INFLUÊNCIA DO TIPO DE ESTACA NA PROPAGAÇÃO DE Tithonia diversifolia (Hemsley) Gray

INFLUÊNCIA DO TIPO DE ESTACA NA PROPAGAÇÃO DE Tithonia diversifolia (Hemsley) Gray

_ 1. Augusto P. Almeida; André da S. Xavier; Leonardo A. M. de Arruda; Ana Paula O. de Barros são alunos de Graduação em Engenharia Agronômica, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Av. Dom Manoel de Medeiros, s/n, Dois Irmãos, Recife-PE. CEP: 52171-900. E-mail: aupoal@hotmail.com. 2. Aldenir O. Alves é aluna do Doutorado em Fitopatologia, UFRPE. 3. Vivan Loges é Professora Adjunta do Departamento de Agronomia, Área de Fitotecnia, UFRPE, E-mail: vloges@yahoo.com.br

PROPAGAÇÃO DE Tithoniadiversifolia

(Hemsley) Gray

Augusto Pontes Almeida1,André da Silva Xavier1, Leonardo Albuquerque Marenga de Arruda1, Ana Paula Oliveira de Barros1, Aldenir de Oliveira Alves2, Vivian Loges3

Introdução

Tithonia diversifolia (Hemsley) Grayé uma planta herbácea da família Asteraceae,originária da América Central, conhecida como girassol-mexicano, raio-desol ou mini-girassol. É bastante utilizado como cercas vivas no paisagismo e suas flores possuem beleza e exuberância peculiar (Fig. 1A). Apresenta metabólitos com diversas propriedades farmacológicas, tais como atividade antimalárica, antinflamatória, antidiarréica, antiamébica, antimicrobiana e atividade espasmolítica [1,2]. Alguns compostos bioativos têm sido isolados a partir das folhas e raízes, dentre estes se incluem as lactonas sesquiterpênicas, saponinas e alcalóides [3].

A biomassa verde desta planta apresenta-se como uma efetiva fonte de fósforo e nitrogênio, para as culturas do arroz e milho [4].

Essa espécie se propaga por estacas ou sementes, no entanto, a dormência apresentada pelas sementes dificulta a germinação [5].Dessa forma, o método de propagação mais utilizado tem sido a vegetativa, através de estacas.

As estacas confeccionadas apartir de caules são mais vantajosas pela fácil obtenção e disponibilidade de material [6], além disso, o tipo de estaca é um dos principais fatores que influenciam na capacidade de formação de raízes [1,7].

A estaquia possibilita uma uniformidade das plantas, um grande número demudas produzidas a partir de apenas uma planta matriz, além da antecipação do período de florescimento, já que se tem a redução do período juvenil [8].

De acordo com Hartmann et al. [9] as estacas caulinares podem ser classificadas em três grupos segundo a natureza do lenho (grau de lignificação): estacas lenhosas, com tecidos endurecidos; herbáceas, que possuem tecidos tenros e semi-lenhosas com estágio intermediário entre os dois extremos. Para o girassol-mexicanoRodríguez et al.[8] indicam a utilização de estacas de 20 a 30 cm de comprimento, retiradas do terço médio das hastes verdes.

Diante do exposto, este trabalho teve como objetivo correlacionar o tipo de estaca com a qualidade das mudas obtidas e o potencial das mesmas em originar clones vigorosos.

Material e métodos

A) Obtenção das estacas e classificação

As estacas foram obtidas de uma planta matriz vigorosa, cuja coleta foi realizada em junho de 2009, no município de Vitória de Santo Antão (8°20’57” S e 34°56’49” W), região da Zona da Mata de Pernambuco.

Estas estacas foram padronizadas e classificadas quanto ao grau de lignificação, onde T1: são as estacas herbáceas, T2: estacas semi-lenhosas, e T3: estacas lenhosas. Todas as estacas possuíam aproximadamente 18 cm de comprimento e 6 m de diâmetro, nas quais foram deixadas apenas um terço das folhas, como intuito de minimizar as perdas de água.

B) Preparo do substrato

O período de realização do trabalho estendeu-se de junho a agosto de 2009. Os diferentes tipos de estacas foram plantadas em copos descartáveis de 500 mL, cujo substrato consistiu de uma mistura de Pó de coco + Substrato comercial Basaplant®+ Areia lavada+ Húmus de minhoca, na proporção (1:2:1:1).As plantas foram mantidas em casa de vegetação, procedendo-se a irrigação diariamente.

Após 60 dias as estacas foram avaliadas quanto a percentagem de estacas enraizadas, comprimento da maior raiz, número de folhas e de brotações.

O delineamento experimental foi inteiramente casualizado, constituído de três tratamentos, com quatro repetições, sendo a unidade amostral constituída porquinze estacas de girassol-mexicano.

Os dados foram submetidos à análise de variância para comparação das médias pelo teste de Tukey (P≤ 0,01), utilizando o programa SAEG®9.0(Sistema para Análises Estatísticas e Genéticas –Universidade Federal de Viçosa) e transformados em log (x +1).

Resultados e discussão

Em todos os tratamentos foram observados 100% das estacas com raízes, 60 dias após a implantação (Tabela 1).

Quanto ao comprimento da maior raiz,foi possível observar que a medida que aumentava o teor de lignificação, diminuía o comprimento da maior raiz, proporcionando um menor desenvolvimento. Dessa forma, as estacas herbáceas proporcionaram um melhor desenvolvimento, com médias de 34,43 cm, as estacas semi-lenhosas apresentaram médias de 21,50 cm e as estacas lenhosas, 19,05 cm de comprimento da maior raiz (Fig. 1B).

Quanto ao número de folhas, as estacas provenientes de caules herbáceos, proporcionaram uma maior quantidade de folhas, uma média de 15 folhas, as estacas semi-lenhosas e as lenhosas, 12 e 10 folhas, respectivamente (Tabela 1).

Salazar [10] testou estacas de girassol-mexicano com 30 cm de comprimento, procedentes de diferentes partes do caule com 153 dias de idade. Foi avaliado o número de raízes e percentagem de enraizamento, 15 dias após o plantio das estacas. Como resultado, obteve-se 93,6% de enraizamento em estacas tomadas da parte mais lenhosa, 58,19% de estacas retiradas do terço médio e 6,25% de estacas provenientes do terço superior. O número de raízes por estaca foi de 4,25, 3,5 e 0,65, respectivamente.

Katto & Salazar [1] avaliaram a produção de biomassa de T. diversifolia, cultivada a partir de estacas retiradas do primeiro (parte mais lenhosa) e segundo terço dos ramos, onde foi verificado que não houve efeito significativo nem para a densidade de plantio, nem para a altura de corte, para a maioria das características avaliadas.

Na presente pesquisa as plantas foram irrigadas diariamente com a finalidade de manter o solo úmido. Após a implantação não foi acrescido qualquer tipo de cobertura morta, bem como não se aplicou nenhum tipo de fertilizante e também não ocorreram problemas fitossanitários que afetassem as plantas.

Dessa forma, nas condições ambientais testadas, foi possível concluir que as estacas de origem herbácea proporcionam um melhor desenvolvimento da planta, sendo assim, mais indicadas como promissoras para estaquia de T. diversifolia.

Agradecimentos

Ao CNPq e a FACEPE pelo apoio financeiro e a

UFRPE pelas infra-estruturas dos laboratórios e casa de vegetação, onde foi desenvolvida a pesquisa.

Referências

[1]TAIWO, L.B. & MAKINDE, J. 2005. Influence of water extract of Mexican sunflower (Tithonia diversifolia) on growth of cowpea (Vignaunguiculata). African Journal of Biotechnology, 4: 355-60. [2]MADUREIRA, M.C. et al. 2002. Antimalarial activity of medicinal plants used in traditional medicine in S. Tomé Principe islands. Journal of Ethnopharmacology, 81:23-29. [3]PEREIRA, P.S.; DIAS, D.A.; VICHNEWSKI, W.; NASI,

A.M.T.T. & HERZ, W. 1997. Sesquiterpene lactones from Brazilian Tithonia diversifolia. Phytochemistry, 45:1445-1448. [4]JAMA, B.; PALM, C.A.; BURESH, R.J.; NIANG, A.; GASHENGO, C.; NZIGUHEBA, G. & AMADALO, B. 2000. Tithonia diversifolia as a green manure for soil fertility improvement in Western Kenya: a review. Agroforestry Systems, 49:201-201. [5]MUOGHALU, J.I. & CHUBA, D.K. 2005. Seed germination and reproductive strategies of Tithonia diversifolia (Hemsl.) Gray and Tithonia rotundifolia (P.M) Blake. Applied Ecology and Environmental Research, 3:39-46. [6]ONO, E.O. & RODRIGUES, J.D. 1996. Aspectos da Fisiologia do

Enraizamento de Estacas Caulinares. Jaboticabal: FUNEP, 83p. [7]TOFANELLI, M.B.D.; CHALFUN, N.N.J.; HOFFMANN, A. &

JUNIOR, A.C. 2002. Enraizamento de estacas lenhosas e semilenhosas de cultivares de ameixeira com várias concentrações de ácido indolbutírico. Revista Brasileira de Fruticultura, 24:509-513. [8]RODRÍGUEZ, I.; OSECHAS, D. & BRICEÑO, E.2000.

Suplementación con yacija de aves en novillos mestizos Holstein. Unidad Experimental de Producción Animal, Universidad de Los Andes, Trujillo. Resúmenes X Congreso Venezolano de Zootecnia. [9]HARTMANN, H.T.; KESTER, D.E.; DAVIS JUNIOR, F.T. &

GENEVE, R.L. 2002. Plant propagation: principles and practices. 7. ed. New York: Englewood Clipps, 880p. [10]SALAZAR, A. 1992. Evaluación agronómica del "botón de oro"

(Tithonia diversifolia- família compuesta) y el "pinocho" (Malvaviscus penduliflorus- família malvaceae). Informe de becarios. Cali: CIPAV, p. 27-31. [1]KATTO, C.I.R. & SALAZAR, A. 1995. Tithonia diversifolia

(Hemsl.) Gray, una fuente proteica alternativa para el tropico. Liverstock Research For Rural Development, 6:75-87.

Tabela 1.Diferentes tipos de estacas de Tithonia diversifolia (Hemsley) Gray avaliadas quanto ao comprimento da maior raiz, número de folhas e de brotações

MAIOR RAIZ (cm) NÚMERO DE FOLHAS

Estacas Herbáceas1034,431 a215,0 a

Estacas Semi-lenhosas1021,50 b12,0 ab Estacas Lenhosas1019,05 c10,0 b

1 Média de 4 repetições. Dados transformados em log (x+1). 2Médias seguidas da mesma letra na coluna não diferem significativamente entre si pelo teste de Tukey (P=0,01).

Figura 1. Girassol mexicano, Tithonia diversifolia (Hemsley) Gray. A)Vista parcial das plantas e suas flores; B) Estacas caulinares do girassol-mexicano após o enraizamento das estacas

Comentários