PPP Fisica julho2009 - sege

PPP Fisica julho2009 - sege

(Parte 4 de 10)

O curso de Licenciatura Plena em Física terá como atividade importante do currículo, o desenvolvimento de pesquisas científicas e tecnológicas, uma vez, que tais ações são necessárias para o crescimento da educação na região, tendo em vista, a deficiência atual, principalmente, no desenvolvimento de ferramentas como softwares educativos e novos métodos em práticas pedagógicas.

As atividades de pesquisa são essenciais a formação do educador, visto que proporcionam mais um espaço de construção do conhecimento, constituindo-se em um importante instrumento de ensino ao favorecer a análise dos contextos em que se inserem as situações cotidianas da escola e a compreensão da tarefa de educador.

Desta forma, os docentes do curso deverão incorporar a pesquisa às suas atividades curriculares a fim de que os discentes possam desenvolver habilidades específicas ligadas à produção e divulgação do conhecimento, pois o futuro educador “produz conhecimento pedagógico quando investiga, reflete, seleciona, planeja, organiza, integra, avalia, articula experiências, recria e cria formas de intervenção didática” (CNE/CP 09/2001, 2001, p. 35).

Assim, para fortalecer a política de pesquisa adotada pelo curso, pretende-se:

Implementar Laboratórios de Física para o desenvolvimento de pesquisas sobre o ensino da Física;

Incentivar e valorizar a formação de Grupos de estudos e/ou Pesquisas sobre temas relacionados ao ensino da Física;

Buscar intercâmbio com pesquisadores de outras instituições, no intuito de favorecer a melhoria do processo de ensino-aprendizagem de Física na região e no país;

Incentivar a criação de projetos de pesquisa e auxiliar na obtenção de recursos junto às agências de financiamento, tais como, Conselho Nacional de Pesquisa - CNPQ, Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP, Fundação de Amparo à Pesquisa do

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 19

Estado do Pará - FAPESPA, empresas públicas e privadas, entre outras, bem como valorizar a produção científica (projetos e publicações) do corpo docente;

Estimular o envolvimento dos alunos em atividades de pesquisa, tais como programas e projetos, preferencialmente como bolsistas de iniciação científica;

Incentivar e apoiar a participação de docentes e alunos em eventos científicos.

As linhas de pesquisa serão organizadas de acordo com o interesse científico e formação específica dos docentes, valorizando a implantação de projetos que contribuam para a formação do aluno, especificamente aqueles que contemplem parcerias com outras instituições, seja pública ou privada, e que ofereçam perspectivas de melhorias no ensinoaprendizagem da Física. Neste contexto, algumas linhas gerais de pesquisa são listadas abaixo como possibilidades de implementação em curto prazo:

Aperfeiçoamento e desenvolvimento de diferentes métodos didáticos no ensinoaprendizagem da Física;

Elaboração ou adaptação de materiais didáticos para o processo de ensinoaprendizagem em Física;

Aperfeiçoamento e desenvolvimento de novas tecnologias no ensino-aprendizagem da

Física, como por exemplo, softwares educativos;

Uso de material alternativo no ensino da Física, principalmente aqueles associados aos recursos minerais da região;

Pesquisas científicas em áreas da Física ou diretamente afins como, por exemplo,

Física Geral, Física da Matéria Condensada, Física Atômica e Molecular, Materiais, Mineralogia, e outras.

4.5.2 Política de Extensão

As Universidades diferenciam-se de outras instituições de ensino superior por terem suas ações centradas na indissociabilidade ensino, pesquisa e extensão. Deste modo, o curso de Licenciatura Plena em Física compreende a extensão como um espaço acadêmico que permite ao educando ampliar sua formação através de atividades significativas que promovem a reflexão, o contato com as demandas locais e juntamente com a sociedade construir uma relação transformadora entre a Universidade e Sociedade.

Com o intuito de colaborar para o fortalecimento do princípio da indissociabilidade e de assegurar que a extensão faça parte do percurso acadêmico são destinados 310 horas (10% de carga horária total do curso) para realização de atividades extensionistas a serem

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 20 vivenciadas a partir de oficinas, palestras, mini-cursos, seminários, visitas monitoradas e elaboração de material de apoio didático como ações metodológicas que integram a atividades curriculares obrigatórias tanto dos núcleos de formação específica e pedagógica (principalmente em física geral experimental, prática de ensino e instrumentação para o ensino de física) como nas atividades do núcleo de formação complementar por meio de palestras, cursos, projetos e demais eventos planejados e discutidos pelo coletivo de professores e alunos do curso a cada semestre. Pretende-se que ações extensionistas tenham como foco a discussão sobre o ensino de física e a formação do físico-educador aproximando deste modo professores e alunos da rede pública e privada de ensino aos conhecimentos produzidos na Universidade e a partir deste dialogo estabelecer uma troca de saberes essenciais a prática docente.

Para alcançar a política de extensão deseja-se:

Incentivar a realização de seminários, mini-cursos, fóruns, cursos e palestras em parcerias com unidades internas e externas para discussões que envolvam a educação, a formação do educador e, conseqüentemente, o ensino de física;

Realização da Semana de Física, atividade que pretende articular ensino, pesquisa e extensão proporcionando a participação de docentes e discentes universitários e educadores e educandos da educação básica;

Estimulo a produção e socialização do conhecimento, através de publicações ou outra forma, de trabalhos de interesse cultural, técnico ou tecnológico que englobem a realidade educacional local e regional;

Incentivar a criação de programas e/ou projetos de extensão que possibilitem a participação de docentes, discentes e técnicos, apoiados por editais internos como o Programa Institucional de Bolsas (PIBEX) ou Programa Integrado de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão (PROINT) ou por agencias de fomento externas. A partir da concretização das ações acima mencionadas tenciona-se desenvolver a política de extensão integrando-a ao ensino e a pesquisa favorecendo a realização de ações que fortaleçam a formação acadêmica.

5 PLANEJAMENTO DO TRABALHO DOCENTE E PROCEDIMENTO METODOLÓGICO

Com o intuito de desenvolver as competências e habilidades necessárias a formação do físico-educador, espera-se dos docentes que atuarão no curso uma postura metodológica que

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 21 envolva a utilização de diversos recursos de ensino e a compreensão da Física enquanto ciência, na qual, o conhecimento não está reduzido a “uma dimensão pragmática, de um saber imediato, mas que deve ser concebida dentro de uma concepção humanística abrangente, tão abrangente quanto o perfil do cidadão que se quer ajudar a construir” (PCN, 1999, p. 61). Isto significa, principalmente, definir as competências necessárias à atuação profissional e tomálas como norteadoras da organização curricular e da proposta pedagógica do curso.

Adequar-se a esta postura implica incentivo a formação continuada e capacitação pedagógica do corpo docente, para que haja atualização constante na prática pedagógica vivenciada no ambiente universitário possibilitando assim que professores e alunos construam uma relação de ensino-aprendizagem baseada no diálogo, na interação e respeito mútuo.

Planejar a partir de uma perspectiva dialógica significa ampliar a comunicação permitindo que

Ações sejam pensadas e executadas num processo de participação, de envolvimento, de troca de idéias, de resgate da cultura e troca de experiências, de ações e de propostas concretas ou concretizáveis, que estimulam o enfrentamento dos problemas e dos desafios apresentados pelo cotidiano. (PADILHA, 2007, p. 26)

Assim, considerando o princípio da gestão democrática é fundamental que os docentes procurem discutir entre si e colaborar para que hajam atividades realizadas em conjunto, com integração de objetivos, conhecimentos e competências. Para isso, o planejamento das atividades curriculares acontecerá ao início de cada semestre e deverá ser previsto no calendário acadêmico do curso períodos de até uma semana, reservados ao planejamento e avaliação do semestre.

Durante esse momento serão discutidas estratégias a serem adotadas para que a integração entre as atividades curriculares ocorra, a oferta de atividades complementares, de pesquisa e extensão que deverão ser realizadas no semestre, bem como das possíveis metodologias utilizadas pelo corpo docente, tais como: visitas orientadas a espaços educativos, aulas expositivas dialogadas, resoluções de situações-problema, seminários, elaboração de recursos didáticos, construção de projetos investigativos e de ações de extensão, dinâmicas de grupo, entre outras.

Caberá ao professor apresentar e discutir com os alunos, o resultado do planejamento, especificamente, o programa da atividade curricular e o respectivo plano de ensino da atividade curricular, tal como estabelece o Regulamento do Ensino de Graduação. (Universidade Federal do Pará, 2008, p. 2).

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 2

6 RECURSOS

6.1 Recursos Humanos

O Campus Universitário de Marabá conta, atualmente, com um quadro composto por 113 professores, destes 84 são do quadro permanente (3 graduados, 2 especialistas, 54 mestres e 25 doutores) e, 29 são temporários (14 graduados, 10 especialistas, 4 mestres e 1 doutor) que exercem atividades de ensino, pesquisa e extensão nos cursos de Agronomia, Ciências Naturais, Ciências Sociais, Direito, Engenharia de Materiais, Engenharia de Minas e Meio Ambiente, Geologia, Letras, Pedagogia, Matemática, Sistemas de Informação e Química.

Inicialmente, o curso de Licenciatura Plena em Física contará com a colaboração de docentes dos cursos de Engenharia de Materiais, Engenharia de Minas e Meio Ambiente, Geologia e Pedagogia até que o quadro de professores efetivos para o curso seja formado por meio de concurso público com 10 vagas (4 para o ano de 2009 e 6 em 2010) já garantidas pelo Plano de Reestruturação e Expansão REUNI 2008-2012.

A tabela a seguir apresenta alguns docentes do Campus Universitário de Marabá, que a princípio podem atuar no curso de Licenciatura Plena em Física.

PROFESSORES ÁREA TITULAÇÃO Adriano Alves Rabelo Engenharia Doutor

André Luiz M. Costa Engenharia Doutor

Davis Carvalho Geologia Doutor Edemarino Araújo Hildebrando Física/Engenharia Mestre Edinaldo Teixeira Física/Engenharia Doutor Elias Fagury Neto Engenharia Doutor Erivan Sousa Cruz Química Especialista Evaldiney Ribeiro Monteiro Matemática /Engenharia Mestre Elizabeth Cardoso Gerhardt Educação Mestre Hildete Pereira dos Anjos Educação Doutora Jerson Rogério Pinheiro Vaz Física/ Engenharia Mestre Leonardo Brasil Felipe Geologia Mestre Roseane de Lima Silva Engenharia Doutora Samuel Maciel Correa Física /Matemática Mestre

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 23

Há ainda a previsão de realização de concurso público para o preenchimento de 04 vagas destinadas ao cargo de técnico-administrativo, sendo duas para o trabalho referente a manutenção dos laboratórios e 02 para o setor administrativo.

No que se refere à política de formação continuada caberá a Faculdade criar e manter mecanismos para que docentes e técnico-administrativos possam participar de cursos, eventos, projetos de ensino, pesquisa e extensão buscando apoio (interno e externo à UFPA) que viabilize a qualificação de seus quadros. Com relação ao apoio interno é preciso acionar a Pró-Reitoria de Ensino de Graduação (PROEG) para solicitar cursos de capacitação necessários ao aperfeiçoamento da prática pedagógica, a discussão sobre a articulação ensino, a pesquisa e a extensão, assim como a política de inclusão do curso.

(Parte 4 de 10)

Comentários