Esteróides

Esteróides

Esteróides

  • Os esteróides são uma classe de compostos que possuem em comum uma mesma estrutura de hidrocarboneto que contém 17 átomos de carbono ligados na forma de quatro ciclos, como mostra o esquema abaixo.

Não apresentam funções ésteres como a maioria do lipídios

  • Não apresentam funções ésteres como a maioria do lipídios

  • Apresentam, porém, grupos funcionais diversos (álcool, cetona, enol, ácido carboxílico etc.).

  • Alguns exemplos importantes de esteróides de ocorrência natural são o colesterol e os hormônios sexuais masculino (testosterona) e feminino (estradiol). Quantidades bem pequenas dessas substâncias apresentam uma grande atividade biológica no organismo humano.

Colesterol.

  • O colesterol é um álcool secundário, monoinsaturado, de aspecto gorduroso, que serve de base a centenas de processos químicos desenvolvidos no organismo.

  • Todas as células do corpo humano, principalmente as do fígado e do intestino, podem sintetizar o colesterol, que também pode ser obtido por meio da alimentação. É encontrado em carnes, nata, manteiga e ovos. Quanto mais colesterol o corpo absorve da dieta, menos ele produz e vice-versa.

O colesterol também é encontrado no cérebro e no tecido nervoso, onde forma parte da mielina, a membrana estável que reveste as células nervosas.

  • O colesterol também é encontrado no cérebro e no tecido nervoso, onde forma parte da mielina, a membrana estável que reveste as células nervosas.

  • O colesterol é insolúvel em água. Para ir de um tecido a outro pelo plasma sangüíneo (meio aquoso), o colesterol é transportado na forma de lipoproteínas plasmáticas, que são micelas ou agregados esféricos que contêm colesterol e lipídios no centro (hidrófobos) cercados de proteínas na superfície ( hidrófilas ).

Diferentes combinações de colesterol, lipídios e proteínas produzem lipoproteínas plasmáticas com densidades diferentes.

  • Diferentes combinações de colesterol, lipídios e proteínas produzem lipoproteínas plasmáticas com densidades diferentes.

  • Os dois tipos mais comuns são: LDL E HDL

LDL: lipoproteínas com baixa densidade, entre 1,006 g/mL e 1,063g/mL, contêm 8%em massa de colesterol livre e são conhecidas por" colesterol ruim". Aproximadamente 70% do colesterol sangüíneo é carregado nas lipoproteínas de baixa densidade, que transportam o colesterol do fígado (onde é sintetizado) para os tecidos do corpo humano, onde é utilizado, por exemplo, para a síntese da membrana celular e a produção de hormônios esteróides, dentre eles os hormônios sexuais masculino e feminino.

  • LDL: lipoproteínas com baixa densidade, entre 1,006 g/mL e 1,063g/mL, contêm 8%em massa de colesterol livre e são conhecidas por" colesterol ruim". Aproximadamente 70% do colesterol sangüíneo é carregado nas lipoproteínas de baixa densidade, que transportam o colesterol do fígado (onde é sintetizado) para os tecidos do corpo humano, onde é utilizado, por exemplo, para a síntese da membrana celular e a produção de hormônios esteróides, dentre eles os hormônios sexuais masculino e feminino.

  • Seu excesso na corrente sangüínea produz arteriosclerose, ou seja, o colesterol deposita-se em placas nas paredes interiores das artérias, que engrossam e enrijecem. O fluxo sangüíneo nessa artéria obstruída vai diminuindo até que os tecidos servidos por ela não recebam mais sangue.

HDL: lipoproteínas com alta densidade, entre 1,063g/mL e 1,210 g/mL, contêm 2%em massa de colesterol livre e são conhecidas por" colesterol bom". Cerca de 30% do colesterol sangüíneo é carregado nas lipoproteínas de alta densidade, que transportam o colesterol dos tecidos do corpo humano de volta para o fígado, para o metabolismo ou excreção da bílis.

  • HDL: lipoproteínas com alta densidade, entre 1,063g/mL e 1,210 g/mL, contêm 2%em massa de colesterol livre e são conhecidas por" colesterol bom". Cerca de 30% do colesterol sangüíneo é carregado nas lipoproteínas de alta densidade, que transportam o colesterol dos tecidos do corpo humano de volta para o fígado, para o metabolismo ou excreção da bílis.

  • Assim, altos níveis de colesterol HDL estão associados a uma redução do risco de doenças cardíacas, como a arteriosclerose.

  • Os alimentos fornecem cerca de um terço do colesterol que circula pelo organismo; o restante é liberado das células do intestino e/ou é resultante do fluido biliar (necessário para a digestão da gordura dos alimentos).

A bílis é uma substância amarelo-esverdeada, segregada pelo fígado e acumulada na vesícula biliar, que é lançada no duodeno (porção inicial do intestino delgado) para atuar na saponificação das gorduras e impedir a putrefação do bolo alimentar. É constituída de sais biliares, pigmentos, colesterina, lecitina, colesterol e mucina. Depósitos anormais oriundos da bílis na vesícula dão origem aos cálculos Biliares que contêm grande quantidade de colesterol.

  • A bílis é uma substância amarelo-esverdeada, segregada pelo fígado e acumulada na vesícula biliar, que é lançada no duodeno (porção inicial do intestino delgado) para atuar na saponificação das gorduras e impedir a putrefação do bolo alimentar. É constituída de sais biliares, pigmentos, colesterina, lecitina, colesterol e mucina. Depósitos anormais oriundos da bílis na vesícula dão origem aos cálculos Biliares que contêm grande quantidade de colesterol.

Os níveis de colesterol sangüíneo são influenciados pelo tipo de gordura alimentar consumido na dieta. Os níveis de colesterol total e LDL no sangue podem ser reduzidos substituindo-se parcialmente a gordura saturada, encontrada em alimentos de origem animal, como carne vermelha, laticínios, ovos etc., pela gordura poliinsaturada.

  • Os níveis de colesterol sangüíneo são influenciados pelo tipo de gordura alimentar consumido na dieta. Os níveis de colesterol total e LDL no sangue podem ser reduzidos substituindo-se parcialmente a gordura saturada, encontrada em alimentos de origem animal, como carne vermelha, laticínios, ovos etc., pela gordura poliinsaturada.

  • Acredita-se que modificações no tipo de gordura dos alimentos reduzam os níveis de colesterol sangüíneo

Comentários