saude da mulher

saude da mulher

(Parte 1 de 16)

Prefeitura Municipal de Florianópolis

Secretaria Municipal de Saúde Setor de Atenção à Saúde

Florianópolis, julho de 2006

Protocolo de Atenção Integral à Saúde da Mulher2

Prefeitura Municipal de Florianópolis

Secretaria Municipal de Saúde

Setor de Atenção à Saúde Atenção Integral à Saúde da Mulher

Prefeito Dário Elias Berger

Secretário de Saúde de Florianópolis João José Cândido da Silva

Diretora do Departamento de Saúde Pública Selma Loch

Secretário Adjunto Clécio Antônio Espezin

Assessoria de Desenvolvimento Institucional

Leodemar Rodrigues Gerusa Machado Ribeiro

Organização Carin Sara Loeffler

Equipe técnica:

Adriana dos Santos

Andrea Caldeira de Andrada Ferreira

Andre Luis Andrade Justino

Carin Iara Loeffler Daniela Gonçalves

Elizabeth Kessler Becker Elizimara Ferreira Siqueira

Roxana Knobel Ramon Tartari Sonia Maria Polidório Pereira

Protocolo de Atenção Integral à Saúde da Mulher3

Introdução5
Metodologia da assistência em saúde da mulher5
Anamnese e exame clínico básicos em saúde da mulher7
Distúrbios do ciclo menstrual8
Corrimento vaginal1
Vaginose citolítica14
Vaginite Atrófica15
Cervicites15
Dor pélvica16
Dor pélvica aguda16
Dor pélvica crônica19
Incontinência urinária19
Saúde sexual e reprodutiva23
Métodos contraceptivos orais24
Orientação Pré-gestacional26
Consulta pré-natal27
Procedimento para o diagnóstico do diabetes gestacional3
Aferição de Pressão Arterial (PA) e encaminhamento34
Pré-eclâmpsia35
Eclâmpsia36
Transferência e transporte da mulher com eclâmpsia36
Puerpério40
Aleitamento materno43
Climatério43
Propedêutica mínima43
Decisão para o uso da TRH4
Anexo I45

Sumário

consenso 2004 – ministério da saúde – PN DST/AIDS45

Recomendações para profilaxia da tv do hiv e tarv em gestantes – Referências ........................................................................... 47

Protocolo de Atenção Integral à Saúde da Mulher4 Protocolo de Atenção Integral à Saúde da Mulher4

Protocolo de Atenção Integral à Saúde da Mulher5

Introdução

A saúde pública no Brasil recebe atualmente grande incentivo de organização com enfoque na Estratégia de Saúde da Família. As mulheres destacam-se como grupo de grande demanda nos serviços de atenção à saúde. Torna-se cada vez mais importante a sistematização de conhecimentos a fim de melhorar a qualidade da assistência nas Unidades Locais de Saúde (ULS), portas de entrada do Sistema Único de Saúde (SUS).

A criação de protocolos de assistência contribui para racionalização de procedimentos e formação de padrões de qualidade em benefícios das usuárias.

A população feminina em Florianópolis é de 209.775, sendo que 141.583 se encontram entre 10 e 49 anos constituindo o grupo de mulheres em idade fértil. Dentro deste agrupo ainda destaca-se um subgrupo importante de 37.791 adolescentes entre 10 e 19 anos.

Segundo registros de 2004, o município de Florianópolis apresenta uma Taxa de Mortalidade Materna de 20,72 por 100 mil nascidos vivos e um Índice de Gravidez na Adolescência de 18.1%, justificando esforços de implementação e otimização das ações na assistência a este grupo populacional.

Metodologia da assistência em saúde da mulher

O atendimento em Saúde da Mulher exige do profissional uma atenção especial que ultrapassa os limites da especificidade passando por um olhar mais global, com ênfase na prevenção dos agravos e na promoção da saúde integral da mulher, sendo muitas vezes necessário seu encaminhamento para outras especialidades.

A consulta ginecológica muitas vezes é palco onde surgem dúvidas e informações íntimas e importantes para a viabilização da atenção integral á saúde da mulher. Nesse sentido a consulta ginecológica, além do conhecimento técnico e científico, requer empatia, confiança e respeito, garantindo o atendimento humanizado e acolhendo a mulher em todos os períodos de mudanças físicas e emocionais do seu ciclo vital.

Protocolo de Atenção Integral à Saúde da Mulher6

O cuidado à mulher no SUS inicia antes da sua chegada na ULS.

Os Agentes de Saúde (ACS) devem estar atentos e preparados para informá-las e encaminhá-las as ULSs sempre que surgirem questões relativas a sua saúde, de maneira geral e em especial à saúde sexual e reprodutiva.

Chegando na ULS a usuária poderá ser recebida por membro da equipe de saúde ou pelo pessoal da recepção. O acolhimento deverá ser realizado pelos profissionais da equipe de saúde da ULS que farão uma escuta qualificada para identificar a demanda da usuária, encaminhá-la ao serviço ou ao setor específico, aumentando assim a resolubilidade e satisfação.

Os profissionais do acolhimento poderão encaminhar a usuária à recepção para agendamento de consulta ou identificar sua chegada para

Fluxograma 1 – Atendimento à mulher na Unidade Local de Saúde * sinal de alerta depende diretamente da queixa

Apresenta alguma queixa de urgência ou sinal de alerta*?

Encaminhar à Sala de Espera para consulta

Encaminhar à recepção para agendar consulta

Médica ou de Enfermagem

Avaliação da necessidade de pelo profissional do acolhimento

Urgência

Recepção da mulher na Unidade de Saúde

Consulta agendada? Acolhimento

Urgência confirmada

Consulta Médica de urgência

(Parte 1 de 16)

Comentários