Familia Endamoebidae

Familia Endamoebidae

Família Endamobidae

  • 1- Entamoeba:

  • 1.1. Entamoeba coli

  • 1.2. Entamoeba histolytica/ dispar

  • 1.3. Entamoeba hartmanni

  • 1.4. Entamoeba gingivalis

  • CISTO: Esféricos ou ovais, medem de 8 a 10 micras.

  • À fresco sem coloraçãoclaros,palhas,com paredes refringentesnúcleos não visíveis.

  • Coloração lugol ou H.F.  visíveis variam de 1 a 4.

Entamoeba histolytica

  • * Entamoeba coli:

  • TROFOZOÍTO: 20 a 50 micras.

  • CISTO: esféricos,com 15 a 20 micras.

  • Contém até 8 núcleos,com corpos cromatóides em feixes ou agulhas.

Entamoeba coli

Amebíase

  • Definição:

  • Infecção causada pela Entamoeba histolytica,acompanhada ou não de manifestações clínicas. Única espécie de ameba intestinal que precisa ser tratada.

  • Conhecida também como desinteria amebiana.

  • 90 % dos indivíduos  assintomáticos ou com colite não desintérica.

  • 10% dos indivíduos invasão dos tecidos intestinais ou extra-intestinais.

Histórico

  • Brumpt,1925  2 espécies morfologicamente idênticas

  • Entamoeba histolytica patogênica, invasiva, com diferentes graus de virulência, levando a diferentes formas clínicas.

  • Entamoeba dispar não invasiva, pode produzir erosões na mucosa intestinal, mas sem invadir os tecidos colite não disentérica.

  • Sargeaunt &Williams,1978  análise de isoenzimas.

  • Grupo 1  E.Histolytica patogênica todos os isolados de casos invasivos.

  • Grupo2 E.Histolytica não patogênica todos isolados de portadores assintomáticos.

  • 1997  É aceita a proposição de duas espécies  E.histolytica e E.dispar.

Habitat

  • Parasita o intestino: Grosso trofozoítas

  • Delgado ocorre o desencistamento.

  • Pode invadir  Fígado

  • Pulmões

  • Cérebro

  • Pele e outros tecidos

  • Amebíase Intestinal Não-Invasiva assintomática não penetram na mucosa intestinal

  • A . I. Invasiva grande variedade de quadros clínicos e de complicações,inclusive com localizações extra-intestinais.

CICLO

  • TROFOZÓITO – PRÉ-CISTO – CISTO – METACISTO.  Em seqüência, ocorrem a partir da ingestão dos cistos maduros, estes passam pelo estômago e resistem a ação do suco gástrico daí vão para o intestino grosso onde ocorre o desencistamento, surge o metacisto que sofre sucessivas divisões do núcleo e do citoplasma, dando origem a 4 e depois 8 trofozóitos metacísticos. Estes trofozóitos colonizam-se no intestino grosso vivendo como comensais

Ciclo Patogênico

  • Se houver desequilíbrio parasito-hospedeiro os trofozóitos invadem a submucosa intestinal, multiplicando-se de forma ativa no interior das ulceras. Podem chegar a entrar na corrente sangüínea e atingir outros órgãos como fígado, pulmão, rim, cérebro ou pele, esta infestação é caracterizada como amebíase extra-intestinal

Transmissão

  • Ocorre através de ingestão de cistos maduros , juntamente com alimentos sólidos ou líquidos.

  • Uso de água sem tratamento

  • Falta de higiene domiciliar por portadores assintomáticos.

Patogenia

  • INFECÇÃO ASSINTOMÁTICA Quase 90% dos casos são assintomáticos e a infecção é detectada pelo encontro de cistos no exame de fezes.  INFECÇÃO SINTOMÁTICA É detectada uma colite disentérica que se manifesta de 2 a 4 evacuações, diarréicas ou não, por dia, com fezes pastosas ou moles, podendo conter sangue ou mucos. Cólicas e desconforto abdominal podem surgir e dificilmente febre. Esta infecção é caracterizada por alternância entre períodos silenciosos e manifestação clínica.

Patogenia e Sintomas

  • Dependentes da flora microbiana intestinal existente.

  • Quanto > flora > infecção > invasão tissular.

  • A Entamoeba histolytica exerce ação lítica sobre as células epiteliais do hospedeiro,através de mecanismos de contato,produzindo enzimas (hialuronidase).

  • Fatores que favorecem a patogenicidade:

  • * Má nutrição  imunodepressão

  • * Gravidez

  • * Puerpério

  • * Alcoolismo

  • A . I. Aguda: Desinteria mucosanguinolenta

  • Febre

  • Dor abdominal

  • Alta mortalidade

  • A.I. Sub-Aguda: Além dos mesmos sintomas temos anorexia,

  • fraqueza e nervosismo.

  • Colite Amebiana Fulminante:

  • *Comum em imunodeprimidos

  • *Síndrome tóxica,febre

  • *Dor em todo abdome defesa,rigidez Abdome agudo

  • PERITONITE.

  • PULMÃO

  • Infecções Pulmonares: tosse, febre, dor no peito

  • expectoração de material com aspecto

  • ora de chocolate, tomate ou então de gelatina.

  • CÉREBRO

  • É uma complicação da invasão hepática e pulmonar.

  • Ocorre quando há ruptura do abscesso hepático.

  • PELE

  • Pode invadir a região perianal em casos de retocolites ou de abertura expontânea dos abscessos hepáticos.

Amebíase cutânea

Diagnóstico

  • Clínico

  • Laboratorial:

  • 1- Parasitológico

  • 2- Imunológico

Tratamento

  • Amebíase Intestinal Dicloacetamidas: Agem sobre os trofozoítos,não nos cistos. Poucos absorvidos pela mucosa  por isso ação limitada à cavidade intestinal.

  • Amebíase Tecidual Nitroimidazóis são absorvidos pela mucosa e eficazes nos tecidos.

  • Os principais: Metronidazol o mais usado.

  • Dose: 25 a 30 mg/kg peso/dia /3 vezes ao dia/7 a 10 dias.

  • Não consumir: álcool confusão,perturbações,cefaléia,sonolência

Comentários