Manual de Normas Técnicas e Rotinas de Enfermagem para Centros de Saúde

Manual de Normas Técnicas e Rotinas de Enfermagem para Centros de Saúde

(Parte 2 de 14)

Na natureza, é freqüente seres vivos da mesma espécie se associarem visando benefícios comuns.É o que ocorre entre os seres inferiores, que se associam formando as colônias.Entre os seres mais diferenciados como, por exemplo, os homens, estas associações vêm constituir as sociedades.O que caracteriza, essencialmente, essas associações, é a defesa de cada um de seus componentes e do conjunto contra os fatores ambientais e contra certos seres vivos. Também entre seres de espécies diferentes são freqüentes as associações.Nesta situação, contudo, não visam sempre os benefícios comuns ou de cada elemento que as constitui.

Três tipos fundamentais de associações podem acontecer: • Simbiótica:cada elemento da associação é beneficiado.

• Saprofítica:não há, propriamente, nenhum benefício para os elementos que se associam. • Parasitária:há sempre benefício de um dos elementos, com prejuízo do outro.

Infecção é a penetração e a multiplicação de um microorganismo patogênico em outro organismo.Para haver infecção, é necessário que ocorra contato entre os organismos vivos, o que se denomina contaminação.Muito embora toda infecção se inicie com uma contaminação, nem toda contaminação produz infecção.Para que esta ocorra, há necessidade de que o microorganismo se desenvolva, prolifere e exerça ação parasitária maligna sobre o hospedeiro (patogenicidade).

1.Assepsia:é o conjunto de meios usados para diminuir ou eliminar os microorganismos patogênicos de uma determinada superfície.

2.Limpeza:é um processo mecânico de remoção da sujidade e detritos, mediante o uso de água, sabão ou detergente adequado, para manter em estado de asseio os artigos, pisos, paredes, mobiliários e equipamentos.A limpeza constitui o primeiro passo nos procedimentos técnicos de desinfecção e esterilização, pois ao retirar a sujidade, os microorganismos ficam mais expostos à ação dos agentes desinfetantes e esterilizantes.

3.Degermação:é a remoção ou redução das bactérias da pele, seja por meio de limpeza mecânica (sabões, degermantes e escovagens) e/ou agentes químicos.É aplicada sobre tecidos vivos.

4.Antissepsia:é a remoção parcial de microorganismos da pele por agentes químicos.É aplicada sobre tecidos vivos.

5.Desinfecção:é a destruição dos germes patogênicos ou a inativação dos vírus, não matando, necessariamente, os esporos.É aplicada nos pisos, paredes, superfícies de equipamentos, móveis hospitalares e utensílios sanitários.É feita por substâncias desinfectantes.

6.Sanificação:é a redução do número de germes a um nível julgado isento de perigo.Sua aplicação é feita em objetos inanimados.

7.Esterilização:é a eliminação total dos microorganismos, esporos, fungos, vírus, aplicada nos instrumentos.

8.Desinfestação:é a exterminação ou destruição de insetos, roedores ou outros animais, que possam transmitir infecções ao homem, aos animais e ao meio ambiente.

FONTES DE CONTAMINAÇÃO De um modo geral, as causas podem ser agrupadas do seguinte modo:

Causas ligadas ao ambiente • ar - existência de poeira em suspensão, de gotículas, tipos de ventilação, contaminação com outros ambientes; • piso - a deposição no piso, de poeira, secreção, sangue, pus, excreta, vômito etc; • parede - embora em menor grau, também acumula poeira, secreção, umidade, aumentando de acordo com a aspereza e reentrâncias da mesma; • equipamento - os aparelhos e móveis também acumulam poeira e secreção etc.

Causas ligadas ao pessoal técnico • não utilização correta das técnicas que visam diminuição dos riscos de contaminação (Ver Normas de Biosegurança, pág.1); • falta de controle de indício de infecção, como febre, diarréia, vômito e feridas de qualquer natureza; • falta de exame médico periódico dos funcionários.

Causas ligadas ao usuário • falta de higiene;

• falta de cuidado com os ferimentos;

• falta de cuidado com os curativos;

• falta de controle das doenças.

Causas ligadas ao material • limpeza deficitária;

• esterilização deficitária;

• qualidade e quantidade inferior de material;

• erros na técnica do empacotamento, levando à recontaminação do material, uso indevido de material que tenha data de esterilização vencida;

• erro na concentração da diluição de solução e seu período de validade.

Causas ligadas ao meio ambiente • destino inadequado do lixo comum e lixo contaminado;

• tratamento inadequado da água e do esgoto;

• esgotos ligados clandestinamente à rede pluvial.

• exames periódicos bacteriológicos e meios de cultura para controle do ar, ambiente em geral e superfícies; • aplicação adequada das técnicas de assepsia:degermação, esterilização, desinfecção, sanificação e desinfestação; • controle quantitativo e qualitativo dos produtos empregados;

• pesquisa e tratamento permanente do pessoal;

• criação de uma comissão de controle de infecção nos Centros de Saúde .

3 Limpeza,desinfecção e esterilização

Os objetivos da assepsia, antissepsia, desinfecção e esterilização são a diminuição do perigo de contaminação, seja através das mãos ou do material utilizado, proporcionando maior segurança ao usuário e à equipe de trabalho.

Em condições normais, os germes se encontram na pele sem produzir doenças.Em condições de baixa resistência (má higiene, subnutrição, pessoas que sofreram intervenção cirúrgica etc.) os germes podem crescer e se desenvolver, ocasionando doenças.A higiene é uma das principais condições para se evitar a infecção e/ou a contaminação por germes patogênicos.

Antes e depois de qualquer procedimento, devemos lavar as mãos, diminuindo assim a possibilidade de contaminação.As mãos dos profissionais de saúde constituem importante veículo na transmissão de várias doenças.

Material necessário • água;

• sabão ou sabonete;

• escova;

• toalha de papel ou de pano;

• álcool.

Execução da técnica • limpar bem as unhas com a escova;

• lavar as mãos, punhos e antebraços com água e sabão;

• ensaboar a torneira da pia;

• enxaguar as mãos com água corrente;

• enxaguar a torneira da pia;

• secar as mãos em toalha de papel ou toalha de pano exclusiva;

• em vez de enxugar as mãos em toalha de pano, na falta de toalha de papel, pode-se passar álcool nas mãos, pois este possibilita a secagem rápida.

Para não esquecer Lavar as mãos: • antes e após o atendimento de cada usuário;

• antes e após manipulação de curativos;

• antes e após aplicação de medicação injetável e por outras vias;

• antes e após aplicação de vacina;

(Parte 2 de 14)

Comentários