Cpaitulo 9 Ampliando Meu Conhecimento Para Melhor Argumentar

Cpaitulo 9 Ampliando Meu Conhecimento Para Melhor Argumentar

(Parte 1 de 2)

Capítulo 9 Professor: Edson

Comunicação e Expressão

Capítulo 9 Professor: Edson

Caro aluno, neste capítulo, vamos mostrar alguns métodos para deixar seu texto mais lógico e bem escrito. Aproveite as dicas que daremos e utilize-as sempre que necessárias.

Existem alguns meios importantíssimos que nos ajudam a compreender melhor os enunciados e a construir argumentos mais eficazes para transmitirmos nossas ideias com clareza. Por isso, nesse capítulo, iremos estudar sobre como depreender informações implícitas, as estratégias de argumentos por dedução e indução, e algumas normas linguísticas para melhor argumentar. Vejamos primeiramente sobre as informações implícitas.

Para falarmos sobre esse assunto, iremos tratar da questão dos pressupostos e subentendidos. Provavelmente, você deve estar se perguntando, neste exato momento, “O quê??? Nunca vi isso em prova e em lugar nenhum!!”. Pois é, essa é uma questão que vem sendo muito cobrada em alguns concursos, além disso, o estudo dessa questão irá nos ajudar muito a compreender as informações que estão implícitas num enunciado, para podermos contra-argumentar com clareza.

Dessa forma, iremos tratar de ideias implícitas, seja através de termos expressos na frase, como também não-expressos. A partir daí, é necessário, inicialmente, perceber a diferença entre ideias implícitas e explícitas.

No caso de ideias explícitas, o leitor não precisa refletir muito sobre o que está lendo. É possível absorver todo o conteúdo passado pelo escritor sem a necessidade de análise de ideias adicionais ou escondidas (a famosa leitura das entrelinhas). Observe a seguinte frase:

Capítulo 9 Professor: Edson

Augusto fez o ensino médio na escola pública, no entanto aprendeu alguma coisa.

Podemos ver que esse enunciado transmite duas informações de maneira explícita:

a) Augusto fez o ensino médio; b) Ele aprendeu algo.

Ao ligar essas duas informações com um “no entanto”, aquele quem produz o enunciado comunica, de forma implícita, sua crítica ao sistema do ensino público, sugerindo que aquele que saiu desse sistema de ensino não aprendeu coisa alguma.

Um dos aspectos mais intrigantes na leitura de um texto é a verificação de que ele pode dizer coisas que parece não estar dizendo. Além das informações explicitamente enunciadas, existem outras que ficam subentendidas e pressupostas. São justamente essas mensagens adicionais e escondidas que vão nos interessar neste momento. Vejamos primeiramente a questão dos pressupostos.

Pressupostos

O que são pressupostos? Veja-se o seguinte exemplo prático: “Marco Antonio parou de fumar.” Para se aceitar o fato de Marco Antonio ter deixado de fumar, toma-se, como verdadeira, outra informação que, embora não dita na frase, é logicamente pressuposta pelo verbo parar de, ou seja, se Marco Antonio parou de fumar, é porque antes ele o fazia. Portanto, os pressupostos são circunstâncias ou fatos considerados como antecedentes necessários a outros.

Ao analisar as relações de sentido que ocorrem num texto, algumas palavras ou expressões introduzem o que chamamos de pressuposição. Entre os vários indicadores linguísticos de pressuposição que existem, podemos os adjetivos ou palavras similares que modificam o substantivo, verbos que indicam mudança ou permanência de estado, advérbios, orações adjetivas e conjunções, os quais, ao

Capítulo 9 Professor: Edson serem identificados, contribuem para uma leitura mais aprofundada do texto. Assim, podemos dizer que os pressupostos são identificados quando o emissor fornece uma mensagem adicional a partir de alguma palavra ou expressão. Há vários tipos de palavras que podem trazer essa mensagem adicional. Eis alguns tipos:

- verbos que indicam mudança, continuidade ou término.

Exemplos: João deixou de namorar no domingo para estudar para o vestibular (pressuposto: João namorava todo domingo.)

Mesmo após ter passado no concurso para professor, Maria continua estudando para outros concursos. (pressuposto: Maria estudava antes de passar.)

Embora Carlos tenha tirado zero na prova, continua não estudando. (pressuposto: Carlos não estudava antes da prova.)

O ex-trabalhador da Esegur, Líbano Ferreira, terminou na semana passada a greve de fome que manteve durante mais de duas semanas à porta da sede da empresa de segurança privada, tendo recebido uma oferta de trabalho de outra empresa. (pressuposto: Ex-trabalhador da Esegur ficou sem comer por duas semanas por ter sido demitido.)

- advérbios

Exemplos: Felizmente, a situação está mudando e as empresas estão muito mais seletivas. (pressuposto: o emissor considera a informação boa)

Após uma hora de prova, metade das pessoas já havia saído. (pressuposto: algo aconteceu antes do tempo.)

Mesmo depois de perder peso, ele continua o regime alimentar. (pressuposto: a perda de peso continuará)

Capítulo 9 Professor: Edson

- “que” em orações subordinadas adjetivas

Exemplos: O grupo de estudantes que participou do evento cultural, saiu satisfeito. (pressuposto: há estudantes que não participaram do evento)

Os nerds, que ficam em casa o tempo todo, conseguem melhores notas. (pressuposto: todos os nerds ficam em casa o tempo todo)

O trânsito que peguei na estrada me fez chegar atrasada ao compromisso. (pressuposto: nem sempre o trânsito a faz chegar atrasada)

Esses pressupostos parecem ser óbvios, pois dentro de uma ação comunicativa nós os levamos em conta para entender o enunciado. Todavia, quando vamos analisar um texto ou um argumento que está expresso no texto, normalmente, deixamos de considerá-lo, dificultando assim nossa compreensão. Agora, vejamos a questão dos subentendidos, para em seguida, fazermos uma análise desses argumentos implícitos.

Subentendidos

Você sabe dizer qual é a diferença dos pressupostos e dos subentendidos? Enquanto os pressupostos são as mensagens adicionais que se entendem a partir dos enunciados, os subentendidos são as mensagens “escondidas”, que deverão ser deduzidas pelo receptor mediante seu conhecimento de mundo. Dessa forma, uma vez que há um aspecto de dedução, significa que não necessariamente essa suposição seja verdadeira. Assim, além do aspecto de que o pressuposto está sempre pautado no enunciado e o subentendido na dedução, vemos, também, que a outra diferença será:

os pressupostos são sempre verdadeiros uma vez que ele está inscrito no enunciado; os subentendidos nem sempre serão verdadeiros, pois são parte de uma premissa.

Capítulo 9 Professor: Edson

Talvez, você esteja se perguntando: como assim?

Por conta de sua maior abstração, passemos aos exemplos para uma melhor compreensão.

Suponhamos que eu receba uma visita em minha casa. Ao entrar em casa ela exclama: - Nossa! Está muito calor lá fora! (possível subentendido: a pessoa está com sede)

Perceba que isso pode estar subentendido, mas é impossível provar que a pessoa esteja realmente com sede. Vejamos outro exemplo:

Uma senhora que está em pé no ônibus carregando uma bolsa. Uma pessoa que está sentada olha para ela e diz: - A bolsa da senhora está pesada? (possível subentendido: a pessoa está se oferecendo para carregar a bolsa)

Novamente, esta é apenas uma possibilidade, pois poderemos ter outra como: a pessoa está preocupada com a coluna da senhora.

Assim, podemos dizer que os subentendidos são insinuações, não marcadas linguisticamente, que estão implícitas numa frase ou num conjunto de frases.

Esse assunto requer bastante atenção do leitor, até mesmo porque estamos tão acostumados a deduzir implícitos diariamente que encontramos dificuldade em analisar a sensível barreira que separa os pressupostos e os subentendidos.

Todavia, pode surgir uma pergunta:

Capítulo 9 Professor: Edson

O fato de termos conhecimento deles e sabermos identificá-los nos ajudará muito compreender muitas estratégias argumentativas que estão implícitas num texto e até, em alguns casos, compreender alguns textos, como essa charge a seguir:

Cartum de Quino

Como podemos ver, o efeito de humor deste cartum explora um duplo subentendido. O primeiro é o fato de a personagem masculina ser um cientista. O segundo é o fato de que, até xingando, ele usa os termos científicos. Ao entendermos esse sentido, somos provocados ao riso.

Vejamos, agora, como esses pressupostos e subentendidos se estruturam em um texto.

Reconhecendo os implícitos do texto

Para trabalhar com essa questão, iremos nos apropriar de uma análise feita por Nohad Mouhanna Fernandes http://www.filologia.org.br/ixsenefil/anais/1.htm Leia, primeiramente, com muita atenção o texto a seguir. Depois, procure depreender os significados decorrentes de certas palavras ou expressões nele marcadas discursivamente, assim, você entenderá a posição, alguns argumentos e as ideias em relação ao que se fala. Vamos à leitura.

Qual é a relevância de saber sobre os pressupostos e os subentendidos?

Capítulo 9 Professor: Edson

Pesquisa revela que só 19% usam camisinha

sempre

Um levantamento feito (...) com trabalhadores de 120 empresas de 14 estados revela que o brasileiro ainda está muito mal informado sobre as formas de contágio da Aids. Segundo a pesquisa, 71% dos 4941 entrevistados acreditam que doar sangue transmite a doença, quando, na verdade, o perigo é receber o sangue de alguém que possui o vírus. No tema prevenção, a situação também é preocupante: 96,4% dos pesquisados sabem que o uso do preservativo evita a transmissão da doença, mas, mesmo assim, 47% responderam que nunca usaram preservativo; 18% disseram que usam camisinha às vezes; e 19% afirmaram usá-la (Boa Forma. Ano 12, n° 1, nov. 1997)

“Além das várias informações explícitas, as quais estão presentes na superfície textual, há informações implícitas que devem ser identificadas. Por exemplo: “no título só 19% usam camisinha”, o advérbio só estabelece o implícito de que o número de usuários de camisinha é indesejavelmente baixo entre os pesquisados. Na passagem “o brasileiro ainda está muito mal informado”, o advérbio ainda deixa implícito que a desinformação é um fator negativo, mas provisório, ou seja, há a possibilidade de reverter, de superar essa desinformação. Na sequência “acreditam que doar sangue transmite a doença, quando, na verdade, o perigo é receber o sangue”, percebe-se a oposição entre a falsa crença da informação ao verdadeiro conhecimento do processo de transmissão da doença. Quanto ao advérbio também, na sequência “No tema prevenção, a situação também é preocupante”, instaura o pressuposto de que o que se disse antes sobre a falsa crença de contágio da AIDS também é preocupante, ou seja, acrescenta-se a essa preocupação mais uma preocupação: a que se refere ao tema prevenção da AIDS. Já na passagem “96,4% dos pesquisados sabem que o uso do preservativo evita a transmissão da doença, mas, mesmo assim, 47% responderam que nunca usaram preservativo”, a forma verbal sabem pressupõe que seja verdadeira a sua

Capítulo 9 Professor: Edson completiva, ou seja, a afirmação de que o uso do preservativo evita a transmissão da doença. O primeiro enunciado “os pesquisados sabem que o uso do preservativo evita a transmissão da AIDS” conduz à conclusão de que, então, eles usam preservativos; essa conclusão, no entanto, é refutada pela conjunção adversativa mas, que introduz um argumento contrário a esse implícito, ou seja, eles não usam preservativos. Além disso, percebe-se o uso de mesmo assim reforçando a ideia de que mesmo sabendo que o uso do preservativo é necessário, não o usam.

As expressões acima analisadas, explícitas no texto, permitem depreender os pressupostos, os quais, analisados no seu conjunto, refletem o ponto de vista a partir do qual o texto foi construído, uma vez que divulgado em uma revista que se preocupa com a saúde e bem-estar do leitor. Além de informar sobre a pesquisa, o texto procura advertir sobre a necessidade de se difundir mais os métodos de prevenção da contaminação da AIDS, ou, em outros termos, de se controlar a contaminação da AIDS entre os brasileiros por meio de informações sobre as formas de contágio da doença. Como se vê, por meio das pistas extraídas do texto, o leitor pode, então, compreender os implícitos e garantir um bom nível de leitura e interpretação.” http://www.filologia.org.br/ixsenefil/anais/1.htm

A dedução e a indução são dois tipos de raciocínios lógicos, usados em textos argumentativos, para conduzir a uma conclusão coerente. Estudemos cada um deles.

Dedução O que é dedução?

A dedução é uma forma de argumentar segundo a qual devemos partir do geral para o particular.

Capítulo 9 Professor: Edson

Assim, devemos primeiro criar uma tese geral e depois observar casos particulares, para ver se essa tese geral pode ser considerada verdadeira.

Esse método necessita de criatividade, pois não adiciona nada além do que já é do conhecimento geral, contudo se torna muito útil quando queremos aplicar regras gerais a casos particulares.

Exemplos de dedução:

Todas as árvores desse pomar são pés de manga. Essas árvores são daquele pomar. Logo, essas árvores são mangueiras.

Carlos tem somente como bicho de estimação cachorros. Esse animal é de Carlos. Logo, esse animal é cachorro.

Você deve estar se perguntando: Que coisa óbvia, pra que serve isso?

No entanto, eu pergunto para você: ao elaborarmos um texto, como poderíamos organizá-lo, buscando uma estrutura dedutiva? Você tem alguma ideia? Tomando como modelo um exemplo desenvolvido por Barbosa (2005, 132), em que discute a importância da comunicação para o homem, poderíamos escrever esse texto da seguinte forma:

- No primeiro parágrafo, poderíamos desenvolver a necessidade que os seres vivos têm de se comunicar.

- No segundo parágrafo, falar da necessidade dos animais em estabelecer a comunicação.

Portanto, a dedução parte de uma premissa maior para uma menor.

Capítulo 9 Professor: Edson

- No terceiro, discorrer sobre a necessidade dos povos em relação à comunicação.

- Portanto, no último parágrafo poderíamos concluir que nós, enquanto homens, também temos necessidade de nos comunicar.

Ficou mais claro? Observe que o caminho que percorremos para chegar a essa conclusão foi partir da premissa maior para a menor: desenvolvemos a tese da necessidade dos seres vivos e então de forma particular falamos dos animais, dos povos e por fim da nossa por sermos homens.

Mas, e no texto como isso ficaria? Paulo Freire, em um dos seus textos, desenvolve esse método dedutivo. Leia o texto a seguir e procure identificar como esse método foi estruturado.

Não há vida sem morte, como não há morte sem vida, mas há também uma “morte em vida”. E a “morte em vida” é exatamente a vida proibida de ser vida.

Acreditamos não ser necessário sequer usar dados estatísticos para mostrar quantos, no Brasil e na América Latina em geral, são “mortos em vida”, são “sombras” de gente, homens mulheres, meninos, desesperançados e submetidos a uma permanente “guerra invisível” em que o pouco de vida que lhe resta vai sendo devorada pela tuberculose, pela esquistossomose, pela diarréia infantil, por mil enfermidades da miséria, muitas das quais a alienação chama de “doenças tropicais”.

(FREIRE, Paulo. A Mensagem de Paulo Freire - Teoria e Prática da Libertação: Textos de Paulo Freire selecionados pelo INODEP. Ed.Nova Crítica, Porto, 1977. p 201-202)

(Parte 1 de 2)

Comentários