Sbpc coleta de sangue

Sbpc coleta de sangue

(Parte 2 de 15)

1.5Atividade Física: o efeito da atividade física sobre alguns componentes sangüíneos, em geral, é transitório e decorre da mobilização de água e outras substâncias entre os diferentes compartimentos corporais, das variações nas necessidades energéticas do metabolismo e da eventual modificação fisiológica que a própria atividade física condiciona. Esta é a razão pela qual se prefere a coleta de amostras com o paciente em condições basais, mais facilmente reprodutíveis e padronizáveis. O esforço físico pode causar aumento da atividade sérica de algumas enzimas, como a creatinoquinase, a aldolase e a aspartato aminotransferase, pelo aumento da liberação celular. Esse aumento pode persistir por 12 a 24 horas após a realização de um exercício. Alterações significativas no grau de atividade física, como ocorrem, por exemplo, nos primeiros dias de uma internação hospitalar ou de imobilização, causam variações importantes na concentração de alguns parâmetros sangüíneos. O uso concomitante de alguns medicamentos, como as estatinas, por exemplo, pode potencializar estas alterações.

1.6Jejum: habitualmente, é preconizado um período de jejum para a coleta de sangue para exames laboratoriais. Os estados pós-prandiais, em geral, causam turbidez do soro, o que pode interferir em algumas metodologias. Nas populações pediátrica e de idosos, o tempo de jejum deve guardar relação com os intervalos de alimentação. Devem ser evitadas coletas de sangue após períodos muito prolongados de jejum, acima de 16 horas. O período de jejum habitual para a coleta de sangue de rotina é de 8 horas, podendo ser reduzido a 4 horas, para a maioria dos exames e, em situações especiais, tratando-se de crianças na primeira infância ou lactentes, pode ser de 1 ou 2 horas apenas.

Após uma coleta de sangue de rotina, qual o intervalo de tempo recomendado para iniciar a prática de um exercício físico ou retorno às atividades habituais?

A coleta de sangue não é procedimento impeditivo ou limitante para a prática de exercício físico. Importante ressaltar que cada caso deve ser avaliado individualmente, ficando a decisão final para o próprio paciente, ou a critério e orientação médica. A ingestão de alimento é necessária para encerrar o estado de jejum, antes da prática esportiva, sob o risco de hipoglicemia durante esta atividade.

tende a ser maior neste grupo etário. Doenças sub-clínicas também são mais comuns nos idosos e precisam ser consideradas na avaliação da variabilidade dos resultados, ainda que as próprias variações biológicas e ambientais não devam ser subestimadas.

1.4Posição: mudança rápida na postura corporal pode causar variações na concentração de alguns componentes séricos. Quando o indivíduo se move da posição supina para a posição ereta, por exemplo, ocorre um afluxo de água e substâncias filtráveis do espaço intravascular para o intersticial. Substâncias não filtráveis, tais como as proteínas de alto peso molecular e os elementos celulares terão sua concentração relativa elevada até que o equilíbrio hídrico se restabeleça. Por essa razão, níveis de albumina, colesterol, triglicérides, hematócrito, hemoglobina, de drogas que se ligam às proteínas e o número de leucócitos, podem ser superestimados. Este aumento pode ser de 8 a 10% da concentração inicial.

1.7Dieta: a dieta a que o indivíduo está submetido, mesmo respeitado o período regulamentar de jejum, pode interferir na concentração de alguns componentes, na dependência das características orgânicas do próprio paciente. Alterações bruscas na dieta, como ocorrem, em geral, nos primeiros dias de uma internação hospitalar, exigem certo tempo para que alguns parâmetros retornem aos níveis basais.

A ingestão de café é permitida antes da coleta?

Não. A cafeína pode induzir a liberação de epinefrina, que estimula a neoglicogênese, com conseqüente elevação da glicose no sangue. Além disto pode elevar a atividade da renina plasmática e a concentração de catecolaminas.

- 1 -

1.9Aplicação do Torniquete: ao se aplicar o torniquete por um tempo de 1 a 2 minutos, ocorre aumento da pressão intravascular no território venoso, facilitando a saída de líquido e de moléculas pequenas para o espaço intersticial, resultando em hemoconcentração relativa. Se o torniquete permanecer por mais tempo, a estase venosa fará com que alterações metabólicas, tais como glicólise anaeróbica elevem a concentração de lactato, com redução do pH.

1.10Procedimentos Diagnósticos e/ou Terapêuticos: como outras causas de variações dos resultados dos exames laboratoriais, devem ser lembrados alguns procedimentos diagnósticos (a administração de contrastes para exames radiológicos ou tomográficos, a realização de toque retal, de eletroneuromiografia) e alguns procedimentos terapêuticos, como: hemodiálise, diálise peritoneal, cirurgias, transfusão sangüínea e infusão de fármacos.

O fumo é permitido antes da coleta?

Não. O fumo pode elevar a concentração dos ácidos graxos, da adrenalina, do glicerol livre, da aldosterona, do cortisol, entre outros.

1.8Uso de Fármacos e Drogas de Abuso: este é um item amplo e inclui tanto a administração de substâncias com finalidades terapêuticas como as utilizadas para fins recreacionais. Ambos podem causar variações nos resultados de exames laboratoriais, seja pelo próprio efeito fisiológico in vivo ou por interferência analítica, in vitro. Dentre os efeitos fisiológicos devem ser citados a indução e a inibição enzimáticas, a competição metabólica e a ação farmacológica. Dos efeitos analíticos são importantes a possibilidade de ligação preferencial às proteínas e eventuais reações cruzadas. Alguns exemplos são mostrados no quadro 1.

Pela freqüência, vale referir o álcool e o fumo. Mesmo o consumo esporádico de etanol pode causar alterações significativas e quase imediatas na concentração plasmática de glicose, de ácido láctico e de triglicérides, por exemplo. O uso crônico é responsável pela elevação da atividade da gama glutamiltransferase, entre outras alterações.

O tabagismo é causa de elevação na concentração de hemoglobina, no número de leucócitos e de hemácias e no volume corpuscular médio; redução na concentração de HDL-colesterol e elevação de outras substâncias como adrenalina, aldosterona, antígeno carcinoembriônico e cortisol.

Indução enzimática Fenitoína Gama-GT Eleva Inibição enzimática Alopurinol Ácido úrico Reduz Inibição enzimática Ciclofosfamida Colinesterase Reduz Competição Novobiocina Bilirrubina indireta Eleva Aumento do transportadorAnticoncepcional oralCeruloplasmina cobreEleva Reação cruzada Espironolactona Digoxina Elevação aparente Reação química Cefalotina Creatinina Elevação aparente Hemoglobina atípica Salicilato Hemoglobina glicada Elevação aparente Metabolismo 4-OH- propranolol Bilirrubina Elevação aparente

MECANISMO FÁRMACO PARÂMETRO EFEITO EXEMPLOS DE INTERFERÊNCIAS LABORATORIAIS GERADAS POR ALGUNS FÁRMACOSQUADRO 1:

1.11Infusão de Fármacos: é importante lembrar que a coleta de sangue deve ser realizada sempre em local distante da instalação do cateter. Mesmo realizando a coleta noutro local, se possível, deve-se aguardar pelo menos uma hora após o final da infusão para a realização da coleta.

- 12 -

1.13Hemólise: hemólise leve tem pouco efeito sobre a maioria dos exames, mas se for de intensidade significativa causa aumento na atividade plasmática de algumas enzimas, como aldolase, aspartato aminotransferase, fosfatase alcalina, desidrogenase láctica e nas dosagens de potássio, magnésio e fosfato. A hemólise pode ser responsável por resultados falsamente reduzidos de insulina, dentre outros.

1.14Lipemia: também pode interferir na realização de exames que usam metodologias colorimétricas ou turbidimétricas. A elevação significativa dos níveis de triglicérides pode ocorrer apenas no período pós-prandial ou de forma contínua, nos pacientes portadores de algumas dislipidemias e faz com que o aspecto do soro ou do plasma se altere, de límpido para algum grau variado de turbidez, podendo chegar a ser leitoso. Uma vez que amostras normais colhidas dentro das especificações de jejum apresentam-se sem turvação, a observação de turbidez tem relevância clínica e deve ser avaliada e relatada pelo laboratório. Ela pode ser resultado da presença de hipertrigliceridemia, ou do aumento nos quilomícrons, nas lipoproteínas (VLDL- colesterol), ou de ambos.

Diferentes graus de Hemólise

1.12Gel Separador: algumas vezes, o sangue é colhido em tubos contendo uma substância gelatinosa com a finalidade de funcionar como barreira física entre as hemácias e o plasma ou soro, após a centrifugação. Este gel é um polímero com densidade específica de 1,040 contendo um acelerador da coagulação e pode, eventualmente, liberar partículas que interferem com eletrodos seletivos e membranas de diálise. Em alguns casos, pode causar variação no volume da amostra e interferir em determinadas dosagens.

Considerando que a composição deste gel varia entre os diferentes fornecedores, é recomendável consultar o fabricante sobre a existência de estudos bem conduzidos demonstrando ou excluindo possíveis limitações e interferências.

Diferentes graus de Lipemia

- 13 -

2.4Equipamentos e Acessórios

Recomenda-se que o paciente seja acomodado numa cadeira ou poltrona confortável, que permita a regulagem da altura do braço, evitando o desconforto do flebotomista.

Armários fixos ou móveis são úteis para organizar o armazenamento dos materiais de coleta e facilitar o acesso.

É recomendável disponibilizar equipamentos e medicamentos para eventuais situações de emergência. Os procedimentos intervencionistas de emergência, o manuseio de equipamentos médico-hospitalares e o uso de medicamentos, necessariamente devem ser realizados por profissional devidamente habilitado.

2.2Área Física da Cabine de Coleta

A cabine de coleta adequada, também denominada “box de coleta”, necessita de espaço suficiente para instalação de uma cadeira ou poltrona, um local para armazenamento dos materiais de coleta e um dispositivo para a higienização das mãos (álcool gel, lavatório ou similares) internamente ou próximo à cabine. As dimensões da cabine de coleta necessitam garantir a livre movimentação do paciente e do flebotomista, possibilitando um bom atendimento.

É recomendável ter um local com uma maca disponível, para caso de necessidade.

2.3 Infra-Estrutura

Recomendam-se alguns itens referentes à infra-estrutura da cabine de coleta: •Pisos impermeáveis, laváveis e resistentes às soluções desinfetantes.

•Paredes lisas e resistentes ou divisórias constituídas de materiais lisos, duráveis, impermeáveis, laváveis e resistentes às soluções desinfetantes.

•Dispositivos de ventilação ambiental eficazes, naturais ou artificiais, de modo a garantir conforto ao paciente e ao flebotomista.

•Iluminação que propicie a perfeita visualização e manuseio seguro dos dispositivos de coleta.

•Portas e corredores com dimensões que permitam a passagem de cadeiras de rodas, macas e o livre trânsito dos portadores de necessidades especiais.

2.Instalações e Infra-Estrutura Física do Local de Coleta

As recomendações aqui descritas têm por finalidade caracterizar os requisitos mínimos de instalação e infra-estrutura, visando a garantia do conforto e segurança dos clientes e da equipe do laboratório. Eventualmente, as descrições podem não contemplar na íntegra, todos os requisitos legais exigidos pelos órgãos competentes de sua cidade ou estado.

É fundamental uma consulta à legislação local aplicável para o cumprimento das exigências previstas pela vigilância sanitária local.

2.1Recepção e Sala de Espera

É recomendável que o laboratório clínico possua, pelo menos, uma sala de espera para pacientes e acompanhantes. Esta área pode ser compartilhada com as outras unidades diagnósticas, sendo necessária a instalação de sanitários para clientes e acompanhantes.

2.5Conservação e Limpeza das Instalações

Recomendam-se que as rotinas de limpeza e higienização das instalações sejam orientadas por profissional capacitado para esta atividade ou por uma Comissão de Controle de Infecção Hospitalar, quando aplicável. É indispensável que sejam tomadas medidas preventivas para eliminação de insetos e roedores.

- 14 -

3.1.1 Para um paciente adulto e consciente -pedir que forneça nome completo, documento de identidade, ou data de nascimento.

(Parte 2 de 15)

Comentários