sais minerais II

sais minerais II

Vitaminas

  • São substâncias orgânicas especiais, que agem como coenzimas, ativando numerosas enzimas importantes para o metabolismo dos seres vivos.

  • São produzidas nas estruturas celulares dos vegetais e por alguns microrganismos.

  • Agem em doses mínimas e se distinguem das demais substâncias orgânicas porque não se constituem em fonte de energia nem desempenham função estrutural.

Classificação

  • hidrossolúveis (vitaminas do complexo B e vitamina C)

  • Lipossolúveis (vitaminas D, E, K e A).

hidrossolúveis

  • As vitaminas hidrossolúveis são aquelas que se dissolvem na água e, quando ingeridas em excesso em relação à necessidade corporal, são facilmente excretadas na urina e, assim, devem ser continuamente supridas na dieta.

Tiamina (vitamina B1)

  • Função: a vitamina B, é essencial no metabolismo dos carboidratos, pois atua como coenzima nas reações da respiração celular. Na sua ausência, haverá acúmulo de substratos no interior da célula, como o ácido pirúvico, que não se transforma em acetil CoA.

  • Deficiência: a carência de tiamina ocasiona a doença conhecida como beribéri, caracterizada inicialmente por inflamação dos nervos periféricos, anorexia e cansaço que progridem para edemas (inchaço) e degenerações cardiovasculares, neurológicas (o sistema nervoso fica prejudicado na sua obtenção de energia, que é a glicose, e também ocorre a degeneração da bainha de mielina - polineurite) e musculares (dores, andar cambaleante, movimentos espasmódicos dos olhos). O uso de cigarro e a ingestão de álcool, café, antiácido, barbitúricos, diuréticos, o excesso de doces e açúcar prejudicam a absorção dessa vitamina.

Fontes: flora intestinal bacteriana (a quantidade sintetizada é pequena para as necessidades orgânicas), grãos de cereais integrais, carne suína, vísceras e legumes, verduras amargas e gema de ovo. Os grãos normalmente são ricos em tiamina ( concentrada nas camadas externas do grão), mas a maior parte é removida durante a moagem e refinação (o pão branco é pobre em tiamina).

  • Fontes: flora intestinal bacteriana (a quantidade sintetizada é pequena para as necessidades orgânicas), grãos de cereais integrais, carne suína, vísceras e legumes, verduras amargas e gema de ovo. Os grãos normalmente são ricos em tiamina ( concentrada nas camadas externas do grão), mas a maior parte é removida durante a moagem e refinação (o pão branco é pobre em tiamina).

Riboflavina (vitamina B2)

  • A riboflavina, ao se associar a um fosfato e a um nucleotídeo de adenina, transforma-se em FAD ou flavina adenina dinucleotídeo, que é a forma ativa da vitamina; é estável ao calor e aos ácidos, mas é degradada pala ação da luz, principalmente a ultravioleta; tem solubilidade limitada, por isso é pouco destruída durante o cozimento dos alimentos. A riboflavina é essencial no transporte de hidrogênios durante a respiração celular (FADH2), como coenzima ou grupo prostético de várias enzimas, na formação das hemácias , etc.

Deficiência: Os primeiros sintomas são fotofobia, lacrimejamento, queimação e coceira dos olhos, perda da acuidade visual, dor e irritação nos lábios, boca e língua. Os sintomas subseqüentes incluem fissura nos lábios e rachaduras nos cantos da boca (queilose), erupção gordurosa da pele nas dobras nasais e labiais, escroto ou vulva; língua inchada e roxa (glossite); neuropatia periférica. Pode levar à anemia.

  • Deficiência: Os primeiros sintomas são fotofobia, lacrimejamento, queimação e coceira dos olhos, perda da acuidade visual, dor e irritação nos lábios, boca e língua. Os sintomas subseqüentes incluem fissura nos lábios e rachaduras nos cantos da boca (queilose), erupção gordurosa da pele nas dobras nasais e labiais, escroto ou vulva; língua inchada e roxa (glossite); neuropatia periférica. Pode levar à anemia.

Fontes: flora intestinal bacteriana, hortaliças verdes, carnes, laticínios. A riboflavina é estável ao calor, mas pode ser facilmente destruída por exposição à irradiação ultravioleta e aos álcalis. A prática comum de adicionar bicarbonato de sódio para amaciar feijões destrói muito do teor de riboflavina. As caixas de papel com revestimento de cera protegem o leite contra a perda de riboflavina pela exposição à luz solar. O tratamento fototerápico em bebês, com icterícia ou hiperbilirrubinemia, leva freqüentemente à deficiência da vitamina.

  • Fontes: flora intestinal bacteriana, hortaliças verdes, carnes, laticínios. A riboflavina é estável ao calor, mas pode ser facilmente destruída por exposição à irradiação ultravioleta e aos álcalis. A prática comum de adicionar bicarbonato de sódio para amaciar feijões destrói muito do teor de riboflavina. As caixas de papel com revestimento de cera protegem o leite contra a perda de riboflavina pela exposição à luz solar. O tratamento fototerápico em bebês, com icterícia ou hiperbilirrubinemia, leva freqüentemente à deficiência da vitamina.

Niacina (vitamina B3): ácido nicótico, nicotinamida ou PP (preventiva da pelagra)

  • Deficiência: inicialmente ocorre fraqueza muscular, anorexia, indigestão e erupções cutâneas. Os sintomas evoluem para dermatite (a pele desenvolve uma inflamação com rachaduras, pigmentação e descamação nas regiões mais expostas ao Sol, como as mãos, braços e pescoço), diarréia (inflamação das mucosas da boca e trato gastrintestinal, língua amarga)e demência(confusão,desorientaçãoe neurite). Por isso, é denominada doença dos 3 D(s) ou pelagra. Acredita-se que grandes doses de niacina (3 g/dia) podem atuar no sentido de reduzir os níveis de colesterol e de triglicérides, além de manter os níveis adequados de glicose na diabete.

Fontes: flora bacteriana intestinal (pequenas quantidades), grãos não refinados, cereais, leite, carne, especialmente fígado. O aminoácido triptofano (60 mg) pode originar niacina (1 mg). Vegetais e frutas são pobres em niacina.

  • Fontes: flora bacteriana intestinal (pequenas quantidades), grãos não refinados, cereais, leite, carne, especialmente fígado. O aminoácido triptofano (60 mg) pode originar niacina (1 mg). Vegetais e frutas são pobres em niacina.

Piridoxina ou B6

  • A piridoxina relaciona-se com o metabolismo de aminoácidos, sendo essencial na formação de parte da molécula de hemoglobina. Auxilia a liberação de glicogênio hepático e muscular, essencial na formação do tecido conjuntivo, pois atua diretamente na síntese do colágeno e da elastina.

  • Deficiência: alterações na pele, nervos, fraqueza, insônia, estomatite, queilose e imunidade celular prejudicada, anemia, diminuição do crescimento, redução do número desinapses.

  • Fontes: flora intestinal, trigo, milho, ovos, fígado, carnes, hortaliças e nozes.

Cobalamina ou B12

  • A cobalamina é o nome genérico da B12, que engloba várias substâncias, como a cianocobalamina, a hidroxicobalamina e a aquocobalamina. Todas elas são biologicamente ativas

  • É essencial para a síntese de certos ácidos graxos (sua deficiência gera ácidos graxos anormais que se acumulam e são incorporados às membranas celulares, especialmente às dos neurônios).

É importante no metabolismo de aminoácidos e na síntese dos ácidos nucléicos. Auxilia a divisão celular, principalmente das células da medula óssea e da mucosa intestinal (locais onde as mitoses são rápidas e freqüentes). A redução da taxa mitótica resulta em células grandes em uma anemia chamada megaloblástica( hemácias maiores, imaturas e em número reduzido).

  • É importante no metabolismo de aminoácidos e na síntese dos ácidos nucléicos. Auxilia a divisão celular, principalmente das células da medula óssea e da mucosa intestinal (locais onde as mitoses são rápidas e freqüentes). A redução da taxa mitótica resulta em células grandes em uma anemia chamada megaloblástica( hemácias maiores, imaturas e em número reduzido).

Vitamina C ou ácido ascórbico

  • A vitamina C é um derivado da hexose, produzida pelos vegetais e na maioria dos animais a partir da glicose e galactose.

  • Quimicamente, ela é um material branco e cristalino, sendo facilmente oxidado pelo calor, que pode ser acelerado pela presença de meio básico (uso de bicarbonato de sódio para preservar a cor dos vegetais durante a cocção). Isso faz com que a vitamina C seja perdida na água do cozimento. O processamento e a exposição de frutas e verduras à luz levam também a perdas significativas da vitamina.

Funções não corroboradas: Acredita-se que a vitamina C seja um poderoso antioxidante, pois cede e recebe elétrons com facilidade, inativando radicais livres tóxicos do oxigênio. Tais radicais danificam as membranas celulares, as proteínas e o DNA. Ela é usada na prevenção e no tratamento do câncer, diminui o risco de doenças cardiovasculares, trata a hipertensão e reduz a incidência da catarata.

  • Funções não corroboradas: Acredita-se que a vitamina C seja um poderoso antioxidante, pois cede e recebe elétrons com facilidade, inativando radicais livres tóxicos do oxigênio. Tais radicais danificam as membranas celulares, as proteínas e o DNA. Ela é usada na prevenção e no tratamento do câncer, diminui o risco de doenças cardiovasculares, trata a hipertensão e reduz a incidência da catarata.

  • Funções comprovadas: síntese de colágeno e sua manutenção, hidroxilação de certos esteróides produzidos nas adrenais, facilita a absorção do ferro (reduz o ferro férrico a ferroso, sendo este último melhor absorvido) e recicla a vitamina E.

Deficiência: provoca o escorbuto, doença que provoca gengivas doloridas e esponjosas, dentes frouxos, vasos sangüíneos frágeis, articulações edemaciadas, cicatrização prejudicada, fragilidade dos ossos e das . cartilagens e anemia. Muitos dos sinto mas da deficiência podem ser explicados pela síntese incorreta do colágeno, resultando em um tecido conjuntivo defeituoso. O escorbuto se manifesta, em seres humanos, 45 a 80 dias após a privação da vitamina C.

  • Deficiência: provoca o escorbuto, doença que provoca gengivas doloridas e esponjosas, dentes frouxos, vasos sangüíneos frágeis, articulações edemaciadas, cicatrização prejudicada, fragilidade dos ossos e das . cartilagens e anemia. Muitos dos sinto mas da deficiência podem ser explicados pela síntese incorreta do colágeno, resultando em um tecido conjuntivo defeituoso. O escorbuto se manifesta, em seres humanos, 45 a 80 dias após a privação da vitamina C.

  • Fontes: frutas cítricas, pele das batatas, tomates e vegetais verdes folhosos, incluindo o repolho.

Vitaminas Lipossolúveis

  • As vitaminas lipossolúveis se dissolvem nos lipídios e, por isso, tendem a ser absorvidas e transportadas com as gorduras da dieta. Geralmente, são excretadas nas fezes, por meio da circulação êntero-hepática.

Vitamina A (retinol)

  • A vitamina A ou retinol tem a função:

  • de atuar na reprodução;

  • na diferenciação celular e no ciclo visual.

  • Os pigmentos vegetais chamados carotenóides são os precursores da vitamina A e, por isso, são chamados de pró-vitaminas A; o mais ativo deles é o betacaroteno.

  • Os carotenóides são lipídios com coloração amarela, alaranjada ou vermelha

Apenas 10% de todos os carotenóides são realmente precursores da vitamina A. O fato de um vegetal ser alaranjado ou vermelho não lhe garante a propriedade de se converter em vitamina A, como é o caso do milho, da beterraba e do tomate.

  • Apenas 10% de todos os carotenóides são realmente precursores da vitamina A. O fato de um vegetal ser alaranjado ou vermelho não lhe garante a propriedade de se converter em vitamina A, como é o caso do milho, da beterraba e do tomate.

  • Por outro lado, os vegetais verdes folhosos são bons fornecedores de betacaroteno, a clorofila em excesso mascara a sua visualização.

Deficiência:

  • No ciclo visual: a vitamina A é o grupo prostético da proteína que forma o pigmento visual ou rodopsina (indispensável para a visão na obscuridade), presente nas células visuais da retina - os bastonetes. Essas células são responsáveis pela melhor acuidade visual em ambientes pouco iluminados e a percepção de formas em branco e preto.

  • A deficiência da vitamina A leva a uma lentidão na regeneração da rodopsina, resultando na dificuldade de enxergar na obscuridade - cegueira noturna.

Manutenção do epitélio: essencial para a diferenciação normal das células epiteliais e das células caliciformes da mucosa, que sintetizam e secretam muco

  • Manutenção do epitélio: essencial para a diferenciação normal das células epiteliais e das células caliciformes da mucosa, que sintetizam e secretam muco

  • Crescimento: O crescimento do osso é lento, pois não há síntese do ácido coindroitinosulfúrico.

  • Reprodução: mantém a espermatogênese e previne abortos.

Toxicidade: quando as altas doses superam a capacidade de armazenamento pelo fígado, ocorrem alterações na pele e nas mucosas, lábios secos, secura nasal, esfoliação da pele, perda de cabelo, fragilidade das unhas e lesões hepáticas.

  • Toxicidade: quando as altas doses superam a capacidade de armazenamento pelo fígado, ocorrem alterações na pele e nas mucosas, lábios secos, secura nasal, esfoliação da pele, perda de cabelo, fragilidade das unhas e lesões hepáticas.

  • Fontes: fígado, leite, ovos, óleo de fígado de bacalhau, vegetais folhosos verde-escuros, vegetais e frutas amarelo-alaranjadas (cenoura,laranja,abóbora,damasco,pêssego,etc.)

Vitamina D ou calciferol

  • Existem dois precursores da vitamina D - o lipídio ergosterol, encontrado nos vegetais e nas leveduras, e o deidrocolesterol, encontrado nos animais. Ambos devem ser expostos à luz solar para se transformarem na vitamina.

  • A vitamina D calciferol é essencial para a homeostase de cálcio e de fósforo.No intestino delgado, ela intensifica o transporte ativo de cálcio e de fosfato (estimula a síntese de proteínas receptoras de cálcio nas células intestinais em escova).

Deficiência:

  • nas crianças, raquitismo e, nos adultos, osteomalácia, osteopenia e osteoporose.

Toxidade: é a mais tóxica de todas as vitaminas. Pode ser armazenada, sendo lentamente metabolizada. Doses elevadas causam inapetência, náuseas, sede, cansaço e apatia. Leva a um aumento na absorção de cálcio e reabsorção óssea, acarretando hipercalcemia com deposição de cálcio em vários tecidos moles (calcinose), particularmente nas artérias, nos pulmões, nos rins e na membrana timpânica, o que pode resultar em surdez.

  • Toxidade: é a mais tóxica de todas as vitaminas. Pode ser armazenada, sendo lentamente metabolizada. Doses elevadas causam inapetência, náuseas, sede, cansaço e apatia. Leva a um aumento na absorção de cálcio e reabsorção óssea, acarretando hipercalcemia com deposição de cálcio em vários tecidos moles (calcinose), particularmente nas artérias, nos pulmões, nos rins e na membrana timpânica, o que pode resultar em surdez.

  • Fontes: a vitamina D é encontrada em óleos de fígado de peixe, manteiga, nata, gema do ovo e fígado. É bastante estável, não se deteriorando com o calor ou o armazenamento por longos períodos.

Vitamina E ou tocoferol

  • A vitamina E tem ação preventiva contra abortos; é antioxidante e protege os fosfolipídios das membranas celulares contra os radicais livres.

  • Deficiência: é quase totalmente restrita aos bebês prematuros. No adulto, está associada à má absorção de lipídios ou a defeitos em seu transporte (lipoproteínas), alterações no equilíbrio e na coordenação, fraqueza muscular e distúrbios visuais. Em nível celular, provoca o surgimento de membranas celulares anormais. Em animais, esterilidade, anemia, lesões musculares e nervosas.

  • Fontes: cereais, nozes, frutas, hortaliças, óleos vegetais.

Vitamina K

  • A vitamina K é essencial na formação da protrombina hepática e dos fatores de de coagulação

  • Deficiência no recém-nascido: os neonatos têm intestino estéril (pouca ou nenhuma flora bacteriana) e, inicialmente,.não podem sintetizar vitamina K. Uma vez que o leite materno fornece somente um quinto da necessidade diária da vitamina,é recomendado que recebam uma dose única intramuscular de vitamina K como profilaxia contra hemorragias.

Deficiência no adulto: é rara e foi relacionada à má absorção de lipídios, destruição da flora por uma terapia crônica de antibióticos e doença hepática. Quando ocorre, o sinal preponderante é a demora na coagulação com hemorragia prolongada, podendo culminar em anemia fatal. .

  • Deficiência no adulto: é rara e foi relacionada à má absorção de lipídios, destruição da flora por uma terapia crônica de antibióticos e doença hepática. Quando ocorre, o sinal preponderante é a demora na coagulação com hemorragia prolongada, podendo culminar em anemia fatal. .

  • Fontes: flora bacteriana intestinal (quantidades significativas), alface escura, couve-flor, espinafre, brócolis, repolho, folhas do nabo, gema de ovo e fígado. É estável, não sendo destruída pela cocção.

Comentários