PPP Fisica julho2009 - sege

PPP Fisica julho2009 - sege

(Parte 5 de 10)

O afastamento de docentes e técnicos para qualificação deverá ser discutido e aprovado pela Faculdade e encaminhado ao Conselho do Campus para que o mesmo referende o afastamento.

6.2 Estrutura Física e Infra-estrutura

O Campus Universitário de Marabá está localizado em duas áreas no Bairro Nova

Marabá (Marabá – Pará). Uma localizada na Folha 31, Quadra 7, lote especial denominada Campus I, onde estão instaladas as edificações para realização das atividades acadêmicas e administrativas de 6 cursos de Graduação (Ciências Sociais, Direito, Letras, Matemática, Pedagogia e Sistemas de Informação), assim como, para a Administração Geral do Campus Universitário de Marabá.

A outra área, designada de Campus I, localiza-se na Folha 17, Quadra 4, Lote especial. Possui dois prédios de pavimento duplo que abrigam um total de 14 salas de aulas climatizadas e laboratórios de Física, Química, Materiais, Mineralogia, entre outros. Existem, atualmente, cinco cursos em funcionamento no campus I (Engenharia de Minas e Meio Ambiente, Engenharia de Materiais, Geologia, Agronomia e Licenciatura em Química). Ambos os Campus dispõem de laboratório de informática, biblioteca, auditório, acessos e banheiros para pessoas com necessidades especiais.

O curso de Licenciatura Plena em Física funcionará, inicialmente, no Campus I, onde está prevista, no Plano de Repactuação, a construção de mais 3 laboratórios de Física (atendendo as áreas de Mecânica Geral, Oscilações, Térmicas e Fluídos, Eletricidade, Eletromagnetismo e Física Moderna) e um prédio com 50 gabinetes individuais para realização de projetos, reuniões de professores e setor administrativo.

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 24

7 POLÍTICA DE INCLUSÃO SOCIAL

As atividades que envolvem discussões sobre a temática da Inclusão Social devem ser constantes na Universidade. O curso de Licenciatura Plena em Física iniciará sua contribuição neste processo com a oferta das atividades curriculares: Fundamentos da Educação Especial e Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) ambas com 68 horas, que tem como objetivo discutir conceitos e ações destinadas a Educação Especial permitindo ao futuro educador conhecer aspectos pedagógicos essenciais ao desenvolvimento da Educação Especial e Inclusão Escolar.

As atividades referentes a Educação Especial serão desenvolvidas com o apoio do

Núcleo de Educação Especial da Faculdade de Educação e do Núcleo de Acessibilidade do Campus Universitário de Marabá que além desta temática, discutem ações relacionadas a Acessibilidade no que se refere a adaptação e elaboração de material pedagógico adequado, bem como da reordenação do espaço físico da Universidade, entre outras. É salutar ressaltar que se faz necessária a contratação de educadores para ministrar a disciplina de LIBRAS.

Além disso, o Parecer CNE/CP 009/2001 elenca um conjunto de atividades inerentes ao trabalho docente, entre elas está o trabalho com a diversidade existente na sociedade brasileira, especificamente no ambiente escolar, o que exige do docente, conhecimento não só sobre a Educação Especial, mas também sobre educação das relações étnico – raciais, por exemplo, a ser observada por todos os cursos de formação de professores para educação básica, conforme estabelecido na Resolução nº. 1, de 17 de Junho de 2004, inicialmente, o curso se propõe a realizar junto as demais Faculdades ações (palestras, cursos, seminários) que possibilitem a compreensão da temática contribuindo assim para formação humanística e ética.

8 SISTEMA DE AVALIAÇÃO 8.1 Forma de Avaliação do Projeto Pedagógico do Curso

O curso de Licenciatura Plena em Física compreende a avaliação como elemento integrante da ação educativa que permiti conhecer o projeto, corrigir possíveis falhas e melhorar o processo de ensino-aprendizagem.

No que se refere a avaliação do PPC a Faculdade realizará ao fim de cada semestre reuniões para avaliar as atividades desempenhadas o que permitirá acompanhar pontos do

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 25 projeto que precisem ser aperfeiçoados. É importante dizer que tais momentos terão como suporte observações oriundas tanto dos docentes, discentes e técnico-administrativos obtidas através de formulários, relatórios ou outros instrumentos avaliativos, a serem produzidos em parceria com a Pró-Reitoria Ensino de Graduação.

Pretende-se acompanhar ao longo desse processo avaliativo aspectos importantes para a melhoria do curso, entre eles, refletir sobre o perfil do profissional desejado, aceitação deste no mercado de trabalho, bem como discutir índice de evasão, estrutura física, envolvimento de discentes, docentes e técnicos em projetos de ensino, pesquisa e extensão, assim, é possível avaliar não só o projeto pedagógico como também possibilitar aos sujeitos envolvidos que vivenciem a auto-avaliação.

Para articular todo esse processo a Faculdade deverá instituir uma comissão interna de avaliação (composta por docentes, discentes e técnico-administrativos) a fim de identificar situações favoráveis ou desfavoráveis à realização do projeto pedagógico bem como promover a auto-avaliação do curso.

8.2 Forma de Avaliação do Processo Educativo 8.2.1 Do desempenho docente

Com o objetivo de melhorar as relações entre professores e alunos e, conseqüentemente, o processo de ensino-aprendizagem, a avaliação docente poderá, dentre outras formas, ser realizada por meio de formulário preenchido pelos discentes ao longo da realização das atividades curriculares que devem conter informações sobre a metodologia utilizada, o conteúdo abordado, a relação educador-educando, bem como o referencial bibliográfico, entre outros pontos que possam ser acrescentados. É essencial que além da avaliação realizada pelos discentes, o professor realize uma auto-avaliação e a partir disso possa refletir sua prática pedagógica e verificar o que é possível e necessário ser alterado.

8.2.2 Do desempenho discente

A avaliação da aprendizagem será realizada ao longo de cada atividade curricular, devendo ter um caráter contínuo, o que implica entender a avaliação como um processo que possibilita á docentes e discentes acompanhar as ações realizadas e assim retroalimentar o processo de ensino-aprendizagem.

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 26

Os conceitos atribuídos aos discentes ao final das atividades curriculares seguirão a norma estabelecida no Art. 178 do Regimento Geral da Universidade Federal do Pará (Excelente, Bom, Regular, Insuficiente). Além destes, podem ser atribuídas denominações que caracterizem as situações em que o discente não obteve freqüência mínima exigida (Sem Freqüência) ou para aqueles que não cumpriram as atividades programadas (Sem Avaliação).

Compete ao docente apresentar e discutir com os discentes, no início da atividade curricular, os critérios que nortearão o processo de avaliação. Assim como as metodologias, os instrumentos avaliativos também deverão ser diversificados com a utilização de provas escritas, apresentação de trabalhos, elaboração de projetos, produção de relatórios, entre tantas outras que poderão ser propostas pelo corpo docente ao planejarem as atividades.

É importante ressaltar que aspectos como assiduidade, freqüência e aproveitamento serão observados e a freqüência mínima será de 75% das atividades ministradas.

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 27

9 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CONSULTADAS

ALMEIDA, Ruy Guilherme Castro de. O papel dos engenheiros e matemáticos na história do ensino de física no Pará (1931-1970). Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em História Social, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2006.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº. 9394, de 20 de dezembro de 1996.

_. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES 1.304/2001. Despacho do Ministro em 4/12/2001. Publicado no Diário Oficial da União de 7/12/2001, Seção 1, p. 25.

_. Conselho Nacional de Educação. RESOLUÇÃO CNE/CES 9/2002, de 1 de março de 2002. Diário Oficial da União. Brasília, 26 de março de 2002. Seção 1, p. 12.

_. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP nº 1/2002, de 18 de fevereiro de 2002. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de abril de 2002. Seção 1, p. 31. Republicada por ter saído com incorreção do original no D.O.U. de 4 de março de 2002. Seção 1, p. 8.

_. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP nº 9/2001, de 8 de maio de 2001. Despacho do Ministro em 17/1/2002, publicado no Diário Oficial da União de 18/1/2002, Seção 1, p. 31.

_. Conselho Nacional de Educação. Resolução CP/CNE nº. 2/2002, de 19 de fevereiro de 2002. Diário Oficial da União, Brasília, 4 de março de 2002. Seção 1, p. 9.

_. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 1/2004, de 17 de junho de 2004. Diário Oficial da União, Brasília, 2 de junho de 2004, Seção 1, p. 1.

aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília. Volume 2

_. Ministério da Educação. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Parâmetros Curriculares Nacionais: Orientações Educacionais complementares

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sistema de ensino precisa de 250 mil professores. 27 de maio de 2003. Disponível no site: http://www.inep.gov.br/imprensa/noticias/outras/news03_17_imp.htm. Acesso em: 09/01/2008.

_. Sinopse do Censo da Educação Superior 2006. Disponível em: http://www.inep.gov.br. Acesso em: 07 de maio de 2008.

MASETTO, Marcos Tarciso. Competências Pedagógicas do Professor Universitário. São Paulo: Summus, 2003.

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 28

MELLO, Alex Bolonha Fiúza. 2007: Ano do Jubileu de Ouro da UFPA. Belém, Mai 2007. Disponível:http://w.ufpa50anos.ufpa.br/index.php?option=com_content&task=view&id=8 &Itemid=18. Acesso em 25.05.08 PADILHA, Paulo Roberto. Planejamento Dialógico. Como construir o Projeto Pedagógico da Escola. 7ed. São Paulo: Cortez. (I.P.F.), 2007.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ. Conselho Superior de Ensino e Pesquisa. Regulamento do Ensino de Graduação. Belém: 2008.

_. Pró-Reitoria de Ensino de Graduação. Diretrizes Curriculares para os cursos de Graduação da Universidade Federal do Pará. Caderno 7 – PROEG. Belém, 2005.

_. Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento. Plano de Desenvolvimento da Universidade Federal do Pará: 2001-2010. Belém: EDUFPA, 2003.

_. Plano de Reestruturação e Expansão 2008-2012. Belém-Pará. 2007.

_. Plano de Repactuação. Belém-Pará. 2007.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. (Org.) Escola Espaço do Projeto Político Pedagógico. Campinas: SP. Papirus, 1999.

Inovações e Projeto Político Pedagógico: uma relação regulatória ou

emancipatória? Caderno Cedes, Campinas, v. 23, n. 61, p. 267-281, dezembro 2003. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br

Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Física – CAMAR 29 ANEXOS

(Parte 5 de 10)

Comentários