Bachelard e os obstáculos epistemológicos e pedagógicos

Bachelard e os obstáculos epistemológicos e pedagógicos

BACHELARD E OS OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS E PEDAGÓGICOS

ALLAN WERNER

EDUARDO FEDALTO

ELISA MACHADO

GUILHERME BAVOSO

NIDIANE DOS SANTOS

WILLIAN WIESE

SUMÁRIO

  • INTRODUÇÃO

  • GASTON BACHELARD

  • A FORMAÇÃO DO ESPÍRITO CIENTÍFICO

  • CONCLUSÃO

REFERÊNCIAS

1. INTRODUÇÃO

Neste trabalho temos por objetivo analisar as observações epistemológicas de Bachelard acerca da linguagem metafórica e analógica na ciência e no ensino de ciências. Situaremos alguns aspectos gerais da filosofia de Bachelard, especialmente com relação ao seu livro “A formação do espírito científico”.

2. GASTON BACHELARD

Gaston Bachelard nasceu em 27 de junho de 1884 e morreu em 16 de outubro de 1962 na França. Trabalhou questões epistemológicas na Física, na Matemática e na Química e possui uma extensa obra que apresenta um caráter dual, tendo trabalhos no campo da ciência e da epistemologia – o Bachelard diurno – com os livros publicados de 1928 à 1953, e no campo da poética – o Bachelard noturno – com os livros publicados de 1942 a 1961.

2. GASTON BACHELARD

Segundo Santos, a concepção de Bachelard sobre o progresso da ciência é a de que esse não é linear, mas sim descontinuísta, dialético e inacabado.

2. GASTON BACHELARD

Uma das preocupações epistemológicas de Bachelard é investigar as fontes destas rupturas. Conclui que elas se relacionam com o fato, muitas vezes ignorado pela ciência, de que o sujeito coloca muito de si no próprio ato de conhecer; de que impregna o conhecimento científico de traços subjetivos, imaginários, muitas vezes do foro afetivo.

2. GASTON BACHELARD

Santos coloca que, para Bachelard, o inconsciente do espírito científico é a fonte primordial de contra pensamentos, mais ou menos disfarçados, baseados em dados sensoriais, que dificultam a emergência de valores racionais. É a estas resistências do pensamento ao pensamento que Bachelard chama de obstáculos epistemológicos. Para ele são os conhecimentos subjetivos, essencialmente do foro afetivo, que entravam o conhecimento objetivo.

3. A FORMAÇÃO DO ESPÍRITO CIENTÍFICO

Bachelard, em "Formação do espírito científico", tipifica as principais categorias de obstáculos ao progresso da ciência.

Obstáculos epistemológicos que são obstáculos pedagógicos, uma vez que obstruem a atividade racional do aluno. Destes, Santos destaca:

a) O conhecimento geral é um conhecimento vago, que imobiliza o pensamento;

3. A FORMAÇÃO DO ESPÍRITO CIENTÍFICO

b) A experiência primeira, pitoresca, concreta, fácil, é a experiência situada antes e acima da crítica, que capta o imediato, o subjetivo; que tem dificuldade de abandonar o pitoresco da observação; que subordina a prática científica ao efeito das imagens; que dá grande atenção ao que é natural; que aborda fenômenos complexos como se fossem fáceis; que tem a marca de um empirismo evidente;

3. A FORMAÇÃO DO ESPÍRITO CIENTÍFICO

c) Obstáculo verbal é uma falsa explicação obtida à custo de uma palavra explicativa;

d) O conhecimento pragmático traduz-se na procura do caráter utilitário de um fenômeno como princípio de explicação;

e) O obstáculo animista traduz-se numa tendência para, de um modo ingênuo, animar, atribuir vida e muitas vezes propriedades antropomórficas a objetos inanimados.

4. CONCLUSÃO

O trabalho de Bachelard neste livro sobre a formação do espírito científico contribuiu imensamente para a compreensão de como a forma da linguagem pode dificultar o trabalho do cientista e constituir um obstáculo epistemológico ao pensamento científico. Para este autor, a noção de obstáculo epistemológico pode ser estudada tanto no desenvolvimento histórico do pensamento científico, como também na educação, pois estes mesmos obstáculos constituemse em obstáculos pedagógicos para o ensino de ciências.

REFERÊNCIAS

SANTOS, Maria E. V. M dos (1991). As concepções alternativas dos alunos à luz da epistemologia bachelardiana. In: Mudança conceitual em sala de aula, um desafio pedagógico.Lisboa/POR: Livros Horizonte, p.128-164.

Comentários