais

Incluem-se neste grupo vários custos adicionais da mão-de-obra, todos eles dependendo de fatores mais ou menos aleatórios.

Exemplos_ Indenização, aviso prévio, salário enfermidade, ausências remuneradas (alistamento militar, eleitoral, gravidez, etc.) e outros.

O montante dessas despesas eventuais deverá ser calculado percentualmente, tomando-se por base as incidências ocorridas anteriormente. Neste trabalho vamos considerar as despesas eventuais como sendo igual a 3,80%.

ENCARGOS SOCIAIS

%

- Contribuições obrigatórias

35,80%

- Encargos anuais

25,40%

- Despesa eventuais

3,80%

- Total dos Encargos Sociais

65%

Obs.: empresa enquadradas no Simples os encargos representam 30%

(Parte 1 de 7)

Comentários