PPP Fisica julho2009 - sege

PPP Fisica julho2009 - sege

(Parte 3 de 10)

Demonstrar domínio das operações e representações matemáticas aplicadas às situações-problemas em física;

Relacionar as diferentes tecnologias associadas com a Física ao desenvolvimento humano, ambiental, social, cultural e econômico;

Conhecer, no âmbito teórico-prático, as principais tecnologias educacionais, como recursos audiovisuais, de comunicação e informação; Utilizar o conhecimento acumulado em busca e/ou geração de novos conhecimentos.

Elaborar e desenvolver diferentes experiências didáticas em Física, reconhecendo os elementos relevantes e as estratégias adequadas;

Planejar e utilizar diversos recursos didáticos necessários a prática pedagógica bem como avaliar o material disponível (livros, apostilas, programas computacionais, entre outros) a serem utilizados no ensino de física;

Utilizar diversas fontes de informação para coletar dados sobre fatos e fenômenos do cotidiano e manter-se atualizado com relação aos conhecimentos necessários ao exercício da ação;

Possuir conhecimentos básicos sobre o uso das novas tecnologias de informação e comunicação, principalmente computadores, e sua aplicação no ensino de Física;

Conhecer teorias psicopedagógicas que fundamentam o processo de ensinoaprendizagem, bem como os princípios de planejamento e avaliação educacional;

Reconhecer que a convivência sustentável é possível utilizando os conceitos físicos para melhor entender fenômenos que ocorrem no meio ambiente;

Compreender a pesquisa em aula como elemento de aprendizagem e desenvolvimento profissional.

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 14

4 ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

4.1 Considerações Iniciais

A formação do físico-educador deve compreender um conjunto de atividades curriculares que possibilitem a construção e integração dos conhecimentos físicos e pedagógicos articulando ao longo do curso atividades de ensino, pesquisa e extensão.

Os conteúdos curriculares são apresentados conforme estabelecido pelo Parecer 1.304, de 06 de novembro de 2001, que define as diretrizes curriculares para os cursos de Física e as Resoluções CNE/CP nº 2/2002 e nº 9/2002 que regem a formação de professores para a educação básica.

Neste sentido, o curso de Licenciatura Plena em Física do Campus Universitário de

Formação Básica, Núcleo de Formação Pedagógica e o Núcleo de Formação Complementar

Marabá apresenta sua proposta curricular organizada em três núcleos, a saber: o Núcleo de

O Núcleo de Formação Básica é caracterizado por um conjunto de conteúdos relativos à Física Geral, Matemática, Física Clássica e Física Contemporânea. São conteúdos curriculares que fundamentam a formação do conhecimento específico da Física permitindo ao discente construir conceitos, elaborar e solucionar problemas aplicando os conhecimentos físicos.

A Física Geral é composta por conteúdos de Física lecionados no ensino médio, revisto em maior profundidade, com conceitos e instrumental matemáticos adequados e acrescido de uma apresentação teórica dos tópicos fundamentais (mecânica, termodinâmica, eletromagnetismo, física ondulatória), contempladas com práticas de laboratório que ressaltam o caráter da Física como ciência experimental.

Ao trazer um conjunto mínimo de conceitos e ferramentas matemáticas necessárias ao tratamento adequado dos fenômenos em Física, a Matemática contribui para a formação do físico-educador com conteúdos referentes a cálculo, geometria analítica, álgebra linear, equações diferenciais, conceitos de probabilidade, estatística e computação.

Os conteúdos da Física Clássica incluem conceitos estabelecidos (em sua maior parte) anteriormente ao Séc. X, envolvendo mecânica clássica, eletromagnetismo e termodinâmica. Já a Física Contemporânea apresenta os conteúdos de mecânica quântica, física estatística, relatividade e aplicações.

O Núcleo de Formação Pedagógica é constituído por atividades curriculares que discutem, analisam o processo educativo e a formação do físico-educador. Neste núcleo são contemplados conteúdos de Didática, Psicologia, Educação Especial, Legislação Educacional,

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 15

Tecnologias aplicadas ao ensino de física, a prática pedagógica como componente curricular e o estágio supervisionado favorecendo a construção do conhecimento pedagógico e as metodologias necessárias ao ensino de Física, pois o futuro educador não conseguirá propor, desenvolver, avaliar ações didáticas que propiciem a aprendizagem e o desenvolvimento dos “alunos se ele não compreender, com razoável profundidade e com a necessária adequação à situação escolar, os conteúdos das áreas do conhecimento que serão objeto de sua atuação didática, os contextos em que se inscrevem e as temáticas transversais ao currículo escolar” (CNE/CP 09/2001, 2001, p. 20).

Neste sentido, a prática pedagógica, ora trabalhada como componente de determinadas atividades curriculares ora em momentos específicos (como nas práticas de ensino e instrumentação para o ensino de física), tem como objetivo fundamentar o físico-educador para o planejamento e desenvolvimento de ações ligadas a docência e, juntamente com o estágio supervisionado enriquecem a formação ao discutirem elementos essenciais à prática docente, tais como dificuldades no processo de ensino-aprendizagem, a prática docente, a criação e utilização de recursos pedagógicos entre tantos outros temas essenciais a formação do educador.

a prática docente e a política de extensão do curso

O Núcleo de Formação Pedagógica desempenhará uma função integradora ao longo do curso articulando conhecimentos específicos da Física aos conteúdos da educação. Em cada semestre uma ou mais disciplina será escolhida, pelo conjunto de professores, para articular as atividades curriculares propostas, pretende-se que essa atividade tenha como resultado a produção de textos, elaboração de materiais pedagógicos, realização de experiências em escolas, enfim atividades que permitam a troca de experiências com docentes em exercício, o contato com a educação básica e que poderão ser efetivadas através da realização de oficinas pedagógicas, mini-cursos, seminários, entre outras que corroborem com

O Núcleo de Formação Complementar corresponde às atividades de natureza acadêmico-científico-culturais. Compreende a realização de diversas atividades acadêmicas de naturezas diversificadas que possibilitam ao discente complementar e ampliar sua formação através de ações que envolvem desde a realização de disciplinas (ofertadas pela Faculdade de Ciências Exatas e Naturais ou por outras de áreas diretamente afins), a participação em: eventos científicos, projetos de pesquisa e/ou extensão, estágios nãoobrigatórios entre outros.

Com o intuito de diversificar a formação complementar destinada ao educando o curso pretende desenvolver a Semana de Física, evento no qual poderão ser vivenciadas ações de

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 16 pesquisa e de extensão, por meio do qual com a concretização de cursos, oficinas, minicursos, palestras haja um contato do físico-educador com não só com conteúdos específicos da física, mas também com temas da educação básica. Espera-se que a Semana de Física seja um importante instrumento para integração da política de ensino, pesquisa e extensão.

Os núcleos de formação intercalam-se ao longo do curso através da oferta de atividades curriculares que são organizadas em forma de disciplinas, atividades práticas em Laboratório, ações de pesquisa e extensão, pesquisas de campo, práticas pedagógicas e o estágio supervisionado que permitirão ao discente compreender a Física como um conhecimento historicamente produzido e construir competências e habilidades desejadas.

Desta forma, a Faculdade deverá incentivar o uso de metodologias diversificadas, tais como: estudos de caso, aulas expositivas dialogadas, organização de grupos de estudo, visitas a espaços educativos, entre outras, que serão fundamentadas no princípio da indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão e baseadas numa relação de interação entre educador e educando de modo que o conhecimento seja construído e a estrutura curricular proposta seja dinamizada, não se limitando apenas a sala de aula como espaço de aprendizagem.

4.2 Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

O TCC é atividade curricular obrigatória que tem como objetivo sistematizar o conhecimento científico e/ou tecnológico sobre Física ou suas metodologias específicas de ensino. É mais uma importante atividade curricular para que os discentes tenham contato com a pesquisa.

O resultado do TCC será a redação de trabalho monográfico, a partir da escolha e delimitação de um tema, preferencialmente pelo estudante, com orientação de um docente vinculado à Faculdade ou de um profissional externo, a critério do conselho da Faculdade, desde que co-orientado por um docente vinculado ao curso.

As normas específicas referentes a matrícula, avaliação e apresentação do Trabalho de

Conclusão do Curso serão estabelecidas pelo Conselho da Faculdade, com base no

Regulamento do Ensino de Graduação aprovado pela Resolução n0 3.631, de 30/01/08, do

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 17

4.3 Estágio Supervisionado

O estágio supervisionado é uma atividade curricular obrigatória e essencial ao desenvolvimento das competências do físico-educador, pois possibilita ao formando mais um meio para discutir, rever e aplicar conhecimentos adquiridos durante a sua formação. Essa atividade será desenvolvida a partir do 5º semestre e está dividida em 4 etapas, a serem realizadas em Escolas de Ensino Fundamental e Médio da Rede Pública e/ou Privada, sob a supervisão dos professores da Faculdade de Ciências Exatas e Naturais, e acompanhados por professores da própria escola na qual se realizará a atividade.

Durante a realização do estágio o licenciando deverá ter oportunidade de conhecer os diversos aspectos que compõem a rotina escolar, tais como: práticas de planejamento, elaboração de avaliações, acompanhamento das atividades dos professores em sala de aula, entre outros. As atividades de cada momento do estágio serão definidas pelos membros da Faculdade observando as competências e habilidades almejadas para esta atividade.

De acordo com o estabelecido na Resolução CNE 02/2002, de 19/02/02, o estágio supervisionado terá, no mínimo 400 horas, podendo haver uma redução de 200 horas para alunos que exerçam atividade docente regular na educação básica. O curso de Licenciatura Plena em Física prevê uma carga horária total de 408 horas de Estágio Supervisionado, no Núcleo de Formação Pedagógica.

4.4 Atividades Complementares

As atividades complementares correspondem ao Núcleo de Formação Complementar e englobam a participação discente em atividades de cunho acadêmico-científico-cultural que diversificam e enriquecem a formação ao incentivar a inserção em outros espaços acadêmicos podem ser efetivadas por meio da participação em ações desenvolvidas pela Faculdade de Ciências Exatas e Naturais e demais Faculdades do Campus ou por outras Instituições. Conforme apresentado no desenho curricular a formação complementar envolverá a participação em eventos, projetos de ensino, pesquisa e extensão, estágios não-obrigatórios, entre outros. Conterão o total mínimo de 200 (duzentas) horas, de acordo com a Resolução CNE/CP Nº 02, de 19/02/2002, distribuídas em atividades de ensino, pesquisa e extensão, conforme apresentado na organização do desenho curricular e anexo I.

O aluno deverá criar e ter um portifólio contendo os comprovantes de participação nas atividades, uma vez reconhecido o mérito, o aproveitamento e a carga horária pela Faculdade de Ciências Exatas e Naturais essas ações serão contabilizadas para integralização curricular.

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 18

4.5 Articulação de Pesquisa, Extensão e Ensino.

Para integrar as ações de ensino, pesquisa e extensão, o curso de Licenciatura Plena em Física desenvolverá atividades que envolvam a participação de docentes e discentes em ações que dinamizem o curso e promovam a formação desejada.

sociedade e em uma relação de troca possa retornar a ela

As atividades de pesquisa e extensão agregam valor a formação e permitem que o conhecimento gerado na Universidade possa ser enriquecido a partir de demandas advindas da

4.5.1 Política de Pesquisa

(Parte 3 de 10)

Comentários