Mecânica 1. O GREF - Grupo de Reelaboração do Ensino de Física

Mecânica 1. O GREF - Grupo de Reelaboração do Ensino de Física

(Parte 1 de 13)

versªo pr eliminar

1. Física, eu? 2. Pondo as coisas no lugar 3. Coisas que se deslocam 4. Conservaçªo dos movimentos 5. Trombadas

6. Trombadas ainda piores 7. Como empurrar um planeta 8. Coisas que giram 9. Os giros tambØm se conservam 10. Gente que gira leituras de física GREF para ler, fazer e pensar MEC´NICA

Leituras de Física Ø uma publicaçªo do

GREF - Grupo de Reelaboraçªo do Ensino de Física Instituto de Física da USP

Anna Cecília Copelli Carlos Toscano Dorival Rodrigues Teixeira Isilda Sampaio Silva Jairo Alves Pereira Joªo Martins Luís Carlos de Menezes (coordenador) Luís Paulo de Carvalho Piassi Suely Baldin Pelaes Wilton da Silva Dias Yassuko Hosoume (coordenadora)

ILUSTRA˙ÕES: Fernando Chuí de Menezes

MÆrio Kano

GREF - Instituto de Física da USP rua do Matªo, travessa R, 187 Edifício Principal, Ala 2, sala 305 05508-900 Sªo Paulo - SP fone: (011) 818-7011fax:(011) 818-7057 financiamento e apoio: ConvŒnio USP/MEC-FNDE

Sub-programa de educaçªo para as CiŒncias (CAPES-MEC) FAPESP / MEC - Programa Pró-CiŒncia Secretaria da Educaçªo do Estado de Sªo Paulo - CENP

A reproduçªo deste material Ø permitida, desde que observadas as seguintes condiçıes: 1. Esta pÆgina deve estar presente em todas as cópias impressas ou eletrônicas. 2. Nenhuma alteraçªo, exclusªo ou acrØscimo de qualquer espØcie podem ser efetuados no material. 3. As cópias impressas ou eletrônicas nªo podem ser utilizadas com fins comerciais de qualquer espØcie.

junho de 1998

A Física estÆ aí perto de vocŒ, à sua volta.

Nessa primeira leitura, iremos enxergÆ-la .

Física, eu?

assim nasce um físico

Laerte. Anabel Lee. Folha de S. Paulo, 04/04/93

Física, eu?

brinquedos do berço, destruir os enfeites da casaPode

Desde que vocŒ nasceu começou a aprender uma infinidade de coisas: segurar a mamadeira, derrubar os parecer que nªo, mas essas atividades tªo edificantes eram o início do seu aprendizado de física.

na corda bamba

Com o tempo, vocŒ passou a executar tarefas mais complicadas, tais como atravessar uma rua movimentada, tomar sopa, enfiar linha na agulha e quem sabe atØ andar

E assim sua mente teve que construir uma verdadeira física prÆtica . VocŒ faz uso dessa "física" quando joga bola, anda de bicicleta, aperta um parafuso: sªo coisas ligadas a uma parte da física chamada Mecânica. Da mesma maneira, coisas ligadas à sua visªo fazem parte de um ramo chamado Óptica, enquanto a sensaçªo de frio e calor faz parte da Física TØrmica. O Eletromagnetismo Ø uma outra parte da física que estÆ relacionada ao uso de aparelhos elØtricos em geral. Vamos discutir um pouco mais cada uma delas:

Tudo o que envolve movimento, força e equilíbrio relaciona-se à Mecânica.Estªo ligadas à ela, entre outras, as atividades de pedreiros, marceneiros e motoristas. Ela tambØm estÆ presente nas mÆquinas e ferramentas, no treinamento esportivo, nas construçıes e em muitas outras coisas.

Coisas que estªo ligadas ao calor e à temperatura, como um fogªo, uma geladeira ou um automóvel estªo relacionados à Física TØrmica. Um cozinheiro, um padeiro, um tØcnico de refrigeraçªo e um mecânico tŒm muito contato com essa parte da física.

Física TØrmica

Mecânica

Óptica

A Óptica estuda os fenômenos luminosos. Faz parte dela o estudo de lentes e instrumentos ópticos, das cores, da fotografia e muitas outras coisas. Vitrinistas, oculistas, pintores sªo exemplos de pessoas que lidam diretamente com a Óptica.

Eletromagnetismo

De aparelhos elØtricos e eletrônicos atØ os raios que ocorrem em tempestades, Ø difícil imaginar uma atividade hoje em dia que nªo envolva o Eletromagnestismo. Em qualquer lugar as pessoas convivem com aparelhos elØtricos e precisam aprender a usÆ-los. Eletricistas e tØcnicos de rÆdio e TV, estªo entre os profissionais que necessitam de um maior conhecimento dessa Ærea.

Este livro serÆ dedicado ao estudo da Mecânica. Para uma primeira compreensªo do significado desse ramo da física, um dicionÆrio pode nos ajudar.

Se vocŒ procurar no dicionÆrio a palavra Mecânica encontrarÆ a seguinte definiçªo:

Mecânica. [Do gr. mechaniké,' a arte de construir uma máquina', pelo lat. mechanica.] S. f. 1. Ciência que investiga os movimentos e as forças que os provocam. 2. Obra, atividade ou teoria que trata de tal ciência: a mecânica de Laplace. 3. O conjunto das leis do movimento. 4. Estrutura e funcionamento orgânicos; mecanismo: a mecânica do aparelho digestivo; a mecânica do relógio. 5. Aplicação prática dos princípios de uma arte ou ciência. 6. Tratado ou compêndio de mecânica. 7. Exemplar de um desses tratados ou compêndios. 8. Fig. Combinação de meios, de recursos; mecanismo: a mecânica política.

Novo dicionÆrio da língua portuguesa. AurØlio Buarque de Hollanda Ferreira.

Tente lembrar de coisas ou situaçıes que vocŒ conhece e que estªo relacionadas à Mecânica

Pela definiçªo do dicionÆrio, percebemos que Mecânica pode ser muita coisa. E realmente Ø. Na figura que abre este capítulo, podemos visualizar muitas coisas e situaçıes ligadas a essa parte da física. Da mesma forma, se pensarmos nas coisas que vocŒ usa, faz ou conhece tambØm encontraremos muitas outras ligaçıes com a Mecânica.

A nataçªo Ø um esporte que tem evoluído bastante em suas tØcnicas ao longo dos anos.O estudo da propulsªo, da sustentaçªo e da resistŒncia da Ægua tem trazido soluçıes para aumentar a velocidade dos nadadores.

A velocidade do nadador

A velocidade do nadador depende do comprimento de sua braçada, que Ø a distância percorrida pelo braço dentro da Ægua, e da freqüŒncia da braçada, que Ø o nœmero de braçadas que ele dÆ por minuto. Aumentando uma delas, a outra diminui. Ele tem que conseguir balancear as duas coisas para obter o melhor resultado, dentro de cada estilo.

Propulsªo e resistŒncia

A força de propulsªo de um nadador depende do estilo de nado. No nado de peito, ela vem basicamente do movimento de pernas. No crawl os braços sªo a maior fonte de propulsªo, enquanto no nado borboleta vem igualmente dos dois.

A Ægua dificulta o movimento atravØs da força de resistŒncia, podendo segurar mais ou menos o nadador dependendo da posiçªo das mªos e da forma como ele bate as pernas. A posiçªo da cabeça e do corpo tambØm influem bastante.

a mecânica nos esportes basquete nataçªo atletismo

O basquete Ø um dos esportes mais populares atualmente. A prÆtica deste esporte envolve tØcnicas que, em boa parte, podem ser aprimoradas com o auxílio da Mecânica. Vamos ver algumas delas.

Passe

Um jogador tem que passar a bola para seu companheiro de equipe antes que um adversÆrio possa interceptÆ-la. Para que a bola atinja a velocidade necessÆria o atleta deve usar as forças de que pode dispor mais rapidamente: flexªo dos dedos e punhos e extensªo dos cotovelos. Forças maiores como as do tronco e das pernas sªo mais lentas, devendo ser usadas principalmente em passes longos.

Arremesso

O arremesso ao cesto Ø semelhante ao passe, mas envolve fatores ligados à trajetória da bola: altura, velocidade, ângulo de soltura e resistŒncia do ar. Dependo da distância ao cesto, o jogador deve combinar a velocidade e ângulo de lançamento, para fazer a cesta. A possibilidade de acerto tambØm varia de acordo com o ângulo que a bola se aproxima da cesta.

Um jogador precisa treinar e estar atento a tudo isso se quiser ser um bom arremessador

Dos esportes olímpicos, o mais popular Ø sem dœvida a corrida. Desde a roupa e os calçados atØ as características físicas do atleta influem nos resultados obtidos nessa modalidade.

O comprimento das passadas

(Parte 1 de 13)

Comentários