USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÃ?Ã?O DE MUDAS DE Eucalyptus urophylla S. T. Blake, NO MUNICÃ?PIO DE MINEIROSGO

USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÃ?Ã?O DE MUDAS DE Eucalyptus urophylla S....

(Parte 1 de 2)

USO DE DIFERENTES SUBSTRATOS NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE Eucalyptus urophylla S. T. Blake, NO MUNICÍPIO DE MINEIROS/GO.

E. N. SILVA1, G. A. SANTOS2, M. S. BARBOSA3, L. G. de SOUSA4 RESUMO

No município de Mineiros atualmente existe a produção de aves de corte, sendo que estes produzem resíduos orgânicos que podem ser utilizados como fertilizantes para produção de mudas, devido a isto o presente trabalho teve como objetivo realizar a avaliação do efeito dos diferentes substratos, para a produção de mudas de Eucalyptus urophylla S. T. Blake. O experimento foi conduzido no Viveiro Florestal do IPAF, Campus I da FIMES no Município de Mineiros – GO. Os substratos testados foram o Bioplant (substrato comercial), Substrato comumente utilizado no IPAF, Cama Aviária, Lodo Industrial (biossólido) e Resíduo de Incubatório. Utilizou-se como delineamento experimental o Delineamento de Blocos Casualizados (DBC), com 03 blocos, 06 tratamentos e 03 repetições por tratamento, sendo que cada repetição foi constituído por 12 tubetes. O substrato orgânico Lodo Industrial (biossólido), mostrou-se superior em relação aos outros compostos altura da parte aérea e no diâmetro do coleto.

Palavras Chave: Cama de aviário, Lodo industrial (biossólido), Resíduo de incubatório,

Produção de mudas. 1

Introdução

O município de Mineiros atualmente destaca-se como importante pólo de produção de aves de corte em função do estabelecimento de uma agroindústria do setor avícola. Com a instalação houve o surgimento de um grande número de granjas, sendo uma atividade que se caracteriza pela produção de resíduos como: Cama de aviário, Lodo industrial (biossólido) e Resíduo de incubatório. Os quais na ausência de destinação adequada constituem a causa de grandes problemas ambientais.

1 Eder Naves Silva. Graduado em Engenharia Florestal pelas Faculdades Integradas de Mineiros –

FIMES; edernaves27@yahoo.com.br

2 Gildomar Alves dos Santos. Professor da FIMES e Doutorando em Ciências Florestais na University of

Aberdeen (UK) concentrando suas Atividades na Área de Ecologia e Silvicultura. Faculdades Integradas de Mineiros – FIMES, Rua 2, s/n. Setor Aeroporto, Mineiros – GO; gildomar@fimes.edu.br

3 Maísa Santos Barbosa. Graduanda em Engenharia Florestal pelas Faculdades Integradas de Mineiros –

FIMES; maisa.barbosa@live.com

4 Lucas Gabriel de Sousa. Graduando em Engenharia Florestal pelas Faculdades Integradas de Mineiros –

FIMES; lcgabriel2@hotmail.com

A utilização destes resíduos orgânicos como fertilizante para a produção de mudas é uma alternativa interessante para a reciclagem destes resíduos tendo em vista sua composição físico-química, baixo custo e de fácil aquisição.

Diante do exposto o objetivo deste trabalho foi selecionar e avaliar três substratos orgânicos para produção de mudas de Eucalyptus urophylla S. T. Blake.

Material e Métodos

O experimento foi instalado no Viveiro Florestal do IPAF, Campus I da FIMES no

Município de Mineiros – GO.

Para a condução do experimento realizou-se uma pesquisa a fim de testar e avaliar três tipos de substratos, utilizando-se de diferentes porcentagens de Cama de aviário, Lodo de esgoto (biossólido) e Resíduo de incubatório.

O método utilizado para a condução do experimento foi o delineamento em blocos casualizados (DBC), onde foi constituído de 3 blocos, sendo que foram feitos seis tratamentos com três repetições.

A avaliação partiu da observação das mudas com 30, 60 e 90 dias avaliando assim o seu desenvolvimento em altura (cm), já para o DAC (m) foi observado a partir dos 60 aos 90 dias. A medição da altura foi realizada com o auxilio de uma régua graduada em cm e o diâmetro realizado com o auxilio de um paquímetro a altura do coleto.

Resultados e Discussão

As médias obtidas para o tratamento T2 (75% - Lodo Industrial + 25% - Substrato) e T3 (50% - Lodo Industrial + 50% - Substrato) foram superiores as médias obtidas para os outros tratamentos e difere estatisticamente ao nível de 5% de significância pelo teste de Tukey. O Lodo Industrial (biossólido) foi o tratamento que apresentou as maiores médias, o que pode ser explicado pelo seu rico teor em fósforo e nitrogênio o que melhora as condições do substrato alem de possuir outros nutrientes ricos em menores quantidades.

Figura 1: Altura das mudas de Eucalyptus urophylla, aos 30, 60 e 90 dias após a semeadura (esq.) / Diâmetro das mudas de E urophylla, aos 60 e 90 dias após a semeadura (dir.)

O biossólido é comprovadamente um excelente fornecedor de matéria orgânica, capaz de melhorar as propriedades físicas do solo rico em fósforo e nitrogênio, além de outros nutrientes em menores quantidades, podendo ser beneficamente reciclado dentro de ambientes florestais

Assim fica evidenciado que o biossólido é uma alternativa viável como substrato em mudas de Eucalyptus urophylla S. T. Blake na fase de viveiro.

Ht (c m )

Cama Aviária

30 dias60 dias90 dias

Cama Aviária

60 dias90 dias

Ht (c m )

Lodo de esgoto

30 dias60 dias90 dias

Lodo de esgoto

60 dias90 dias

Ht (c m )

Resíduo de incubatório

30 dias60 dias90 dias

Resíduo de incubatório

60 dias90 dias

Conclusão

Os tratamentos conduzidos tanto para Cama Aviaria, quanto para Biossólido onde houve substituição de 75% e 50% do substrato industrial (Tratamentos 02 e 03), apresentaram os melhores resultados para altura da muda e diâmetro do coleto, diferindo estatisticamente dos demais. Diante destes resultados pode se recomendar a substituição de parte do substrato industrial por Cama Aviaria ou Biossólido.

Referências

1. ANDRÉ, R. M.; MELO, W.J.; LEITE, S.A.S. e CHELLI, R.A. Metais pesados em solo adubado com lodo de esgoto. In: Congresso Latino Americano de Ciência do Solo, 13, Águas de Lindóia, 1996. Anais. 3p. (Publicado em CD-ROM).

2. ANDREOLI, C. V.; SOUZA, M. L. P. et al. Bases para o uso agrícola do lodo do esgoto da ETE Belém. In: Simpósio Luso-Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Florianópolis, 1994. Anais, v. 6, p. 389-402.

3. CARNEIRO, J.G.A. Produção e controle de qualidade de mudas florestais. Curitiba, FUPEF, 1995. 250P.

4. MALAVOLTA, E. Importância da adubação na qualidade dos produtos - função dos nutrientes na planta. In IMPORTÂNCIA DA ADUBAÇÃO NA QUALIDADE DOS PRODUTOS AGRÍCOLAS. Ícone editora. São Paulo, 1994.

(Parte 1 de 2)

Comentários