Enfisema Pulmonar

Enfisema Pulmonar

Doença complexa e destrutiva caracterizada por alvéolos distendidos devido à obstrução brônquica crônica, com subseqüente perda da elasticidade do pulmão.

  • Doença complexa e destrutiva caracterizada por alvéolos distendidos devido à obstrução brônquica crônica, com subseqüente perda da elasticidade do pulmão.

  • Parece o estágio final de um processo que progrediu lentamente ao longo de vários anos.

Predisposição familiar associada a uma anormalidade das proteínas plasmáticas (deficiência de alfa 1 – antitripsina)

  • Predisposição familiar associada a uma anormalidade das proteínas plasmáticas (deficiência de alfa 1 – antitripsina)

  • Tabagismo constitui a principal causa

  • Poluição ambiental em pessoas geneticamente suscetíveis e sensíveis às influências do meio ambiente

  • Agentes infecciosos

  • Alergenos.

Dispnéia de esforço

  • Dispnéia de esforço

  • fadiga

  • astenia

  • tosse de fumante

  • reações inflamatórias e infecções devido ao acúmulo de secreções

  • Expiração prolongada e sibilante

  • Anorexia.

Crescente dificuldade respiratória com taquipnéia

  • Crescente dificuldade respiratória com taquipnéia

  • Tórax em barril

  • Roncos na respiração

  • Perda de peso

  • Veias do pescoço distendidas na expiração

Anamnese, identificando os sinais e sintomas

  • Anamnese, identificando os sinais e sintomas

  • Exame físico atentando para os achados clínicos

  • Gasometria sangüínea

  • RX tórax

  • Teste de Espirometria

Inflamação e edema dos brônquios

  • Inflamação e edema dos brônquios

  • Produção excessiva de muco

  • Perda da elasticidade das vias aéreas

  • Colapso dos bronquíolos

  • Hiperextensão crônica dos pulmões

Insuficiência cardíaca direita (cor pulmonale)

  • Insuficiência cardíaca direita (cor pulmonale)

  • Edema nos MMII (estase venosa)

  • DPOC

Os principais objetivos do tratamento são retardar a evolução do processo patológico e tratar as vias aéreas obstruídas para aliviar a hipóxia.

  • Os principais objetivos do tratamento são retardar a evolução do processo patológico e tratar as vias aéreas obstruídas para aliviar a hipóxia.

  • Melhor a qualidade de vida

  • Diminuir a progressão da doença

A terapêutica inclui:

  • A terapêutica inclui:

  • Prevenção e tratamento imediato da infecção ( antibióticos, corticosteróides, broncodilatadores);

  • Controle das secreções brônquicas (hidratação, nebulização, broncodilatadores);

  • Utilização de técnicas de fisioterapia respiratória para conservar e aumentar a ventilação

  • Evitar o calor e frio em excesso, altas altitudes agravam a hipóxia, poluentes do ar, fumaça,fumo, poeira, talco..

  • Cuidados psicológicos e de apoio e programa de educação ao paciente.

  • Medidas de tratamento destinadas a melhorar a ventilação e diminuir o trabalho da respiração

Mucolíticos: dissolvem as secreções brônquicas, sendo utilizados quando o muco é excessivamente espesso. Auxilia na movimentação do muco a ser eliminado.

  • Mucolíticos: dissolvem as secreções brônquicas, sendo utilizados quando o muco é excessivamente espesso. Auxilia na movimentação do muco a ser eliminado.

  • Broncodilatadores: diminuem a constrição brônquica e aumentam o fluxo de ar, produzem relaxamento do músculo liso bronquial e inibem o edema.

Corticosteróides: reduzem a reação inflamatória e a intensidade da reação alérgica. Não tem efeito broncodilatador.

  • Corticosteróides: reduzem a reação inflamatória e a intensidade da reação alérgica. Não tem efeito broncodilatador.

Instruir o paciente enfisematoso é um dos aspectos mais importantes do tratamento.

  • Instruir o paciente enfisematoso é um dos aspectos mais importantes do tratamento.

  • 1. Para retardar a evolução do processo da doença:

  • - Compreender a importância de preservar a função pulmonar existente,

  • - Evitar atividades que produzem dispnéia excessiva

  • - Evitar a exposição aos irritantes respiratórios( vapores, poeiras, fumaça, frio, etc...)

2 - Para prevenir e eliminar as infecções brônquicas:

  • 2 - Para prevenir e eliminar as infecções brônquicas:

  • - Comunicar imediatamente qualquer evidência de infecção respiratória ao médico,

  • - Manter a saúde em ótimas condições como: ter bons hábitos de nutrição, evitar fadiga excessiva, vacinação contra influenza se indicado

3 - Para reduzir as secreções brônquicas:

  • 3 - Para reduzir as secreções brônquicas:

  • - Prevenir e controlar as infecções respiratórias

  • - Manter uma ingestão adequada de líquidos

  • - Usar um umidificador doméstico

  • - Seguir os procedimentos de drenagem postural como indicado

  • - Tomar as medicações prescritas para a tosse e expectoração

  • - Tomar os broncodilatadores como indicado.

Para aumentar a ventilação pulmonar:

  • Para aumentar a ventilação pulmonar:

  • - Usar tratamento de nebulização constante e persistentemente,

  • - Fazer os exercícios respiratórios para fortalecer os músculos expiratórios

Manter decúbito elevado

  • Manter decúbito elevado

  • Promover ambiente terapêutico

  • Instalar oxigênio úmido CN baixo fluxo para manter umidificação do ar

  • Avaliar padrão respiratório

  • Verificar resposta verbal e motora

  • Administrar broncodilatadores prescritos e avaliar possíveis efeitos colaterais

  • Registrar evolução

Observar ocorrência de sonolência excessiva, inquietação, agressividade, cefaléia, vertigem/síncope = sinais de sofrimento do cérebro pela falta de oxigênio.

  • Observar ocorrência de sonolência excessiva, inquietação, agressividade, cefaléia, vertigem/síncope = sinais de sofrimento do cérebro pela falta de oxigênio.

  • Orientar e ensinar o uso correto dos medicamentos

  • Orientar e cuidar para que as vias aéreas fiquem permeáveis para melhorar a ventilação

  • Orientar para não deglutir o escarro disponível

Controlar sentimentos conflitantes: ter medos de crises respiratórias, ter vergonha do que os outros vão pensar a seu respeito, ter dificuldade na aceitação da doença e ter perda de prazeres – qualidade de vida

  • Controlar sentimentos conflitantes: ter medos de crises respiratórias, ter vergonha do que os outros vão pensar a seu respeito, ter dificuldade na aceitação da doença e ter perda de prazeres – qualidade de vida

Manter-se na luta por uma vida melhor

  • Manter-se na luta por uma vida melhor

  • A luta diária que as pessoas com DPOC precisam travar para ter uma vida normal, o processo de reconhecimento sobre o que é realmente importante para suas vidas e acreditar num futuro melhor

A doença não atua somente como debilitante, como limitante, mas pode também ser motivadora, no sentido de mobilizar a pessoa para manter-se na luta, aprendendo e crescendo com as dificuldades, esperando alcançar uma vida melhor.

  • A doença não atua somente como debilitante, como limitante, mas pode também ser motivadora, no sentido de mobilizar a pessoa para manter-se na luta, aprendendo e crescendo com as dificuldades, esperando alcançar uma vida melhor.

  • Consciente da realidade, a pessoa assume o controle da sua vida

As limitações trazidas no cotidiano modificam o processo de viver interferindo nas atividades diárias, tais como: estudo, trabalho, afazeres domésticos e até na sua mobilidade.

  • As limitações trazidas no cotidiano modificam o processo de viver interferindo nas atividades diárias, tais como: estudo, trabalho, afazeres domésticos e até na sua mobilidade.

  • A falta de energia para manter suas atividades cotidianas também tem forte impacto negativo na qualidade de vida.

Receber apoio da família contribui para a superação das dificuldades e em sentir-se confortado

  • Receber apoio da família contribui para a superação das dificuldades e em sentir-se confortado

  • As relações familiares são consideradas como influenciando a qualidade de vida das pessoas

Promove a aprendizagem de novas habilidades – perceber novas possibilidades de conviver com seu problema de saúde

  • Promove a aprendizagem de novas habilidades – perceber novas possibilidades de conviver com seu problema de saúde

  • Possibilita superar os limites trazidos pela doença e pelo tratamento, além de manter as pessoas na luta

Crescimento pessoal na busca de mais autonomia (aumento da autoestima)

  • Crescimento pessoal na busca de mais autonomia (aumento da autoestima)

  • Promove o bem estar, a segurança e o fortalecimento de cada integrante do grupo

  • A criação de uma noção de que o coletivo é mais que o individual.

É a insuficiência do ventrículo direito do coração uma doença que afeta primeiramente a função pulmonar, ou sua estrutura, ou ambas. Cor pulmonale significa insuficiência cardíaca devido a insuficiência pulmonar.

  • É a insuficiência do ventrículo direito do coração uma doença que afeta primeiramente a função pulmonar, ou sua estrutura, ou ambas. Cor pulmonale significa insuficiência cardíaca devido a insuficiência pulmonar.

O cor pulmonale é definido como uma alteração na estrutura e no funcionamento do ventrículo direito , causada por uma  doença pulmonar.

  • O cor pulmonale é definido como uma alteração na estrutura e no funcionamento do ventrículo direito , causada por uma  doença pulmonar.

  • Estima-se que o cor pulmonale responda por 6 a 7% de todos os tipos de doenças cardíacas em adultos, sendo a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) , decorrente de enfisema ou bronquite crônica , a principal causa na maioria dos casos. 

Doença pulmonar obstrutiva (enfisema, bronquite crônica),

  • Doença pulmonar obstrutiva (enfisema, bronquite crônica),

  • Condições que restringem a função ventilatória (obesidade maciça)

  • Doença vascular pulmonar (embolia)

A hipertensão pulmonar é o elemento que explica como certas doenças pulmonares , afetam o lado direito do coração.

  • A hipertensão pulmonar é o elemento que explica como certas doenças pulmonares , afetam o lado direito do coração.

  • O ventrículo direito  bombeia o sangue venoso ( pobre em oxigênio ) para a circulação dos pulmões, para que esse sangue possa ser oxigenado ( sangue arterial ) .

  • Depois , o sangue oxigenado chega ao coração esquerdo , sendo então bombeado em direção ao cérebro e ao restante do corpo. 

  • O ventrículo direito têm paredes finas e , desta forma , não tolera bem os aumentos da pressão na circulação dos pulmões.

Valores normais

  • Valores normais

  • PaO2 = 75 a 100 mmHg exprime a eficácia das trocas de oxigênio entre os alvéolos e os capilares pulmonares

  • PaCO2 – 35 a 45 mmHg exprime a eficácia da ventilação alveolar

  • SaO2 = 95 – 100%

Resistência progressiva e hipertensão no circuito pulmonar,

  • Resistência progressiva e hipertensão no circuito pulmonar,

  • Hipoventilação crônica,

  • Dispnéia progressiva,

  • Cianose,

  • Tosse crônica agravada por episódios de infecção intercorrente,

  • Chiado

  • Sonolência

  • Fadiga acentuada e insuficiência do ventrículo direito

Baseia-se no exame clínico do pacientes e no histórico de doença pulmonar crônica .

  • Baseia-se no exame clínico do pacientes e no histórico de doença pulmonar crônica .

  • Exames laboratoriais de rotina ( incluindo hematócrito, gasometria arterial e outros ), radiografia do tórax , eletrocardiograma são indispensáveis.

Melhorar a ventilação do paciente

  • Melhorar a ventilação do paciente

  • evitar os irritantes brônquicos

  • tratar a infecção

  • usar broncodilatadores

  • drenagem postural

  • oxigenoterapia

  • O coração deficiente pode ser tratado com repouso, digital e diuréticos.

Comentários