Apostila de logistica

Apostila de logistica

(Parte 1 de 6)

45

UNIC – Universidade de Cuiabá

Programa de

Expansão

Universitária

LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO

Profª. Rosângela Dantas

O ambiente altamente concorrente, aliado ao fenômeno cada vez mais amplo da globalização dos mercados com as perspectivas do MERCOSUL, exige das empresas maior competitividade e melhores performances.

Neste universo de crescentes exigências em termos de produtividades e de qualidade do serviço oferecido aos clientes, a logística assume papel fundamental entre as atividades da empresa.

Cientes dessa realidade e sensíveis as suas necessidades de aprimorar sua qualificação para um melhor desempenho no mercado, o Instituto de desenvolvimento, assistência Técnica e Qualidade em transportes e a Diretoria de Tecnologia Educacional e Educação a Distancia desenvolveram este curso de Logística. Através dele, você poderá ampliar os seus conhecimentos sobre a área de logística à realidade do transporte rodoviário de cargas adquirindo informações, formalizando-se com as técnicas e procedimentos mais eficientes para a otimização do processo do desempenho da sua empresa estabelecimento frente ao mercado de serviços em transporte.

O modelo de ensino que utilizaremos nesse curso é a ABP Aprendizagem Baseada em Problemas. Como o próprio nome indica, a ABP é uma metodologia, onde apreender um novo conceito significa confrontar-se com um problema pratico usando as informações e orientações contidas no material de estudo (em nosso caso apostilas e vídeo aulas) como referência para a construção de soluções.

No modelo ABP, o aluno é responsável por seu aprendizado e isso inclui a organização de seu tempo e a busca de oportunidade para aprender. Assim sendo, ai buscar as soluções para os problemas, você deve usar toda a sua experiência e conhecimento prévio, integrandos aos novos conceitos apresentados pelos especialistas que preparam o curso. Ao final do trabalho, você perceberá não somente quantos conceitos teóricos novos você aprendeu, mas também quantas alternativas práticas pra solução dos problemas cotidianos de trabalho podem ser viabilizados por meio da integração desses conceitos.

Desenvolvemos esse curso pensando no profissional que procura a melhoria na qualidade de seus serviços, o aumento da produtividade, a redução de custos, a modernização e o desenvolvimento tecnológico para a sua empresa. Você é o nosso melhor referencial.

Faça o melhor que puder e esteja certo de que ao final você não será o único a perceber o seu crescimento como profissional

CAPÍTULO 1

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS DO MERCADO DE TRANSPORTE DE CARGAS COM ENFOQUE LOGÍSTICO

    1. Introdução

As mudanças ocorridas no ambiente empresarial com a globalização exigiram adequações nas formas de trabalho das empresas. Foi assim que de um modelo de produtividade passou-se a um modelo de competitividade para o gerenciamento empresarial, trocando-se o paradigma do “culto à quantidade” pelo “culto ao serviço ao cliente”.

De um modelo de produtividade a um modelo de competitividade para o gerenciamento empresarial

Uma das ferramentas empregadas pelas empresas dos diferentes setores para o sucesso no ambiente de globalização cada vez mais competitivo tem sido a logística. Graças a ela consegue-se oferecer um adequado nível de serviço ao cliente, com custos totais baixos. Assim, as empresas que adotam este enfoque de trabalho conseguem arrumar mais facilmente seu espaço nesse ambiente totalmente concorrência.

O setor de transporte não é exceção. Quem acompanha as tendências do mercado sabe que a Logística tem o papel fundamental para se obter vantagens competitivas, ou seja, ter sucesso naquilo que se realiza.

As empresas que sempre ficaram em cima do muro esperando as coisas acontecerem estão, com certeza, perdendo clientes. Por isso, já esta mais do que na hora de essas empresas, absorverem o conhecimento disponível sobre logística visando alcançar seus próprios negócios.

É propósito do curso que se inicia esta aula recomendações que permitam a você auxiliar a sua empresa de transporte rodoviário de cargas a se inserir com grande eficiência numa cadeia logística onde trabalham de maneira integrada outras organizações (embarcadores, clientes, consumidores).

O ponto de partida para adotar o enfoque logístico é a identificação e conhecimento do ambiente onde esta inserida a organização. Por isso, a presente aula dedica-se à caracterização do ambiente empresarial no qual estão inseridas as empresas transportadoras de cargas rodoviárias e à identificação dos impactos da globalização econômica sobre os mercados que devem atender as ditas empresas.

1.2 Características do ambiente das empresas de cargas

O ambiente empresarial é formado, fundamentalmente, pelo conjunto de regulamentações, infra-estrutura, organização (públicas e privadas) e clientes que se relacionam com a empresa de transporte rodoviário de cargas. Os concorrentes fazem parte desse ambiente.

Os clientes estabelecem as características da demanda pelos serviços de transporte.

Um dos elementos principais do ambiente são os clientes, pois são eles que estabelecem as características da demanda pelos serviços de transporte.

Analisemos o seguinte caso:

ESTUDO DE CASO

Um Distribuidor de Bebidas

Um distribuidor de bebidas (cerveja e vários tipos de refrigerantes) com sede em Carnavolândia atende seus clientes (bares, supermercados, armazéns) através da venda direta. Este sistema de vendas supõem que um caminhão do distribuidor, que mantém frota própria, passe, periodicamente, em todos os seus clientes para ver quais produtos estes necessitam e assim, entrega-os diretamente.

Devido a grande extensão de rede de distribuição e a incerteza com relação a demanda, o sistema de vendas utilizando provoca alguns problemas de distribuição a este fornecedor de bebidas. Entre os principais problemas destacam-se:

Dificuldade de se controlar o estoque do distribuidor devido à incerteza com relação à demanda dos produtos. Em algumas situações existem estoques sem excesso e em outras ocasiões faltam produtos para entregar aos clientes. Possibilidade de o caminhão partir do deposito com um mix de produtos (a empresa distribui mais de 20 marcas de bebidas) e esgotar alguns destes produtos no primeiro cliente e, por outro lado, há a possibilidade concreta de que algum produto volte para o deposito sem que qualquer cliente o tenha comprado.

Em outras palavras, existe uma dificuldade muito grande em se determinar o mix de produtos que o caminhão levará somente com base no histórico das vendas passadas dos clientes. Parte da frota de caminhões fica ociosa em algumas épocas enquanto em outras estações do ano todos os veículos são utilizados devido às flutuações da demanda por bebidas ao longo do ano.

Os veículos realizam roteiros completamente aleatórios para atendimentos dos clientes. Desta forma, há um gasto excesso e desnecessário com transportes, pois em muitas ocasiões vários clientes não desejam produtos de qualquer maneira. Assim, os caminhões percorrem distancias maiores e gastam mais tempo do que seria necessário para atender a clientela.

Aplicando a sua.......

com base na sua experiência pratica, que sugestões você daria para mudar o sistema de vendas desse distribuidor de bebidas, sanando ou reduzindo s problemas logísticos citados e melhorar a quantidade dos serviços aos clientes.

Pegue uma folha de papel em branco e anote suas idéias, quando terminar, retome ao texto e vamos estudar alguns conceitos que vão lhe ajudar a encontrar a melhor solução para esse caso.

CONSTRUINDO SOLUÇÕES

Os problemas dessa empresa estão relacionados aos conceitos de integração das atividades logísticas, de existência de atividades primarias e de apoio, de compensação de custos de custo total e sistema total.

Vamos ver se o que são esses conceitos

1.2.1 Evolução da demanda de transporte

Já vai longe o tempo em que a maioria das empresas encarava a distribuição de produtos com um elemento incontrolável do processo logístico. Quando as modalidades de transportes eram altamente regulamentadas pelo próprio mercado, as transportadoras forneciam serviços relativamente uniformes e com tarifas parecidas.

No entanto, a década de 80 mudou este quadro. Com a desregulamentação de vários setores da economia, dentre eles o transporte rodoviário nos Estados Unidos, desencadearam-se novas forças de mercado que proporcionaram o oferecimento de serviços de transportes inovadores a taxas muito diferenciadas entre empresas, criando no setor um ambiente bem mais competitivo.

Por outro lado, as próprias características da evolução do mercado geral de cargas estabeleceram a necessidade de se fornecer uma maior variedade de itens. Em outras palavras, o processo de diversificação da demanda incrementou-se violentamente.

1.3 Impactos da globalização sobre o transporte rodoviário de cargas

A globalização dos mercados, processo de aceleração capitalista em que a empresa compra matéria-prima no lugar em que ela é mais barata e melhor, instala suas unidades fabris onde a mão-de-obra é mais barata, e vende a mercadoria para onde houver demanda no mundo inteiro, cada vez mais impõe um aperfeiçoamento dos meios de transporte e de comunicação para que seja possível deslocar bens de um local a outro em grandes quantidades, grandes distancias e com velocidades elevada.

Atualmente, devido ao avanço tecnológico dos transportes e das comunicações, as distancias se tornaram irrelevantes para os negócios empresariais. As economias nacionais cedem espaços para blocos regionais de livre comercio e circulação de bens, e a economia global se interconecta cada vez mais.

A crescente necessidade de trocas entre países e continentes favoreceu a advento de blocos econômicos tais como Mercosul, o Nafta, o Mercado Comum Europeu, etc. Dentro desta nova configuração econômica, os transportes terão um papel preponderante, pois são eles que possibilitam a motivação dos bens e serviços de um espaço geográfico a outro com a velocidade exigida.

Neste sentido, as exigências por serviços de transportes e aumentarão, uma vez que, com o processo de globalização, precisar-se-á vencer maiores distancias em função do aumento da extensão dos mercados.

Do mesmo modo, deve-ser á transportar volumes ainda maiores de produtos e com cargas bem mais heterogêneas do que o que vinha ocorrendo até agora. É valido ressaltar também que a maior possibilidade de se encontrar produtos de melhor qualidade e com muito mais variedades desperta nos consumidores um nível de exigências nunca antes experimentado.

Para que tudo isto possa ser viabilizado, é necessário que as empresa de transportes se preparem e se adaptem às novas exigências logísticas, dando aos serviços de transportes maior velocidade nas entregas, tornando o serviço mais flexível e utilizando de forma crescente e irreversível a inter-modalidade.

1.3.1 Confiabilidade do serviço de transporte

A confiabilidade do serviço de transporte é fator essencial para o embaçador no momento em que este seleciona o transporte que o interligará aos seus clientes. Ela representa um critério primordial do processo de escolha de um transportador.

Dentre os novos serviços logísticos exigidos pelos mercados mais amplos e mais concorrências, derivados da globalização, está o transporte mais confiável.

Hoje os clientes exigem que os fornecedores lhes entreguem maus freqüentemente, em menores quantidades e com maior variedade de produtos. Outras exigências dos clientes são uma maior rapidez na entrega das mercadorias e uma confiabilidade das mesmas.

Os clientes exigem mais freqüentes, em menores quantidades e com maior variedade de produtos.

Todo este panorama do mercado geral de cargas estabeleceu determinadas necessidades adicionais de transportes, com novas exigências. Assim os embarcadores apresentam-se cada vez mais ávidos por serviços de qualidade, querem mais agilidade do transportador para abastecer os seus clientes e exigem preços competitivos. Além do que, estão comprometidos com seus clientes em torno de determinadas metas e objetivos de serviços e, por isso exigem que as transportadoras sejam vistas pelos seus clientes como uma extensão das próprias empresas. Isto em conseqüências diretas sobre a maneira de trabalho do transportador, uma vez que ele terá que se adaptar ás solicitações dos embarcadores e seus clientes sob pena de perder parcelas de mercado para os concorrentes.

Transi tpoints: os transportes trabalhando em completa integração com os embarcadores.

Outra característica deste mercado é que o embarcador (cliente direto da transportadora) como seu cliente (o comprador da mercadoria) necessita trabalhar com estoques mínimos, precisando, em conseqüência, de um transporte rápido e confiável entre ambos os pontos de cadeia.

Em algumas ocasiões, o transportador vê-se obrigado a extrapolar a idéia de que ele é exclusivamente um prestador de serviços de transporte. Para se manter no mercado, ele completa o transporte com a oferta de serviços logísticos adicionais aos seus clientes de maneira a se diferenciar pelo nível de serviço prestado dos seus concorrentes. Assim, é cada vez mais freqüente encontrar transportadores que ofereçam aos seus clientes serviços logísticos de armazenagem, de controle de estoques, criando seus próprios terminais de distribuição e consolidação de cargas (transi tpoint). Desta forma, os transportadores assumem algumas tarefas logísticas que antes eram de responsabilidade dos embarcadores e passam a trabalhar em completa integração com estes últimos.

Algumas vezes estes serviços adicionais são oferecidos sem que se cobre nenhuma taxa adicional sobre o serviço de transporte.

É valido ressaltar que as empresas que se preparam para este novo ambiente no transporte de cargas, estabelecendo relações mais próximas com seus clientes, estarão, sem sombra de duvidas, estabelecendo vantagens competitivas em relação a seus concorrentes.

Confiabilidade: a mercadoria certa, em perfeitas condições, no prazo fixado para maior preço.

Esta confiabilidade do serviço pode ser traduzida pela necessidade de se entregar ao cliente a mercadoria certa, atendendo ao pedido com 100% de exatidão. Ela também envolve o recebimento da mercadoria intacta, sem danos e avarias, razão pelo qual o transportador deve zelar pelo produto que ele transporta, adaptando seus caminhões as particularidades da carga. Além disso, a confiabilidade do serviço diz respeito ao instante certo da entrega, ou seja, aos prazos fixados para a entrega que devem ser rigorosamente cumpridos.

NA PRÁTICA

Estamos falando de confiabilidade. Veja só estes exemplos:

A transportadora TNT Brasil utiliza os serviços de outra transportadora para levar produtos de São Paulo para a região Centro-Oeste. Este esquema de terceirização dos serviços de transportes visa imprimir maior confiabilidade ao transporte através do emprego de uma empresa local que aumenta a regularidade de suas entregas na região.

(Parte 1 de 6)

Comentários