O Geólogo e a Geologia

O Geólogo e a Geologia

(Parte 1 de 3)

O Geólogo e a Geologia

Superintendência Regional de Porto Alegre

Gerência de Relações Institucionais e Desenvolvimento Museu de Geologia

O Geólogo e a Geologia

A Geologia é uma ciência relativamente nova, surgida no século XVIII. No Brasil, os primeiros geólogos diplomaram-se em 1959.

Ela é talvez a mais variada das ciências naturais. Como diz seu nome (do gr. geos = terra e logos = estudo), a Geologia estuda a Terra como um todo, sua origem, composição, estrutura e história, bem como os processos que deram origem ao seu estado atual e os que governam as transformações que ocorrem no presente.

Estuda também a vida que sobre ela existiu e que se encontra registrada nos fósseis, que são restos ou vestígios de animais e plantas preservados nas rochas.

Na maioria dos casos, o geólogo faz isso em uma área muito pequena, que pode ser, por exemplo, um município, uma porção do Estado, um ambiente geológico favorável à existência de um determinado minério, etc.

O curso de Geologia

O curso de Geologia compreende algumas disciplinas que são uma extensão ou revisão de assuntos vistos no segundo grau e outras que são mais profissionalizantes.

Entre as primeiras podem ser citadas Desenho, Inglês, Matemática, Química, Física e Biologia. Como disciplinas profissionalizantes devem ser citadas Mineralogia, Cristalografia, Petrografia, Petrologia, Tectônica, Sedimentologia, Geoquímica, Geofísica,

Geologia Econômica, Paleontologia, Hidrogeologia, Geotécnica, Aerofotogrametria, Topografia e Geologia Estrutural.

Como toda ciência, a Geologia liga-se a outras áreas profissionais, havendo campos de atuação mista. Temos, por exemplo, Geofísica, Geoquímica, Geomatemática, Geoestatística, Geologia Ambiental, Engenharia de Minas, Geologia de Engenharia (ou Geotécnica), etc.

A Geologia Ambiental é o ramo que se liga com o maior número de outras ciências, pois tem a ver com Agronomia, Arquitetura, Engenharia, Educação, Economia, etc.

O curso de Geologia dura normalmente cinco anos e, no final, os alunos, divididos em equipes, fazem o chamado trabalho de graduação. É um trabalho de mapeamento geológico, semelhante ao que muitos farão depois de formados, necessário para obtenção do diploma.

Durante o curso, são feitas viagens a diversos locais, para conhecer diferentes tipos de rochas e minerais, para aprender a descrever um afloramento (local onde aparecem rochas), anotar os dados na caderneta de campo, usar mapa, bússola e fotografias aéreas, descrever e fotografar as estruturas geológicas que, por seu porte, não podem ser vistas em amostras de rocha, e outras atividades típicas da profissão.

Setores de trabalho do geólogo

O geólogo pode trabalhar só em escritórios ou laboratórios, mas normalmente sua atividade alterna períodos no campo com períodos no escritório, o que permite uma saudável mudança de rotina. O trabalho de campo é mais cansativo, mas propicia um contato íntimo e agradável com a natureza.

Um dos seus principais trabalhos é o mapeamento geológico, atividade típica dessa profissão. Nele, o geólogo percorre a área a ser mapeada, geralmente de carro, mas também a pé (quando há locais de difícil acesso, quando a área a ser mapeada é pequena ou quando o trabalho é de muito detalhe).

À medida que percorre essa área, ele vai descrevendo as rochas que encontra, coletando amostras e fazendo suas anotações na caderneta de campo. No final do trabalho, o geólogo elabora o mapa geológico, onde estão representados os diferentes tipos de rocha e as relações entre eles, documento este muito útil para diversas finalidades, até mesmo fora da Geologia.

De posse de um mapa geológico, o geólogo pode definir as áreas mais favoráveis para fazer pesquisa mineral, ou seja, para procurar um bem mineral em particular. Se ele quiser encontrar carvão, por exemplo, vai pesquisar onde há rochas sedimentares, nunca em rochas ígneas ou metamórficas.

Outro trabalho importante é em Hidrogeologia, setor em que o geólogo faz pesquisa para encontrar água subterrânea. Como as águas superficiais são cada vez mais poluídas e, em certas regiões (como o Nordeste do Brasil), muito escassas, é importante abrir poços tubulares para aproveitar a água do subsolo. Nas minas, o trabalho do geólogo também é importante, porque, embora o minério já tenha sido ali encontrado, é preciso definir bem seu volume e sua distribuição. À medida que ele vai sendo extraído, podem surgir locais onde se esperava que ele existisse mas não existe, ou, ao contrário, pode aparecer em locais onde não se esperava. Essa pesquisa de detalhe é, portanto, importante para orientar a lavra.

A área de Geotécnica é um amplo campo de trabalho para o geólogo, pois inclui a construção de estradas, túneis, viadutos, barragens, edifícios, etc. Aí, é importante o trabalho do geólogo junto com o engenheiro civil, porque ele vai dizer se o solo é adequado à construção daquelas obras e o que deve ser feito para garantir a estabilidade das construções. No sensoriamento remoto, os geólogos utilizam recursos como fotografias aéreas, imagens de satélite e de radar para mapeamento geológico, de solos, de vegetação, de áreas cultivadas, etc. Na Geoquímica, o geólogo planeja (e, às vezes, executa) a coleta de amostras de solo, rocha, água e sedimentos de corrente (areias do fundo dos rios), e determina onde esse material deve ser coletado. De posse dessas amostras, ele as manda para o laboratório para determinar que porcentagem possuem do elemento químico que está procurando ou para ver quais elementos químicos são nelas mais abundantes. Com isso, obtém dados que permitem dizer, com maior ou menor certeza, se há, na área estudada, uma jazida. Na Geofísica, os geólogos e físicos medem propriedades como o magnetismo, densidade, propriedades elétricas ou radioatividade das rochas para detectar presença de minérios, principalmente de minerais metálicos (ferro, manganês, cobre, chumbo, zinco, ouro, molibdênio etc.). A Geologia Marinha é uma área de trabalho relativamente nova. Esse ramo da Geologia estuda as variações do nível do mar e o relevo do assoalho oceânico. O CECO (Centro de Estudos de Geologia Costeira e Oceânica), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, é o mais avançado centro de pesquisa nesta área, em toda a América Latina, com nível de mestrado e doutorado. A sondagem não é um ramo da Geologia, mas é um método de pesquisa que exige conhecimento bem especializado. Ela compreende a perfuração de poços com diâmetros variam entre 2,5 e 75 cm, e profundidades que podem ir bem além de 1.0 m (estas comuns na pesquisa de petróleo), para coleta de amostras do subsolo ou para a produção de água, petróleo ou gás.

Uma área de trabalho nova e muito ampla que se abriu para os geólogos é a Geologia Ambiental. Trabalhando com técnicos de outras profissões, os geólogos atuam na prevenção de enchentes, escorregamentos de terra e erosão; na escolha de locais para instalação de depósitos de lixo, cemitérios, aeroportos, núcleos residenciais, fábricas, etc; na detecção e delimitação de áreas poluídas no subsolo; na delimitação de áreas de preservação ambiental, como parques, nichos ecológicos, florestas, nascentes de rios, locais de interesse arqueológico, etc.; na delimitação também de áreas impróprias para a construção, como encostas de alta declividade e áreas de solo instável; no planejamento da expansão urbana; na solução de conflitos causados pela mineração em áreas urbanas (pedreiras, por exemplo); na elaboração de planos diretores municipais; etc. É, portanto, um vasto campo de atuação que está se abrindo.

Dentro da pesquisa mineral, a pesquisa do petróleo é uma área muito especializada, que exige intenso treinamento. É atendida por empresas como a Petrobrás e, ao contrário da Geologia Ambiental, oferece oportunidades em áreas mais restritas do país.

Geólogos que preferem ficar na cidade podem trabalhar em laboratórios, descrevendo amostras de rocha ao microscópio; ministrando aulas em universidades; fazendo estudos de Economia Mineral; etc.

A crescente participação da Informática nos trabalhos de Geologia tem exigido a presença dos geólogos também no setor de geoprocessamento, que inclui tanto trabalho com dados estatísticos como o tratamento de imagens de satélite.

Após um bom tempo de experiência profissional, é normal que alguns geólogos assumam cargos de chefia na empresa ou órgão em que trabalham e passem a exercer suas atividades apenas em escritório, ou com idas ao campo somente para visitar as áreas de atuação das equipes que gerenciam.

O equipamento usado pelo geólogo no campo

O principal instrumento de trabalho do geólogo é o martelo de geólogo. Ele é um símbolo da profissão. Trata-se de um martelo diferente, próprio para quebrar rochas e minerais. Com cabo revestido de náilon para permitir que seja seguro com firmeza, é fabricado com uma liga metálica especial de alta resistência, que sofre desgaste, mas sem soltar lascas ao ser usado. O martelo de geólogo é inquebrável em uso normal e é formado por uma peça só, não sendo separado do cabo.

Outro instrumento que o geólogo sempre leva para o campo é a bússola, usada não apenas para se orientar, mas também para medir a direção e inclinação (mergulho) de camadas, veios e fraturas. A bússola de geólogo possui um clinômetro, dispositivo para medir inclinações e que permite também, através de um cálculo trigonométrico simples, determinar a altura de um morro, edifício, etc. A caderneta de campo é fundamental para o geólogo. Nela, ele anota tudo que vê de importante, marca as distâncias percorridas, descreve paisagens, rochas, minerais e fósseis, a direção e o mergulho das camadas, desenha afloramentos, registra as hipóteses de trabalho, etc. Os mapas topográficos são também indispensáveis quando se vai fazer um mapa geológico. Neles, o geólogo anota os pontos visitados, as estradas percorridas e representa com diferentes cores, os locais correspondentes às diferentes rochas que encontrou. No trabalho de pesquisa mineral, o geólogo pode ir para o campo com um mapa geológico já pronto, para detalhar melhor as informações que ele contém. As fotografias aéreas são extremamente úteis antes do trabalho de campo e durante sua execução. No escritório, elas são usadas para separar os diferentes tipos de rocha (com base nas variações de cor e textura), que podem ou não ser bem identificados nessa fase. Depois, no campo, faz-se uma verificação, visitando alguns locais para confirmar se a separação feita no escritório está correta. Elas servem, além disso, para o geólogo se orientar, localizar estradas, vilas, rios, morros, etc.

Máquina fotográfica é também importante, porque uma foto pode dar informações que nem o melhor desenhista poderia colocar na caderneta de campo e um número de dados muito maior do que a melhor descrição escrita. Uma lupa de dez aumentos (às vezes, usa-se também a de vinte) é igualmente importante para identificar minerais que aparecem na forma de grãos muito pequenos. Ela costuma ser amarrada num cordão e levada no pescoço, porque é pequena e usada com freqüência.

Esse equipamento todo e, às vezes, amostras de rocha, são carregados numa mochila, outro equipamento importante para o geólogo.

Dependendo do tipo de pesquisa de campo, pode ser necessário também um cintilômetro, aparelho que mede a radioatividade natural das rochas e que serve tanto para separar seus diferentes tipos como para procurar minérios radioativos. Se a área a ser pesquisada tem uma extensão muito grande, usa-se um cintilômetro transportado por avião, que lê e registra a radioatividade de modo automático. O magnetômetro serve para as mesmas finalidades que o cintilômetro, mas mede o magnetismo das rochas, não a radioatividade. Também ele pode ser portátil ou aerotransportado.

Como equipamento útil, mas nem sempre necessário, podem ser citados também ácido clorídrico (para identificar minerais como a calcita e rochas como o mármore e o calcário), canivete (para testar a dureza de minerais), fita adesiva (para identificar as amostras de rocha coletadas), cantil, estojo de primeiros socorros, óculos de proteção, réguas, ímã e outros. Outros materiais e objetos podem se mostrar necessários, dependendo da região e das preferências individuais do geólogo.

Em regiões de difícil acesso, como a Amazônia ou desertos, é importante o uso de rádio transmissor-receptor, soro anti-ofídico e

O GPS é um aparelho que capta sinais de satélites que estão em órbita em torno da Terra e informa as coordenadas do local onde se está. Ele é extremamente útil para regiões de mata fechada, desertos ou áreas com poucas estradas. Também é importante quando os mapas da região onde se está trabalhando são muito antigos e desatualizados.

todo geólogo costuma ter o seu

Esse equipamento todo costuma ser fornecido pela empresa para a qual o geólogo trabalha, mas o martelo e a lupa são instrumentos indispensáveis já durante o curso, de modo que, quando se forma,

Quem emprega geólogos

O trabalho do geólogo envolve normalmente muita atividade ao ar livre, fora da cidade. Mas, nem todos trabalham assim, pois precisase de geólogos em trabalho de escritório, laboratórios, salas de aula, etc.

Conforme o local de trabalho desse profissional, pode-se falar em Geologia de Campo, Geologia de Mina, Geologia de Poço, Geologia de Estradas, etc.

A maioria dos geólogos trabalha em empresas públicas (federais, estaduais e municipais), órgãos do governo, universidades ou empresas de mineração.

Os que trabalham como autônomos podem ser profissionais recém-formados que, pela dificuldade de conseguir um emprego, montam um pequeno negócio ou ao contrário, geólogos diplomados há um bom tempo, já experientes, que atuam como consultores, por exemplo.

As empresas que empregam mais geólogos no Brasil são as estatais, como a CPRM e a Petrobras, ambas do Governo Federal. Nas duas, o ingresso se faz por concurso público.

A Petrobrás atua em todo o Brasil, mas concentra suas ativida-
A Cia. Vale do Rio Doce (CVRD), recentemente privatizada,

A CPRM é uma das empresas brasileiras que mais tem geólogos em seus quadros (entre seus 1.171empregados, há 535 com nível universitário, dos quais 311 são geólogos) e a que tem a maior área de atuação. Atua em todos os setores da Geologia - exceto mineração e pesquisa de petróleo - e em todos os estados. des nas áreas ricas em petróleo (Rio de Janeiro, Bahia e Sergipe, principalmente). emprega muitos geólogos e produz principalmente minério de ferro (sobretudo em Minas Gerais e Pará).

Dos órgãos públicos, o que mais possui geólogos é o DNPM -

ção) das substâncias minerais no BrasilÉ ele também quem fiscaliza

Departamento Nacional de Produção Mineral. Ele atua em todo o país e é quem fiscaliza a produção e comercialização (inclusive exportaa pesquisa mineral, fazendo cumprir o Código de Mineração.

Há também os órgãos de proteção ambiental, como o IBAMA

(Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis), na área federal, e órgãos similares, nas esferas estadual e municipal.

As universidades que mais contratam geólogos são naturalmente as que possuem curso de Geologia, como a UFGRS, USP, UNISINOS, USP, UFBa, UFPA, UFRJ e UFOP, entre outras. A Câmara dos Deputados (Brasília) contrata geólogos para assessoria técnica. Os governos estaduais costumam ter secretarias, empresas de mineração e outros órgãos que também empregam geólogos. Servem como exemplo as secretarias de meio ambiente e de obras públicas.

(Parte 1 de 3)

Comentários