empreendedorismo

empreendedorismo

(Parte 1 de 6)

21

EMPREENDEDORISMO

Prof. José Newton Pires Reis – UFC/DEA

  1. INTRODUÇÃO: TALENTO, COMPETÊNCIA E DEDICAÇÃO

Ser um empreendedor é:

1) Criar oportunidades e não esperar que elas apareçam.

2) Sonhar grandes sonhos e construir metas para transformar os sonhos em realidade.

3) Abrir o leque da inteligência, libertar a sensibilidade e expandir a coragem para conquistar o que mais ama, admira e necessita.

4) Não ter medo de caminhar por lugares desconhecidos, mesmo sem bússola.

5) Aprender a usar os fracassos como pilares das grandes vitórias, usar as perdas como plataforma dos melhores ganhos, usar a fragilidade como nutriente da sabedoria.

6) Acreditar na vida e nunca desistir dela.

7) Saber começar tudo de novo tantas vezes quantas forem necessárias.

8) Carregar consigo esta pérola do pensamento: O destino não é inevitável, mas uma questão de escolha. .

Um empreendedor deve estar consciente de que quem sobe no pódio sem riscos triunfa sem glória. Ele não acredita em sorte, azar, destino, mas nas ferramentas que tem para ser autor da sua história.

Para ser empreendedor é necessário trabalhar perdas e frustrações. É necessário superar as dores da existência e usá-las para esculpir a personalidade. A sociedade, as universidades, as empresas, as famílias, as igrejas e demais instituições sociais precisam de empreendedores. Os empreendedores são o oxigênio, e a inspiração da sociedade.

São os empreendedores que fazem a diferença nos ambientes. Eles ajudam, abrem caminhos, conquistam, enxergam o que não está diante dos olhos, corrigem erros, previnem falhas, motivam pessoas, trazem soluções que ninguém trouxe. Você é um empreendedor? Gostaria de sê-lo?

A vida é um labirinto: a diferença entre um grande e um pequeno líder

Se você almeja ser um empreendedor, terá de enfrentar a vida de forma diferente. Terá de enxergar a família, o trabalho e as instituições como labirintos exteriores. Terá também de enfrentar o anfiteatro dos pensamentos, o território da emoção e os solos da memória como labirintos interiores. Em cada labirinto, há lições para aprender e terrenos para ser conquistados.

Por que enxergar os ambientes em que vivemos como labirintos? Porque eles têm curvas imprevisíveis, compartimentos desconhecidos, situações inesperadas. Os que desejam ser empreendedores precisam ter consciência de que a vida é uma grande escola, mas pouco ensina para quem não sabe ser um aluno...

Seu maior desafio será penetrar nesses labirintos e explorá-los saudavelmente. Para isso precisará de coragem para caminhar e humildade para corrigir rotas. Você tem essas características? Errará não poucas vezes, mas esse é o preço para as grandes conquistas. Precisará saber que mais grave do que errar é se omitir, não tentar.

Ao entrar nesse labirinto, o grande perigo é achar que sabe, ser dominado pelo orgulho e não se colocar como eterno aprendiz. Quem acha que sabe educar poderá não conquistar seus filhos e alunos. Quem acha que entende do amor poderá perder quem ama. Quem está convencido de que sabe a melhor maneira de trabalhar poderá fechar o leque da sua inteligência para outras possibilidades.

As crenças, os paradigmas e os preconceitos que estão nas matrizes da memória são seu maior obstáculo para ser um empreendedor. Um empreendedor deve ser uma pessoa aberta e ter um senso refinado de observação. Não podemos nos esconder atrás dos nossos diplomas, status, condição financeira.

Devemos perceber rapidamente as pequenas mudanças e procurar tomar atitudes. Não espere o amor morrer para depois tentar ressuscitá-lo. Não espere os filhos ficarem doentes para depois tratá-los. Não espere estar superado profissionalmente para depois tentar com desespero reciclar-se.

Alguns lidam com as finanças de maneira inadequada. Não percebem que a vida é um labirinto, que ninguém conhece os eventos que o amanhã nos trará. Gastam mais do que ganham, tratam seu dinheiro como fonte inesgotável. Não percebem que o estresse financeiro é uma grande causa da ansiedade moderna.

Muitas doenças psíquicas, relacionamentos desfeitos, empresas falidas seriam evitados se fôssemos mais rápidos para enxergar os problemas. Infelizmente, somos lentos para perceber as mudanças e lentos para reagir.

Precisamos ser empreendedores. Todavia, se falharmos não devemos ter vergonha de dizer: "Eu errei". Se precisarmos de ajuda, não devemos ter receio de falar: "Ensine-me". Se errarmos o caminho, não devemos ter medo de recomeçar.

Um empreendedor não é infalível nem perfeito. Ele cai e se levanta. Não lamenta os seus fracassos, agradece a possibilidade de estar no páreo. O anfiteatro da sua mente não é controlado pela teimosia e auto-suficiência, mas é uma esponja que absorve com modéstia as experiências dos outros.

Ele sabe a diferença entre um pequeno líder e um grande líder. Um pequeno líder enxerga os grandes erros, um grande líder enxerga os pequenos erros; um pequeno líder vê a casa desmoronar, um grande líder enxerga as pequenas rachaduras e previne seu desabamento.

Você é um grande líder? Enxerga os pequenos problemas?

Exigindo flexibilidade e criatividade

Na vida há situações imprevisíveis e inevitáveis. Precisamos da sabedoria para suportá-las, compreendê-las e superá-las. Há períodos em que o nosso trabalho transcorre muito bem, nossos íntimos nos amam, nossos amigos estão próximos, nossas metas são concretizadas. Conseguimos encontrar um "estoque" abundante de tudo o que mais amamos.

Já encontrou uma pessoa que você ama e se sente feliz ao seu lado? Já conquistou um trabalho que o realiza e lhe dá prazer? Já encontrou pessoas que o admiram pelo que você é e não pelo que você tem?

Há outros períodos em que as cobranças surgem, o tédio aparece, os amigos ficam distantes, as angústias criam raízes, o desânimo brota. Ficamos sem oxigênio. Aí entra o problema.

Temos de escolher entre nos aventurarmos no labirinto para reconquistar o que perdemos ou ficarmos lamentando a situação, esperando um milagre ocorrer ou a sorte mudar. Muitos esperam anos em vão. Morrem sem conquistar. São controlados pelo destino e não controlam seu destino.

Nos momentos de turbulência, as dúvidas surgem. Será que o labirinto não é perigoso? Será que não sofrerei mais ainda ao percorrer lugares desconhecidos? Será que as pessoas não pensam que eu sou um derrotado? Será que não é mais fácil ficar paralisado do que mudar de atitude para conquistar o que eu amo? Será que vale a pena correr riscos para ser um pai melhor, um amigo mais profundo, um profissional mais competente, um amante mais sensível?

Os que sucumbem ao calor das suas dúvidas e inseguranças são derrotados. Um empreendedor tem dúvidas, mas não é aprisionado por ela. Como você se comporta quando o que você mais ama está se dissipando? Fica com raiva, sente medo, culpa os outros? Um empreendedor não culpa os outros, mas decide mudar. Ele escolhe caminhos e não apenas detectaerros.

Um professor empreendedor não apenas dá com maestria suas aulas, mas conquista o território da emoção dos seus alunos, conta-lhes história, conta as aventuras dos cientistas para produzir conhecimento, inspira-lhes a inteligência, prepara-os para a vida.

Um executivo empreendedor não apenas trabalha bem com gráficos e dados lógicos, mas transmite sensibilidade, elogia seus liderados, vê além do horizonte, sorri no caos, demonstra que é nas dificuldades que se conquistam as melhores oportunidades.

Um amante empreendedor não acha que o amor é inesgotável. Por isso, cultiva-o e irriga-o. Encanta sua esposa ou seu marido, seu namorado ou namorada. Liberta-se da prisão do ciúme e dá liberdade para quem ama. Não gasta energia tola com brigas e acusações. Sabe que a vida é tão breve como as gotas de orvalho que se dissipam ao calor do sol. Aproveita seu tempo, faz do seu relacionamento uma poesia, um canteiro de respeito e amor.

As melhores coisas de sua vida precisam ser cultivadas. Infelizmente, alguns maridos só descobrem que suas esposas estão profundamente feridas por eles quando elas pedem o divórcio. Algumas esposas só percebem que seus casamentos estão destruídos quando a última gota de amor seca. Algumas pessoas só investem em qualidade de vida quando estão no leito de um hospital.

Infelizmente, há muitas pessoas fechadas num casulo. São cultas, mas engessadas. São eloqüentes, mas não sabem falar a linguagem da emoção. Querem ser líderes em suas empresas e nas instituições, mas não são lideres de si mesmas.

Se você souber abrir as janelas da sua mente, ampliar a arte de pensar e praticar as leis da qualidade de vida deste projeto, então, os labirintos que você vive não serão um terreno perigoso, um deserto, um cárcere, mas um ambiente em que você realizará seus mais belos projetos.

Dez passos para se tornar um empreendedor

1- Antecipe-se às mudanças. Melhor do que corrigir erros é preveni-los.

2- Se não conseguir prevenir erros, apure seu senso de observação. Observe pequenos problemas (trincas) para evitar grandes desabamentos.

3- Não é possível evitar todos os riscos. Lembre-se: Quem vence sem risco é coroado sem glória.

4- Não lamente, não reclame, não culpe os outros, não se culpe.

5- Só não muda de idéias quem não tem idéias. Mude tantas vezes quantas forem necessárias.

6- Os ambientes em que você vive são labirintos. Tenha coragem para reconhecer erros e sensibilidade para corrigir rotas.

7 -Nunca desista de quem ama.

8- Nunca desista de si mesmo.

9- Controle seu destino e não seja controlado por ele. Construa suas oportunidades.

10- Faça da sua vida um grande desafio e um eterno aprendizado. Agradeça a Deus a oportunidade de existir e caminhar.

Ao longo dos anos atuando como psiquiatra e psicoterapeuta e pesquisando os segredos da mente humana, tive uma convicção: Todo ser humano, seja ele rei ou súdito, intelectual ou iletrado, atravessa momentos difíceis e angustiantes. Infelizmente, como já disse, quando não temos problemas, nós os “fabricamos”.

Basta sentir que precisa de alguém que você sofrerá frustrações. Basta amar e ter amigos que as incompreensões virão. Basta querer trabalhar em equipe e motivar pessoas que as discussões surgirão. Mas isso não depõe contra a vida, faz dela uma poesia. Quanto mais incrustado o ouro estiver na rocha, mais precioso ele será.

Não pense que as pessoas sejam complicadas, pense que você é que não está tendo habilidade para conquistá-las. Não considere seu trabalho estressante. Você é que não está conseguindo transforma-lo num oásis. Para muitos, a dor é um problema; para os sábios, é a sua escola.

Que tipo de história nós estamos escrevendo?

Somos fagulhas vivas que cintilam durante poucos anos no teatro da vida e depois se apagam tão misteriosamente quanto acenderam. Nada é tão fantástico quanto a vida, mas nada é tão efêmero e fugaz quanto ela.

Hoje estamos aqui, amanhã seremos uma página na história. Um dia, tombaremos na solidão de um túmulo e ali não haverá aplausos, dinheiro, bens materiais. Que história escrevemos? Que sementes plantamos?

Se a vida é tão rápida, não deveríamos, nessa breve história do tempo, procurar os mais belos sonhos, as mais ricas aspirações? Pelo que vale a pena viver? Quais sonhos nos controlam? Quais são as nossas metas e os nossos maiores empreendimentos?

Alguns têm depressão, ansiedade, estresse, não por conseqüências dos conflitos da sua infância, mas pela angústia f existencial, pela falta de um sentido de vida sólido. Lembre-se do que estudamos: alguns têm fortunas, mas mendigam o pão da alegria; têm cultura, mas falta-lhes o pão da tranqüilidade; têm fama, mas são parceiros da solidão. Erraram o alvo.

Um dos mais populares cantores brasileiros disse certa vez que tinha tudo o que uma pessoa podia deseja ter, mas não tinha prazer de viver. Solidão, tédio, falta de sentido de vida e vazio existencial não faziam parte do dicionário do Mestre dos mestres.

Até quando o corpo de Jesus morria na cruz, ele ainda era um grande empreendedor, um conquistador do território da emoção. Era capaz de surpreender as pessoas com frases inesquecíveis.

O chefe da escolta dos soldados, encarregado de executar a sentença de Pilatos, apurou seu senso de observação aos pés da cruz e foi conquistado por ele. Cada reação de Jesus golpeou sua insensatez e abriu as janelas da sua inteligência. Deixe-me dar um exemplo dessas reações.

Na hora mais dramática da crucificação, a primeira hora, Jesus sofreu uma dor insuportável. Não havia espaço para ter outra reação a não ser gritar, ter reações violentas, reagir por instinto. Mas para a nossa admiração, ele esqueceu-se de si e bradou ao seu Pai que lhes perdoasse. Do ponto de vista psiquiátrico é impossível para um crucificado ter um raciocínio lúcido quanto mais afetivo e altruísta como o de Cristo.

Ele disse que seus carrascos não sabiam o que faziam Expressou que eles eram escravos do sistema, cumpriam ordens refletir, não eram livres. Por isso, com lábios trêmulos, desculpou-os sem que eles lhe pedissem desculpas. Compreendeu homens incompreensíveis. Perdoou homens imperdoáveis.

PAINEL I: pontos sugeridos para reflexão e discussão

1. Ser um empreendedor é criar oportunidades. Você tem criado oportunidades para ter grandes conquistas? Enfrenta seus labirintos com coragem ou tem medo do desconhecido?

2- Você percebe os pequenos problemas no seu trabalho, na relação com os filhos, esposa ou marido, ou só descobre quando o mundo está desabando? Você tem coragem para tomar atitude para reconquistar o que mais ama?

3- Você tem sido um profissional, um pai ou mãe, um jovem, um amante, empreendedor? Tem tido coragem para levantar e cair? Tem libertado sua criatividade para encantar as pessoas, trazer soluções que ninguém trouxe, prevenir erros, corrigir falhas? Enfim, você tem feito a diferença nos ambientes em que atua?

(Parte 1 de 6)

Comentários