Tecido nervoso

Tecido nervoso

TECIDO NERVOSO

  • CENTRO UNIVERSITÁRIO DO SUL DE MINAS UNIS

  • 2° PERÍODO/2009

FUNÇÕES DO TECIDO NERVOSO

  • Formar o sistema nervoso (SNC – SNP)

  • Relação direta com o sistema endócrino

  • Receber mensagens dos órgãos dos sentidos

  • Armazenar informações

  • Comandar as respostas, fazendo os músculos e glândulas funcionar

  • Coordenação de diversas funções orgânicas

Características do Tecido Nervoso.

  • Subdivisões: Anatômica e Funcional.

  • S.N.C. e S.N.P.

  • Componentes principais:

  • Neurônios

  • Células da Glia ou Neuróglia.

  • Divisão histológica:

  • Substância Branca (mielina)

  • Substancia Cinzenta (corpos celulares e de células da glia).

Origem Embriológica do Tecido Nervoso

  • Ectoderma de um embrião didérmico.

  • É de fato o primeiro tecido a se formar no embrião.

  • Tem as características de um tecido epitelial embora seja bastante distinto do mesmo.

Características Gerais do Tec Nervoso

  • Não tem nenhum espaço entre as células. Apenas o espaço entre as sinapses.

  • Tem vasos sanguíneos. É um dos tecidos corporais mais irrigados do corpo humano.

  • Possui um dos mais altos metabolismos entre todos os tecidos corporais.

Tipos de Células do Tecido Nervoso

  • Neurônios

  • Células da glia ou neuróglia

Neurônio

  • Principal unidade estrutural e funcional celular do tecido nervoso

  • Formado : dendritos- corpo celular ou pericário e axônio

  • Propriedades gerais:

  • Excitabilidade

  • Conductibilidade

Estrutura do neurônio

Pericário – Centro trófico do neurônio.

Dendritos

  • muitos, curtos e ramificados

  • estrutura: similar ao corpo celular

  • locais para formação da sinapse

  • função: recebe a informação

axônio

  • fino, menos ramificado

  • estrutura: possui microtúbulo, neurofilamento, microfilamento, mitocôndria, REL e vesículas

  • Axolema = membrana plasmática do axônio

  • Axoplasma = citoplasma do axônio

  • função: inicia e conduz impulso nervoso e transporta substâncias no seu interior.

Produção, transporte e atuação dos neurotransmissores dentro de um neurônio.

Formação de Mielina em um axônio - Mielinização

  • Os axônios são envolvidos pelas células oligodendrócitos, que se enrolam várias vezes em volta do axônio, depositam várias camadas de membrana plasmática e formam a bainha de mielina

  • Nessa bainha há esfigomielina, lipídio que funciona como isolante elétrico e aumenta a velocidade de condução do impulso nervoso

  • Axônio + células que o envolvem = fibra nervosa ou neurofibra.

Comunicação Sináptica Impulso Nervoso

Sentido da Sinapse

1 – Despolarização da membrana pré-sináptica;

  • 1 – Despolarização da membrana pré-sináptica;

  • 2 – Abertura dos canais de cálcio;

  • 3 – Exocitose das vesículas sinápticas;

  • 4 – Liberação do neurotransmissor;

  • 5 – Neurotransmissor reage com receptores;

  • 6 – Despolarização da membrana pós-sináptica;

  • 7 – Absorção do neurotransmissor.

TIPOS DE NEUROTRANSMISSORES

  • Acetilcolina

  • Aminoácidos: glicina, glutamato, aspartato,ácido gama-amino-butírico

  • Monoaminas: dopamina, noradrenalina, adrenalina, histamina

Células da Glia e a Atividade Neuronal

  • PROTEGEM, ENVOLVEM E NUTREM OS NEURÔNIOS

  • SNC = astrócitos, oligodendrócitos, microglia e células ependimárias.

  • SNP = células satélites e células de Schwann.

  • Fornecer um microambiente adequado para os neurônios

Astrócitos

  • Forma estrelar;

  • Ligam os neurônios aos capilares e a pia-máter;

  • DÃO SUSTENTAÇÃO FÍSICA AO TECIDO NERVOSO.

  • Função de sustentação e de composição iônica e molecular do ambiente extracelular dos neurônios.

Oligodendrócitos e Células de Schwann

  • Produzem a bainha de mielina (isolantes elétricos).

  • Presentes no SNP

  • ESCLEROSE MÚLTIPLA

  • DEGENERAÇÃO GRADUAL DO ESTRATO MIELÍNICO

Microglia

  • São pequenas e alongadas;

  • SÃO MACRÓFAGOS QUE FAGOCITAM DETRITOS E RESTOS CELULARES DO TECIDO NERVOSO

  • APRESENTAM PEQUENA QT DE PROLONGAMENTOS CITOPLASMÁTICOS.

  • Prolongamentos curtos e irregulares;

  • Função fagocitária.

Comentários